Quem tem medo da Internet?

A dimensão digital parece completamente afastada desta campanha. E se nada se fez até agora, não será no mês de Setembro que algo relevante venha a ser feito. Que saiba, mas corrijam-me se estiver enganado, nem os partidos parlamentares, nem os candidatos à estreia no hemiciclo, apresentam iniciativas que ultrapassem os formatos dos websites próprios e de campanha. Ao contínuo desenvolvimento, e consequente expansão, do meio digital tanto na esfera social como na psicológica, atingindo-se um estado de verdadeira ubiquidade com o acesso à Internet pelos telemóveis, corresponde nestas eleições uma regressão a 2005. Na blogosfera política lidamos com a sobrevivência de alguns dinossauros excelentíssimos sem qualquer relevância eleitoral, no Facebook os políticos fazem propaganda individualmente e no Twitter reina uma cacofonia ao serviço da diversão.

Em 2009, e, desvairadamente, em 2011, a direita apostou forte no meio digital. Neste último caso, havia a perspectiva de quase certa mudança de cor no poder e muitos queriam mostrar serviço e a própria cabeça para serem escolhidos na altura do acesso ao pote. Assim foi. Fernando Moreira de Sá deixou-nos um testemunho antológico do espírito da época, fazendo declarações em 2013 que conseguiram ser ao mesmo tempo credíveis e caluniosas a respeito da logística das campanhas negras na Web ao serviço do PSD. Num outro plano, Paulo Pinto Mascarenhas sonhava-se o pide que iria aprisionar e torturar autores blogosféricos que ele imaginasse ligados a Sócrates, ou que simplesmente assim pudessem ser embrulhados num título de jornal. Até o António Nogueira Leite se juntou à festa como caceteiro inesquecível, tamanha a excitação. Logo após o 5 de Junho, deu-se a desmobilização e muitos foram tratar da nova vida ou das ilusões perdidas. Ficaram os carolas. À esquerda também se deu uma desmobilização, fruto do curto-circuito chamado Seguro e do esgotamento das energias para o berreiro permanente da esquerda pura e verdadeira. As principais novidades neste espaço, protagonizadas por Rui Tavares e Joana Amaral Dias, igualmente parecem desaparecidas em combate. Esperava-se que com Costa viesse um sopro de inovação, pelo menos de dinamização, para os canais digitais socialistas, mas essa foi mais uma esperança gorada no que à sua liderança diz respeito.

Talvez os partidos estejam apenas a expressar uma conclusão pragmática: não compensa investir no ecossistema digital, pois o palco onde se ganha o voto é o da imprensa profissional, seja por via da difamação e calúnia (a direita conta com vários órgãos dedicados a essa especialidade), seja pela via da televisão, onde o páreo dos perfis à compita atinge o grau máximo de exposição. Mas igualmente esta demissão pode ser o resultado de uma cultura de desorganização inerente aos partidos, onde não se aproveitam os recursos humanos voluntários por via da militância e das simpatias – a que acresce uma eventual ignorância disciplinar acerca do universo digital, o qual implica um acréscimo de complexidade técnica, logística e semiótica face aos meios tradicionais. A estes factores ainda se juntam os receios de violação da segurança interna desses meios, algo que a direita portuguesa também explorou em 2009 e 2010, ao usar um doente mental que tinha feito parte do elenco dos autores do SIMplex para emporcalhar o espaço público. Finalmente, em vários círculos continua vigente a atitude de desprezo boçal contra a selva da Internet que Ricardo Costa expressa neste artigo – O Ai Jesus e os energúmenos – onde erra completamente o alvo e apenas está interessado em falar de um fulano de quem gosta muito.

Infelizmente para este tipo de partidos ainda com o cérebro parado no século XX, a democracia não está a ficar menos digital, é ao contrário. Dando como inevitável o aforismo que diz nunca o poder ficar vazio, ao se ausentarem destes domínios deixam que se nivele por baixo a cidadania. É que a função dos partidos, para além da representação política e do cumprimento de programas de governação validados pelo voto, é também a de serem arquitectos da comunidade. A de serem líderes. Isto é, serem visionários e generosos, inteligentes e corajosos – e não só analogicamente.

94 thoughts on “Quem tem medo da Internet?”

  1. Olhe que o Prof. Martelo ainda no Domingo passado disse que”a direita mexe-se melhor nas redes sociais”.
    Ele lá sabe…

  2. que bem lembrado, caramba! :-) aproveitar a tecnologia da internet e fazer SEO é mesmo aproveitar recursos e as oportunidades dos 8 P’s do marketing digital que devem ser usados e abusados neste contexto.

    começar por explorar o primeiro P passa pela identificação do comportamento de pesquisa do público-alvo no sentido de se descobrir a sua maneira de pensar. se se perceber como o potencial eleitor pensa, sabe-se onde estão as oportunidades e qual a melhor abordagem para aumentar a taxa de conversão. Na sociedade de mercado acontece assim: para que um site seja uma máquina de vendas do topo do Google é preciso haver um planeamento dos 8 P’s – tanto em termos de cálculos de ROI como em relação às vendas, à análise de micro-conversões e captura de e-mails até à construção do wireframe que mostrará o que estrategicamente deverá ter o site.

    através do 3°P, a produção, fica-se com uma certa independência para gerir melhor um projecto web e utilizar algumas ferramentas e encontrar melhores soluções em relação ao desenvolvimento de landing pages e outras acções promocionais de marketing digital – sem se depender de intermediários e acelerando o processo.

    o 4º P é uma das mais importantes fases do processo já que trata do conteúdo. é neste P que se trabalham algumas tácticas de SEO e igualmente de persuasão. esta fase é, por isso, a responsável tanto pelo tráfego do site como também pelos possíveis votos provenientes desse tráfego.

    casa arrumada com a pesquisa, planeamento, produção e publicação de conteúdos – chega a hora da promoção, isto é, da divulgação de tudo o que foi construído e do valor que o partido possui para atrair – pelo aumento da taxa de conversão – o público certo ao site trabalhado.

    comunicar com o eleitor é absolutamente imprescindível para impulsionar a campanha: trata-se do 6ºP: propagação, ou seja, a capacidade de divulgação dos programas dos partidos através de técnicas para aumentar a probabilidade de visualização de uma mensagem por meio das redes sociais.

    por intermédio da Personalização, o 6º P do marketing digital, trabalha-se o incentivo ao eleitor para que este receba e abra a mensagem que se quer passar – o objectivo é que seja lida e que haja links para saber mais e mais. a esta altura estamos mesmo no fim com a precisão de mensurar todas as acções desenvolvidas através de ferramentas de web analytics para que se possa assegurar o caminho e o rumo certo das campanhas.

    é simples, não é? sim, verdade, ai que riso!, estou aqui também a aproveitar para fazer campanha: posso produzir conteúdos para campanhas eleitorais. :-)

  3. Senhor Valupi.
    Releia o que escreveu.
    Depois leia os comentários do cegueta.
    Beba um copito de vinho do porto e sente-se a reflectir.
    Eu já venho.

  4. Este caramelo da bosta tem a mania que expele doutamente. O problema dele é não alcançar que a TRAMPA é igual em todo o lado. Fala sempre a mesma língua e fede à distância, mesmo esta – a virtual.

  5. PANELEIRO és tu. A projeção comigo não funciona. Projeta noutro o que és. Se não o fosses, não o mencionavas tão frequentemente.

  6. Vai fazer queixa à mamã.
    ”- O Castreta está sempre a chamar-me paneleiro.
    – Está a puxar por ti, filho. É o papel de um pai.
    – Pai?
    – Quer dizer… Sabes bem que o teu pai nunca mais voltou…
    – E que tem o Castreta a ver com isso?
    – Nada. Está só a puxar por ti, filho… Que queres mais?”

  7. numbejonada,tem razao,a esquerda “que não conta” sempre foi limitada e antiquada,e por isso,quando dá para derrubar governos do ps,veste o fraque a cheirar a mofo do capitalista,puxa do charuto e vota com a direita para “defender os interesses” dos trabalhadores.nota: o pcp com as greves politicas no metro,deu trunfos para a direita privatizar este transporte importantissimo para as gentes de lisboa que vão pagar caro e bem caro.o numero de greves vai passar a ser residual,mas o preços dos bilhetes e passes vai a classe trabalhadora sentir na pele.o pcp fica todo contente,pois vai-se cumprir mais uma etapa rumo “ao quanto pior melhor”.puta que os pariu!

  8. Agora entendi a teoria aristotélica do centro proposta pelo senhor Valupi.
    Contra o capitalismo, votar no centro!
    O centro tem novos e moderníssimos argumentos contra as greves.
    As greves são as culpadas das privatizações.

  9. Juntamente com o Jumento, acho que o Aspirina B é o mais consistente espaço de inteligência política elaborado em Portugal nos últimos 4 anos. O que outrora pensei retirar-lhes seriedade, o anonimato, parece-me, agora, uma das suas principais virtudes. Os seus autores não ambicionam promoção pessoal, shares de audiência, venda de assinaturas ou lugares no parlamento ( a participação de Isabel Moreira parece-me deslocada deste formato). Nem os seus autores estão sujeitos a transformar-se em alvos de trama pública e difamação pessoal para os desqualificar. Apenas e só se observa a procura desinteressada de confronto racional sobre os apelos do quotidiano cívico de centro-esquerda. Mais do que em qualquer outro blog, coluna de opinião, página de facebook ou arquivo de vídeo, estão por aqui registadas as mais brilhantes análises de desconstrução das narrativas falaciosas e fantasiosas de quem se apresentou a representar a direita e, desfarelando o estado social, mais não fez do que entregar o país ao controlo de regimes comunistas e especuladores de ocasião,

  10. ??????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!.blogspot.com

  11. ”(…) mais não fez do que entregar o país ao controlo de regimes comunistas e especuladores de ocasião (…)”

    Vou dormir.

  12. Desculpa, Lucas Galucho, mas essa é velha. Não conheço alegação mais básica para defender o anonimato.

    ”Nem os seus autores estão sujeitos a transformar-se em alvos de trama pública e difamação pessoal para os desqualificar.”

    Eu sempre disse ou escrevi o que entendi que devia dizer ou escrever em meu nome e talvez por isso talvez tenha sido difamado. Não me parece ter sido alvo de trama pública. Mas, se fosse anónimo seria de igual modo difamado e alvo de trama pública.
    A forma como alegas em prol do anonimato apenas concorre, em meu entender, para consolidar a suspeita de que aqui qualquer um pode ser tramado se recorrer ao seu nome. Ou seja, é uma página de arrepesos, sem a consciência tranquila porque cometeram um delito qualquer, razão pela qual se apresentam anónimos.
    Lucas. O que é um regime comunista?

  13. O Lucas provavelmente está a referir-se aos Chineses que andam a comprar Portugal a retalho.
    Mas a China é um Regime Comunista ? (risos) !
    Só se for formalmente, de nome, porque na realidade é capitalismo selvagem em estado puro.

