5 thoughts on “Sondemos”

  1. o socrates aconselhou o portas a dar-lhe sumiço , talvez. ele tem grande experiência nessas coisas de cambalachos , a cena freepor é bués parecida “juridicamente” , e é natural que entre compinchas de rabos de palha se entreajudem , como foi no bpn. não vá o carmo e trindade cair em cima de todos good fellows , tadinhos.

  2. o freeporcos foi baseado em provas falsas que foram entrando ao longo dos anos para o processo e os submarinos em provas verdadeiras que ao longo dos anos foram desaparecendo do processo. são coisas diametralmente opostas que têm em comum a incompetência e a conivência da justiça portuguesa com as consequências que todos conhecemos. se é próximo do cavaco não vai a julgamento ou prescreve sem fuga de informação, se é socialista dá direito a julgamento imediato na comunicação social, provas anónimas, fortes indícios diários e julgamento nos próximos 50 anos. o carmo caiu há bués e a trindade continua a aviar bjekas.

  3. Desapareceram?

    Talvez possam estar

    1) no Arquivo Privado de Defesa que Paulo Portas tem em casa, iniciado com as 67.000 fotocópias que privatizou quando saiu do governo;

    2) na cómoda do quartinho do santo Padre Cruz, no Largo do Caldas (hoje Largo Adelino Amaro da Costa), n.º 5, 1.º andar, ao fundo do corredor.

    3) no fundo duma gaveta na SIC Notícias, em Carnaxide, à espera que o Crespo passe os olhos pela coisa;

    4) num cofre da Ongoing, para serem objecto de tratamento especializado por parte de profissionais do ramo das informações;

    5) na mesinha de cabeceira do Relvas, que anda a estudar à noite para um mestrado em Ciências Ocultas e Submarinas;

    6) em casa da Zita Seabra, escondidos por baixo da documentação sobre os aparelhos de ar condicionado da FNAC.

  4. Importante, importante…
    é que já temos licenciaturas Honoris Causa.

    Viva o Relvas!
    Viva o Paulo Portas!
    Vivam!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.