18 thoughts on “Sectarismo encanzinado”

  1. bom bom era se ela fosse mais dada a acordos em autarquias com adversários políticos para garantir a manutenção de negociatas

  2. Rigorosamente verdade! Tal como a posição que o PS defende, no que tange a guerra; só que, neste caso, é muito mais grave: apoia-se a destruição metódica de um país e a morte do seu povo, sem que se vislumbre uma qualquer razão válida, para além daquela que interessará aos sectores imperialistas americanos.

  3. Uma coerência muito incoerente.
    Não sei em que mundo é que esses fulanos vivem.
    E nem sou capaz de imaginar o mundo que eles preconizam.
    Mas, de uma coisa tenho a certeza absoluta.
    Nesse mundo não quereria viver.

  4. eu não sou sectária , não tenho partido , e há bués que digo que o pai adoptivo ou padrasto do chega /populismo é o zezito. e seus ex associados. quem faz crescer a malta que quer acabar com isto tudo é quem desgoverna isto tudo. lógica da banana. ou bananal.

  5. Anda animada com as sondagens cozinhadas pela frente nacional do aldrabé e com o apoio generalizado da comunicação sucial. Noutros tempos e mesmo contexto já tinham sido condenados por espionagem, roubo de computador e tráfico de material classificado para alimentar a campanha populista da direita.

  6. Pior que não ser sectária e não ter partido é ser tudo e o seu contrário, ser anarquista libertária e hobbista ou maquiavelista, isto é, ser tudo e o seu contrário.
    Em suma, pior que tudo é ser-se um verdadeiro travesti político.

  7. eu acho que o encanzinamento advém do desprezo do Costa pelo clientelismo. coitada da calculista falhada.

  8. (Este meu comentário pode dar pano para mangas)
    Sra. yo,
    O “populismo” em Portugal não foi promovido pelo “Zezito” como afirma; sabe bem que essa acusação não é verdadeira. O que vou escrever a seguir, sei, vai parecer ridículo.

    O populismo em Portugal manifesta-se logo após o 25 de Abril no PPD de Sá Carneiro, partido onde se acoitaram os salazaristas & cia. i…lda. Sá Carneiro é o primeiro e mais sofisticado “populista” da política portuguesa, que não escondeu os seus objetivos frentistas – edificar uma FRENTE contra todos os partidos existentes. Nesse objetivo não se coibiu de lançar um candidato à presidência da República, o general Soares Carneiro, de passado muito sombrio, que o havia de conduzir a um desenlace fatal. Entretanto, é o PPD que vem a parir o chamado partido populista, do fascista Ventura, até então residente no PPD/PSD. É ainda esse PPD/PSD que temos aí hoje nos OCS.
    O mais genuíno partido democrático português de direita foi, desde o 25 de Abril, o CDS de Freitas do Amaral, Amaro da Costa, Basílio Horta e outros, na sua maioria mais ligados ao Estado Novo. Tinham consciência que o regime anterior se esgotara e uma nova era se iniciara – exemplo disso foi Adriano Moreira, que, como já aqui disse, era “o mais bem apetrechado para suceder a Salazar”, mas suficientemente inteligente para perceber o que se passou a seguir e, por isso, aderiu à democracia.

  9. multifacetada , como a realidade , José…de travesti não tenho nada , sou sempre como sou, não engano ninguém , isso é coisas de” socialistas do centro”.

  10. Qual realidade yo? Onde está essa realidade tão evocada e reinvindicada por cada um e que ninguém sabe o que é, onde para, de que consta, qual a forma, conteúdo e sentido de futuro.
    Não há realidades fixas, estáticas, imóveis e impassíveis como o deus de Parménides. E tu saltitas de realidade em realidade incessantemente sem qualquer lógica de lugar, tempo e sentido perdida à procura do indeterminado.

  11. bem , tenho a dizer que concordo completamente nisso do saltitar . os pensamentos são como as cerejas -:) e não excluo visão nenhuma , aproveita-se sempre qualquer coisa .

  12. Sr. Fernando, não acho que Sá Carneiro tenha sido sucessor de Salazar e Cia Lda. e a que se refere quando o acusa de populismo ?
    Sá Carneiro, isso sim, integrou no partido, para além de pessoas sem vinculo partidário anterior, bastantes apoiantes de Marcelo Caetano, que, diga-se, caso não existisse o problema da guerra colonial, teria continuado por muitos anos, com apoio popular, promovendo reformas e a seu tempo, afastando os ultras do almirante Tomás, nem que fosse pela morte natural de tal velhedo. O CDS, esses sim, integrou ranhosos e ranhosas ultra conservadores e ultra direitistas, do regime deposto. Tirando as bases, era o partido que tinha na altura, melhores e mais bem preparados quadros. O caso Ventura é uma deriva do PSD de Coelho, diga-se que, alimentado com descontentes do rumo do 25 de Abril, transfugas de todos os partidos, incluindo, pasme, o PC, que perdeu toda a sua força ao longo do tempo, incluindo a ridícula sindical, com funcionários cativos e pagos, a fazerem de agentes da ordem pública, em manifestações, só em Évora foi um número brutal que deixou de votar no PC, e votou no chega, ou seja, ao BE e em especial ao PC, saiu caro o apoio a Costa, perderam ambos a clientela partidária. Ainda por cima, para se cumprir a insidiosa sugestão feita aqui no blog, de que, não existia perigo para o Ps de Costa, porque mais tarde, o Costa poderia sempre afirmar que o êxito da governação, se devia EXCLUSIVAMENTE, ao PS, e não à coligação tripartidaria, a geringonça, foi precisamente o que Costa fez. Assim, se colocando, perante a história, ao mesmo nível de Cavaco, que, quando derrubado pelo PRD, na altura 2⁰ partido e o ps em terceiro, alardeou para si, os louros da governação. Mentira, o que de bom tinha saido do governo de Cavaco, foi fruto da acção do PRD.

