Puritanismo jurídico, diz o caluniador

Existe uma indústria da calúnia porque existe a produção de calúnias a troco de dinheiro. E para gerar dinheiro, directa e indirectamente. É o mercado a funcionar, a todo o vapor. Nenhuma alma disputa a evidência de o Correio da Manhã, o Sol e o Observador, para citar os meios mais cabeludos, terem na calúnia uma parte principal da sua filosofia e logística editorial. Mas há outros meios de mais difícil discernimento. Veja-se o que acontece no Público. No tempo do Zé Manel, era igualmente uma máquina poderosa de produção de calúnias. Agora, ninguém diria isso da actual linha editorial. Parece um jornal sério, daqueles interessados em contribuir para o bem comum através da sua especificidade como órgão de imprensa. Nem sequer dá para perceber se têm alguma inclinação partidária, o que pode ser recomendável. Porém, este mesmo jornal paga (e quanto?) ao João Miguel Tavares para produzir calúnias a um ritmo semanal, ou lá próximo. Exagero? Leia-se o parágrafo:

O resultado deste puritanismo jurídico, que de certa forma entende que uma justiça digna não deve negociar com criminosos, é aquele que se vê: um país com altos níveis de corrupção e inúmeras investigações, mas sem corruptos presos. Basta pegar no popular caso Sócrates e ver o modo como a investigação parece andar aos círculos. As justificações de Sócrates para tamanha ostentação de riqueza são totalmente implausíveis, mas não é por acaso que a sua defesa afirma obsessivamente que não sabe de que crime está o seu cliente acusado – nos casos de corrupção, os indícios podem ser gritantes, mas prová-los é uma tarefa hercúlea, dada a sofisticação e complexidade dos processos envolvidos.

A delação premiada

Não é absolutamente maravilhoso este naco de prosa? O seu autor começa por se declarar avesso ao “puritanismo jurídico”. Isto, por si só, e como dizem os ingleses, c’est tout un programme. Ele quer as coisas um bom bocado mais porcalhonas, e parte logo para o ensino através do exemplo. Começa por estabelecer que Portugal é um país com altos níveis de corrupção, mas não perde uma caloria a dizer onde foi buscar essa ideia. Talvez porque ele próprio não saiba explicar, é a minha explicação. De seguida, fala de Sócrates. Estou disposto a pagar para ver uma infografia com o mapa das referências a Sócrates feitas por este caluniador profissional ao longo da sua carreira. Só que não largo mais do que 10 euros, estão avisados. Pois aqui ele anuncia-se conhecedor do estado da investigação, sugerindo que anda aos círculos, e apressa-se a iluminar o fenómeno. Então, é assim: as justificações de Sócrates, as quais estarão na posse do caluniador, não passam de tretas, e toda a gente sabe disso de ouvido, não é preciso investigar seja o que for, só que provar em tribunal a corrupção que já está provada pelos indícios é que é o caralho – não fosse tão difícil e a “Operação Marquês” seria uma auto-estrada sempre a direito, em vez de uma rotunda engarrafada, com ponto de partida na sua própria cachimónia e ponto de chegada a uma fogueira magnífica no Terreiro do Paço.

A promoção aberta da delação por um talibã da direita decadente, não passando aqui de manha doentia para voltar a carimbar o cidadão Sócrates como criminoso sem que a Justiça o tenha feito nem se sabendo se o vai fazer, transporta-nos para o auge da caça às bruxas nos Estados Unidos de Joseph McCarthy e Edgar Hoover. Este último, entre muitas outras vilanias, usou o FBI para instituir um sistema em que recolhia suspeitas sobre professores que pertencessem a escolas públicas. O motivo tinha de ser a ameaça genérica por conotação comunista. Depois, esses nomes eram entregues secretamente aos governadores dos Estados e estes faziam-nos chegar às instituições de ensino respectivas. Aí, os visados eram levados a abandonar as posições ou eram liminarmente despedidos. A forma como os responsáveis por esta completa e monstruosa violação do Estado de direito racionalizaram as suas decisões e práticas não se distingue do espírito posto em caracteres pelo caluniador remunerado pelo Público: as garantias e direitos individuais não passam de “puritanismo jurídico” face à oportunidade de destruir o bom nome e a segurança de pessoas atacadas arbitrariamente sem que a comunidade venha meter o bedelho na razia.