  14. É impressionante o vómito que é o Correio Manholas e a campanha de difamação e perseguição montadas contra José Sócrates.
    Agora estão a atacar o paquistanês que comprou a casa do Sócrates.
    Já é “acusado” de Branqueamento de Capitais e segundo o Manholas isso pode pôr em risco o seu direito ao Visto Gold !
    Estou mesmo a ver a tentativa desesperada para tentar que o homem desista do negócio da compra da casa.
    Não podendo impedir isso quem sabe tentar convencer o Ministério Público a investiga-lo pelos eventuais crimes cometidos no Paquistão, ou quem sabe até envolver o homem na Operação Marquês.
    Sim, porque os outros gajos todos a quem o Macedo passou os Vistos Gold e foram a “salvação” das Imobiliárias portuguesas é tudo gente muito honesta. Vamos todos fingir que não sabemos que é tudo dinheiro sujo que vem aqui ser lavado ?
    Mas claro, vamos ser hipócritas mais uma vez e só vamos querer investigar o gajo que comprou a casa do Sócrates. Estão mortinhos por dizer que o gajo só comprou a casa ao Sócrates porque é amigo dele !

  15. Cegueta
    Venderrgouvernhaix senderntinixmendertouver hufuxmaixnouver. Aquela tua receita do “mel” para amaciar as cordas vocais e o licor de M que costumas receitar aos outros, mesmo que os tomes em grandes quantidades, por hoje (pelo menos) não te permitirão dizer mais nada. No boxe tem o nome KO, já tem havido situações que o “artista” fica em coma meses e há aqueles que nunca mais acordam. Espero que no teu caso não seja preciso consultar um otorrinolaringologista (repara como o nome tem uma certa musicalidade… ;-))

  16. Ó Castro Nunes, estás bom ?
    Não te lembras de mim, de Angola ?

    Ó homem então não te lembras do Heduá ?
    Sou eu o Eduardo.
    Cheguei ao topo !

    Como tens passado ?
    Dei contigo aqui, já conhecia este blog de visitas esparsas .
    Ouve lá, então tu dizes que eu agitava a bandeira branca. Eu era da oposição silenciosa.

    O que é que tens andado a fazer agora ?
    Então tu chamas patético ao camarada Pimpampum e dizes que ele faz figuras ridículas ?
    Figuras ridículas fazes tu , homem.

    Não me digas que ele te serviu um maigret de pato com risotta de cagomelos .

    E tú comeste ?
    És o mesmo anjinho de sempre.

  17. No Expresso
    Espírito Santo Property já começou a pagar aos lesados do papel comercial
    00h00
    Isabel Vicente

    Ministério Público já desbloqueou verba de 7,3 milhões de euros para pagar a credores da ES Property. Detentores de papel comercial recebem primeira tranche de 20% da dívida. Estado e bancos também estão a receber.
    Fico espantado… Então o MP já desbloqueia verbas para pagar a credores ???
    Tá visto quem manda agora….

  18. Oi, Eduá!!!! Encantado por reencontrar-te!
    O meu número de telefone é 966483092.
    Tens que entender que eu conheci, só em Angola, mais de mil eduás e mais de dois mil camaradas pimpampolas, todos maioritariamente silenciosos, bem dissimulados na bicha e nas fileiras do barulho, com um só rosto ou focinho para parecerem muitos.
    Estou a tentar vasculhar a memória para tentar descobrir que eduá és tu. E já descobri. És o mil e um, aquele, o tal.
    Cheguei lá depois de entender que foste comensal do camarada pimpampolas e partilhas com ele essas gastronomias excêntricas de remediado.
    Se bem te recordas, nesse tempo não havia bufo ou trampolineiro que não desfilasse nas maiorias silenciosas, calado e usufruindo do barulho da maioria, para ver se pegava e branqueava o passado, próximo ou remoto.
    Bem… mas telefona-me, estou certo de que reconhecerei a tua voz à primeira.
    Mas gostava de colocar duas questões ao senhor Valupi, para ver se nos entendemos e podemos continuar a debater Aristóteles e taxonomias.
    Na aristotélica opinião do senhor Valupi, Salazar era fascista?
    Note que eu também sei que fascismo era o ´´género” aristotélico” do salazarismo italiano, como nazi era o ´´género” aristotélico do fascismo alemão, admitamos, para não perdermos tempo com minudências, que salazarismo era o ´´género” aristotélico do estalinismo português.
    Sigamos por atalhos práticos. Salazar era fascista? O que caracterizava o regime e a nomenclatura do estado salazarista que o diferenciasse do fascismo, em sentido restrito ou amplo, sem voltas ou arquivoltas de retórica?
    Coloco-lhe esta questão para passar à seguinte. Depois vai compreender.
    No âmbito de uma economia liberal, global, que recorre a critérios universalmente aceites, por eles liberais, para distinguir o público e o privado, o sujeito público e o sujeito privado, em que condições podemos dizer que, pelo facto de um cidadão estrangeiro adquirir um banco na Suíça, a Suíça está a ser entregue a um regime divergente ou análogo?
    Eu sei que estas duas questões extrapolam do tema deste post. Mas, na verdade, aqui, todos os posts extrapolam uns para os outros no âmbito de um tema constante.
    O senhor Valupi também veio de Angola?

  19. Saudações

    Antes de mais, deixem que me apresente.

    Ontem estive em casa do snr. Pimpaumpum, com quem almoçei.
    Comemos uma bela perdiz estufada com puré de pistáchio.
    Estava uma delícia.
    Até me soube a faisão, o galinácio.
    A perdiz foi dada por caçador que é amigo do snr. Pimpau .
    Também é pescador. Costuma apanhar muitos robalos na ria d’Aveiro.
    Desta vez só trouxe uma perdiz.
    O Pimpau não gosta de sushi, diz que aquilo é isco de peixe.

    A governanta do snr. Pimpau pediu-me para apresentar desculpas por ele não ter postado ontem.

    Esteve de soltura.
    Uma diarreia monumental.
    Deve ter sido da sobremesa.
    Não pode comer laranjas.
    E depois, ainda comeu um gelado de rosas, e isso foi fatal.

