Serradura

A direita ranhosa ficou radiante com a parvoeira do aparvalhado ex-ministro da Economia. Nada de mais apropriado. Há uma natural afinidade entre a substância neuronal da direita ranhosa e o serrim de Pinho.

22 thoughts on “Serradura”

  1. Valupi, ando completamente out da política, mas o teu título chamou-me mesmo a atenção. Sabes porquê? Serradura é o doce da casa do café Diu no Porto e é uma delícia.:-)

  2. Ainda estou à espera das desculpas de Alberto João Jardim aos portugas de esquerda – há 30 anos que aquele imbecil insulta como bem lhe apetece tudo o que é comunista, bloquista ou socialista.

    Manuel Pinho teve acto infeliz..pediu desculpas, assunto arrumado. Mas ele mostrou mais do que isso, apresentou a demissão, atitude só ao nível de quem tem alguma dignidade nos cargos que ocupa. Ficou-lhe bem.

    Agora o mesmo não se pode dizer de AAJ e do deputado do psd, José Martins, que recentemente teve uma atitude verdadeiramente inqualificável ao insultar Sócrates na assembleia chamando-o de “palhaço” e mais tarde com atitudes inqualificáveis e truculentas em relação a Afonso Candal.

    Tanto Jardim e esse deputado-pallhaço estão no youtube, basta ir consultar.

    Gostava era de ver os impolutos senhores da direita a defenderem a demissão destes 2 personagens…mas isso é que já é mais inconveniente.

  3. este caso cornudo do pinho lembra-me aqueles jogadores da bola que andam todo o tempo a ser insultados (verbalmente e/ou fisicamente) e às tantas explodem, respondem na mesma moeda, e acabam por ser expulsos.
    e a acampanhar, a habitual hipocrisia: do psd, que esteve calado com as caralhadas e palhaços do deputado e antigo secretário de estado josé eduardo martins (quero ver o que diz agora o seu amigo, o galito da índia ricardo costa), e do pcp/bloco que permaneceram mudos no caso vital moreira do 1º maio último.
    finalmente, daqueles que antes estiveram calados ou só falaram para criticar, lá vem o elogio fúnebre (até do pacheco!) : que era um bom ministro, que dedicava 16 por dia à governação, que haverá um antes e um depois de manuel pinho, que pinho foi um visionário nas energias renováveis, blah, blah. acho que estão à espera de fazer o mesmo com todo o governo.

  4. Eu não sabia dessas histórias, Jim. Apenas daquela coisa da Madeira. Mas ouvi ontem Louçã indignado porque o PM referiu as «asneiras» e «mentiras» que dissera, classificand isso de baixeza. O mesmo Louçã que naquele mesmo espaço já disse de tudo sobre o PM e os membros do governo. E a terminar a nobilissima sessão, aquela muito bem educada militante do PC/Verdes a chamar repetidamente descarado e mentiroso ao PM. Podem ficar com o Pinho e vão para o raio que o parta, mais o respeito hipocritamente protestado por toda a cambada, pela «casa da democracia». E em tempo: casa essa presidida por uma sumidade que viu no Alberto João e na sua democracia ilhota o exemplo de todas as virtudes democratas!!! Porra! Alguém acredita nesta velhada rançosa? Esta Assembleia, com esta gente, só vai parir alternativas de pulhice. O que nos vale é que o País vai sobreviver, apesar desta gente.

  5. Serradura é uma substância inerte (nada tendo a ver com a farinha de pau que os brasileiros tão gostosamente usam como alimento), que serve, na melhor das hipóteses, como fonte de biomassa para a produção de energias renováveis, mas que, na pior das hipóteses, serve como substância inerte que é usada quando dá muito trabalho recorrer aos miolos (esses em desuso restauracional, talvez ainda com medo das vacas loucas). O uso da serradura é, infelizmente, muito frequente em política.
    Estou de acordo com Valupi e Jim Morrison. Nem se torna necessário repetir a evidência.
    Estranhas, estranhas deviam se consideradas as contínuas, corais e insuportáveis provocações de uma oposição bastante acéfala (claro que não são todos individualmente) e a insólita consequência de ainda não terem dado origem a maiores desacatos.

