Um bronco, este Corbyn

No meio do discurso que tinha preparado, Jeremy Corbyn disse que “os nossos amigos judeus têm a mesma responsabilidade sobre as acções de Israel e do Governo de Netanyahu que os nossos amigos muçulmanos têm sobre [as acções] de organizações inspiradas em vários Estados islâmicos”. A comparação caiu como uma bomba, e obrigou os assessores do líder trabalhista a disparar explicações e correcções imediatas, para esclarecer que Corbyn não tinha comparado o Governo legitimamente eleito de Israel a uma organização terrorista como o Estado islâmico – aparentemente, a referência era a Estados de “carácter islâmico” como por exemplo a Arábia Saudita, o Paquistão ou o Irão.


Mais um dia, mais uma dor de cabeça para Jeremy Corbyn

40 thoughts on “Um bronco, este Corbyn”

  1. Para começo de conversa, a lista de resoluções do Conselho de Segurança da ONU (sem contar as da Assembleia Geral) a condenar acções do Estado bandido, país ladrão que dá pelo nome de Israel, que beneficia do apoio entusiástico (com raras excepções) da maior parte dos judeus, nomeadamente britânicos, já atingia, em 2009, a bonita soma de 79–SETENTA E NOVE–79. Por muito menos do que isso foram bombardeados e reduzidos as escombros a Sérvia, a Líbia, o Iraque, o Afeganistão e outros felizardos.

    Para continuação de conversa, toma lá um cheirinho das primeiras 25 (até 1970), copypastadas daqui, onde podes degustar o resto:
    http://www.foreignpolicyjournal.com/2010/01/27/rogue-state-israeli-violations-of-u-n-security-council-resolutions/view-all/

    “ESSAYS – PALESTINE
    ROGUE STATE: ISRAELI VIOLATIONS OF U.N. SECURITY COUNCIL RESOLUTIONS
    by Jeremy R. Hammond,
    January 27, 2010
    UN Security Council resolutions directly critical of Israel for violations of its Charter obligations and international law

    Following is a list of United Nations Security Council resolutions directly critical of Israel for violations of U.N. Security Council resolutions, the U.N. Charter, the Geneva Conventions, international terrorism, or other violations of international law.

    Res. 57 (Sep. 18, 1948) – Expresses deep shock at the assassination of the U.N. Mediator in Palestine, Count Folke Bernadotte, by Zionist terrorists.

    Res. 89 (Nov. 17, 1950) – Requests that attention be given to the expulsion of “thousands of Palestine Arabs” and calls upon concerned governments to take no further action “involving the transfer of persons across international frontiers or armistice lines”, and notes that Israel announced that it would withdraw to the armistice lines.

    Res. 93 (May 18, 1951) – Finds that Israeli airstrikes on Syria on April 5, 1951 constitutes “a violation of the cease-fire”, and decides that Arab civilians expelled from the demilitarized zone by Israel should be allowed to return.

    Res. 100 (Oct. 27, 1953) – Notes that Israel had said it would stop work it started in the demilitarized zone on September 2, 1953.

    Res. 101 (Nov. 24, 1953) – Finds Israel’s attack on Qibya, Jordan on October 14-15, 1953 to be a violation of the cease-fire and “Expresses the strongest censure of that action”.

    Res. 106 (Mar. 29, 1955) – Condemns Israel’s attack on Egyptian forces in the Gaza Strip on February 28, 1955.

    Res. 111 (Jan. 19, 1956) – Condemns Israel’s attack on Syria on December 11, 1955 as “a flagrant violation of the cease-fire” and armistice agreement.

    Res. 119 (Oct. 31, 1956) – Considers that “a grave situation has been created” by the attack against Egypt by the forces of Britain, France, and Israel.

    Res. 171 (Apr. 9, 1962) – Reaffirms resolution 111 and determines that Israel’s attack on Syria on March 16-17, 1962 “constitutes a flagrant violation of that resolution”.

    Res. 228 (Nov. 25, 1966) – “Deplores the loss of life and heavy damage to property resulting from the action” by Israel in the southern Hebron area on November 13, 1966, and “Censures Israel for this large-scale military action in violation of the United Nations Charter” and the armistice agreement between Israel and Jordan.

    Res. 237 (Jun. 14, 1967) – Calls on Israel “to ensure the safety, welfare and security of the inhabitants where military operations have taken place” during the war launched by Israel on June 5, 1967 “and to facilitate the return of those inhabitants who have fled the areas since the outbreak of hostilities”.

    Res. 242 (Nov. 22, 1967) – Emphasizes “the inadmissibility of the acquisition of territory by war”, emphasizes that member states have a commitment to abide by the U.N. Charter, and calls for the “Withdrawal of Israeli armed forces from territories occupied” during the June 1967 war.

    Res. 248 (Mar. 24, 1968) – Observes that the Israeli attack on Jordan “was of a large-scale and carefully planned nature”, “Deplores the loss of life and heavy damage to property”, “Condemns the military action launched by Israel in flagrant violation of the United Nations Charter and the cease-fire resolutions”, and “Calls upon Israel to desist from” further violations of resolution 237.

    Res. 250 (Apr. 27, 1968) – Considers “that the holding of a military parade in Jerusalem will aggravate tensions in the area and have an adverse effect on a peaceful settlement of the problems in the area” and “Calls upon Israel to refrain from holding the military parade in Jerusalem which is contemplated” for May 2, 1968.

    Res. 251 (May 2, 1968) – Recalls resolution 250 and “Deeply deplores the holding by Israel of the military parade in Jerusalem” on May 2, 1968 “in disregard of” resolution 250.

    Res. 252 (May 21, 1968) – “Deplores the failure of Israel to comply with” General Assembly resolutions 2253 and 2254, considers Israel’s annexation of Jerusalem “invalid”, and calls upon Israel “to rescind all such measures already taken and to desist forthwith from taking any further action which tends to change the status of Jerusalem”.

