28 thoughts on “Que será mais arriscado, votar ou não votar?”

  1. Voto irresponsavel ou ausência de voto responsavel. O risco é idêntico, embora sejam duas formas diferentes de não encarar a inconsequência.

    Addendum : o voto irresponsavel não é necessariamente minoritario

    Boas

  2. não votar . ir votar não representa risco nenhum : mascara , distancia , luvas de palhaço e se for preciso uma bata descartável. entrar mudo e sair calado. isto para os mais afectados pelo 4 º poder ou por doenças.

  3. Um voto irresponsavel é um voto de protesto inconsequente, que não implica adesão a nada, mas apenas oposição ao que é concebido como um dado adquirido. Os referendos são perigosos porque se prestam a esse tipo de voto. As pessoas que votam Trump, ou Brexit, ou PCTP/MRPP, sem acreditar minimamente que exista uma possibilidade que o seu voto obtenha a maioria, por exemplo, votam de forma irresponsavel (o que não significa que todos os votos no Trump, no Brexit, ou no PCTP/MRPPP tenham sido irresponsaveis). Todos nos ja o fizemos e seria angélico dizer que nunca mais o vamos fazer. Uma das fraquezas da democracia parlamentar (que não chega para contrabalançar as suas vantagens) é encorajar o voto irresponsavel, tipico do cliente de taberna para quem esta sempre tudo mal, mas que é completamente incapaz de definir uma alternativa exequivel.

    Os quatro ou cinco ultimos posts do Valupi exemplificam muito bem o que é um voto “irresponsavel”. A pergunta que ele faz neste post mostra que ele até esta bastante consciente disso.

    Mais duvidas ?

    Boas

  4. a pergunta feita questiona se será mais perigoso ir votar e apanhar o vírus ou não ir votar e ir um vírus para presidente. penso eu de quê…

  5. Claro que é mais arriscado não ir votar. Por duas razões:
    1. Votar é tão seguro quanto possível, pelo menos no sítio onde eu votei e nos sítios que vi na televisão. Não é aqui que as pessoas apanham a covid. Vocês sabem do que eu estou a falar…
    2. Não votar é deixar a decisão para quem vota. É a negação da democracia.

  6. Votar é uma obrigação num país democrático. É um dever que temos para com os cidadãos com quem compartilhamos a nossa vida. Basta de falar exclusivamente em “direitos”. Haja ao menos uma obrigaçãozinha.

  7. Depende das circunstâncias.
    Por exemplo, votar na Coreia do Norte, é em ambas as hipóteses, arriscado .
    Caso exista voto, contribui para a perpetuação no poder de um regime totalitário e despótico. Caso não ocorra exercício de voto, a consequência é a guia de marcha para um campo de trabalhos forçados .
    O mesmo se diria no regime do Saddam Hussein ( campos de concentração excluídos, mas decerto existiriam consequências nefastas para o absetencionista ).
    Já quanto ao exercício do direito de voto num regime genuinamente democrático, depende, claro, do grau de esclarecimento e responsabilidade de cada um .
    Como cada um tem uma percepção própria e diferente do que seja responsabilidade individual e responsabilidade colectiva, os acertos e os desacertos são inevitáveis .
    E quanto ao grau de esclarecimento, seria, no mínimo, perigoso, tentar criar um “critério de selecção” e a partir daí, estabelecer limitações ou exclusões.
    Por isso, o exercício de voto, tem riscos inerentes .
    O mesmo se dirá, quanto ao não exercício de voto .

  8. D.Pedro Tinto:
    No teu regime ideal, Trumpista ou Bolsonarico , votar é um bom exercício físico, já que a fraude eleitoral é obrigatória. Deixa lá o Saddam, esse sim ,visionário , que afirmou quando do ataque USA ao Iraque : esta é a mãe de todas as batalhas ! As torres Gêmeas já destruídas e o tio Sam sem perceber porque aquilo lhe aconteceu…
    Há mais coisas debaixo da roda do Sol do que as que contempla a minha vá filosofia.
    .

  9. Oh Aspirina isto nem parece seu. Então não sabe que se eu for de direita o meu voto responsável é na direita se fôr de esquerda será na esquerda? E mais a Aspirina que hoje para descartar do dia de ontem foi buscar frases que deve ter considerado lapidares em inglês com a Bibliografia e tudo quer dizer o quê? Tomem lá disto para ver se percebem? Ou será mais com isto é que vos arraso ficam todos a xuxar? Não faça isso não se zangue com os resultados olhe na minha terra 30% votaram Ventura. Durante 40 anos votaram PCP e agora olha … Sobre isso não quer escrever? Ajude-me a perceber o que é/foi isto nas em português se possível. Não se deixe abater eu vivi 26 anos no tempo dos outros e aprendi a resistir.