  13. o zezito e o magalhães……a longo prazo uma medida extremamente prejudicial.
    o deslumbramento dos burros que querem parecer modernos.

    A Suécia decidiu acabar com os “tablets” nas escolas para regressar aos tradicionais manuais escolares em papel. A decisão é tomada com base em vários estudos que demonstram que os écrãs interativos refreiam o desenvolvimento da inteligência. A presença dos “tablets” na sala de aula estava a ser mais prejudicial do que benéfica para um saudável desenvolvimento da aprendizagem. A notícia foi publicada esta quinta-feira, dia 1, na pág. 20 do jornal francês “Libération”. Ali se explica que os ”tablets” , mais que o livro, a fotografia ou a TV, inserem as crianças “numa realidade pré-fabricada”, da qual é subtraído o necessário enquadramento. Ora, aprender é descobrir as coisas para pensar o mundo. Ou seja, como escreve o jornal, “ter uma cabeça bem fornecida de conceitos, mais do que cheia de aplicações”. Os estudos demonstram que a leitura em ecrã fica menos “impressa” na memória do que a leitura em papel. Depois de comentar os efeitos do “scrolling” e do tempo passado frente aos ecrãs, o artigo sublinha que a escola reclama o inverso de tudo isto: a paciência, um esforço de mudança, uma apropriação dos conteúdos por um discurso personalizado, o diálogo, o questionamento para permitir compreender o mundo. As crianças e adolescentes não têm ainda a disciplina e o discernimento necessários para um uso razoável dos ecrãs, o que desencadeia uma subversão do processo de aprendizagem. Assim, introduzir os ecrãs nas escolas é tão aberrante como colocar aperitivos numa sessão de alcoólicos anónimos, diz-se no artigo.
    Portugal está agora a introduzir computadores nas aulas de crianças com 6 e 7 anos. Talvez daqui a uma década alguém chegue à conclusão de que não é grande ideia.

  14. Já há conclusões a esse respeito e caminha-se para uma geração de portadores de deficiências visuais por força da luz dos smartfones e da minúscula imagem. Ninguém deve ler no ecran, caso seja possível, imprimam e leiam no papel. Resumindo e concluindo, caminhamos para um mundo “novo” em que tudo o que era garantido e habitual, banal, se torna em luxo, dispendioso, porque raro. Adeus facturas em papel, agora é tudo digital, quem optar pelo papel, tem que pagar, pelo que era grátis. Na década de 50, 60, 70, praí até 90, empresa que remetesse papel a cobrar no destinatário era sinal de extrema má impressão, ou era mal-educada, ou indigente. Agora é banal e o corrente é factura electrónica. Se o sistema central for atacado por piratas informáticos o que tornou-se praga e prática comum, a empresa fecha o programa e o utente fica sem meios de consulta. Na pior das hipóteses pode perder todo o histórico de facturas. Habituem-se, o povo deu-lhe a maioria absoluta (será que terá dado ?) para fazer-mos o que entendemos, a bem da transição digital, adiante o nosso, que se ioda o resto. Palavras do senhor da costa.

  15. passaram para os clientes/cidadãos o trabalho que era deles…imagine que na contabilidade temos de mandar tudo digitalizado , a trabalheira que aquilo dá ao cliente. ok, em vez de guardar resmas de papel durante 10 anos , agora basta pen , mas não compensa de forma nenhuma para quem paga o serviço , que não diminuiu de preço.
    a perda de tempo que significa para o cliente facturas no smarfone? temos de andar com aquilo sempre atrás, fonix.
    o código qr? uma factura que demorava segundos a emitir , com a treta do código passou a demorar quase um minuto. e assim se vai a produtividade.
    e lá vão todos contentes e vaidosos com os seus brinquedos tecnológicos , sem perderem tempo a avaliar os custos benefícios de usar aquilo.

  16. Mas o mandar digitalizado é só alegadamente, para acelerar, não dispensa, o envio do original em papel. Frequentemente, os sites não funcionam e perde-se o envio digital. E também sucede ainda mais frequentemente, o extravio do original em papel, na empresa. Resultado: o interessado, fica descalço e com as mãos a abanar.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *