Resolver o problema

Nesta direcção do JN, sou um problema resolvido, Moura Guedes, é um problema resolvido na direcção da TVI, José Eduardo Moniz é um problema resolvido na direcção da Media Capital, José Manuel Fernandes é um problema resolvido no PÚBLICO

Um louco à solta

*

Como é que se poderá resolver o problema do Crespo? A fazer fé nas suas declarações, a solução passa por:

Demitir-se da SIC – exemplo JN
Meter baixa médica na SIC – exemplo Moura Guedes
Ser contratado para vice-presidente de um poderoso grupo de comunicação interessado em comprar a SIC – exemplo José Eduardo Moniz
Ser demitido pelo Balsemão por manifesta incompetência profissional – exemplo José Manuel Fernandes

Se alguma destas opções não for do seu agrado, também pode pegar no Medina, no Pacheco, na Moura Guedes, no Cintra Torres, na Helena Matos, no Carlos Vidal, no João Gonçalves e montar um espectáculo: Freeport Circus A face oculta dos palhaços

31 thoughts on “Resolver o problema”

  1. Olha, pensava que o espectáculo já estava montado. E que este era apenas outro acto, como diria o apresentador: “mais ousado ainda, senhoras e senhores, meninos e meninas, vejam o palhaço a tentar o salto mortal como os trapezistas anteriores!”. Eu, pelo menos, estou farto de rir.

  2. O Expresso relata a tentativa de intimidação socretina que correu mal…

    “Iniciativa da conversa foi de Sócrates

    Segundo as mesmas fontes, terá sido José Sócrates e os seus dois ministros dos Assuntos Parlamentares e da Presidência (Jorge Lacão e Silva Pereira) a dirigirem-se à mesa onde se encontrava Nuno Santos a almoçar com a apresentadora de televisão Bárbara Guimarães.

    Em tom exaltado e facilmente audível pelos presentes no restaurante, o primeiro-ministro terá tido a iniciativa de falar de Mário Crespo e do conteúdo do seu noticiário, considerando mesmo que o jornalista deveria “ir para o manicómio”. “Definiram-me como um problema que teria de ter solução”, escreveu Mário Crespo na crónica censurada.

    Nuno Santos confirmou palavras do primeiro-ministro

    A informação sobre o teor desta conversa chegou ao conhecimento de Mário Crespo, não através dos seus colegas da SIC, mas através de um e-mail ”de uma pessoa que estava presente no restaurante e me transmitiu o que ouviu”, disse o jornalista ao Expresso.

    Crespo confirmou, em seguida, as informações junto de Nuno Santos e de Bárbara Guimarães, antes de escrever a sua habitual crónica destinada ao “Jornal de Notícias”. Aliás, no artigo – que seria recusado pelo director do JN por, alegadamente, a informação não ter sido confirmada – Mário Crespo sublinha que o relato “é fidedigno. Confirmei-o” e transcreve mesmo partes do e-mail recebido.”

  3. Você está desesperado, Valupi. Tal como os seus amigos socretinos. Estão com medo. Desta vez arriscaram demais e vão sofrer as consequências. As desculpas esfarrapadas do caso do Jornal de Sexta da TVI e de outros desta vez é que não pegam mesmo.

    Há uma estratégia sistemática de tentar, através de expedientes estalinistas (são “loucos”) calar as vozes que desmascaram a CORRUPÇÃO e a PEDOFILIA de muitos socialistas, que vão acabar na prisão como merecem. O P. Asqueroso não se fica a rir. Vai mesmo pagá-las. Já perdeu as acções de “difamação” (!!!) contra todos os franguinhos que andou a violar Portugal e que o identificaram como aquilo que é: um asqueroso.