  10. Caro MJP:
    Muito provável que alguns votos PCP tenham ido para o Ventas…
    Nas anteriores presidenciais o candidato PCP teve menor votação que agora…
    Se não é estúpido, tire a conclusão.
    Se não consegue, tenha um muito bom dia.

  11. “Nas anteriores presidenciais o candidato PCP teve menor votação que agora…”

    edgar silva 2016 – 183.009 votos
    joão ferreira 2021 – 180.473 votos

    partindo do princípio que os resultados eleitorais se exprimem em número de votos obtidos e que o site de ministério da administração interna não falsifica resultados e caso não sejas burro, tira a conclusão e não dês cabo do trabalho do joão ferreira com parvoeira martelada.

  12. Caro ficam cegos: Se os burros soubessem calcular proporções, ao saber a taxa de abstenção das presentes presidenciais, não escreviam comentários como o teu ! Vês a parede mas não vês a janela. Os números que constam no Ministério não são os teus. Informa-te!

  13. Aqueles 2600 votos que o Ventura arrancou ao PCP foi o que lhe permitiu ficar à frente da Ana Gomes !
    Os 460.000 votos do inimputável sairam diretamente do Partidão .
    PPD e CDS ,durmam descansados!

  14. desde quando é que um gajo é eleito presidente com percentagens, o que conta é o número de votos, ninguém é eleito com proporções ou taxas de abstenção. o que conta são os números que botei acima, que podes conferir nos linques do mai e o resto são as tradicionais desculpas da supremacia popular de cariz folclórico.

    https://www.eleicoes.mai.gov.pt/presidenciais2016/
    https://www.presidenciais2021.mai.gov.pt/resultados/globais

    isso já não é burrice nem cegueira, é desonestidade permitida pela liberdade de expressão.
    o ferreira a fazer boa figura durante 2 semanas e este gajo a cagar a pintura em 30″.

  15. Caro ” depois queixam (?) dos outros”:
    Pelos números do MAI , a abstenção este ano foi 10,02 % superior à das eleições presidenciais anteriores. Logo,para a votação do candidato do PCP ser igual à anterior devia ser 18.000 votos menor ! Mas temos os novos inscritos e os falecidos. Vamos dar 50% para as quebras: ainda sobram 9.000 votos,nada a ver com os 3.000 votos de diferença ocorrida.
    Achas que eu estava a mentir ? Lamento.
    A aparência,por vezes, tem contacto com a realidade,o que não é o caso.
    Saudações revolucionárias !!!

  16. já tá melhor, afinal os números estão certos e servem para aviares mais umas marteladas.

    inscritos: 2016 = 9.741.377 / 2021 = 10.791.743;
    aumento de inscritos em 2021: +1.050.366 / 10,8%
    votantes: 2016 = 4.740.558 / 2021 = 4.261.134
    abstenção relativa a 2016: – 479.424 = 10,1%

    o aumento de inscritos cobre largamente o aumento da abstenção, as tuas realidades alternativas e fézadas estatísticas.

    “Achas que eu estava a mentir ?”
    não, só te chamei desonesto por isto: “Os números que constam no Ministério não são os teus. Informa-te!”

  17. Os teus número continuam a ser uma nuvem de fumo,e tu sem máscara !
    O aumento de número de inscritos, é ,de longe, anulado pelo aumento da abstenção. Partes do principio que nos cadernos eleitorais foram expurgados os mortos. Infelizmente não são tão poucos como isso, e não levas talnn6 em conta.
    Não faças como o Miguel Sousa Tavares que, em 1999 declarou, por escrito: o PCP está morto ! Ainda hoje nos rimos do disparate ?

  18. os mortos não votam portanto a abstenção real ainda é menor que os 10,1% estimados, o que não favorece muito as tuas marteladas. enfim gostas de dizer coisas e cagar lérias porque és um gajo esclarecido que ainda se ri dos disparates do sousa tavares. tamos conversados.

  19. Homem dos números:
    Na tua prédica acabas por repetir o que eu disse: votaram em 2021 menos 460.000 eleitores !
    Fugiu~te a boca para a verdade. Ainda bem.
    Boa noite.

  20. … voltas à casa de partida e aproprias-te dos argumentos alheios.

    eu falei em “abstenção relativa a 2016: – 479.424 = 10,1%” e tu escreveste aí acima: “Os 460.000 votos do inimputável sairam diretamente do Partidão” (26 DE JANEIRO DE 2021 ÀS 13:53).
    agora bates com os 460.000 no peito e dizes que tu é que és o presidente da junta. porra, isto é muito à frente, dialética mini-sagres tasca do conde ou bar centro de trabalho de odivelas. ninguém me manda discutir com atrasados mentais. xau, vai pelo passeio que os hospitais estão cheios.