Sim, Sócrates poderá ter cometido crimes. Sei lá eu. Para já, sei que é inocente até prova em contrário. E também sei que cometeu gravíssimos disparates na esfera da sua privacidade, os quais têm consequências políticas como se vê. Mas tenha ou não tenha sido agente de ilegalidades, isso é indiferente para esta consciência de ser um dos cúmulos da degradação comunitária ver os caluniadores serem premiados com espaço mediático e dinheiro por órgãos de comunicação social que usufruem das benesses da Constituição. Ao menos que ficassem lá pelo esgoto onde vão molhar o pão.

267 thoughts on “Puritanismo jurídico, diz o caluniador”

  1. A denúncia eletrónica visa facilitar a comunicação de facto(s) ilícito(s) à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) podendo tratar-se de matéria de natureza contraordenacional ou criminal da competência desta Autoridade.

    No caso do facto ilícito comunicado não ser da competência da ASAE a sua denúncia será encaminhada para a entidade com competência na matéria.

    Deverá elaborar a sua denúncia de forma completa e fundamentada indicando, sempre que possível, informação detalhada sobre os factos e a entidade denunciada, o local onde ocorrem os factos (morada e/ou outros pontos de referência), justificação do motivo de denúncia e outras questões relevantes.

    Alertamos ainda para que caso opte por efetuar uma denúncia anónima não lhe poderá posteriormente ser fornecida qualquer informação sobre a mesma.

    Para enviar-nos uma queixa ou denúncia, por favor preencha os campos que se seguem e carregue em Enviar.

  2. Isso é para quê Básico ?
    Para a Pide ter os nossos endereços e saber quem há-de vir buscar de madrugada ?

  3. Agora o texto do Valupi:

    Concordo ipsis verbis !
    O que esses manhosos, do tipo desse que escreve no Público, querem é instituir por cá o estatuto do “arrependido” com mais “poderes e benesses” para de uma vez tornar isto na Santa Inquisição !
    Ou seja, deixará de ser preciso fazer qualquer tipo de investigação, para quê, tanto trabalho … ?
    Bastará pagar a um fdp de um “arrependido”, o gajo vai ao tribunal dizer que o Sócrates (ou outro qualquer que lhe pedirem) é corrupto, e pronto, está feito !
    O Rosário não precisará de fazer nada, e ao juiz bastará bater com o martelo na madeira e sentenciar 25 anos de prisão (enquanto não forem instituídas outra vez as fogueiras) !
    ESTUPORES é uma boa palavra para definir esta gente.
    E vai acabar mal, isto vai acabar mal.

  4. Mas para se chamar caluniador a alguém, tem que se saber que o que o conteúdo deste é falso…

    E no caso em concreto quem o pode dizer? Com base em quê?

    E porque há-de um advogado disseminar a «nova» de que não sabe do que o seu constituinte está acusado, quando decorre inquérito, com declaração de complexidade? Só com um motivo – desinformar e pressionar. Perturba o inquérito, justifica mais ainda a detenção do arguido e, do mesmo passo, tenta ganhar o jogo se a Autoridade ceder – o preso sai herói e com uns apoios e tal, chega a presidente.

  5. Como sempre Valupi um texto fenomenal. Vale a pena vir ao Aspirina B para o ler.
    Cumprimentos.

  6. A JASMERDIM PIMBA, dita licenciada, deves ser a professorazeca. Não sabe, expliquemos-lhe:

    O BÁSICO deu-te endereços para tu te QUEIXARES das ILEGALIDADES e dos CALUNIADORES.

  7. Um dos comentários ao artigo da “Delação Premiada”:
    Marcos Ferreira Pinto Basto
    09:28
    “João Miguel Tavares, premiar a denúncia, a tal delação premiada, tem que ser de espontânea e livre vontade do arguido em processo ou já condenado, não sendo permitido ao juiz ordenar a prisão de cidadão sobre o qual suspeita-se a prática de crime, mesmo sendo prisão preventiva para agilizar investigações, existem prazos a cumprir, coisa que o juiz Sérgio Moro não está respeitando. Toda a denúncia tem que ser confirmada com provas investigadas, outro pormenor que não está sendo cumprido e a falta maior é que ele não manda investigar todos os membros do PSDB que abriga os maiores ladrões do Brasil varonil. D.Dilma não gosta de delatores, ninguém gosta de dedos-duros, os tais alcaguetes. Tem muita história cabeluda esta operação.Se quiser umas dicas, contacta-me.”

  8. ‘Portugal, o país mais corrupto da Europa, só ultrapassado pela Polónia.’

    Diz o bobo!