    De qualquer modo, encontrei-o muito bem e animado.
    Diz que o número de participantes no blog baixou e que isso é bom.
    Entende que ajudou a dismistificar a pseudo isenção e a clarificar a verdadeira natureza do forum : trabalho de limpeza de imagem do Inocêncio Coitadinho.
    O blog está completamente descrebilizado e o Inacio já não tem pernas para andar.
    Falta-lhe a perna esquerda, perna de porco digamos assim.
    Vai ser enterrada, já cheira mal.
    Melhor ainda : vamos assá-la no rodízio e mandá-la para o proprietário.
    Segue acompanhada de batatada e molho de ejaculação. No topo, vai decorada com escarro.
    Prá sobremesa, brioches, e sorvête de leite de linéu.

    Cumprimentos ao monsieur Hédoit.

  20. manuel castro nunes, voltando as privatizaçoes,tenho a dizer-lhe que no caso dos transportes publicos,os lisboetas estão fartos de greves politicas.todos sabemos que em materia de transportes publicos os salarios dos seus trabalhadores são substancialmente superiores aos do privado.quando assim é,a direita tem fartos argumentos para levar para a frente mais uma privatização.este meu pensamento é só para os transportes publicos de lisboa,que todos nós andamos a pagar os prejuizos.as outras empresas privatizadas fora dos transportes dão lucro meu caro amigo.

  21. Esqueci-me de mencionar que hoje vamos lanchar a casa do snr. Básico.
    Vai ser marmelada económica.
    E talvez pastéis de faz de conta.

  22. Ora, fifi, todos sabemos que as greves no público incomodam drasticamente o privado, porque tolhe a sua liberdade discricionária de liberalizar, à medida das circunstâncias, o mercado de trabalho. É, de facto, muito difícil inverter o itinerário de prosperidade laboral que os ideólogos liberais pregaram durante décadas enquanto os trabalhadores do público mantiverem as obscenas regalias que a liberal bonança lhes concedeu quando era muito importante quebrar o muro de Berlim.
    Enfim… a hipocrisia tem sempre acrescidos argumentos.
    Não me parece que as greves no sector público sirvam ou possam servir de argumento ou pretexto para a direita privatizar.
    O principal argumento da direita tem sido o de que o estado não sabe administrar. Não tem competência. Esse foi o argumento da primeira vaga de Cavaco Silva e continua a ser. A hipocrisia deste argumento fica a nu logo que difundida pelos usufrutuários do estado. E estes argumentos só colhem enquanto, no terreno da propaganda, forem alimentadas as guerras étnicas entre trabalhadores do público e trabalhadores do privado, empregados e desempregados, anciãos sobreviventes e jovens que resistem à morte, etcetera e tal.
    Mas, com toda a franqueza, preferia debater este assunto com o senhor Valupi, que me mimaria com argumentos aristotélicos mais astutos. Abomino a cultura pública rasteira e de baixo teor copiada da televisão.

  23. a direita tem argumentos pra tudo : a Assistência na Doença aos Militares e respectivos familiares ADME dá prejuizo, aumenta-se os descontos aos funcionários civis, ADSD, que dá lucro.
    As empresas pagam imposto pelos lucros que em condições normais obteriam, porque o Estado não tem que cuidar que elas sejam mal geridas pelos proprietários, era assim que se tributava nos bons tempos. Era assim nos idos antes das reformas dita democraticas
    Como os esquerdistas têm falta de argumentos, o Estado nacionaliza os prejuízos e os capitalistas ficam com os proventos.
    Perguntem ao monsieur Hédoi.

  24. A política de privatizações segue a linha culinária e aplica o método do criador de gansos para foie grás, primeiro engorda-se o bicho, depois mata-se, e de seguida, vende-se

  25. A fifi terá já reparado em que a polémica entre o PS e a direita, ou seja, entre o centro aristotélico do senhor Valupi/Rui Tavares e a direita, nunca deixou de ser sobre quem administra melhor o público segundo os cânones privados, quem privatiza melhor, quem publicita melhor, quem administra melhor o público para estimular o privado?
    Ainda não entendeu que, tanto para o PS como para a direita, os trabalhadores são acessórios e só existem porque consomem o que produzem, continuam a ser o início e o fim da cadeia, porque não haveria negócio de transporte colectivo se os trabalhadores não fossem arregimentados para o trabalho?
    Como dizia o outro: ”Temos que dar de beber ao ceguinho. Caso contrário ele não mija e não lhe podemos fazer análises de rotina para sufragarmos a saúde pública.”

  26. A política de privatizações também enferma de um grave enviesamento.
    O princípio que a pariu, diz que as empresas públicas, que são mal geridas, e dão prejuizo, devem ser vendidas a privados.
    Mas depois privatizam-se as que são bem geridas e que dão lucro, porque as outras não têm apetência de mercado.
    Eu acho que os políticos que temos são tão bons que não teriam problemas alguns no mercado político internacional.
    Podiam ir todos à vida e candidatarem-se a cargos assim no Canadá, Japão, Cazaquistão e arredores.
    No entanto, Praquistão.

  27. selecção grumete: almoçei, galinácio, dismistificar, forum, descrebilizado, sorvête e linéu.

    foste lá almoçar o dicionário do bimbapeidum para depois vir aqui cagar asneira

  28. Os IGNARALHOS, pelo menos um aqui que dá por dois nomes, estão de rastos com a seca.

    Eu já vos aconselhei onde mergulhar e o que fazer.

  29. E a prosápia continua, todos em bicos de pés, todos e cada um a quererem ser o mais sabido, o mais engraçado, o mais…, engalfinhando-se mutuamente. E o país que se lixe.