  21. Phoda-se, que é que esta merda tem a ver com o conteúdo do meu comentário ???

    “Samuel Clemens
    25 DE JANEIRO DE 2021 ÀS 9:20
    D.Pedro Tinto:
    No teu regime ideal, Trumpista ou Bolsonarico , votar é um bom exercício físico, já que a fraude eleitoral é obrigatória.”

  22. D. Pedro Tinto :
    Quando se dá uma aula não se pode dá-la para o nível do mais burro da sala. Os alunos médios ficariam todos a dormir ! Do mesmo modo com os comentários.
    Citas em primeiro lugar o que entendes por super-modelos da esquerda ( Saddam e Coreia do Norte) e não te ficas por menos! Só defeitos, Depois vens com o dito sistema genuinamente democrático. Nesta linguagem de C.M., só os USA e amigos muito chegados o têm. É o local onde as maiores fraudes se dão, se acreditamos no Trump ( até manda invadir o Capitólio) ou no Bolsonaro, borrado com medo da votação electrónica !
    Podes limpar-te a esse genuíno sistema.

  23. SM ( homónimo de Mark Twain )

    No meu comentário, à pergunta de Valupi, eu, em tom irónico, – mas que não deixa de corresponder à realidade – utilizei os exemplos da Coreia do Norte e do Iraque de Sadham – como casos em que, votar ou não votar, tem em ambas as situações, um efeito negativo, desde logo porque, apenas existe partido único onde votar, e não vigora democracia .
    A partir daí, vocemessê, com uma imaginação delirante, extrapola para concluir que, eu, entendo que tais países são super modelos de esquerda, e que, como países genuinamente democráticos, só os USA e amigos muito chegados ( sem referir quais ) .
    Ora, nunca nos meus comentários do passado aqui no aspirina me referi a quaisquer dos ditos países em termos de avaliação democrática ou sob o ponto de vista do critério de democraticidade .
    O que me parece, pelo que tenho lido de sí, é que vocemessê será um comunista ou ex-comunista – o que por sí, só nem é relevante .
    Já um comunista crente ou um ex-comunista ressabiado, é outra coisa .
    No primeiro caso, persiste em usar a cabeça debaixo da boina, e argumenta que a Coreia do Norte é um país democrático .
    No segundo caso, persiste em atribuir todas as culpas da falência da implementação da ideologia, aos USA .
    Depois, acrescenta também vocemessê, a treta de que, no meu entender, regimes democráticos serão os dos países onde Trump e Bolsonaro ganharam as eleições. E diz, fraudulentamente, porque, escreve, são onde acontecem as maiores fraudes .
    Assim aconteceu, com na efeito, por exemplo, no caso dos democratas, na eleição de Kennedy, com a intervenção da Mafia de Chicago, na manipulação dos votos do Illinois, que teve resultado decisivo para a vitória de Kennedy e a derrota de Richard Nixon . Isto está hoje comprovado historicamente . Na altura, o resultado foi pacificamente aceite por todos .
    Inversamente, com a vitória de Joe Biden, foram os republicanos que vieram arengar que ocorreu fraude . Até ao presente, não está provado .
    Resumindo e concluindo : você vem com intervenções completamente desfocadas com relação ao que eu escrevi, e ainda por cima, extrapola para inventar e atribuir a mim, convicções que são produto do seu ( fraco ) imaginário .
    Vocemessê passa a vida a falar em revolução e revolucionários.
    Só ainda não percebi uma coisa .
    Você refere-se ao 25 de Abril, ou ao 25 de Novembro ?
    É que, uma vez que frequenta este blog e alinha sistemática e incondicionalmente com posições dogmáticas e fanático-sectárias socialistas, – e parecendo-me a mim provindas de um transfuga do PC – tenho que concluir que, se está a referir ao 25 de Novembro .
    Ora, eu tenho para mim, que o 25 de Novembro, foi o fim do 25 de Abril – tendo aliás, Eanes, voluntária ou involuntariamente, desempenhado o papel de coveiro do 25 de Abril .
    É que se analizar bem a evolução histórica, depois de 25 de Novembro, foi sempre a guinar para a direita .
    Portanto, em que é que ficamos ?

  24. Caro D. Pedro Tinto :
    Não fatigue as suas meninges : assumo,como sempre o fiz, a minha condição de estalinista .
    Um estalinista que também admira Mark Twain . E que se preza de falar com toda a gente.

  25. Um estalinista democrático, uma contradição em termos .
    Mas também detecto em sí contradictio in adjecto .
    Não se trate não …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.