    Res. 256 (Aug. 16, 1968) – Recalls Israel’s “flagrant violation of the United Nations Charter” condemned in resolution 248, observes that further Israeli air attacks on Jordan “were of a large scale and carefully planned nature in violation of resolution 248”, “Deplores the loss of life and heavy damage to property”, and condemns Israel’s attacks.

    Res. 259 (Sep. 27, 1968) – Expresses concern for “the safety, welfare and security” of the Palestinians “under military occupation by Israel”, deplores “the delay in the implementation of resolution 237 (1967) because of the conditions still being set by Israel for receiving a Special Representative of the Secretary-General”, and requests Israel to receive the Special Representative and facilitate his work.

    Res. 262 (Dec. 31, 1968) – Observes “that the military action by the armed forces of Israel against the civil International Airport of Beirut was premeditated and of a large scale and carefully planned nature”, and condemns Israel for the attack.

    Res.265 (Apr. 1, 1969) – Expresses “deep concern that the recent attacks on Jordanian villages and other populated areas were of a pre-planned nature, in violation of resolutions” 248 and 256, “Deplores the loss of civilian life and damage to property”, and “Condemns the recent premeditated air attacks launched by Israel on Jordanian villages and populated areas in flagrant violation of the United Nations Charter and the cease-fire resolutions”.

    Res. 267 (Jul. 3, 1969) – Recalls resolution 252 and General Assembly resolutions 2253 and 2254, notes that “since the adoption of the above-mentioned resolutions Israel has taken further measures tending to change the status of the City of Jerusalem”, reaffirms “the established principle that acquisition of territory by military conquest is inadmissible”, “Deplores the failure of Israel to show any regard for the resolutions”, “Censures in the strongest terms all measures taken to change the status of the City of Jerusalem”, “Confirms that all legislative and administrative measures and actions taken by Israel which purport to alter the status of Jerusalem, including expropriation of land and properties thereon, are invalid and cannot change that status”, and urgently calls on Israel to rescind the measures taken to annex Jerusalem.

    Res. 270 (Aug. 26, 1969) – “Condemns the premeditated air attack by Israel on villages in southern Lebanon in violation of its obligations under the Charter and Security Council resolutions”.

    Res. 271 (Sep. 15, 1969) – Expresses grief “at the extensive damage caused by arson to the Holy Al-Aqsa Mosque in Jerusalem” on August 21, 1969 “under the military occupation of Israel”, reaffirms “the established principle that acquisition of territory by military conquest is inadmissible”, “Determines that the execrable act of desecration and profanation of the Holy Al-Aqsa Mosque emphasizes the immediate necessity of Israel’s desisting from acting in violation” previous resolutions and rescinding measures to annex Jerusalem, calls on Israel “to observe the provisions of the Geneva Conventions and international law governing military occupation”, and condemns Israel’s failure to comply with previous resolutions.

    Res. 279 (May 12, 1970) – “Demands the immediate withdrawal of all Israeli armed forces from Lebanese territory.”

    Res. 280 (May 19, 1970) – Expresses conviction that “that the Israeli military attack against Lebanon was premeditated and of a large scale and carefully planned in nature”, recalls resolution 279 “demanding the immediate withdrawal of all Israeli armed forces from Lebanese territory”, deplores Israel’s violation of resolutions 262 and 270, “Condemns Israel for its premeditated military action in violation of its obligations under the Charter of the United Nations”, and “Deplores the loss of life and damage to property inflicted as a result” of Israeli violations of Security Council resolutions.
    (…)”

  2. Para continuação de conversa, que culpa tem o Corbyn de que, a confirmar o velho dito de que “les beaux esprits se rencontrent”, o Estado bandido a que a maioria dos judeus (nomeadamente britânicos) dá o seu apoio dê, por sua vez, o seu desavergonhado apoio aos terroristas islamitas que combatem na Síria, recebendo-os na zona dos Golã quando feridos, tratando-os com desvelo em hospitais israelitas e devolvendo-os depois à procedência, para continuarem a sua humanitária actividade terrorista. Não estou a falar de “rebeldes moderados”, seja lá isso o que for, mas de terroristas puros e duros, cujo discurso claro como água vi e ouvi há alguns meses em reportagem da “insuspeita” BBC, se não estou em erro. Uma verdadeira obscenidade, pornografia pura, foi ouvi-los elogiar com entusiasmo o ex-inimigo sionista, ao qual, quando não precisarem dele, não duvido que cortarão o pescoço sem hesitação, e com satisfação, para deleite do cabrão do Alá.

    Que culpa tem o Corbyn de que os judeus (nomeadamente britânicos) façam vista grossa ao apoio militar não assumido que o Estado bandido de Israel dá, na prática, a esses terroristas, fornecendo-lhes informações militares sobre as posições das forças sírias, derrubando aviões sírios que os bombardeiam, assassinando em território sírio, em atentados bombistas, militares sírios e iranianos que os combatem?

  3. Se uma grande parte dos judeus britânicos faz vista grossa ou apoia a política de roubo conduzida pelo racista e criptonazi Netanyahu, na senda dos seus antecessores, que culpa tem o Corbyn disso?

    Se uma grande parte dos judeus britânicos acha a coisa mais natural do mundo um aborto fundamentalista obsceno chamado “direito de retorno” (do “povo eleito” à “terra prometida”), com força de lei para todos os habitantes do planeta (incluindo os pobres coitados dos gentios não eleitos), que culpa tem o Corbyn disso?

    Se uma grande parte dos judeus britânicos, tal como, aliás, americanos, portugueses e outros, ainda que vivendo nos seus países de origem, se permite o luxo do direito de propriedade de 2.ª habitação alternativa no Estado bandido e país ladrão chamado Israel, ao abrigo do referido “direito de retorno”, beneficiando frequentemente desse direito em terras que a lei internacional considera roubadas aos palestinianos, que culpa tem o Corbyn disso?