    Portugal – 31
    Polónia – 35
    Espanha – 37
    Malta – 43
    Hungria – 47
    República Checa – 53
    Eslováquia – 54
    Croácia – 61
    Bulgária – 69
    Grécia – 69
    Itália – 69
    Roménia – 69
    Montenegro – 76
    Sérvia – 78
    Bósnia – 80
    Albânia – 110
    Kosovo – 110

    Comentar para quê?!

  9. Justamente, cegueta.
    Para eu “me queixar” e a Pide me vir buscar a casa, porque os que “se queixam” são os “perigosos esquerdalhos” que é preciso eliminar.

  10. Mais um texto para as viúvas do 44, hábil em misturar conceitos para passar a imagem da perseguição ao 44 e da perversão da justiça portuguesa.

    Fala-se de delação premiada (pela justiça) e mistura-se o conceito com fugas de informação e tablóides.

    Insinua-se que a delação é uma coisa negativa e perigosa, quando ela já existe e está institucionalizada por todo o lado (vide links)

    Questiona-se a existência duma cultura de corrupção em Portugal quando uma análise a qualquer report credível aponta portugal como um país altamente corrupto.
    Omite-se convenientemente a parte seguinte do argumento, que é a da inexistência de condenados por corrupção, um sinal claro que algo está fundamentalmente errado no combate à corrupção em Portugal.

    Enfim, mais um masterpiece das tentativas de spin socialista e da corporação de suporte ao 44, também conhecida pelas viúvas 44.

  11. O cegueta

    Vai fazer o teu bluff para outro lado que aqui foi chão que já deu uvas.
    Aqui já toda a gente topou que tu não passas dum palerma que se quer pôr em bicos de pés.

  12. O jasmin é um espectáculo, Portugal não é corrupto e está bem classificado num ranking de corrupção porque fica à frente da Roménia, Montenegro, Bósnia, Albânia e do Kosovo, ou, se falarmos de países do euro, da Grécia, da Itália (alo máfia), ou de Espanha (já foste ver o número de condenados e presos por corrupção em Espanha, o burro).

    Estas bem e para papar tiradas destas,
    “Começa por estabelecer que Portugal é um país com altos níveis de corrupção, mas não perde uma caloria a dizer onde foi buscar essa ideia”

  13. Ó JASMERDIM PIMBA, mas então tu, porque preferes o teu COIRO ao do 44, deixas um inocente morrer na cadeia? Nada fazes? Só atacas se for em matilha, então? Ai, isso não se faz. Vens para aqui debitar alvoradas de coragem e depois quedas-te com medo da pide? Esta já não existe, pois se existisse, tu já não andavas por aqui. Qual é o teu receio? Então, tu não dizes que os XUXAS vão ganhar? Vá lá, requer a libertação imediata do 44, ataõe?

  14. Ó JASMERDIM PIMBA, olha só e tu que fazes manifestos de COBARDIA e te sustentas em fantasmas para justificar a tua falta de CORAGEM para lutares por causas em que acreditas?

    Bluff? Ó JASMERDIM PIMBA, tu é que és um bluff. Eu já vos desafiei a todos ( os IGNARALHOS) a requererem à entidade competente. Ninguém se adiantou, mas continuaram no paleio do écran. Agora o BÁSICO deu-vos mais dicas e tu alegas medo.

    Ó JASMERDIM PIMBA, vai coser meias.

  15. Val,
    disseste tudo naquele bocadinho ‘… Parece um jornal sério…’!
    Aí reside o cerne da questão. A seriedade jornalística. Não são todos iguais, felizmente, mas cada vez há menos jornalistas e mais contadores de histórias. O famoso ‘Quem, quando, como, onde, o quê e porquê’ deixou de estar na génese da notícia. É usado um que se crisma de ‘quem’, presume-se o ‘quando’, inventa-se o ‘como’, jura-se o ‘onde’, presume-se ‘o quê’ e afirma-se o ‘porquê’. E depois que interessa que seja tudo mentira?! A justiça (!), demorará anos a investigar e prefere deixar prescrever a inocentar. Nos casos em que inocenta, logo aparecem uns tantos a arranjar suspeições sobre a absolvição. Entretanto vidas são amputadas, arruinadas, reputações destruídas, e os facínoras às vezes ainda têm a lata de dizer que foram iludidos. Que desculpem lá que não foi por mal!
    Quantos caluniadores foram presos? Quantos jornalistas perderam a carteira? Quantos ofendidos foram indemnizados e restaurada na sua honorabilidade?
    Todos temos a nossa dose de culpa quando nos calamos ou fazemos orelhas moucas aos assassínios de carácter que por aí correm. Mas como é possível inverter a situação, quando a comunicação social está toda na mão da direita mais retrógrada que este país conheceu?

