12 thoughts on “Que tem mais graves consequências para a economia nacional?”

  1. Depende. Do ponto de vista do governo e mercados financeiros, é o corte da Fitch. Do ponto de vista dos ranhosos, é a redução dos castigos, porque vai abafar completamente o barulho que gostavam de fazer com o corte da Fitch.

  2. O sr Sócrates deve analisar e tirar conclusões, adequadas à nossa realidada, transmitindo um sinal adequado ás actuais circunstâncias, dando um sinal de facto sobre quem manda, quem governa. Atente por exemplo, como num contexto semelhante ao nosso, o sr Andrew Mellon, um dos maiores capitalistas do seu tempo foi tratado por Roosevelt, por alturas do New Deal, no caso “The Mellon Tax Trial”; dê um sinal, tem essa obrigação ponha essa banditagem que nos rouba, e que ainda por cima se arrogam de lançar atoardas estatratégicamente programadas, talvez no recente concílio de Belém. Aliás o teor da conversa havida, devia ter sido gravada e o seu registo agora entregue na CPI.

    Th. Roosevelt dizia; “Speak softy and carry a big stick”.

  3. Porque é um pequeno club,, nem merece a mais pequena referencia o facto de serem alterados os castigos impostos aos jodadores do grande FCP e permanecer inalterado o castigo de tres meses-tres!!! imposto ao capitão do SC Braga, Vandinho. Os ranhosos sabem bem o que andam a fazer: esperaram que acontecesse a final da Taça da Liga, onde ainda o FCP poderia fazer sombra ao seu querido Glorioso e, num gesto de sadismo evidente, guardaram a libertação dos jogadores do FCP para o último dia do prazo limite para a dar a sentença. Como já a Liga havia esperado até ao último dia do mercado de inverno de jogadores, para revelar o castigo a Vandinho o Cossoró. O Braga já não se podia reforçar e suprir aquelas ausencias. Ranhosos e imbecis!!!
    E agora confirmam os tres meses a Vandinho, na véspera do encontro crucial entre SLB e SCB! É que o Braga ainda pode fazer sombra ao Glorioso e o FCP já não.
    Ranhosos e imbecis. Têm a escola toda daqueles que andam a fazer a cama a Sócrates. Que escola, meus senhores, a dos nossos justiceiros!

  4. Cara Carmen

    Relativamente à Alemanha, é um caso bicudo… Não pode ser paizinho da Grécia e pagar-lhe a fiança dos pecados despesistas, sob pena de lhes baterem à porta, Portugal, Espanha, Itália, Irlanda…E eles próprios falirem!!!
    Mas em nome da coesão do euro e da Europa, também não podem deixar fugir a Grécia!!!
    Portanto algures aí no meio, haverá uma solução, que nos retirará a todos privilégios e liberdades em nome de um bem maior comum, o controlo sobre nós aumentará e pagaremos todos a factura, por Portugal e pela Grécia…
    As agências de rating são como os abutres que rondam quando lhes cheira a morte e o nosso ultraendividamento de sucessivos governos é por demais apetecível aos especuladores, que aumentando o juro sobre a nossa dívida, nos dificultam muito o pagamento da mesma, julgo que a intenção é mesmo falir Portugal, quer nas medidas do governo, quer nas agências de rating!!!

    Quanto ao FCP, o corte no castigo serve para evitar outra humilhação de 3-0 como na final da Taça da Liga, são mais dois “caceteiros”, que dá sempre jeito ter por perto, para ajudar ao Bruno Alves… A justiça no seu melhor!!!

  5. Tiago,

    Com todo o respeito, não concordo com a tua analise.

    Ninguém está a pedir a ninguém que assuma o papel de paizinho.

    A questão fundamental é: existe união entre os estado membros ou não existe. Se não existe convém, para o bem e para o mal que isso seja dito, mas já…

    As consequências serão inevitáveis, mas todos saberemos com o que contamos.

    Não suporto a ideia de se fazer crer que a Alemanha é o benemérito dos restantes países da Europa. Não é. Quando faz algo pelo outros, é sempre em beneficio próprio. Para além disto, tenho a informação que é um pais enquistado em matéria de relações de produção, fruto, em parte das relações sindicais fortes que possuem os diversos sectores de produção.

  6. Em relação ao mindset alemão é tudo menos incompreensivel e a senhorita Merkel tambem tem eleições estaduais para breve. Mas tudo acabará em bem com o FMi à mistura.Mas é um aviso de que não contem muito mais com a Alemanha para aparar estes golpes.

  7. Quanto a estas estórias das empresas comercias de “rating” lembro-me sempre do caso da Islândia:

    Standard & Poor’s
    29.09.2008 > A- Long-term obligations in foreign currency
    24.10.2008 > BBB- Long-term obligations in foreign currency. Outlook negative

    Moody’s
    08.10.2008 > A1 Long-term obligations in foreign and domestic currency
    04.12.2008 > Baa1 Long-term obligations in foreign and domestic currency. Outlook negative


    Fitch Ratings
    30.09.2008 > A- Long-term obligations in foreign currency
    (e 10 dias depois)
    09.10.2008 > BBB- Long-term obligations in foreign currency

    LEGENDA
    Moody’s
    A – Above-average grade, relatively low risk
    Baa – Average grade, medium risk

    Standard & Poor’s e Fitch Ratings
    A – Above-average grade, relatively low risk
    BBB- Average grade, medium risk

    E depois… foi impressão minha ou aquilo bateu no fundo?!

    http://www.sedlabanki.is/?PageID=789

  8. Pois Carmen, a união de todos os estados ou a cisão definitiva e o desmoronar da Europa???
    O FMI vai intervir na Grécia, a Alemanha põe umas coroas, a França também e o BCE vai-nos espremer até ao tutano com os juros… e pensar que andamos nisto há 10 anos para nada e em 2013 tudo estará pior…
    depois é o TGV, o aeroporto e as pontes…enfim…a insustentabilidade de um País no seu melhor!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.