    Se uma grande parte dos judeus britânicos não tem qualquer problema em abotoar-se com terras palestinianas ao abrigo de um “argumento” parajurídico que leva rigorosamente à letra a tese bíblica de que esse pai de todos os latifundiários a que se convencionou chamar Deus ofereceu a chamada terra de Israel ao “povo eleito”, mandando foder todos os outros, que culpa tem o Corbyn disso?

    Se a maioria dos judeus, britânicos e outros, elege a bendita Bíblia como pai e mãe de todos os notários e conservatórias do registo predial, que culpa tem o Corbyn disso?

    Se uma grande parte dos judeus britânicos faz ostensivamente vista grossa às constantes humilhações e violações dos direitos humanos de perto de três milhões de seres humanos, a que se convencionou chamar palestinianos, reduzidos a uma existência abjecta pela abusivamente chamada “única democracia do Médio Oriente”, que culpa tem o Corbyn disso? Acaso os escravos da Grécia antiga eram menos escravos pelo facto de terem como donos os ilustres inventores da democracia?

    E já agora, Valupi, quantos dos energúmenos islamitas que cometeram atentados terroristas na Europa e no resto do mundo, nos últimos dez anos, eram palestinianos? Pago-te uma bejeca por cada um que encontrares.

  4. Já te ocorreu, Valupi, que a britânica Jo Cox terá provavelmente feito inúmeras vezes perguntas parecidas aos Valupis que a vida lhe foi pondo à frente?

  5. Israel parece o único país para o qual a política é indiferente — seja quem for que e como governe ou se elogia ou se é antissemita.

  6. Joaquim Camacho, já havia israelitas na palestina. O que aconteceu foi que conquistaram terras e fundaram um Estado. Nada que os próprios tugas não tenham feito à quase 900 anos. Depois o islão é intrinsecamente antissemita. O Corão está cheio de passagens a malhar nos judeus de modo que é normal que Israel tenha grande desconfiança dos vizinhos. As críticas a Israel tem que ser, a meu ver, neste quadro, ou seja, no quadro do um Estado que tem que ser preservado e de vizinhos que são e serão sempre antissemitas não por causa da existência de Israel mas da existência de judeus. Isto não é um passe livre para Israel fazer o que quer mas para que se compreenda que se não se defender o esmagam sem dó nem piedade. Eu acho que o governo de Israel está a aproveitar isto para abusar e esta é a grande perversidade do governo de Israel: usar a verdade – o Islão é antissemita e o judeu perseguido há séculos – para oprimir um povo, o palestiniano, que já deu mostras de estar disponível para conviver com Israel. Neste momento é o governo de Israel que não quer o convívio, que não quer os dois Estados.

    Uma palavra ainda para o regime iraniano que parece ser um “darling” da esquerda caviar — vá-se lá saber porquê. É um responsável directo também pelos trabalhos porque passam os palestinianos. O governo do Irão prefere o conflito entre a Palestina e Israel do que a paz.

  7. que anormalidade… ele disse islamic states nao islamic state. só um bronco não entende a diferença ou pretende tirar partido desta parvoeira. mas sabemos que as paneleiras do politicamente correto vivem destes casos e têm afrontamentos com coisas destas. que falta faz um trump que encha de massa velha as bocas desta escumalha.

  8. A declaração podera ser diplomaticamente desastrada, mas é logicamente irrepreensivel… Se calhar, nos é que somos “broncos” quando desatamos a comentar de forma histérica afirmações que deveriamos começar por procurar compreender…

    Boas

  9. pois , que culpa tem o mayor de londres , por exemplo , daquilo que alguns estados islamicos fazem ? nenhuma . e o scrooge da city também não tem culpa das bombas de israel , não se percebe o escandalo. talvez pensem sacar alguma indemminização , só pode.

  10. “Joaquim Camacho, já havia israelitas na palestina” (João.)

    Não havia, não senhor. Havia alguns judeus, que lá nasceram e viveram toda a vida, em convivência basicamente pacífica com os muçulmanos (árabes e outros) e cristãos que também lá nasciam e viviam havia muito. “Israelitas” é outra coisa. Ainda que a evolução demográfica varie segundo as fontes, uma delas, que linko a seguir, afirma que no fim do século XIX, antes da ascensão do sionismo, os habitantes judeus da Palestina (incluindo nela o actual Israel, territórios palestinianos ocupados e Jordânia) andariam entre os 2 e os 5% da população, os cristãos seriam 9% e os muçulmanos entre 86 e 87%.

    Mais à frente, no mesmo link, pode ler-se:

    «In 1920, the British Government’s Interim Report on the Civil Administration of Palestine stated that there were hardly 700,000 people living in Palestine:

    “There are now in the whole of Palestine hardly 700,000 people, a population much less than that of the province of Gallilee alone in the time of Christ. Of these 235,000 live in the larger towns, 465,000 in the smaller towns and villages. Four-fifths of the whole population are Moslems. A small proportion of these are Bedouin Arabs; the remainder, although they speak Arabic and are termed Arabs, are largely of mixed race. Some 77,000 of the population are Christians, in large majority belonging to the Orthodox Church, and speaking Arabic. The minority are members of the Latin or of the Uniate Greek Catholic Church, or—a small number—are Protestants. The Jewish element of the population numbers 76,000. Almost all have entered Palestine during the last 40 years. Prior to 1850 there were in the country only a handful of Jews. In the following 30 years a few hundreds came to Palestine. Most of them were animated by religious motives; they came to pray and to die in the Holy Land, and to be buried in its soil. After the persecutions in Russia forty years ago, the movement of the Jews to Palestine assumed larger proportions. Jewish agricultural colonies were founded. They developed the culture of oranges and gave importance to the Jaffa orange trade. They cultivated the vine, and manufactured and exported wine. They drained swamps. They planted eucalyptus trees. They practised, with modern methods, all the processes of agriculture. There are at the present time 64 of these settlements, large and small, with a population of some 15,000.”