  16. Não prescreve, a partir do momento em que há constituição de arguido. Interrompe-se o cômputo prescricional, ó bedes e sabeis tudo.

    E escrevem, e escrevem convencidos de que sabem do que falam.

  17. «Começa por estabelecer que Portugal é um país com altos níveis de corrupção, mas não perde uma caloria a dizer onde foi buscar essa ideia. »

    Bem, basta ver as investigações em sede de corrupção que se quedam no arquivamento, não porque haja falta de indícios – mas são insuficientes na perspetiva da possibilidade de condenação ( a face da lei vigente).

    P.e. o que aconteceu no caso Lanalgo e outros que foram investigados na área da Grande Lisboa. Era vê-los a dizer que tinham feito tudo de acordo com a lei e que confiavam nas informações do Estado.
    E como este há mais.

  18. Corruptos materialmente. Honestos, formalmente. Resultado – não houve corrupção ( formal), sabendo-se que a mesma teve lugar a vários níveis.

  19. E, portanto, o puritanismo jurídico existe, mas os políticos negoceiam a sua medida. A CRP dá-lhes competência para tal.

  20. Por isso, o alegado caluniador NÃO é caluniador.Fez uma abordagem sumária, simples, certa, porque coexiste com a realidade.

  21. E pensar que tempos houve em que as leis eram feitas por homens bons, para reflectir aquele que era o sentimento de moral e de justiça duma sociedade.

    Agora eis os maiores moralistas de todos os tempos, os abrilistas, para quem um culpado e quem tem o azar de ver recusado o último recurso, na derradeira instância, antes que o processo ter tempo de prescrever. Essa é a lei feita a medida é a luz da geração de abril.

  22. Cegueta

    Continuas muito nervoso.
    Acalma-te que isto ainda mal começou.
    E deixa-te de ordinarices, se fores capaz.

  23. Geração de abril que deixa PRESCREVER MORTES – quem faz a lei é o legislador, não quem a aplica.

    Por isso, é REVOLTANTE ver um ex – governante salientar a prisão preventiva, porque lhe tocou a ele, mas CALOU-SE quando vítimas do Estado Português morreram e as famílias souberam, de facto, o que é a prescrição. Portanto, estes IGNARALHOS que andam aqui a lambuzar-se com direitos, liberdades e garantias, são uma cambada de CARNEIROS que seguem o que os seus pastores lhes dizem. São os tolos descobertos por Bocage.

  24. Bom, eu venho aqui com uma fatiota nova porque se usar a antiga acusam-me logo, isso apesar de dizerem que não lêm o que escrevi.

    Snr. Valupi, vamos por partes, como dizia o Jack estripador.

    Para começar, há que distinguir entre o chamado plea bargain, que se destina a um caso e a uma situação concreta, e a chamada perseguição generalizada, vulgo caça às bruxas, esta sim, dirigida a todos e uma ameaça à sociedade/comunidade.

    Volto maisogo, vou recarregar baterias.

  25. JASMERDIM PIMBA, tens um conceito errado de educação e de oportunidade. A projeção é um argumento de há muitos e longos anos. Que tu aplicas recorrentemente.

  26. Isso das prescrições das mortes só é tema se um da nomenclatura morrer e, por alguma razão, se suspeitar de que a coisa não foi natural. Ou seja, se o Sa Carneiro andasse de punho em riste, a lei não era o que é actualmente.

  27. Diz, ”infra” xabes. Chamaste por mim? Eu topei o quê?
    A única coisa que eu topo e de ginjeira é que quem, como anónimo, denuncia o vizinho é porque traz problemas de consciência.
    Recordo-me dos delatores da PIDE a gritarem todos na rua: ”Aquele é PIDE! Agarra! Enforquem!”
    Não te convences de que, sem cara, apenas levantas suspeitas.
    O Nazareno dizia: ”Sepulcros caiados!”
    Mas o Nazareno era comuna.

  28. não sei se tenha mais pena do cego que do cão…lá que andam os dois perdidos, restam poucas dúvidas…

  29. Tens aí um sem número de links para delação, estas a insinuar que Portugal é um estado fascista?

    Estas a dizer que os portugueses que denunciem crimes fiscais, crimes de corrupção, crimes ambientais, maus tratos animais, abuso de menores, são fascistas e pidescos?