  30. Ehehehehheh
    Ó CASTRETA, então, apanhas tudo e todos, mandas telefones a todos, etce e tal, mostras-te como público, mas não passas de um púbico. O Heduoá desmascarou-te, e pôs-te a desenhar a arte dos pontos de interrogação. Arranja a dentadura no rabo, precisas de um ajustamento pá, continuas a soltar mais do que deves.

  31. Galucho, pá, omais consistente espaço de inteligência política elaborado em Portugal nos últimos 4 anos não é. Os seus autores pretendem apresentar-se como a« última análise», etce e tal, e em muitos deles, há contradições de fundo, oriundas do desconhecimento de matérias, designadamente na Justiça.

    A Isatell moreia, pá, de facto, não devia estar aqui nem em nenhum sítio enquanto não se encontrar como pessoa. O Júlio fez umas análises interessantes, não é parvo.

    E tu, pá, és XUXA. Não devias.Não tens que ser de direita.

  32. Exm.º Vicente de Melo, o vosso tom, conteúdo e som agrada-me. Os meus cumprimentos, extensíveis ao Snr. Básico. LOL.
    Ehehhe, e o Monsieur Edouá, não o sabia conhecedor do Castreta. Naturalmente que percebo que V. Ex.ª tenha que procurar material para o anedotário e o Castreta é fonte ideal para tanto.

  33. Ó MARROJAS! Eu já perguntei aos esclarecidos, inclusive tu, QUAL É A SOLUÇÃO. Como criticam e parecem votar de acordo com as cores, tentei ser original e pedir a solução. Ninguém respondeu.
    Não tás à espera que eu e que mais dois ou três aqui façamos o trabalho todo, não?

  34. És um anormal, cegueta!
    Falas, falas, falas e não dizes nada.
    O Eduá é um anónimo que até como anónimo tem medo de falar e dizer claramente o que quer.
    Umas conversetas da treta, não diz nada objectivo, murmura umas coisas sem nexo para insinuar que sabe alguma coisa que poderia incomodar alguém. Uma portuguesice que entrou nos hábitos da justiça por via da jurisprudência.
    Ouve, Eduá? Cometeste algum crime, mataste alguém, roubaste? Tens tanto medo porquê?
    Fala, homem.
    És paneleiro como o cegueta? Não tenhas vergonha. Estamos no Século XXI.

  35. PANELEIRO és tu. Qual a parte que não percebes?
    Podes processar-me, já que és tão público, não é? Depois encontrámo-nos lá, etce e tale. Que achas?

  36. O PÚBLICO CASTRETA, todavia, gosta de bolsar em espaços anónimos. Qual será o objetivo deste domador de pulgas?

  37. Acho bem, anormal. És um artolas.
    Vou processar-te porquê? Por seres cegueta? Por seres paneleiro? Por seres um basófias?
    ”Depois encontramo-nos lá”. Então? Só vou encontrar-te se te processar?
    E vou processar quem? O cegueta?
    Ou o Eduá?
    Só tu não vês o papel de sendeiro e de basófias que andas aqui a fazer.
    Imagina que, um dia, se sabe quem tu és. Não vais ter vergonha?
    Diz-me tu que parte devia perceber e não percebo. Percebeste quem é o Eduá e o que quer ele de mim?
    Porque razão não és claro de uma vez por todas? És tu quem é anónimo e tem algo a esconder.

  38. O objectivo deste domador de pulgas é partir o focinho ao cegueta. Ainda não entendeste?
    Para lá desse objectivo, este domador de pulgas tem outro. Pôr a nu os aristotelismo anónimo do senhor Valupi. Sendo que o senhor Valupi é muita gente. Muitos eduás.
    Ainda não entendeste o quê?

  39. Hum, o Edouá descobriu a careca ao CASTRETA d`Angola. Ai se ele diz tudo, ó CASTRETA CASTRADO, não podes saír à rua, um destes dias. Diz-me, os teus vizinhos gramam-te? Com quantos já te meteste? Já lhes falaste dos mirós da esquina, hum? E eles têm o teu telemóvel? És casado pá?

  40. Pardon, monsenhor Castro, Hedouá é sinónimo, não é anónimo .
    E tu conheces-me bem .
    O Comendador é outro. Monsieur de Lafayette Hédoit.
    Segue a pista do holandês.
    Isto está muito confuso . Parece escrita de Cónio.
    Comendador … Cónio .
    CCCP .
    Não te diz nada ?
    Cuidado, não escorregues na mayonnaise .

  41. Porque não vens ver, cegueta?
    És o máximo, artolas.
    Que careca descobriu o Eduá? A única coisa que retive do Eduá foi que ele chegou ao topo e que nega ter agitado a bandeira branca.
    O topo nunca me impressionou, embora não seja claro de que topo se trata. O topo da magistratura?
    Enche-te de pulgas, anormal.

  42. ó pá, o Valupi é um gajo que tem a mania que sabe. Diz umas coisas bem, diz outras que bebem na contradição, toma atenção a alguns comentários daqui, faz outros posts a partir daí. mas então, o gajo é o dono do dispensário, queres dar ordens na casa dele?? Tu és muito mal educado, pá! Tu vais dar ordens no teu sítio, percebes?
    Tu és rancoroso, pá, pois ainda tens a treta aristotélica atravessada. És fácil de irritar. LOL. E cais que nem um pato. E armas-te em dótórre. Tu sabes que o título de doutor não é para licenciaturas como a tua, não sabes? LOL.
    Descola as palas, pá ou então vai conversar com a jasmerdim Pimba, o 45, a alvorada ( ai esta, ai esta é um must da sopeirice, ok, a jasmerdim é a maior BESTA no espaço, maior que o teu amigo IGNATZ que nesta altura deve estar a ver os rabos dos gajos mais sexies de portugal…

  43. A única coisa que me diz essa charada é que és um paneleiro.
    Mau graudo andes anónimo continuas a ter medo de falar claro.
    Amandas assim uma conversa de treta a ver se pega.
    Vai lá falar cónio para a puta que te pariu.