    By 1948, the population had risen to 1,900,000, of whom 68% were Arabs, and 32% were Jews (UNSCOP report, including Bedouin).»

    RESUMO: em 1920, segundo um relatório do Governo britânico, viviam na Palestina 700 mil pessoas, das quais quatro quintos eram árabes e beduínos muçulmanos, 77 mil eram cristãos e 76 mil eram judeus, tendo a maior parte destes últimos chegado lá nos 40 anos anteriores, principalmente por motivos religiosos. Em 1948, de acordo com um relatório do United Nations Special Committee on Palestine (UNSCOP), os 700 mil tinham passado para 1 900 000 e a proporção levara uma volta radical: 68% de árabes para 32% de judeus, depreendendo-se que os cristãos tenham passado a minoria residual.

    Como toda a gente sabe, a explicação está na emigração maciça de judeus para a Palestina, estimulada pelo genocídio nazi. Nada de mal haveria nisso, não se desse o caso de, para alojar o número anormal de novos habitantes, os judeus terem aplicado maciçamente, sem dó nem piedade, uma política sistemática de limpeza étnica, destruição de casas e aldeias, massacres e assassínios avulso de tudo quanto cheirava a árabe, para pôr no seu lugar milhares de membros do “povo eleito”.

    Na cartilha do João., comparando alegremente a Feira de Borba com o olho do cu, “nada que os próprios tugas não tenham feito há quase 900 anos”. Muito mais recentemente, o Adolfo do III Reich tentou o mesmo e acabou como toda a gente sabe. Azar o dele, não percebeu que certas coisas só podem ser feitas por “eleitos”.

    Simplifica a simplório João. a questão com o facto de estar o Alcorão “cheio de passagens a malhar nos judeus” (e outros infiéis, acrescento eu). Mas parece não saber que merda igual enche a Bíblia dos cristãos e a Tora dos judeus. Claro que, nos tempos que correm, são raríssimos os cristãos que tomam à letra o livro sagrado, ainda que o mesmo não se possa dizer dos judeus, com uma minoria altamente protegida pelo Estado bandido a fazer uma leitura literal do bendito livro, nomeadamente nas partes em que os infiéis equivalem a baratas. E, por mais que me martelem os ouvidos com a treta de que o Islão é uma religião de paz e os fundamentalistas e terroristas uma minoria, basta lembrarmo-nos das multidões ululantes de muçulmanos que se manifestaram aos milhões contra as caricaturas de Maomé no Charlie Hebdo, ou apelando ao assassínio de Salman Rushdie, para saber que a piedosa afirmação não passa disso mesmo: TRETA.

    Mas nada disso apaga a realidade histórica de que os genericamente chamados “árabes” palestinianos, maioritariamente muçulmanos, foram e continuam a ser roubados, humilhados, esbulhados de terras e dignidade humana, por um país ladrão, organizado em Estado bandido, chamado Israel, e que esse facto, com o apoio incondicional dos EUA e os ocasionais protestos inconsequentes e castrados da Europa, é uma das principais componentes do combustível que alimenta a fogueira terrorista em que, de vez em quando, alguns de nós ardemos, seja em Paris ou Bruxelas. Não incluo Ancara porque, por enquanto, a história está um bocado mal contada.

    O Estado de Israel pode e deve ser preservado, estou completamente de acordo, mas para isso tem de parar de roubar e humilhar, passando a respeitar e integrar. Os palestinianos são, entre os “árabes” muçulmanos, o povo mais escolarizado e informado do Médio Oriente, e também o mais laico, mesmo nas zonas controladas pelo Hamas. A solução de dois Estados parece-me condenada, inviabilizada pela política de esbulho do Estado bandido. Mas árabes e judeus da Palestina ainda vão a tempo (mesmo que isso demore algumas décadas) de transformar a “terra prometida” num exemplo de convivência, um farol, um exemplo para o resto do mundo. Chamem-me irrealista e utópico, mas o mesmo se dizia há algumas dezenas de anos de quem antevia uma África do Sul pacificada após o fim do apartheid.

  11. Joaquim Camacho

    Eu estive em Jerusalém há 20 anos atrás.
    O ódio que vi nos olhos de todos eles atravessou-me a alma, e fez-me perceber que naquela terra chamada de “Santa” jamais haverá paz.
    Quem sabe daqui a … 1000 anos !

  12. “Na cartilha do João., comparando alegremente a Feira de Borba com o olho do cu, “nada que os próprios tugas não tenham feito há quase 900 anos”. Muito mais recentemente, o Adolfo do III Reich tentou o mesmo e acabou como toda a gente sabe. Azar o dele, não percebeu que certas coisas só podem ser feitas por “eleitos”.

    Só um olho do cu falante como o Joaquim pode comparar as políticas dos nazis para com os judeus com as de Israel para com a palestina. Não que as políticas sejam justas mas que não são nazis. Depois o olho do cu falante não é capaz de integrar na equação palestina o Irão. É que este serve-se também dos palestinianos para manter um estado de agressão a Israel, ou seja, do que se trata em última análise é de um conflito entre o Irão e Israel através da palestina.

  13. Jasmin, tudo o que tem um começo tem um fim. É das leis da Física que qualquer sistema em estado de desequilíbrio tende, a prazo, para uma situação de equilíbrio. Passa-se o mesmo com a História. O ódio que viste tem uma causa, teve um começo, e, atendendo a que é impossível manter eternamente a situação actual, aquilo a que os palestinianos estão sujeitos terá inevitavelmente um fim. Não sei como nem quando, não será no meu tempo, nem provavelmente no teu, mas é fatal como o destino. Não duvido que, até lá, muita gente sofrerá, e morrerá, muita barbaridade nos fará ainda abrir a boca de espanto e tremer de indignação, mas o conceito de status quo é coisa que a História não reconhece.

