23 thoughts on “Suspeita do dia”

  1. Suspeito que este PR se está a “asfixiar” democraticamente. Sózinho, e com a mania que é um novo homem providencial para o Império, está a asfixiar-se muito, coitado.

  2. Ao “matar” o mensageiro Cavaco assinou a confissão de culpa.
    Ou alguem acredita que o mensageiro fazia aquilo tudo sem passar Cavaco?
    Cavaco revela-se, um ser pequenino, paranoico e pouco inteligente.

  3. Bom, a ver se nos entendemos. No congresso do PS, José Sócrates, disse com todas as letras estar a ser vitima de uma campanha negra de dois orgãos de comunicação social. Um, a TVI e o seu jornal nacional das 6.as. Outro, o Jornal Público e em particular o seu director. O mundo ia desabando. Todos os do costume se insurgiram contra aquilo que diziam ser uma insustentável intromissão de Sócrates na Comunicação Social. Recentemente, e apropósito do fim do jornal da TVI, os mesmos do costume, mais uma vez, vieram a terreiro produzir as mesmas acusações parvas contra José Sócrates. Bom, perante os desenvolvimentos mais recentes, perguntam-se três coisas aos homens e mulheres de boa-vontade deste país: 1) ainda têm dúvidas da existência de uma campanha negra do Público contra o PM? 2) acreditam mesmo que tenha sido a única? 3) pode alguma corja do PSD, a sua líder, o próprio PR e o Director do Público passarem entre os pingos da chuva? E, já agora, uma pergunta para o PS: pode o PS passar por isto sem exigir que se faça justiça?

  4. Com esta demissão, Cavaco está a tentar dar o caso das escutas por encerrado. Então, quais são as questões de segurança que ficaram para investigar depois das eleições? O próprio afirmou não ser ingénuo…

  5. Tem de haver memória, sob pena de repetirmos sempre os mesmos erros: no URL http://dn.sapo.pt/Inicio/interior.aspx?content_id=995911 pode ler-se a confirmação de JPP que efectivamente existia(e) uma cruzada declarada no Publico contra J. Sócrates. Facto. Ponto final. Indiscutível, pela “voz do dono”. Isto em 1 de Agosto de 2008. Cai agora por fim, a máscara podre do pretenso jornalismo de referência nacional. Aquilo que JPP afirmou, Sócrates denunciou (por esta ordem cronológica) e que atirou os democratas do 26 de Abril para um estado de paranóia convulsiva, acaba de ser confirmado com pêlos e sinais pelo senhor PR. Um grande bem-haja a todos os envolvidos. Sai prestigiada a República que tira a pinça do nariz e vomita sobre o mais alto magistrado da nação.

  6. Pois…Cavaco…pois…Cavaco…!Pois…Cavaco e o seu elevado sentido de Estado. E o que se segue? Eu sei o que se deveria seguir.
    Agora “os do costume”vão tentar branquear a situação e tentar explicar o inexplicável.
    Isto é uma pequena imagem do que nos estaria reservado se por qualquer acaso o destino nos mandasse o outro cromo para S.Bento.

  7. Quem se quiser limitar a analisar os factos apenas pode chegar a uma óbvia conclusão: Cavaco meteu a pata na poça. Igualmente óbvia é a questão por esclarecer – e a bem da democracia deveria ser esclarecida, fossem quais fossem as consequências: porque razões e com que fins é que Cavaco se meteu nisto, e com que companhias? É que tudo isto tresanda a golpaça, planeada com tempo e vários executores. Porventura por excesso de optimismo, porque a coisa até parecia correr bem, descuidaram-se, baixaram as defesas, tropeçaram neles mesmos e estamparam-se. Agora há que limitar os estragos, como a missa dominical de Marcelo e a demissão de Lima inequivocamente demonstram.
    Esta é a realidade. Lamentavelmente, é preciso ir à blogosfera para se perceber que ela existe. Porque posso estar enganado (oxalá estivesse), mas creio que logo, nas televisões, o tema vai continuar a ser a existência, ou não, de escutas e demais espionagem. Quando muito, os costumeiros génios assim sentenciarão, tudo aconteceu porque “as relações entre Belém e São Bento estão no ponto mais baixo de sempre”, salientando, convenientemente, que tudo começou com Sócrates, esse malandro, e o estatuto dos Açores. Assim uma espécie de uma justificada birra. Lamentavelmente, creio que será este o prato informativo que vai continuar a ser servido à maioria dos Portugueses.

  8. se calhar demitiu este para pôr lá o Fernandes, não? Quando o barco ameaça afundar eles comem-se todos uns aos outros. O cavaco é que devia demitir-se. Ou ser demitido, leia-se mais provavelmente não ser reeleito.

  9. cavaco primeiro encavacou e agora escavaca o ppd. São efeitos diferidos, incontroláveis por um feito dialéctico e ainda bem. Está tudo nos nomes, dir-se-ia.

  10. Maria João Avilez foi à SIC notícias fazer um frete a Belém…

    Gostava ir para a cama com uma gaja tão desavergonhada quanto ela…só que mais nova…

  11. O corporativismo
    Hoje na RTPN ouvi um comentário da Inês Serra Lopes sobre a demissão de Fernando Lima e fiquei pasmado com tal afirmação. Diz ela que Cavaco Silva ouviu o que Marcelo R. Sousa disse e deu um puxão de orelhas a Fernando Lima. Não concordo com a observação que faz e aqui insisto que há corporativismo por parte destes opinadores. O Zé Povo não conta para nada, são eles que põe e dispõe e nós comemos tudo, não tem considerações pelos muitos blogues, Aspirina B, Câmara Corporativa, Câmara Comuns, Jugular, Simplex, Corta-fitas etc., que existem e criticam a actuação do PR, dos vários “comentadores” que escrevem para os vários jornais dando a sua opinião e crítica. Cavaco Silva ou os seus assessores de certeza que vasculham o que estes dizem e se o não fizerem, entendo que comentem um erro, porque é aqui que vem absorver a verdadeira análise à sua governação. Andar a ler o que os seus amigos dizem é enganar-se a si próprio, estes só bajulam para colher dividendos, no que me toca prefiro ouvir os adversários, porque estes só são adversários, os meus inimigos, estão entre estes bajuladores que à mínima coisa abandonam-me, dou-me um pontapé no traseiro e vão pregar para outra freguesia.

  12. O vírus da gripe política está a espalhar-se rapidamente e pessoas até aqui imunes a maleitas dessa natureza estão totalmente contaminadas. Durante longos meses foram advertidas para os cuidados que deveriam ter e para os contactos que (não) deveriam manter. Foram imprudentes, amadoras, crédulas.
    Só uma vacina de ética, combatividade e Estadismo poderá curá-las. Se estas pessoas permanecerem contaminadas por muito mais tempo, a democracia adoecerá gravemente.

  13. Até que enfim que o Presidente Cavaco, conseguiu arranjar mais do que os cinco minutos diários normalmente reservados para a leitura de jornais…

  14. que bom seria saber se a ferrugenta já vive em portugal ela que não quria viver num país em que «fustigava»o director de um jornal de «referencia»

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.