    Não é de modo algum aceitável o que M.Pinho fez, pelas consequências lesivas que daí advirão. É correcta a reacção imediata dele e do primeiro ministro. Não faltarão os tenores (sem desprimor para os músicos), os sapateiros (sem desprimor para os que efectivamente tratam das nossas alpergatas) que persistirão a tocar rabecão, as carpideiras (sem desprimor para as mesmas) que se afadigam, comoventemente, a tentar enterrar Portugal (todos os dias aparece uma na televisão).
    Todos eles darão como demonstrado que o primeiro ministro tem de ser varrido de qualquer maneira: imaginem que um seu ministro até recorreu ao gesto grosseiro à falta de argumentos… Estão de cabeça perdida, olaré.
    Deixemos entretanto o deputado vilipendiado e atingido na sua honra. Bem precisa de recolhimento, na sua adoração feliz e salvífica da imagem do próximo redentor: Kim Il Jong III. A Bem das Nações.

  6. Caro Valupi
    Ontem a aldeia agitou-se perante algo que se passou na Assembleia da República.
    Á noite o Crespo, com o seu ar de padreca, salivava litanias de adjectivos e advérbios de modo, bem acolitado sobre o “momento único”.
    Depois algures na Pérola do Atlântico, Jardim e seus muchachos, vestidos de anjinhos barrocos, saíam em procissão de desagravo em ruas pejadas de flores e alecrim esconjurando liguagem obscena e gestos indecorosos.
    Mais lá para o adiantado da noite em vão procurei José Martins e outros deputados (até do PS). Na realidade deveriam estar algures numa qualquer Igreja de Lisboa rezando novenas, terços ou até mesmo adorando o Sagrado Lausperene.
    Tive no entanto a suprema felicidade de ver o Louçã (et tu Francisco? Porque não deixas esse papel de figuração para o D.O. no Eixo do Mal.) e o Camarada Bernardino no desempenho de púdica vestal.
    Por fim o demagogo Rangel perorava sobre o desnorte do governo.Podíamos fazer ao “ponto negro” uma mão cheia de perguntas. Perante situações idênticas por parte de alguns deputados do seu partido e desse expoente da democracia que dá pelo nome de Jardim, tomou o PSD posições semelhantes? Já não esperei pelo Pacheco.
    Não defendo a atitude do ministro mas meu Deus porquê tanta hipocrisia?
    Estou quase a “gumitar” e posso assegurar-te que não é por causa dos flocos matinais. Vou mas é para o British Bar e desfrutar o sossego e escuridão da mesa do fundo. Começa-me a faltar a pachorra para esta m….!

    P.S. Aguardam-se mais acções de desagravo para hoje, orações grupais, adorações do Sagrado Lausperene, terços, novenas, procissões.
    Hoje,pela manhã, tiva a suprema felicidade de ouvir o Sr. Silva, o Carvalho, a juntar-se ao coro dos agravados. O outro com toda a certeza está em genuflexão desde ontem. OREMOS!!!!!!!

  7. A propósito do British Bar: será o Oh Tempo volta para trás do António Mourão no Festival da Canção o nosso hino nacional latente, muito mais significativo que o de Alfredo Keil? Ou será que é o relógio que anda ao contrário do BB que melhor representa, na nossa heráldica, o mitosinho de sísifo caseiro? A crespa e salivante criatura deve já estar a ajudar à missa de corpo presente do nosso portugalinho esparramado (é mas é do calor) ouvindo mais uma luminária a propósito, com galispo de barcelos (excelente nick name), amigo do tal de José Eduardo Martins, a urdir sentenças e vaticínios (é muito inteligente e tem ar disso).

  8. Com cornos vão ficar os Portugueses quando a velha dos “6 meses de democracia suspensa” lhes puser a canga que tanto lhes gosta. E quando levar o defice ao firmamento dos 6 ou 7% e os bancos “cá” fora começarem a cobrar aos bancos “lá” dentro (bcp, bpn, citigroup e outros amigalhaços da aleivosa) de acordo com o risco que representa um milhao de hipotecas sobre um curral sem controlo nem decoro. Vai ser o fim da bicharada.

  9. Porra não quero a MFL como PM!
    A total ausência de uma visão de um futuro de ideias para Portugal. Apenas o objectivo de tudo parar, tudo rasgar, nada fazer! ISto durante a pior crise dos últimos 80 anos! Se na mini crise de 2003 nos deixaram de fio dental imagine-se agora!
    E nem vale a pena falar das negociatas desta direita ranhosa hipócrita e demagoga q quer passar a imagem de rigor, mas eu só me lembro da falta dele. Confusões com o concurso de professores, do caso dos submarinos, do SIRESP, do BPN, do Casino de Lisboa, do caso Portucale!