  14. Ó João., eu sei que a propaganda a que estás (estamos) sujeitos é avassaladora e omnipresente, o seu profissionalismo é impecável e o financiamento inesgotável, como se pode verificar, por exemplo, no voluntarioso, generoso e insuspeito documento que dá pelo nome de “The Israel Project’s 2009 Global Language Dictionary”, consultável aqui:

    https://www.transcend.org/tms/wp-content/uploads/2014/07/sf-israel-projects-2009-global-language-dictionary.pdf

    E é só por isso que, como sou incorrigível optimista que sou, alimento ainda uma pequena dúvida: serás tu apenas mais uma vítima da máquina trituradora ou não passas mesmo de um idiota?

  15. “E é só por isso que, como sou incorrigível optimista que sou, alimento ainda uma pequena dúvida: serás tu apenas mais uma vítima da máquina trituradora ou não passas mesmo de um idiota?”

    Eu estou é cansado de idiotas – como você – que querem forçar a esquerda a ser aliada do Islão. Não, obrigado.

  16. Lí muito por alto mas de vistas anteriores tenho a impressão que Valupi é pró Israel e anti-islão.
    No essencial, Camacho tem razão .
    Breves notas : o conflito israelo-palestininiano não tem solução possível .
    Trata-se de um muito pequeno território, para dois povos ( ter em atenção que o estado de Israel é um etno-estado, em que apenas os judeus têm o direito de viver, baseados aliás em premissas falsas como direitos históricos outorgados por uma espécie de deus agente imobiliário ) e o estado de Israel precisa de espaço vital para expandir-se e acomodar pessoas de todo o mundo, de origem judaica, – no âmbito do já falado direito histórico ou tese da terra prometida, e/ou numa outra versão, o chamado direito historico de retorno, -pelo que Israel não tem interesse nenhum em que venha a existir um estado palestiniano .

    Quem quiser aprofundar, leia sobre Neturai Karta, um grupo judaico que se opõe ao sionismo e defende mesmo a extinção do estado de Israel . Tem um site próprio, informação detalhada na wikipedia, e existe pelo menos um vídeo no You tube em que um grupo de anciãos se encontrou no Irão com o Amanejadi, creio que também escreveram cartas ao Arafat, lamentando a situação vigente e pedindo que os deixassem viver num futuro estado palestiniano .

    Eles representam os judeus que sempre viveram naquele espaço de território, em perfeita paz e harmonia com os arabes ( como refere Camacho ) muito antes da formação ou fundação do estado de Israel, a que, aliás, se opunham firmemente, a este título, ver os conflitos ao longo do tempo entre eles e as várias agências judaicas internacionais que no âmbito do sionismo se dedicavam a angariar e a patrocinar a emigração para a então Palestina sob mandato britânico, tendo um dos seus mais proeminentes representantes, sido até assassinado pelos sionistas .
    Eles são os que têm direito a viver na Palestina . Onde nasceram, e onde sempre viveram .
    O resto é treta e hipocrisia .

  17. Confundir israelitas com judeus é truque mais do que gasto, e o seu objectivo manipulatório devia ser claro para toda a gente, mas o certo é que continua a ser usado e a demonstrar eficácia, tal a burrice e ignorância reinantes. Além disso, toda a gente sabe (excepto eu e mais alguns broncos e/ou malucos) que comparar as políticas de judeus com as dos nazis é coisa para a qual apenas outros judeus têm autorização. Estes meus olhos que a terra há-de comer cansaram-se de ver manifestações de judeus israelitas, em Israel, empunhando cartazes em que caricaturavam outros israelitas com fardas de SS nazis e lhes pintavam cruzes gamadas na testa. Aconteceu, entre muitos outros, ao ex-primeiro-ministro Yitzhak Rabin, por exemplo, assassinado por outro judeu e não por um palestiniano. Mas enfim, toda a gente sabe também que o estatuto de “eleito” é carta branca para divagações conceptuais que aos gentios como o Joaquim Camacho estão absolutamente vedadas.

    A referência ao Irão é gira. O conflito israelo-palestiniano começou com a limpeza étnica a que foram sujeitos aqueles a quem se convencionou chamar palestinianos, para pôr no seu lugar judeus emigrados de outros países. Culminou, numa primeira etapa, em 1948, deu um “salto de qualidade” em 1967 e não poupou nos upgrades até hoje. Ora dá-se o caso, historicamente indesmentível, de a política de apoio à luta palestiniana por parte do Irão só ter começado após a chegada dos ayatollahs ao poder, com a chamada revolução islâmica de 1979, já que, até então, o Irão era um fiel apoiante da política dos EUA para o Médio Oriente. Baluartes da democracia na região, onde detêm o exclusivo da dita, até 1979 os israelitas ensinavam técnicas de tortura (certamente democrática) à SAVAK, polícia secreta do xá, e pilotos israelitas e iranianos treinavam, no Irão, nos mesmos aviões, fornecidos, é claro, pelos EUA.
    ( ver revista “Foreign Affairs” aqui: https://www.foreignaffairs.com/articles/iran/1979-06-01/israel-and-arabs-iran-palestinians-and-gulf )
    Mas o que interessa isso? No problem! Na cachola do João., o Irão de 1979 é responsável por aquilo que aconteceu na Palestina dezenas de anos antes. No velho dilema do cu e da galinha, ninguém duvide que, para o João., o que surgiu primeiro foi o cubo de Rubik ou, em alternativa, a mama esquerda da primeira Neandertal. Dialéctica quântica, meus e minhas!