    Portugal não é o Império do Imperador Bokassa, como julgam os membros dessa máfia. A Maçonaria da Loja gay-pedófila-sucateira será esmagada. E você não se canse tanto a fazer palhaçadas que não resultam. Você quer enganar quem ? Já todos sabem a verdade.
    Se continuar, e porque é mesmo LOUCO ! Un fou à lier…

  4. Val…o seu amigo Socrates so lhe permite essa resposta? Ta com medo de ser despedido? Alem de se esconder atras de um nome fajuto, ja nem respostas da? So arrota pro ar é? Ja li essa resposta umas tres ou quatro vezes hoje e bem me quer parecer que vou levar com identica em cima.
    Ja percebemos que gosta de vinho, mas olhe que isso em excesso da paralesia cerebral.

    P.S. Isto de me dirigir a um “avatar” e porreiro…posso perder a compostura. E como falar pro boneco.

  5. Val, os gajos estão mesmo desesperados. Agora até deixam por momentos o antro seguro do Blasfémias, que se tornou num vomitório a vêm aqui fazer umas investidas…é bom sinal

  6. “Se continuar, é porque é mesmo LOUCO”. .. seguido de um arfar descontrolado e psicótico….

    Responde, responde…então, responde mais!!!!

    (Isto aparece cada freak (no sentido de aberração, claro), que só visto).

  7. Tem razao toda a razao FV. Ainda vai havendo “antros seguros” , pequenos blogs e certo, mas por enquanto ainda seguros. Com este querido lider nunca se sabe ate quando. Nao va a florzinha sentir-se ofendida e la teremos todos de virar “avatar”

  8. O Crespo é um caso sério e preocupante pq há por aí muitos como ele, que se julgam defensores das liberdades! De facto o homem pertence no manicómio ou pelo menos precisa de ajuda, é só ler as crónicas no JN e assistir ao jornal das 9 na SICN, esse espaço de opinião disfarçado de noticias!
    O auge da demência ocorreu quando permitiu que uma tal de Felicia Cabrita tomasse conta do seu programa e falasse sem qq tipo de contraditório, nem de questões básicas que um jornalista deve fazer aos seus convidados para tentar esclarecer o seu público.
    Mas o auge daquele programa foi qdo o ministro Silva Pereira o reduziu à sua insignificância desmontando uma serie de asneiras que o crespo balbuciava e ainda lhe deu a estocada final ao responder ao “foi um prazer” com um seco “foi uma obrigação”!

  9. Ui…..com respostas de tamanha inteligencia como essa que posso eu dizer. Que clareza de ideias, que coragem, que mente prodigiosa, que argumentaçao brilhante.
    Val, sou um cagao ao seu serviço. Talvez assim suba na carreira e quem sabe chegue a primeiro. Disponha sempre.

  10. Diz-se por aí que se as vendas do livro correrem mal o Crespo vai tentar arrumar Socrates de uma vez por todas vingando de um só golpe toda a ressabiada direita e toda a ressabiada esquerda. O plano baseia-se no treino obtido aquando ao serviço de Kaulza e consiste em atirar-se para debaixo da viatura oficial do 1º ministro, se possivel antes do inicio de uma cerimonia oficial, obtendo assim as provas que necessita quanto à sua solução.
    O Zé Manel já disse que alinhava desde que fosse só para registar o “acontecimento” em fotografia, desde que não envolvesse computadores.

  11. Val, isto está a ficar divertido :D

    Aqui o “Morais” diz que estás com medo de ser despedido, que tens um nome fajuto (?), que só arrotas pr’ó ar, que abusas do vinho…bla…

    e depois fica muito melindrado porque chamar-lhe cagão não é inteligente…LOL e mais LOL

