5 thoughts on “Serviço público”

  1. interessantíssimo. não sei se aconteceu a não ser a mim: enquanto lia fui fazendo associações e imediatamente me surgiam os rostos de hoje, por elites, à direita do rei. e do outro lado os republicanos de esgar sorridente – nem podia ser de outra forma tamanha a ambiguidade, de conceitos apontados, referida. :-)

  2. Que um tipo como tu aproveitem para linkar o António Guerreiro e que, neste mundo de fantasia em que vives o luto por José Sócrates e “elogios” descabelados aos membros da “Quadrilha dos Irmãos Metralha” (Operação Face Oculta, Armando Vara claro, o caso BPN nacionalizado pelo José Sócrates, veja-se a indecorosa defesa do Dias Loureiro e do seu anjo da guarda Daniel Proença de Carvalho!, e todos os da Operação Marquês, o omnipresente José Sócrates, Augusto Santos Silva, Lalanda e Castro, de cognome “o Vampiro”, o Hélder Bataglia, o próprio Ricardo Salgado…) e ataques ad hominem e o bullying diários aos jornalistas e opinadores todos conluiados com o MP e os tipos do DCIAP, dizia, é quereres enganar mais uma vez os pacóvios que te lêem enquanto surfas uma onda a que não pertences porque nela navegam o próprio Guerreiro e o António Araújo do Malomil (um teu colega blogger de direita, mas assim para o excelente!). Diria que isto é mais do mesmo naquilo em que te especializaste: a falta de vergonha, Valupi.

  3. … alguns desses “independentes” vieram da extrema esquerda.. Muitos destes são liberais nos costumes e receiam ser catalogados com a direita conservadora, pelo que ainda dizem que são de esquerda, como é o caso, por exemplo, de António Barreto.
    Agora, com este ensaio, talvez essa gente se assuma de direita liberal ou o que lhe quiserem chamar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.