    Outra realidade que também não significa nada para o aspirador de propaganda que o João. tem na carola é o facto de o Irão ter ainda nos dias de hoje, apesar da emigração maciça de judeus iranianos para Israel, a maior população judaica de todo o Médio Oriente. A ser verdade a propaganda que o pobre João. engole com sofreguidão e papagueia com entusiasmo, seria de crer que os ayatollahs já os tivessem matado todos, mas ao simplório comentador não ocorre questionar-se por que motivo não é assim.

    “Judaism has a long history in Iran, dating back to the Achaemenid Conquest of Babylonia. Although many left in the wake of the establishment of the State of Israel and the 1979 Revolution, around 8,756 Jews remain in Iran, according to the latest census. Iran has the largest Jewish population in the Middle East outside of Israel.”
    ( tirado daqui: https://en.wikipedia.org/wiki/Iran#Foreign_relations )

  18. Confirma-se: o comentador João. é um idiota.

    Depois de, no comentário de ‘2 DE JULHO DE 2016 ÀS 8:34’, eu ter escrito:

    “E, por mais que me martelem os ouvidos com a treta de que o Islão é uma religião de paz e os fundamentalistas e terroristas uma minoria, basta lembrarmo-nos das multidões ululantes de muçulmanos que se manifestaram aos milhões contra as caricaturas de Maomé no Charlie Hebdo, ou apelando ao assassínio de Salman Rushdie, para saber que a piedosa afirmação não passa disso mesmo: TRETA.”

    só mesmo um idiota chapado seria capaz (ver comentário de 3 DE JULHO DE 2016 ÀS 3:05) de escrever esta parvoíce:

    “Eu estou é cansado de idiotas – como você – que querem forçar a esquerda a ser aliada do Islão.”

    Foda-se!

  19. Só faltava o Joaquim Camacho vir para aqui armado em profundo especialista. Os judeus são perseguidos há séculos. Eu não me admira que eles tenham querido um Estado com amplo e incisivo poder militar. Se você se admira então é porque é porque que não está minimamente preparado para abordar o problema dos palestinianos.

  20. Corbyn é um bronco, na minha humilde e nada modesta opinião, porque no seguimento do referendo ficou com a liderança em risco por justíssimas razões. E foi então que se lembrou de largar esta bacorada para compor o ramalhete. Resultado: cada dia que se atrase a sair é um dia perdido para os trabalhistas.

  21. Você está a ser levado pela interpretação idiota da imprensa. O Corbyn nas sondagens é reeleito lider do Labour se concorrer. Do que se trata é dos Francisco de Assis do labour que como ele detestam o socialismo.

  22. João., não há nada como ser proprietário da História para reduzir a complexidade do real à simplicidade do sectarismo. O teu “socialismo” não passa de religião ou delírio, nem sequer marxismo é.

  23. As acções de Israel na palestina tem resultado numa matança considerável e num avanço sistemático contra a ideia da Palestina vir a constituir-se como um Estado independente e neste sentido – tendo ainda em conta as muitas condenações pela comunidade internacional – Israel tem agido fora da lei. Muitos Estados Islâmicos têm feito o mesmo, agido fora da lei internacional e castigado minorias ou etnias específicas sobre a sua alçada. A não ser que o direito internacional não valha para Israel o que Corbyn diz tem razão de ser. O que também está implicado é que é injusto atacar judeus ou muçulmanos baseado no que o governo israelita e/ou governos islâmicos fazem. Só a histeria que o governo de Israel conseguiu induzir tornando qualquer crítica a Israel em antissemitismo justifica tanta bilis contra Corbyn. Isto quando se trata de referir a matéria em pauta, porque num plano mais alargado trata-se da luta suja dos MPs direitistas do Labour contra o socialismo de Corbyn.

  24. Fosga-se ó João, são perseguidos ao longo da história ( e abro aqui um parêntesis para salientar que por alguma razão deveria ter sido, pois que perseguidos por tantos e em tantos lugares distintos ), viviam isolados em guetos, e … imigram para a Palestina, fundam um estado, e … isolam-se num estado gueto !

    Mais: constroem um muro para se proteger, e … estão dos dois lados do muro !!!
    Sim, porque tanto estão no território de Israel, como do outro lado do muro, na Cisjordania ocupada!

    Sabe o que é?
    Um povo de story tellers ( contadores de historinhas ) e especialistas na victimização.
    Na realidade, a argamassa que mantém aquilo unido, é o fantasma da ameaça externa .
    O contribuinte americano paga, e, melhor ainda, já alguém pagou ao americano, pois que por portas travessas, e de vários modos, já os States sacaram de muitos, por todo o Mundo, para lhes fornecer o melhor e mais sofisticado material bélico. Por isso, pagamos todos nós !

  25. A tradução “criativa” do Valupi:

    «No meio do discurso que tinha preparado, Jeremy Corbyn disse que “os nossos amigos judeus têm a mesma responsabilidade sobre as acções de Israel e do Governo de Netanyahu que os nossos amigos muçulmanos têm sobre [as acções] de organizações inspiradas em vários Estados islâmicos”.»

    O que o Corbyn na realidade disse:

    «“Our Jewish friends are no more responsible for the actions of Israel or the Netanyahu government than our Muslim friends are for those of various self-styled Islamic states or organizations,” Corbyn, who has called Hezbollah and Hamas his friends, said Thursday in London, The Sun daily newspaper reported.»

    ( tirado daqui: http://forward.com/news/breaking-news/344011/jeremy-corbyn-denounces-anti-semitism-by-comparing-israel-to-isis/ )

    Ou:

    «At a press conference in central London, he referred to Israel’s hardline PM Benjamin Netanyahu.
    He said: “Our Jewish friends are no more responsible for the actions of Israel or the Netanyahu government than our Muslim friends are for those of various self-styled Islamic states or organisations.”»