  30. e vocemecê já me atingiu duas vezez, atingido por friendly fire, por favor corrigir a mira e cuidado com a pontaria, I am a retired civil servant, só no caso de detentores de cargos políticos públicos, politiqueiros, e equiparados, é que se pode falar de reformas mal calculadas, v.g., pouco tempo de descontos prá reforma e tempo a contar a dobrar.
    Exemplo : a adolescenta presidenta da AR.

  31. estou à espera de ver o comentário da Nelinha e está a dar futebol e a falarem do Mitroglu, que será tal producto, será elixir dentário ou coisa pra enfiar no …
    Este Sérgio Figueiredo na realidade é um sério gestor do imprevisível.
    E o imprevisível é sempre mais football.

  32. Estou a dizer que Portugal se está a transformar, corrosivamente, num estado protofascista, com um amplo leque de cumplicidades.
    Um salazarismo travestido campeia através das instituições da República, sustentado por clamores sussurrantes de anónimos covardes e obscenos, como tu, básico.
    O cegueta diz-se salazarista. Mas também se diz explicitamente admirador do Passos Coelho e da coligação. Não é lícito deduzirmos então que Passos Coelho, aquele que se arvora em depositário de Abril, é salazarista?
    E tu?
    Pelo menos pensem antes de escrever. Respirem fundo e pensem antes de escrever.

  33. O que, o tavares escreve e diz pouco ou nada interessa!
    Tem que alimentar a família, tentou o jornalismo, tentou
    ser escritor … ficou-se por cronista de maldizer do Sócrates
    porque assim, sabe que vende pois, trata-se de um produ-
    to muito bem aceite no mercado … no fim do “processo”
    se verá qual a “musa” que o tavares vai arranjar até porque
    na TVI não ficava nada bem! È um vendedor ou vendido???

  34. Protofascista porque ?

    Eu acho que esta alínea da crp não tem a notoriedade merecida, nem é aplicada com a frequência necessária.

    3. Exceptua-se deste princípio a privação da liberdade, pelo tempo e nas condições que a lei determinar, nos casos seguintes:
    h) Internamento de portador de anomalia psíquica em estabelecimento terapêutico adequado, decretado ou confirmado por autoridade judicial competente

  35. Básico, estás fazer confusão. Os links que indicas são lugares onde podem ser feitas denuncias fundamentadas de ilícitos que as autoridades competentes deverão investigar e documentar provas. Não servem para bandidos a contas com a justiça salvarem a pele acusando alvos pessoais e políticos da sua conveniência de ilícitos cuja prova se baseia apenas no seu testemunho.

  36. É isso Galuxo, as delações anônimas da internet são legítimas, mas as delações dum insider num processo, por exemplo, num esquema de corrupção, são fantasiosas, infundada, e os juízes iam passar a condenar gente só com base no diz que disse do delator.

    Vocês parecem impossíveis de inventar, mas helas, existem.

  37. Ó básico! Vai p’rá puta que te pariu! Sê homenzinho, covarde de merda.
    Bem… Por hoje basta. Vou ler umas coisas atrasadas do Valupi.

  38. Sabes qual é, para mim, aqui identificado, a mais obscena caricatura desta palhaçada, desta República por haver, deste estado travesti?
    É um general andar por aí anónimo sem compostura, sem respeito por si próprio, mas sobretudo sem respeito pela tal pátria e pela bandeira que jurou, a ponto de ter que ouvir um gajo qualquer mandá-lo para a puta que o pariu.

  39. ora bolas, nem MFL nem Quadratura do Circulo.
    Na TVI está a dar futebol e na SIC futebol está a dar.
    Mas na grelha da programação diz Política Mesmo. E está a dar o Mais Futebol .

    Básico : qual é o link prá Alta Autoridade Para o Cumprimento da Grelha ?
    Quero fazer uma denúncia, apresentar queixa, apresentar uma reclamação.
    Mas não faço como anónimo.
    Ponho a minha identificação.
    Se eu fosse um tipo ranhoso, identificava-me como Castro Nunes e dava o telefone dele.
    Mas não sou.

  40. O Castro perdeu as estribeiras e caiu do cavalo.
    Com estrondo e estardalhaço.
    Ó homem, componha-se.
    Ninguém passa do chão.
    E depois, ora, culpe a cavalgadura.
    Ou então culpe-se a sí mesmo.
    E releia a Arte de Cavalgar toda a Cela.

  41. O que é que queres dizer com isso?
    Se fosses um tipo ranhoso?
    Explica lá.

  42. Básico, as delações dum insider num processo partem, por norma, de quem tem maior grau de culpa entre os envolvidos num crime. Se a justiça o beneficia está ela própria a ser corrompida nos seus fundamentos.