  44. olha, olha, o gajo a mandar-me encher de pulgas, olha só. Deves estar com falta delas, para empalar, não é? Faz um viveiro no teu marido pá, ou parceiro, pá. BADALHOCO.

  45. Vai tu, ó bastardo. Quem me pariu foi uma SENHORA, MULHER, DECENTE. A ti quem te pariu só pode ter sido uma VARINA da MADRAGOA, pá. Fugiste-lhe da barriga antes de tempo, e começaste logo a borrar o faval. Vai tu ao sítio onde me mandaste, ó ORDINÀRIO. PANELEIRO és tu. Se não me processares, assumes que o és. Eu, em contrapartida, como venho em regime de anonimato e até reajo ao que me chamas, estou na tranquilidade. Em que ficamos, ó BOSTA?

  46. diz o grumete Inácio.
    O que anda embarcado na persiganga socretina.
    Diz que só come carne certificada.
    Pois então, fizeram-lhe a vontade . Vai comer a perna de porco dele, em espuma de javali.
    Os mais intímos podem juntar-se a ele na patuscada. Dá para aí uns cinco ou 1/2 dúzia.
    Convém levar sacos de plástico, para depois vomitar.

  47. Tu sabias, minha joia, que o étimo ”conius” deu origem ao étimo conho, para designar um calhau rolado daqueles que aparecem nas conheiras?
    Conho é um calhau com dois olhos, sem especificar se abertos ou se fechados.
    No feminino, deu origem ao étimo cona, para designar gajos como tu ou os eduás, uns conas.
    Vai lá dormir a sesta que eu vou trabalhar. Logo dou-te mais umas dicas acerca de etimologias.

  48. Sabes, o problema do POVO, é que desconhece, de facto, as consequências da internet. Tu és um deles. És um fala – barato, escancaras-te todo e tens a mania que és chefe. Ora, mal sabes tu com quem havias te cruzar aqui no dispensário. Mas é que não te passa pela tête. Já te disse que só me apresento pelo nome quando tenho que o fazer e que quando tenho que DIZER, não recorro a ESTAFETA. Podia dar exemplos, mas depois ficavas a saber tanto quanto eu. Portanto, não vales uma UC, mas se quiseres chamar-me a tribunal, FORÇA. Levas tanta PORRADA, que nem sabes de que terra és. E depois disso, falar-te-ei do que é «partir o focinho a quem o merece, dentro da legalidade». És «ar e vento» mas largas bufinhas sem cheiro, vulgo, não deixam rasto.
    Vai apanhar batatas, pá, está na altura, e umas vagens também. Bué da boas para uma jantar aldeão, acompanhado com uma boa pinga. Não estás convidado, nunca te deixaria sentar à minha mesa, sem passares um teste de inteligência à minha frente.

  49. Ouve, ó carrapato, « conho» ou «cogno» diz-se no sítio onde eu nasci. Se queres falar de etimologias, bora aí, ó conino. Ficas a ser agora o CONINO. Bem se vê porquê, ó macaco pulguento.
    A gajos como tu, no sítio em que nasci «as gentes» ainda dizem « vai-te txapare», ó marrano ( e olha que marrano não tem nada que ver com judeus, entendes?). Portanto, vai -te taxapare, pá.

    Quem te diz que eu não estou a trabalhar, pá?! São pessoas como eu que lutam para que certas decisões neste país MUDEM e PROTEJAM os interesses, até de anormais como tu, percebes? Ó mafarrico?
    Vai tu dormir a sesta, pá, para repores os fusíveis, essa instalação não funciona, pá.

  50. Ah campeão!
    Afinal já não queres nada comigo na Versalhes. Nem em Espinho. Queres um duelo no campus de justitia. Ou na Alexandre Herculano. Ou na Gomes Freire.
    Enxerga-te, pá.
    E o eduá? Também toma chá na Versalhes? Ou no pavilhão chinês?

  51. Muito me contas, artolas. Andas a trabalhar para que o país mude e proteja os teus interesses…
    Muito bem…
    Esta merda de país protege os interesses de quem?
    Que bebes tu ao almoço? Sevenup?

  52. Exm.º Senhor Comentador de cima, que vos referis ao ESCARRO e companhia.
    Permita-me: concordo com V. Ex.ª. Não creio, porém, que eles careçam de sacos para vomitarem, atento o facto de que são vómitos na sua essência e no sítio em que se reúnem, o problema de «evacuação» não se coloca – a ETAR. Há, porém, unas sólidos mais resistentes, que se anunciam em cada curva do dispensário – EL CONINO, vulgo. Castreta Castrado. Talvez, para esse , o tratamento deva ser diferente. De qualquer modo, o Camacho deve saber tratar da coisa, que ele conhece os decretos reais e gosta de mandar na TRAMPA.
    Cumprimentos

  53. EL CONINO, eu bebo água da torneira e também mineral. De quando em vez, experimento uma boa pinga tinta, branca e verde. Não sou beberolas como tu. Deves ser daqueles que bebe bagaço pela manhã e cheiras a taberna.

  54. Mas ouve lá, ó CONINO, também nos podemos encontrar no 4.º andar da Alexandre Herculano. A Gomes Freire anda mal frequentada e o que estava à frente foi desativado. O Campus é mais elegante, podemos ir até lá, se viveres em Lisboa, claro. Tens dinheiro para a UC? Presumo que queiras constituir-te assistente, ó 31 de bocarra?!
    Olha, o Édouá, da última vez que o compulsei, estava bem enterrado com um epitáfio a gozar quem o governou. Referes-te a esse? Sabes, eu não conheço o Valupi, pá, mas o gajo também se deve coçar de curiosidade sobre mim: uma coisa é certa – sempre que o macaco escrever sobre o que não sabe, apanha comigo, como a Isa tell moreia. Tu, tu, és um escancarado, que se derruba em dois segundos. Falas demais.