  12. Que jornalismo:
    Agora vem Mário Crespo com a denúncia sobre a provável conversa de José Sócrates e dois Ministros a caluniá-lo. Não seria que disseram que comiam todos os crepes que o restaurante tinha para servir aos comensais? De certeza que sim. E o bufo confundisse com crespo? Crepes e Crespos são parecidos.
    Se eu estivesse no lugar do 1º. Ministro reunia os socialistas que são convidados para o programa «a nojeira do Crespo» a não irem lá. Na minha modesta opinião acho que deviam todos, mas todos, se negarem. Quem não se sente não é filho de boa gente. Depois se fosse um programa que enaltecesse os convidados vá que não vá, agora pelo que ouço, não vejo tal programa, – tenho mais com me entreter, prefiro ver a RTP Memória – só vai para ali uma espécie de marretas, Medina Carreira, Hernâni Lopes e companhia.
    Se Mário Crespo gostasse do contraditório deixava que o director do JN, José Leite Pereira, o fizesse, para se saber da veracidade, ao não o admitir demonstra a sua fragilidade. Quando os argumentos falham, vem os choros de mártires da informação. Se o sindicato dos jornalistas fosse um organismo sério, «para isso existem as ordens» mas, de ordens tomara eles verem-nas longe, aprofundavam este assunto até ao limite, antes de tomarem a defesa de Crespo. Mas para isso ficavam sem associados. Os sindicatos servem para a defesa dos que nada sabem fazer ou intriguistas. É o que dá o corporativismo. Se eu estivesse no lugar do director do JN, se fosse sócio do sindicato, suspendia a cobrança das minhas quotas até esta direcção do sindicato sair. Já o fiz com o meu sindicato por situações parecidas.
    Pela vida fora sempre acreditei que para certos lugares, jornalismo, directores de programação e de edições, fossem pessoas com nível e uma certa cultura. Mas não, dão-se estes lugares a personalidades que prestam todo o tipo de servilismo aos seus patrões ou às suas causas, a publicidade da venda de seus livros.
    Tivemos o Gonçalo Amaral com o livro «A Verdade da Mentira» aproveitou-se de factos para que foi pago pelo Estado, para os revelar e fazer comparações e mais tarde ganhar dinheiro com a venda do mesmo.
    Sabemos que o Crespo se prepara para o mesmo. Diz que vai ser publicado no próximo dia 11 e lançado no Grémio Literário de um livro, que terá um prefácio de Medina Carreira, «outro do mesmo saco» onde a crónica censurada – “O Fim da Linha” – surgirá à cabeça. Quer publicidade.
    Que eu tenha conhecimento até hoje, só houve um escritor que sabe fazer publicidade aos seus livros, que é José Saramago, estes são uns ajudantes de aprendizes.
    Sabemos de antemão que desde que Mário Crespo foi trocado por Carneiro Jacinto para ir para Washington, desde aí usou sempre a maledicência sobre José Sócrates e vários elementos do Governo. Belmiro de Azevedo por o governo não aceitar a sua opa também pôs José Sócrates pela lama da rua, agora vem o Crespo por ser trocado por outro jornalista, dizer cobras e lagartos. Maneiras de se estar na vida. Os governos só são bons se lhes aparar o pião.
    Há pessoas que não sabem ser preteridas, depois usam todos os meios e calúnias para se vingarem. Que gente tão mesquinha como os Crespos deste País. Podem enxovalhar quem querem mas, quando provam do seu próprio veneno, não se sentem bem. É com estas personalidades que o País há-de progredir, se assim for prefiro ser um inculto. Não quero ser um amedrontado que tem medo dos contraditórios e um lambe botas como muitos Crespos que existem.

  13. Não precisam de sindicatos para nada. Isto nunca esteve tão bom para jornalistas, colunistas e afins. Podem fazer o que lhes apetecer, dizer o que lhes dá na gana, atingir todos os limites de incompetência que, ao contrário do que acontecia antes de Sócrates, ninguém lhes pode tocar. À mais pequena ameaça de despedimento basta gritarem aos sete ventos que estão a ser vítimas da implacável asfixia, e pronto, problema resolvido. Ainda vão ter muitas saudades do Sócrates…

  14. Edie, qualquer piada que se tente fazer com estes idiotas corre o risco de ser rapidamente ultrapassada pela realidade. Este país está mau para os bons humoristas que não são devidamente respeitados e vêm a toda a hora o seu trabalho ser invadido por mão de obra barata e desqualificada.O dumping do humor.