  43. então não é um artigo de opinião independentemente de quem o escreve? pagam-lhe para dar opinião sobre factos e não para escrever sobre factos. e não é verdade que existem indícios gravíssimos que a defesa não consegue justificar a ponto da prisão preventiva não fazer sentido – na mesma proporção da acusação não conseguir acusar mas apenas usar uma medida preventiva perante os indícios? e não há nesta realidade uma rotunda que tem ido dar, para já, a um beco sem saída do Sócrates da prisão ou da sua entrada explícita como acusado?

    não estou a ver incoerência alguma, sinceramente. é uma opinião que vale o que vale.

  44. O João Miguel Tavares e alguma da trampa que gosta de se peidar nesta caixa de comentários têm em comum uma característica que facilita a sua identificação entre o público em geral. Que coisa é essa? Problemas de coluna extremamente específicos, que lhes conferem um andar diferenciado do de pessoas com problemas de coluna vulgares, como escolioses, espondiloses, hérnias discais, etc. Lembro-me de ver o fenómeno descrito, no século passado, no extinto jornal “Diário”, numa tira de banda desenhada intitulada “Os Direitinhas”.

    Passo a explicar: o ódio resolutamente vesgo que dedicam à esquerdelhada mafarrica, que teima em continuar a respirar (vade retro!), leva-os a marrar com tudo o que seja de esquerda, pareça de esquerda ou cheire sequer a esquerda nos locais onde têm algum poder de decisão. Daí que, nos antros onde vivem, comem e cagam, as cadeiras, por exemplo, tenham sido amputadas das pernas esquerdas. Não garantindo as pernas direitas sobrantes a necessária e suficiente estabilidade, o esforço que fazem quando, sentados, tentam manter o equilíbrio obriga-os a contorcionismos impensáveis para uma coluna vertebral, o que lhes confere, depois, o tal andar diferenciado cuja caracterização deixo à vossa imaginação. Experimentem sentar-se numa cadeira e comer o almocinho todo apoiando-a apenas nas pernas direitas, que rapidamente entenderão o que quero dizer. Claro que essa coisa de coluna vertebral é conceito que não lhes diz muito, e daí a pouca importância que dão ao assunto.

    Enfrentam os coitados, frequentemente, problemas, dilemas e trilemas tremendos, como por exemplo o de saber quais as pernas esquerdas de um banco de cozinha ou de casa de banho, ou de uma mesa de casa de jantar. Na dúvida, eliminam-nas todas, o que leva a que, na casa de banho, se sentem praticamente no chão e na casa de jantar, com a mesa meio metro abaixo das cadeiras pernetas em que assentam as peidas, o esforço para a coluna seja ainda mais estranho, agravando a peculiaridade do andar.

    Mas não são só as cadeiras que sofrem a fúria amputadora dos direitinhas do presente, a que alguns mafarricos esquerdelhos, vá-se lá saber porquê, se habituaram a chamar direitolos. Os cães, gatos, hamsters ou cágados que têm como animais de estimação também sofrem a amputação das pernas esquerdas, fenómeno a que só recentemente as associações de protecção dos animais, muito ocupadas com o sofrimento dos bois… perdão, dos touros do Campo Pequeno, começaram a dar alguma atenção.

    Alguns, mais radicais, amputam as pernas e braços esquerdos das mulheres e dos filhos, o que se arrisca a dar origem a uma inteira geração de pernetas e manetas. E se um dia destes se cruzarem na rua com um puto zarolho do olho esquerdo, também ficam a saber, com alto grau de probabilidade, para que lado mija o paizinho. São raros, porém, os que levam a coerência ao ponto de cortar as próprias pernas e braços esquerdos, assim dando provas de outro tipo de coerência, neste caso de consistência algo viscosa, que é a da merda que lhes enforma a alma. Alguns, de forma simbólica, optam por amputar apenas o dedo mindinho da sua própria mão esquerda, o que não lhes faz muita diferença, já que geralmente usam o indicador para tirar macacos do nariz.

    O que acabo de expor não pretende ser uma tese cientificamente demonstrável, mas apenas uma despretensiosa hipótese de trabalho, resultante da observação atenta da realidade que nos rodeia, e nada mais do que isso.