    ( tirado daqui: https://www.thesun.co.uk/news/1367576/corbyns-week-gets-worse-as-he-compares-israel-to-isis-in-a-speech-about-anti-semitism/ )

    Para quem ainda possa ter dúvidas, sugiro confirmação nos inúmeros sites que uma simples pesquisa Google possibilita para “jeremy corbyn anti semitism”, por exemplo.

    Foda-se, Valupi, se um dia te dá para traduzires o “Cântico dos Cantos”, da Bíblia em latim, ainda sai um tratado de anatomia! Se se atiras a uma qualquer sura do Alcorão, bueno, teremos provavelmente um manual de culinária!

  26. Advogado Lareira, sugiro-te uma consulta a este site, que “ensina”, detalhadamente, a linguagem a utilizar (ou a evitar) pela propaganda sionista camuflada com vista à doutrinação eficaz do pagode global. Poderás confirmar que as fórmulas sugeridas são efectivamente usadas e estão em constante aperfeiçoamento e actualização. É provável que as primeiras páginas comecem logo a provocar-te vómitos, pelo que me atrevo a sugerir que tenhas um penico à mão. A “candura” do capítulo sobre o Irão, a partir da página 39, na sua sofreguidão “formativa” e “informativa”, também é hilariante.

    https://www.transcend.org/tms/wp-content/uploads/2014/07/sf-israel-projects-2009-global-language-dictionary.pdf

  27. Joaquim Camacho, talvez estejas familiarizado com o dito que aconselha a não discutir com malucos. Na sua versão erudita, é um conselho que remonta a Aristóteles (por escrito, entenda-se).

  28. “João., não há nada como ser proprietário da História para reduzir a complexidade do real à simplicidade do sectarismo. O teu “socialismo” não passa de religião ou delírio, nem sequer marxismo é.”

    O facto é que Francisco Assis preferia estar a ser governado pelo PAF do que pela solução actual. Na tua ideia de socialismo cabe preferir que a direita radical do Passos Coelho governe na minha não. De resto essa conversa de religião é igual à da direita. És um colonizado.

  29. O problema deste joao idiota é que nem sequer sabe que os árabes também são semitas e que o abraão nasceu em ur dos caldeus que fica na mesopotâmia, no actual iraque e que o cabrão do seu deus lhe disse que tinha como destino ser pai de nações mesmo que a mulher já com 80 anos não lhe conseguisse dar um filho (pudera com 80) mas não havia espiga porque podia perfeitamente engravidar uma serva (árabe) de onde nasceu Ismael o bastardo e então mais tarde para compor o ramalhete a legítima lá consegui engravidar e nasceu isac. O resto do velho testamento que corresponde a grande parte da tora judaica é uma imensidão de mortandades e repetições e adaptações da história oral de povos da região como os sumérios, os assírios, dos caldeus. Os judeus actuais são em grande parte um povo inventado por conversão e desempenham o papel de testas de ferro do capitalismo estadounidense na região mais rica em hidrocarbonetos, matéria prima do paradigma energético da humanidade por enquanto.

  30. “Joaquim Camacho, talvez estejas familiarizado com o dito que aconselha a não discutir com malucos. Na sua versão erudita, é um conselho que remonta a Aristóteles (por escrito, entenda-se).”

    Valupi, o problema da tua tradução é o de uma formulação que pode induzir em erro e transmitir exactamente o contrário do que (admitamos) pretende. É uma formulação que funcionará sem ambiguidades se veiculada oralmente, com uma entoação irónica que realce o absurdo formal da premissa, caso esta seja tomada à letra. Na sua forma escrita, porém, haverá quem leia que o Corbyn pretende mesmo dizer que judeus e muçulmanos em geral são de algum modo responsáveis (e responsabilizáveis) pelas sacanices de Netanyahu ou de organizações e Estados islâmicos.

    Uma formulação menos ambígua poderia ser esta: “Os nossos amigos judeus são tão responsáveis pelas acções de Israel ou do Governo de Netanyahu como os nossos amigos muçulmanos pelas [acções] de alguns autoproclamados Estados islâmicos ou organizações.” É praticamente à letra e parece-me que até nem soa de maneira artificiosa em português.
    (original: “Our Jewish friends are no more responsible for the actions of Israel or the Netanyahu government than our Muslim friends are for those of various self-styled Islamic states or organisations.”)

    Quanto ao “Governo legitimamente eleito de Israel”, não concordo que isso lhe dê carta branca para fazer o que lhe der na real gana. Se a indignação com as declarações de Corbyn tem por base uma eventual comparação entre as actuações de Israel e do DAESH, há milhões de pessoas que não desdenhariam de usar a mesma fórmula para despertar consciências, não porque queiram mal a Israel mas porque detestam o modo como trata milhões de seres humanos, roubando-os sem vergonha e reduzindo-os a uma existência abjecta.

    Já agora, talvez seja de lembrar que, antes de mandar as eleições democráticas às urtigas de uma vez por todas, o humanista chefe do III Reich também foi “legitimamente eleito”. E, ainda que as diferenças formais sejam enormes, não é menos verdade que são diminutas as diferenças entre os pressupostos racistas de uns e dos outros. A crença numa alegada superioridade que confere direitos especiais sobre os destinos, propriedades e territórios de outros povos está na base das actuações tanto do nazismo como do nazionismo e, também em ambos os casos, provocou e continua a provocar incêndios que alastram a todo o planeta.

    Só nos bombardeamentos a Gaza, em 2014, foram mortos 2300 palestinianos, dos quais dois terços eram civis. O povo eleito teve 66 mortos militares e 5-CINCO-5 civis. E esta foi apenas a última “edição”. O que há de estranho em que tanta gente pense que isso tem de acabar? Ah, pois, já se sabe, o problema está nos rockets palestinianos sobre israelitas pacíficos, sorry.

