Querem impostos mais baixos? Então, abaixo a Constituição

«Tudo é pressão, mas esta pressão no sentido do aviso, é legítima», acrescentou este ex-líder do PSD, que entende que o Tribunal Constitucional estará a fazer um «bloqueio» ao se opor à redução de salários e, ao mesmo tempo, à redução de pessoal.

No seu espaço de comentário na SIC, Marques Mendes defendeu que, no caso de o Tribunal Constitucional se opor a estas duas questões, estará a impedir que o Governo faça uma redução de impostos.

«Hoje há um clamor nacional no sentido de baixar impostos. Para baixar impostos é preciso diminuir despesa e para diminuir despesa é preciso fazer um de dois cortes: reduz salários ou reduz pessoal», lembrou.

Marques Mendes considerou ainda que no Governo nem enfrenta tanto o problema de ter de cumprir a Constituição, mas sim o da «interpretação» da Lei Fundamental por parte do Tribunal Constitucional.

Nem este deboche leva o PCP, a muralha d’aço da Constituição “de Abril”, a sair à rua, sequer a levantar a voz – Porquê? Ainda estão a recuperar da luta homérica dada aos fachos do PS

17 thoughts on “Querem impostos mais baixos? Então, abaixo a Constituição”

  1. tens tido manifestações e greves como nunca visto, gente expulsa das galerias da AR, mas está claro que o pcp, be e ctp não levantam a voz.

    deve ser o ps deixando passar mais legislação gravosa contra o trabalho, leis contra os estivadores, embarcando em reuniões que ressuscitam, aceitando as 40 horas na voz de figurões como o neo liberal correia de campos, recusando rasgar o memorando e inaugurando estátuas a cónegos que se opõe bué.

  2. “deve ser o ps deixando passar mais legislação gravosa” Deve ser como na ONU, há partidos que têm poder de veto.

  3. Aquaporina tens dificuldades de leitura e de interpretação.

    Sejamos caridosos e expliquemos, nem todos podem ser particularmente sofisticados:

    Aquilo há vários tipos de voto, uns deixam passar (favoráveis e abstenções) outros não (contra). Ou seja, nuns votou a favor, noutros absteve-se. Votar contra é que não votou.

    Concedo que neste momento o voto do PS era indiferente. Nem isso – o facto de o voto não contar para mais que marcar uma posição socialista – os impediu de não se oporem à pioria da lei laboral.

  4. “Concedo que neste momento o voto do PS era indiferente.” Ainda bem que concedes. Só não concedes é um pouco de ironia, mas deixa lá, que é coisa de pessoal pouco sofisticado.

  5. Qual ironia? a de um partido dito socialista nem na opisição quando se gosta de mostra preocupado ser capaz de votar contra leis anti-sociais? eu chamar-lhe-ia bué irónico.

  6. Segundo as sondagens, o PCP “está na maior”. Por que haveria de levantar mais a voz? Assim é que está bem: o povo esmifrado e eles a protestar, devagar, devagarinho, apenas para mostrar presença, não vão os esmifradores ser corridos e o governo volta a ser entregue aos “xuxas” defensores do SNS, da Escola Pública e outras tretas da democracia burguesa saída de Abril.

  7. é uma caracteristica da” irmandade comunista” combater o ps,mesmo nas boas medidas e esquecer a direita mesmo nas más medidas,para se atingir o objectivo claro do “quanto pior melhor”.um aviso: nas proximas eleiçoes só dois partidos vão a votos para governar.não desperdicem votos nos partidos de protesto,porque às 20 horas do dia eleitoral vamos ver nas tvs a direita no poder com os votos que foram para a irmandade comunista!Nota: só um canalha como o nm pode dizer que o voto no ps é indeferente.quem defende a escola publica? quem defende o sns? quem defende a constituiçao,quem não defende a liberalizaçoa dos despedimentos? quem defende o investimento publico? quem é o garante da liberdade no pais? que pariu a irmandade e os seus satelites!

  8. Só os tolinhos, Maria Abril, acham que o pcp não tem levantado mais a voz.

    É fazer a contabilidade de apoio a greves gerais e manifestações antes e pós-sócrates para fugir aos achismos sentimentais.

    Curioso que para mostrar que o PCP não levantou a voz o Val tenha tido necessidade de obliterar a intervenção do PCP completamente contrária à de PAssos Coelho e Marques Mendes publicando no seu lugar a declaração do antigo presidente laranja.

    É a pravda a que se tem direito. A pravda do Val e dos adeptos do clube.

  9. O ganda nóia só está a tentar abrir uma “janela de oportunidade” ao des-governo!
    Dado que a maioria não tem coragem para mexer nas rendas, PPP’s e outras despesas
    não sendo possível aumentar os impostos resta ao des-governo em caso de chumbo
    por parte do T.C., apresentar a demissão por obstrução das “forças de bloqueio” e ir
    para eleições, onde conseguirá uma maioria superior a 2/3 do Parlamento e, assim, mu-
    dar a Constituição à sua vontade … quanto ao resto que se LIXE!!!

  10. Mas quem é que diz que o governo não pode aumentar mais impostos?
    Esperem pela descida do IRC, que não passa de uma nova TSU encapotada. Já pensaram quem vai pagar essa descida? Os de sempre. Porque tendo Portugal de anular défice o custo orçamental de tal medida terá de ser compensada por outros setores da sociedade. As mexidas na descida do IRC terão as mesmas consequências que teriam a TSU, ou seja transferência de rendimento a favor sobretudo das grandes empresas (as que pagam mais impostos). Esses 300 milhões de euros vão ter de se ir buscar a algum lado, e o mais provável é que seja compensada por mais cortes nos apoios sociais do Estado.
    Ao aumentarem o prazo de reporte dos prejuízos de 5 para 15 anos, que a concretizar-se, isentaria de pagamento de IRC muitos milhares de milhões de euros de lucros das empresas. A Lei fiscal já permite às empresas do mesmo grupo económico reduzir os lucros sujeitos a IRC para um quarto, ou seja, em cada 4 euros de lucro, apenas 1 euro paga IRC durante 5 anos, fi8ndos os quais os lucros referentes aos 5 anos anteriores que não foram deduzidos, já não o poderão ser. Com a descida da taxa e o aumento para os 15 anos, triplica a capacidade de manobra das empresas para reduzir o IRC a pagar.
    De que estão à espera todos os partidos da oposição, para alertarem o povão, para mais este roubo?

  11. Os comunas bem podem estrebuchar… pensavam que tinham capacidade de mobilização?? AHAHAHAHA
    Quando tentam fazer barulho sem o apoio da máquina de media integralmente afecta ao PSD e que só os serve quando é para derrubar o PS…parecem umas formigas… coitadinhos, só agora se apercebem da sua absoluta insignificância… são uns tristes. Não passam de joguetes na mão dos fachos de resto como sempre foram!

    @nm essa do bombista é o fim da linha argumentativa. ó Val, sai um prato de tremoços !

  12. “Marques Mendes considerou ainda que no Governo nem enfrenta tanto o problema de ter de cumprir a Constituição, mas sim o da «interpretação» da Lei Fundamental por parte do Tribunal Constitucional.” Ora aqui está um argumento novo, o Tribunal Constitucional não percebe nada de leis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.