  45. se fosse um tipo ranhoso quer dizer, se fosse um gajo tipo anonimo irresponsável, género Ignacio.
    Por falar nele, não tem aparecido por aqui terá ido de férias com a MF Leite e os 3 da vidairada da QC ?
    Ora como sou um anónimo respeitável e identificável, identifico-me como deve ser.
    Anónimo da Costa,
    Um anónimo ao seu dispor.
    (*) O Inácio, deu como sendo dele, o Nif do P.M

  46. «[…] nenhum eleitor pode aceitar, sem náusea, que um ex-primeiro-ministro movimente, furtivamente, avultadas verbas através de envelopes.»

    O problema maior não é o pequeno reles jmt que, como diz J. Madeira, se profissionalizou na escrita caluniosa sobre Sócrates porque i) não é capaz de pensar outra ideia que seja tão querida dos seus donos e ii) sendo uma ideia-feita basta transformá-la numa ideia-fixa e repeti-la, repeti-la, repeti-la com novos brilhos de pomadas-graxa aos donos e demais subservientes jornaleiros, spinadores e politólogos vendidos iii) continuam ambos, ele e os seus donos, no velho entendimento de que “Sócrates” vende jornais porque estes vendem a ideia de um PM malvado e corrupto.
    Até o “da manha” parece ter percebido que quanto mais mal, quanto mais repetidamente e quanto mais recambolescamente fala do caso mais as pessoas, mesmo as mais rudes e ignorantes, se vão interrogando e apercebendo da impossibilidade, até físico-temporal, mesmo sendo um Homem ímpar, de poder estar e cometer malvadezas em tudo que tocou ou mandou tocar.
    E, claro, chega a um ponto que o feitiço se volta contra o feiticeiro e hoje já ninguém pode ter a certeza se Sócrates é mais detestado que a justiça.

    O problema grave é quando pessoas como Viriato Soromenho Marques propalam frases como a citada ao cimo. E como este senhor pensador, que se dá ao desplante de alinhar no pensamento do “da manha” e do manhoso jmt, têm surgido vários mais subtis como mst, a clarinha e outros, entre eles também o Valupi; «E também sei que cometeu gravíssimos disparates na esfera da sua privacidade, os quais têm consequências políticas como se vê.», que vão alimentando a ideia, colando-a à passibilidade de corrupção, alinhando, mesmo que mais subtilmente, no mesmo raciocínio do “da manha” e jmt.
    O académico pensador vsm vai ao ponto de dar como facto verdadeiro e consumado, nem esperou pela sentença do tribunal, o que diz o “da manha” e logo isso causa-lhe náusea e prova o tipo furtivo que só pode ser corrupto nauseabundo; brilhante.
    Então não se vê todos os dias os políticos, deputados, ex-ministros, ex-pm e ex-chefes de Estado fazerem conferências de imprensa para explicarem publicamente as contas de ganhos e perdas das suas aplicações de poupanças; não andam todos, políticos e não políticos como VSM na televisão, nas praças ou bancos de jardim, a mostrar a todo o mundo como ganham o seu dinheiro e sobretudo quanto pedem emprestado aos familiares, aos amigos ou aos bancos e diariamente dão conta aos portugueses e ao mundo de suas situações financeiras?
    Claro, essa obrigação não se aplica a tal gente sem mácula nem a ninguém, contudo, face às “investigações” do “da manha”, impunha-se esse dever obrigatório em exclusividade ao cidadão Sócrates.
    Porquê? jmt explica e vsm corrobora; indícios gritantes.

  47. ora como eu dizia às 22:07, uma coisa é o plea-bargain, outra bem diferente é a caça àas bruxas.

    Uma é limitada e deve ser usada com toda a precaução, a outra é generalizada e totalmente intolerável.

    Exemplos deploráveis foram o Macartismo na América, e as purgas na antiga União Soviética, em vários períodos, mas em especial sob Stalin

    A questão do texto de Valupi, é que parte de uma e deriva e desemboca na outra, dando a entender que, ou honestamente assim pensa que é, e portanto, existe uma inevitabilidade, ou pretende tirar dividendos, para formar uma conclusão tendenciosa.

    Quanto à parte mais propriamente juridica já sobre ela aqui se pronunciou Numbejonada.
    Ele sabe desta parte e estejam atentos ao que diz nas entrelinhas dos gracejos e arreliações.

    A parte final é que terá mais relevância apreciar.
    Acusa Valupi o escriba de molhar o pão no esgoto.
    Ora isso é uma mera opinião, mas que encerra em sí grave acusação.
    Ora eu não me atreveria a tal, mas fico-me curiosamente por uma intrigrante questão : então para Valupi são todos os escribas de jornais mais ou menos e uns mais que outros, uns vendidos, e onde molhará ele o pão ?
    Será no mais puro e fino azeite, daquele que os antigos sacerdotes hebreus usavam nas lamparinas para iluminarem o Templo, onde ofereciam holocaustos para remissão dos pecados ?

