Supremo desdém

Tem sido bastamente referida a ausência das realidades política e económica da Europa no discurso de tomada de posse presidencial, onde Cavaco apresentou aquela que foi considerada – por um constitucionalista do estatuto e probidade de Jorge Miranda – uma inaudita, absurda e pérfida moção de censura ao Governo. A ninguém escapou, a começar pelos ranhosos que aplaudiram frenéticos, que o fim justificava o meio: para diabolizar Sócrates, fazendo do PS o único responsável pelas consequências da crise, era curial apagar o contexto mundial e europeu desde 2008 até ao presente. Tal como nem uma palavra gastou com as opções da oposição após as legislativas de 2009, primeiro recusando partilhar responsabilidades parlamentares ou executivas, depois boicotando celeradamente o Governo com as coligações negativas. Para Cavaco, tudo se resumia a culpar os governantes, até os políticos em geral, e a deixar o seu asco pela democracia:

Mostrem a todos que é possível viver num País mais justo e mais desenvolvido, com uma cultura cívica e política mais sadia, mais limpa, mais digna […]

Discurso

Contudo, e por incrível que pareça, a ausência ainda mais reveladora da falta de ética republicana, e de respeito pátrio, do actual Chefe de Estado é o facto de não ter mencionado nessa solene ocasião, sequer por mera avulsa ocorrência, as Forças Armadas de que é Comandante Supremo. Nem a propósito das celebrações do centenário da Revolução de 5 de Outubro recentemente findas, nem do 25 de Abril que instaurou o regime democrático e a liberdade no qual acabava de ser eleito, nem das missões no estrangeiro, onde milhares de militares portugueses têm arriscado as suas vidas em nome da paz ao longo dos anos, Cavaco encontrou ocasião para reconhecer algum mérito à instituição e concidadãos que a servem e nos servem. No discurso não há nada de nada de nadinha de nada para este pilar do Estado, da República e da Democracia.

Europa, Forças Armadas e História de Portugal desapareceram das palavras do homem mesquinho, parolo, odioso que ia permanecer instalado no Palácio de Belém nos 5 anos seguintes. Em sua substituição tivemos uma golpada longa e friamente planeada. A sonsice chegou ao ponto de ter dito que a crise à volta do chumbo do PEC 4, que durou semanas, tinha sido rápida demais para a sua capacidade de intervenção, ao mesmo tempo que transmitia a mensagem de ser a hora para deitar abaixo Sócrates com todas as forças que a direita tivesse. A sua actual postura de obscena contradição com posições assumidas quando o PS governava só vem confirmar, pela enésima vez, que estamos perante um vale tudo desenfreado e ilimitável. Também para a compreensão do seu tremendo sucesso ficam as alianças tácitas que recolheu no BE e PCP, os quais adoraram o desgaste provocado por Belém em Sócrates. Recorde-se o modo complacente e divertido como bloquistas e comunistas reagiram à Inventona das Escutas, por exemplo, para vermos o que é uma suposta esquerda que acaba por ser uma aliada da direita mais revanchista e conspiradora sempre que tal permita derrotar o socialismo democrático.

Do carácter político da criatura, e da sua decisiva influência na marcha dos acontecimentos nacionais ao longo de 30 anos, não temos falta de informações e opiniões. Só gostava era de saber o que ficaram os nossos militares a pensar do supremo desdém do seu Comandante.

12 thoughts on “Supremo desdém”

  1. O mundo perdido dos ranhosos sócretinos.
    A merda é a mesma, Sócrates e Coelho a mesma luta.
    Cavaco é mesmo e só um cavaco.
    Acabem lá com a choradeira, e deixem mas é de ser parvos.

  2. Ó ratazana (creio que não se trata de pseudónimo, mas sim de nome próprio)

    Volta para o esgoto e deixa-te ficar por lá, que não entendes nada do mundo das pessoas!

  3. É um homem sem carácter, um presidente traiçoeiro, vingativo, mesquinho e mediocre. Foi como ministro das finanças uma miséria, como 1º ministro uma nulidade e como presidente uma nódoa. Tenho vergonha de tal personagem como meu presidente. Um nojo.

  4. Trata-se de um doente, não por acaso desmaiou na tomada de posse de Guterres, desfaleceu como se diz lá na terra.

  5. o representante do Portugal-Profundo, colocado no poleiro pela raposa Soares & CIA.

    O melhor presidente depois de Tomás (logo a seguir).

  6. Já para não falar da ingratidão, vindo de quem teve em Sócrates o melhor aliado para a eleição e reeleição.

  7. ouve lá pá, tu não tens profissão, namorada(o), cão de colo, pá, bichano, aquário, colecções de pífaros ou caricas,pá? tusa pra ir esgalhares uma de vez em quando e te aliviares,pá, dessa sensação de abandono,pá? que distúrbio obsessivo-compulsivo ranhoso que tu arranjaste,pá, ainda por cima tendo como fetiche um badameco cagarolas sem pinta nenhuma,pá, que nóia a tua,pá, já tresandas a proselitismo cadavérico insuportável,pá, e não tarda ainda te internam no hospício do rato,pá, com camisa de forças e em abstinência de Socratinto,pá, a tua droga psicadélica esquizofrénica que te cega e mente,pá.esse cavaco,pá, é realmente um cona mole peçonhento,pá, mas o que é que queres a malta votou nele e agora tens que gramar com ele e nem mé nem meio mé,pá, tens de ir ao castigo e engolir a sarda toda, porque, quer queiras, quer não queiras, o gajo espetou-a toda no boi-socrates e fez-lhe a folha,pá, enquanto comia a fava,pá. tens de admitir que o teu bichano pinoquio,pá, foi comido e quase sodomizado politicamente pelo ranhoso mor,pá. qual animal feroz,pá, qual quê,pá, uma cavaca algarvia fez-lhe a folha e cagoul-he em cima,pá

    larga a socratinto,pá, que essa merda ainda te obriga a ir,pá, estudar filosofia,pá,

  8. ò Val convem ir ao fundo da coisa…

    Olhando para trás e reflectindo enquanto fumo uma cigarrada o que concluo é que o verdadeiro ariete para a investida da direita ranhosa foi o palhaço alegre.

    Começou com a guerrilha interna em materias importantes, apoiada por aquelas malucas que vinham de Coimbra com ele, passando pelo derrube do ministro da saude, o namoro apanascado com o Loução e….finalmente a puta da candidatura á Presidência.

    Tivesse o palhaço alegre partido uma perninha em 2005 e o nosso mundo seria, hoje, diferente. Até acho que divida pública tinha descido…

    hà poetas que deviam era ser corridos á paulada.

    miguel

  9. Os militares estão-se a cagar para o desdém do Capitão Iglo. Como dizia o Sousa Tavares, Francisco de, também só já querem é manjedoura. Como os Professores, os Juízes, os Empresários, até os Bispos. Valupi, apelas a um Portugal (a um Mundo) que já não existe.

  10. (continuação)

    Os valores a que apelas foram dissolvidos pela imoralidade reinante. Subsistem apenas na clandestinidade do íntimo de quem não se verga, nem os renega. Um pouco como nos tempos do Cristianismo primordial na Roma irredenta.

    Porém, como dizia o Cesário, «Mas cuidado, Milady, não se afoite, que (…) os Povos humilhados, pela noite, para a vingança aguçam os punhais! E (…) hei-de ver errar alucinadas e arrastando farapos – as (…)».

    Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.