  55. Vai lá, filho. Eu vou trabalhar.

    Reformulo a questão para o senhor Valupi.

    Salazar era fascista?
    Pode responder de cruz, senhor Valupi. Eu forneço-lhe depois a fundamentação.
    Mas não divague, responda sim ou não.

  56. e o gajo, daqui a pouco, vai apresentar as deduções dele. Eheheheh.

    Ou a JASMERDIM PIMBA ou o PATAS com as dianteiras no ar. A «l´aube» deve estar a fazer crochet…

  57. CONINO, que interessa se o Dr. Oliveira Salazar ( RESPEITA quem não vendeu o teu País!) foi um grande ministro das Finanças e, posteriormente, governou o País como SOUBE e foi permitido por GAJOS como tu, pá. Que ele conhecia do que eram capazes os COMUNAS, lá isso sabia, pá. Qual é o teu problema com SALAZAR, pá?! Aposto que andavas de boquinha calada na rua, com medo que te apanhassem. Tu que és tão público…Que fizeste para combater a PIDE, pá?! Dá lá um exemplo! LARACHAS.

  58. E vem-me este CONINO perguntar se o homem era fascista! Julga pelos resultados e pelas atitudes de quem os permitiu. Onde estavas tu? Estavas com medo que te prendessem é?

  59. Logo venho e respondo-te, atolas.
    Mas pergunto-te.
    Que fazes tu para combater os comunistas?
    Vens ao aspirina fazer figura de sendeiro com a cara tapada?

  60. CONINO, quem te questionou fui eu, já que te «aventuras» em epítetos e afirmações que impões como doutas. Onde estão as tuas respostas? Não estão. Tu foges pá, e pensas que conduzes o tema para a seara onde pensas que dás «cartas».
    Mas!
    Como se combate um comunista? Eles combatem-se a eles próprios, ou ainda não percebeste?
    Assim como os XUXAS, desertores históricos, mentirosos e, para já, uma vez que idolatram tanto o 44, presos preventivamente em inquérito por condutas anti – socialistas. Qual é a tua dúvida?
    Não é preciso fazer nada, ó cegueta.

  61. m.castro nunes,eu sei que a direita quer privatizar tudo para entregar aos seus patronos.mas nos transportes publicos,eles fazem-no porque os sindicatos com as greves se poêm a jeito.tambem reconheço que o impacto do aumento dos bilhestes ou passes,em termos eleitorais tem custos e disso eles tambem se livram com a privatização.

  62. E a fusão forçada das empresas de Águas Municipais que supostamente seria (pela propaganda) para baixar custos públicos, e vai implicar um aumento de 40% nas tarifas da água dos Munícipes do Porto e dos outros Concelhos?
    Também é por causa das greves ?
    Ou é mesmo por causa DA PULHICE elevada à quinta potência de todo este GOVERNO DE GATUNOS E DE FACÍNORAS ?
    Acabei de ler a carta do Sr Presidente da Câmara do Porto (esse perigoso político da esquerda radical que dá pelo nome Rui Moreira) a denunciar a CANALHICE do Governo Central da República !

  63. a camara de barcelos há menos de 10 anos,perdeu pela 1.vez para o ps a autarquia por causa de um aumento superior a 50% da água.

  64. Hum, aumentos de 50%? E o que disse o INE? LOL. Repito: INE?

    Ó licenciada, não achas que devias ler um pouco sobre o INE? P.e. tenta saber o que é o índice de preços que os tipos do INE badalam muito. Até publicam, sabes?

  65. Ó flatulento, és mesmo cretino, já se percebeu que o teu vencimento de avençado dos mais reles, dá para algumas flores. Uma delas é não usares transportes públicos. Mas lá por seres cegueta, não julgues que todos o são. A privatização leva ao aumento dos transportes públicos e perca de qualidade do serviço.

  66. ”numbejonada
    13 DE AGOSTO DE 2015 ÀS 17:20
    Meu caro,

    Eu acho que deviam acabar as ofensas verbalizadas em palavrões, epítetos e ameaças. Inexistindo estas, inexiste reação. O que vale para autores e comentadores, evidentemente.”

  67. gosto muito deste blogue e daquilo o senhor valupi escreve. sou da opinião da senhora dona olinda e tamém acho que o blogue ficaria mais rico se tivesse uma secção de culinária, passatempos tipo sudoku e uma galeria de moças desnudadas.

  68. O duplamente licenciado e triplamente Pós-Graduado,
    O que é que o INE tem a ver com a fixação das tarifas da água ?
    A não ser o facto, é claro, de o INE ser uma central de propaganda do Governo Fascista ?

  69. Desculpem.
    Venho comentar neste post só para verificar se não fui exclusivamente banido do seguinte.
    Enfim… pelo andar da carruagem só o cegueta vai chegar ao destino.

  70. não fossem as moças desnudadas, é só para ver se aqui tamém fica de quarentena, é como se estivesses a pedir um serão de manuel luís goucha. eu acho que ele tem um blogue – é uma questão de pesquisares. :-)

  71. JASMERDIM PIMBA,

    Cara licenciada. Pois é. O INE tem muito que se lhe diga. É uma fonte de informação e de ganhos de causas.
    Como V. Ex.ª. consulta muitos linques e nos mesmos se escora, aplique a informação que o mesmo lhe dá.