    Quanto ao Aristóteles, julgo saber que foi ponta-de-lança no Futebol Clube de Freixo de Espada à Cinta… ou no Xabregas Football Club (assim mesmo, com dois ós e b final), mas não tenho a certeza. Creio lembrar-me, porém, de uma ocasião em que, antes de marcar um penálti, twitou assim: “Não se esqueçam de dizer ao Valupi que o ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflecte.”

    Bom, mas o certo é que não percebo nada de futebol, pelo que prefiro a fórmula “não há pão para malucos”. Espero que compreendas, Valupi, que, como bom alentejano (ainda que nascido em Lisboa), essa seria sugestão para mim impossível de seguir.

    Estou cheio de fomeca, vou ali à padaria comprar umas “bolas” quentinhas da primeira fornada do dia, só de pensar nelas já me cresce água na boca. Beijinhos.

  31. É por causa dos ou das ocarinas e Camachos deste vida que eu nunca estarei 100% contra Israel. São dois facínoras à espreita…

    Valupi = socialista domesticado que a direita gosta de levar a passear.

  32. Joaquim Camacho, não se trata da minha tradução. Não traduzi, reproduzi. E o que está reproduzido explicita claramente a polémica. Como é óbvio, Corbyn poderá nem sequer ter associado na sua cachimónia “Estados islâmicos” com o auto-denominado “Estado Islâmico”. Porém, isso é irrelevante perante o efeito gerado pela sua escolha discursiva. E, como tal, expôs o flanco para ser atingido como alguém que, tal como tu, odeia Israel.

    Era só isto, mas podes continuar a mandar postais.
    __

    João., larga a vinhaça. Ou, pelo menos, não tecles embriagado porque a tua inteligência poderá acabar abraçada a um pinheiro.

  33. Valupi, afirmar que eu, Joaquim Camacho, odeio Israel é uma bojarda maior que o Evereste. Melhor ainda, e já que estamos em onda de entusiasmo espacial com a sonda Juno (entusiasmo que partilho), é uma asneira maior que Júpiter e é não perceber nada do que tenho escrito. Percebo que os meus comentários possam ser considerados chatos e compridos, e que essa “compridez” te leve por vezes a lê-los em diagonal e saltar bocados (o que explicaria a tua espantosa afirmação), mas o que queres, é defeito meu, esta mania de fundamentar com argumentos aquilo que defendo, em vez de arrotar bitaites telegráficos que valem tanto como mijadelas de cão a marcar território.

    O que defendo para o conflito israelo-palestiniano é simples e, ainda que no presente possa ser considerado utópico, a sua concretização num futuro longínquo é fatal como o destino: judeus, palestinianos muçulmanos, beduínos e cristãos convivendo num só país, num só Estado, nos mesmos bairros, nos mesmos prédios, com direitos e obrigações iguais. Ninguém é expulso, nem sequer os judeus que hoje vivem em terras ocupadas, o direito a viver nelas será aberto aos que agora disso são privados, ninguém mais será morto por ser diferente. E a esse país novo chamarão Palestisrael, Israelina ou seja o que for que lhes der na real gana e pareça mais apropriado. É este o futuro que defendo e em que acredito. O que tem isto a ver com ódio?

    E tal futuro é fatal como o destino porque a solução não é, como defendem alguns (demasiados) extremistas muçulmanos, “atirar os judeus ao mar”. Nem, como defendem demasiados extremistas judeus, “transferir” os palestinianos para os outros países árabes. É isso mesmo que eles lhe chamam, “transferência”, e o Governo de Netanyahu está cheio de gente que defende tal medida abertamente. Não ouves falar dela por cá, nem na maior parte do planeta Terra, porque soa mal (habitualmente é conhecida como limpeza étnica) e o jornalismo comprado sabe bem quais os tópicos a evitar para não sofrer um mais ou menos expedito emprateleiramento e um garantido “career ending”.

    A minha perspectiva sobre o futuro de Israel e da Palestina é partilhada por um enorme número de judeus, milhares deles israelitas. Com eles partilho não o teu imaginário ódio a Israel, mas um enorme desprezo e indignação (o que não tem nada a ver com ódio) com a política de Israel. Posso dar-te inúmeros nomes desses judeus (nomeadamente americanos e israelitas) e sugiro-te que procures saber o que pensam sobre o que aqui temos vindo a discutir: Noam Chomsky, Norman Finkelstein, Ilan Pappe, Amira Hass, Miko Peled, Shlomo Sand chegam e sobram para te acordar desse torpor anestesiado em que dormitas.

    Quanto a Jeremy Corbyn, tenho a certeza de que o seu “ódio” a Israel é tão do domínio da fantasia como o meu. E o mesmo se aplicava a Jo Cox, como poderás confirmar com uma pesquisa simples na Internet.

  34. Joaquim Camacho, isso de continuares a imaginar que só tu é que tens uma ligação à Internet não me parece motivo de preocupação. Apenas te aconselho a que, de vez em quando, vás até à janela e respires fundo umas duas ou três vezes.

  35. Valupi, quando o assunto me interessa, o respeito por quem exprime opiniões diferentes “obriga-me” a ligar o computadeiro praticamente todos os dias, quase sempre a desoras, para poder dar troco em tempo mais ou menos útil a quem tem a pachorra de me dar trela. Mas o normal, para mim, é ter o garrafão electrónico desligado três, quatro dias seguidos, por vezes uma semana. A Internet é uma coisa boa, mas eu ainda sou do tempo do papel e é nele que continuo a preferir “esfregar-me”.

    Quanto à janela, não é decididamente a minha onda, prefiro respirar na rua. Daqui a meia horita, por exemplo, vou chutar prà veia umas belas dumas endorfinas, com uma corridita. Poucos carros, pouca poluição, ruas e jardins praticamente desertos, respirar é um prazer acrescido a potenciar o chuto e, como bónus, tenho sempre uns melros a oferecer-me música à desgarrada, praticamente todo o caminho. Uma maravilha, meu! Salut!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.