  15. Caro Val,
    O Balsemão quanto muito já tinha despedido o Carreira Bom ( entretanto falecido ) e poderá despedir o Mário Crespo.
    o Sr. José Manuel Fernandes foi despedido pelo Eng. Belmiro de Azevedo. Está cansado de perder dinheiro no “Público” gerido por incompetentes.
    Enaqutno ao espectáculo a montar pelos asfixiados sugiro “Freeport Circus – aface oculta dos frustrados ” .
    É que os palhaços são boa gente.
    Cumprimentos

  16. O caso a solucionar”, congrega, desde logo, fortes indícios da existência de um plano maquiavélico, germinado pessoalmente por José Sócrates, que é um plágio descarado da nazista “solução final”, que, na sua génese, que pretendia alcançar o total extermínio de uma raça.
    Pensem bem na insistência, desde que era Ministro do Ambiente, na politica da co-incineração e em fltros de mangas. Neste caso é o extermínio de jornalistas deficientes.
    Já se sabia quem tinha em mente: o Moniz e a Manuela, o Manuel Fernandes e, claro, o Crespo.
    Espero que o Val não censure este comentário, até porque tem a mesma dignidade do artigo rejeitado pela Direcção do DN.
    PS – deve ser removido também o comentário anterior, pese a “excelência do seu conteúdo”

  17. o crespo insulta impunemente toda gente que lhe apetece com as suas crónicas no jn. insinuações é coisa que por lá não falta. agora, acreditando no crespo, parece que lhe chamaram mentecapto e o homem passou-se com o insulto. já tínhamos visto que os especialistas no insulto têm muito pouco poder de encaixe (vimos isso com o ppereira, a loira do psd). o crespo é no fundo uma puta a comportar-se com uma virgem ofendida.

    voltou a asfixia, os patetas não aprenderam nada com a campanha de vitimização anterior. como pode haver asfixia quando a maior parte dos media continuam o tiro ao sócrates? as pessoas lêem, ouvem e decididamente não são parvas.

  18. Peço desculpa, mas estou nervoso…comentário corrigido (2)

    O caso a solucionar”, congrega, desde logo, fortes indícios da existência de um plano maquiavélico, germinado pessoalmente por José Sócrates, que é um plágio descarado da nazista “solução final”, que, na sua génese, pretendia alcançar o total extermínio de uma raça.
    Pensem bem na insistência, desde que era Ministro do Ambiente, na politica da co-incineração e em fltros de mangas. Neste caso é o extermínio de jornalistas deficientes.
    Já se sabia quem tinha em mente: o Moniz e a Manuela, o Manuel Fernandes e, claro, o Crespo.
    Espero que o Val não censure este comentário, até porque tem a mesma dignidade do artigo rejeitado pela Direcção do JN.
    PS – deve ser removido também o comentário anterior, pese a “excelência do seu conteúdo”

  19. Ena!… a direita ranhosa está em êxtase. Estes adeptos da claustrofobia democrática estão desalmados. Depois de um jejum todo o tamanho, orfandades mal digeridas e à beira do suicídio (dizem…), a fama das contratações de Inverno parece que os convenceu que já não precisam de vestir o equipamento e dar o cabedal para serem campeões.

    Este episódio do Crespo mostra que apesar de toda a ciência e tecnologia há verdades difíceis de mudar e a melhor forma de apanhar ratos continua a ser com uma ratoeira. Eles não se resistem ao perfume do engodo.

  20. tra.quinas,

    São todos medíocres. Nem para mentir servem.

    As historias são todas tão facilmente desmontáveis, que até mete dó imaginar que foram criadas pelo escol do maior partido da oposição.

    Curiosamente, surgem sempre que existe uma etapa importante na vida do país.

  21. E nem lhes dou nenhuma credibilidade. Há décadas, (séculos…), que andam neste nojo e apesar disso a nossa sociedade tem feito alguns progressos.

    Mas concordo que é triste que, por culpa de muitos, a batalha tenha que passar a ser encarada como individual, em vez de comunitária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.