  10. Hey Jim!

    Os deputados não podem ser demitos.

    Quanto aos Candal, temos o caso bicudo do pápá, que Deus tenha!

  11. O pinho eu conheço à muitos anos, ainda ele um rapaz do psd, Director-Geral do avançado mental (Braga de Macedo) e já então ele não regulava bem.

    Mas o que acho curioso é este valupi nunca ter apontado nenhum dos desvarios do sr. agora que ele saiu do governo é uma besta desmiolada.
    Isto diz bem da honestidade do valupi.

  12. O crime de Manuel Pinho foi tentar estragar a pintura em que a “esquerda” padreca e beata (muito bem, jafonso – ali em cima) quer ver acantonados todos os aljustrelenses deste mundo: pobres, desempregados e neo-realistáveis. Pobres, desempregados e disponíveis a tempo inteiro, coçando as esquinas do largo da vila à espera das camionetas que os hão-de levar à manifestação em Lisboa. O crime de Manuel Pinho foi ter obrigado a “esquerda” padreca e beata a ouvir um membro da comissão de trabalhadores da Qimonda dizer que o governo estava a fazer o possível. A “esquerda” padreca e beata vê todos os aljustrelenses deste mundo como todos os padrecas e beatas vêm os pobres que deus lhes disponibiliza para poderem exercitar a caridade: estes pobres são nossos, que ninguém se atreva a ajudá-los, precisamos deles para ganhar o céu.

    A “esquerda” padreca e beata nunca perdoou a Manuel Pinho e aos aljustrelenses que com ele confraternizaram aqui há uns meses.

    Sentiu-se encornada, e de que maneira. Foi isto que Manuel Pinho quis significar, aposto. E tinha toda a razão. E tem a minha solidariedade. Ainda tenha sido necessário demitir-se, porque é preciso que continue a haver quem liberte os muitos aljustrelenses deste mundo do destino que padrecas e beatas lhes reservaram.

  13. Valupi meu caro, a vida não está nada fácil. Opinião por opinião te direi que o teu blogue já teve melhor público, de sentido crítico, parabéns, estão todos do lado do touro. Bom trabalho, é assim mesmo que se molda o barro com que este povo é feito.
    É o Parlamento que vira arena, é o Benfica que vira circo, é o teu blogue cheio de “chocas” que alimentas com mimos. Não é possível que este povo só se inspire em touradas. Porque raio não vai às verdadeiras?
    Em tempos foi a tourada da canção, depois a tourada da revolução (eram todos toureiros), logo após a tourada do PREC, alto aí, no seguimento, a tourada da democracia tipo socialismo democrático, e, finalmente, meninos e meninas a tourada dos bancos e seus artistas. Ele é cada estocada no pessoal, não caem redondos mas ficam a quatro patas, o costume, não morrem nem caiem.
    A tourada final? Não há tourada final, só há uma única espécie, Toureados, uma mistura de touro e toureiro. Valupi, porque será que há quem se revolte no Irão ou nas Honduras, estão todos apaixonas por quem? Esta minha gente pode ser boa mas de pouca serventia. Possivelmente vamos ter uma revolução de vermelhos mas da bola. Dali há sangue de verdade. Vermelho puro, lúcido, honesto, valente e com dinheiro para gastos.
    Este pobre ministro “morreu” com os cornos na testa (salvo seja), como sairão os outros da arena? Como as chocas? Com estoque final do “Matador” de serviço? Veremos. Que haja muito vinho, para quem gosta, e festa da boa para todos.

  14. Olha, VENENO, vai despejar o fel na tua própria sanita. Pessoas azedas como tu, já o país anda cheio. Vê mas é na tua própria casa se trazes as coisas arrumadas e limpas. É por aí que as coisas mudam.

  15. Não tens vergonha, Veneno, de chafurdar no mesmo chiqueiro de Alberto João e da comandita do BPN? Ao abrir a boca, e podes fazê-lo quando quiseres, deveria ser para pedir desculpa pelos teus companheiros de viagem. Ou nem tens a noção das companhias com que sentas à mesa do café?

  16. Espero que mais esta trapalhada não seja só o preâmbulo de mais um ministro a passar-se para o Conselho de Administração de uma grande Empresa Privada!

  17. Manuel Pinho aproveitou para mostrar quem é o chefe da manada.
    Obviamente uma usurpação de poderes só podia acabar em demissão.
    jojoratazana

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.