Revolution through evolution

Marriage has morphed into a means of supporting intensive investments in children
.
Movies as a tool to assess acceptability of intimate partner violence
.
Sexism Rules in the Voting Booth Unless Voters Have More Information
.
Polling station environments matter: Physical layout can impact the voting experience
.
People Routinely Attribute Moral Obligations to People Who Cannot Fulfill Them
.
Is Your Boss A Tyrant? An Unhappy Home Life May Be To Blame
.
Why We Look at Pretty Faces

.
.
Vanilla yogurt makes us feel happy
.
Taking public transportation instead of driving linked with better health
.
Ant colony responds to predation simulation as a ‘superorganism’
.
A network of artificial neurons learns to use human language
.
Award-Winning Feminist Family Researcher Examines Sense of Feminist Fraudulence in Her Work
.
Count Your Blessings for a Boost to Your Health

7 thoughts on “Revolution through evolution”

  1. Tenho tido um horrível pesadelo recorrente em que Paulo Portas, o comediante de sucesso, famoso pelo seu vedetismo e pela estridência das suas crises de nervos, tem responsabilidades de governação ao mais alto nível num estranho governo nacional que partilha com Pedrito Coelho, o cantor pimba que recentemente, para espanto de todos, conquistou o 2º prémio no Festival da Canção da Eurovisão e imediatamente exigiu uma mudança de regras que lhe atribuísse a maioria dos votos.

    E como se isto não bastasse, como se a irrealidade onírica não fosse suficiente, o chefe de estado é nada mais nada menos do que o senhor Aníbal da «Trocas e Hipotecas Agentes Imobiliários» que me conseguiu impingir a merda do pardieiro em ruínas antes de fugir para parte incerta com o resto da quadrilha!

    Acordo invariavelmente com a sensação de queda livre, banhado em suores frios. Mas o pesadelo é tão vívido e o pânico de tal ordem que me ponho a pensar no dilema do filósofo chinês que sonhou ser uma borboleta e depois, quando acordou, ficou a pensar se não seria uma borboleta a sonhar que era ele.

    Mas não é tudo. Em vez do nosso Mitra que tanta devoção popular congrega, toda a gente venera o obscuro semideus dos mistérios cristãos, até os economitristas César das Neves e Pedro Arroja, que tiveram a honra de ser nomeados pelo Patriarca Clemente para matar o bovídeo de farinha no passado Natal Invicto.

    Para completar este quadro absurdo, numa nota picaresca, o (lá como cá) inenarrável Arroja, na noite passada, tinha à perna o Bloco de Esquerda, que é uma espécie da nossa Frente Fracturante, por ter cometido o gravíssimo «abuso sexista potencialmente mortífero» de ter chamado «esganiçadas» às suas dirigentes. Acho que o Bloco devia andar com pouco senso de humor e muita falta de causas liberticidas.

    Portugal, o país que lançou as caravelas com o sol de Mitra nas velas e deu novos mundos ao mundo, entregue a esta malta!

    O único tipo que parece calmo, decente e inteligente no sonho assustador é um indo-português de nome Costa que vem da Câmara de Lisboa, consegue o apoio de uma maioria absoluta na Assembleia, preenche todas as condições para substituir o dueto Coelho-Portas, mas depois é atacado e insultado por todas os interesses ligados ao poder, e o Aníbal, em vez de o indigitar, foge do palácio presidencial e esconde-se para lhe cortar as vazas.

    Não faço ideia de onde pára este Costa no mundo real, se é que existe, nem, infelizmente, o troca-tintas do Aníbal.

    A única coisa com um sabor muito familiar é a ideologia de fundo da direita portuguesa no poder, que praticamente se resume, cosméticos à parte, à famosa fórmula de Oliveira da Figueira Salazar: «daqui não saio, daqui ninguém me tira».

    Lá como cá, por espantoso que pareça! Acusam a oposição de estar com uma fome de poder insaciável, enquanto eles, coitados, não fazem senão consentir em sacrificar-se em nome do bem comum e do chamamento do Alto. Mas depois queixam-se quando o povo começa a pensar em guilhotinas para lhes pôr cobro à dieta e às dores de cabeça.

    Hoje vou fazer um teste de Pauli-Jung e meter esta página do meu diário num canto qualquer da internet durante a fase de sono ligeiro intermitente, para ver se por algum fenómeno de conjunção quântica de alternativas virtuais ele passa electronicamente para o lado de lá da separação onírica.

  2. até a ciência comprova que os olhos, poesia natural, são o espelho da alma. uma espécie de cartão de serdadão. :-)

  3. Olinda, desculpa a pergunta, mas estou confuso e tenho a cabeça à razão de juros, à força de evitar adormecer. Em que mundo é que estás? O primeiro-ministro não é o Américo Monteiro? E o governo é PAF ou PIFO? Os Independentes Federativos do Ocidente existem ou não? E as repúblicas helvética e filistina não são paradigmáticas da paz num mundo relativamente tranquilo? Anda por aí algum presidente a monte? Socorro!

  4. Desculpem lá a deriva mas não resisto a mais um a introdução à noticia no DN, hoje.
    “.Muçulmanos em Portugal condenam atos terroristas em Paris e sublinham que nada têm a ver com o islão.”
    Isto deve ser consequência de colocar o porteiro ( com respeito pelos porteiros) a fazer notícias

  5. F Soares, parece-me que o título diz é que os actos terroristas em Paris, e não os Muçulmanos em Portugal, nada têm a ver com o Islão. Enfim, pode ser um bocadinho ambíguo, mas dentro dos limites do tolerável.

  6. eu estou no mundo da ciência e das pretty faces, Gungunhanha Meirelles. ou seja, estou no sítio certo e nem precisei comer iogurte de baunilha. e tu, andas nas space pizzas com olhos de ignorância? :-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.