  72. CASTRETA, andas a reproduzir o que escrevi? Com que objetivo?

    Pois não estará certo o seu conteúdo? Acrescentar-lhe-ia que alguns daqui não só dizem palavrões, invetivam e mentem. Teu caso. A internet não é o que tu pensas ser, mais ainda, quando tu alegadamente te identificas na mesma. Aí o caso muda de figura.

  73. Eu gostaria de respeitar o dono disto, numbejonada.
    Mas sinto o imperativo de consciência de responder-te. Sempre.
    Não vou tolerar mais que tu, para te furtares a debater o que está em cima da mesa, passes ao insulto gratuito. Mas, sobretudo, a alusões covardes como a que acabas de fazer.
    Portanto, vais dizer aqui onde é que eu menti. Mas, sobretudo, explicitas essa insinuante ameaça ”o caso muda de figura”.
    Se o não fizeres, penso que, para ser coerente, o Valupi deve definitivamente banir-te.

  74. Sabes bem que eu não processo ninguém. A bem dizer, és tu quem se processa a ti próprio.
    Mas folgo em saber que já ergueste a bandeira branca. Alguém te deve ter aconselhado a não ires à Versalhes até que a coisa passe.

  75. «Mas, sobretudo, explicitas essa insinuante ameaça ”o caso muda de figura”»

    Deves querer um parecer formal e pedagógico acerca do que se afirma em espaços virtuais. Não o terás aqui. Todavia, deixa-me que te diga:

    Eu nunca ameaço. Eu actuo ( dentro da legalidade). Não levo este espaço a sério e essa tem sido a tua sorte como a do IGNARATZ( relativamente à comentadora Olinda e não só! UMA VERGONHA!). Porém, sabe que a Internet não é o repositório da frustração e da vaidade de sujeitos, quando as mesmas revestem os conteúdos que tu aqui tens expressado. É fácil verificá-lo – basta ver a minha primeira entrada no espaço, o que escrevi, o que reagi e porque, neste último caso, o fiz. Depois vemos as tuas publicações. Fico com pena de ti, pois até te dás ao trabalho de fazeres vénias ao dono do blogue (é o que te mandou estudar o grego) , porque precisas de ventilar as ruas redações da treta, tal qual mero desfile de passarela de cabides de roupa.
    Expressões de lato teor ofensivo e ameaçador, extensíveis a pessoas falecidas ( falas muito de pai e mãe) foram aqui proferidas por ti ( e olha que há lei sobre isso…), levaram a reação, e tudo isso é mais agravado quando (alegadamente) publicas o teu nome e contatos e até desconfias a quem te diriges. Queres que te lembre os epítetos?Sabes com quem falas? É que isso também conta.
    Isto é apenas um pensamento meio solto. Imagina agora o que não seria a informação que pedes, devidamente completa. Como até já te insinuaste com a figura de assistente, eu tenho-te ( talvez os restantes não se tenham apercebido) lembrado que também sei fazer requerimentos com tal jaez. Até te dei o valor de uma unidade de conta. Será que isto não te faz pensar? É que a ofensa resulta agravada.
    Fiz-me entender?!
    Pois é isto que o título do post te devia fazer pensar, a ti e a outros que recorrem a palavrões para se expressar e, do mesmo passo, dissertam sobre a moralidade que espetam dos outros. Não esquecendo o que atribuiram a magistrados que neste espaço forma devidamente identificados.

    Meu caro, a tua resposta faz-me lembrar os personagens que só crescem atrás do reposteiro e parecem ter cola nos sapatos, porque ninguém os arranca de lá; contudo, esticam o pescoço e dizem » eu vou lá, eu vou lá» mas não movem um pé…So funny.

  76. Na Versailles, meu caro, só entra gente de direita, se bem que eu de quando em vez, vejo por lá, uns gajos de esquerdalha xuxa e comuna, a tentar imitar aqueles. Fazem ali tirocínio e aguardam o tacho.
    Podes ir lá. Eu até já vi a tua cara com olhos esbugalhados. Aviso-te, contudo, que meço 1.82. Agora se sou homem ou mulher, bem, isso não sabes. Isto da internet tem que se lhe diga.

  77. Bem, isso de processar, de facto tem vários sentidos. No sentido que falas, não me processo, mas ando sempre no meio de processos, p.e., de desgustação de condutas, de observação ( têm que me fazer rir), fazer bolos. E agora tou nesta de processar o que hei-de pensar de um tipo com vinte caras.

  78. ”Sabes com quem falas?”
    Ó cegueta! Sei que falo com o cegueta! Com quem mais?
    Começo a ter um certo afecto por ti. Dó… piedade… a mesma condescendência que tenho que conceder quando, muito raramente, entro numa taverna ou no barbeiro.
    Continuas a insinuar que tens muito peso na justiça. És asininamente burro, porque o que eu contesto, denunciando o teu obsceno perfil de anónimo, é o peso que os anónimos têm na justiça, na política e na administração da coisa pública. Era a isso que devíamos chamar corrupção, ao peso que alguns ”eleitos” se arrogam na justiça e nas sedes de decisão da coisa pública.
    Tens um metro e oitenta e dois. Grande tanga. Eu tenho mais três centímetros, mas vivo captivo de um ditado popular, tamanho não é qualidade.
    Quanto ao resto, eu já te adverti de que tenho como propósito desmantelar o estatuto dos super magistrados, a instituição mais obscena da República, tal como concebida pelos proto nazis que fazem de lastro à coligação. E tu estás a alimentar o fogo. Mas na tua soberba não o entendes.
    Resta-me uma nota e reparo ao Valupi.
    Grande hipocrisia que nos serviste, Valupi. Afinal ao cegueta continua a ser concedida excepção, pode continuar a tentar difamar pessoalmente, a violar a orientação de comentar o tema específico e restrito dos posts, a dizer o que bem entende.
    Nós chamamos a esse tipo de cumplicidade mancebia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.