  48. Tu és um tipo ranhoso, dasse.
    Um tipo ranhoso a pensar que é manhoso e a virar o bico ao prego.
    E só tu não vês isso.
    És o dasse, o anónimo costa, o cegueta, o básico.
    O anormal do cegueta até faz estilo de saber muito de código penal. Será que quer convencer o pessoal e arrogar-se o estatuto de magistrado à paisana que virá, em última ou primeira instância, a usar do seu estatuto de magistrado à paisana para retaliar com umas denúncias, recorrendo ao instituto ”plea bargain”?
    Eu logo vou explicar, do meu ponto de vista, o que é o ”plea bargain” e as razões porque à direita, atemorizada porque o puritanismo judicial pode cair-lhe na tola, interessa tanto.
    Agora vou trabalhar.

  49. O Neves, es mesmo burro.

    Se a judiciaria te convidasse para uma reuniao informal, para debater o teu patrimonio e estilo de vida, nao achas que rapidamente te ias lembrar com que dinheiro compraste a carroca de bois que te leva ao trabalho?

    I mean, se a memoria das pessoas fica tao viva quando se sentam a frente dum inspector de financas, com certeza com a judiciaria nao sera pior.

    Tu achas que alguem que esta sentado na pildra ha uns 6 ou 9 meses esta la porque tem ma memoria, e nao consegue explicar a origem do dinheiro de que fazia usufruto, que justificava um estilo de vida espalhafatoso, faustoso e completamente em desacordo com as suas fontes de rendimento “oficiais”. Achas que o problema e lembra-se do dia exacto em que recebeu a heranca de 1000 euros da mae?

    Voces tentam fazer os outros de burros quando qualquer analfabeto vos topa as manhas a milhas.

  50. Se existe calúnia (que eu NÃO ACREDITO), esta terá de ser resolvida nos tribunais, para isso é que eles existem.
    Agora chamar os outros de burros, isso é que não!

  51. «E também sei que cometeu gravíssimos disparates na esfera da sua privacidade, os quais têm consequências políticas como se vê. »

    Valupi,

    Dando de barato as “consequências politicas” que só não vê quem não quer ver, ao certo, exactamente, sem margem para dúvidas, o que é que vc “sabe” que qualifica como “gravissimos disparates” ?

    Explico-me: no dia em que certo politico de primeira grandeza disse à minha frente a um empreiteiro meu conhecido ” sr engº, olhe que eu não preciso de facturas”, eu posso dizer que sei que aquele alto magistrado da nação tem uma relação com o fisco tão honesta qt a minha. Portanto, a menos que o Valupi tenha uma fonte do mesmo calibre para aquilo que diz saber e que suporta o seu juizo moral, o que está a fazer está ao nivel do que critica: calunia !

  52. jose neves, a iliteracia é tramada, mas o sectarismo é ainda pior. Azarinho o teu.

    O que Sócrates fez na sua vida privada, os empréstimos pedidos a Santos Silva e demais relações financeiras com terceiros, já foi admitido publicamente pelo próprio e pelos seus advogados. O que está em investigação é saber se tal configura alguma ilegalidade, e qual. É daí que se pode ter já uma conclusão: essas opções particulares têm consequências políticas, como estamos a ver. Quais são? Criaram a possibilidade de se ver envolvido numa acção judicial onde é suspeito de crimes de corrupção. Portanto, mesmo que seja inocente, está neste momento a prejudicar o PS e a democracia por se ter permitido cair nesta situação nesta altura.
    __

    Anónimo da Costa, concordo contigo no que ao pressuposto de que partes diz respeito. Mas em que parte do meu texto é que te baseias para fazer a ligação? Diria que será na parte de trás, onde escrevinhaste a tua alucinação.

    Do que o texto trata é da justificação moral comum ao apelo do JMT e à prática de violação do Estado de direito no tempo de Hoover. É comum como se vê no exemplo citado, onde a referência a Sócrates transmite a sua convicção de culpabilidade. Assim, na economia do subtexto o que temos é o seguinte raciocínio: Socrates é culpado, e ainda está a conseguir resistir porque as leis o estão a proteger enquanto criminoso – mudem-se as leis para que Sócrates, e outros que tais, não tenha hipótese de defesa.

    Diria, portanto, que a tua iliteracia é selectiva, avulsa, embora frequente. Vê lá isso, pode ser que ainda tenha remédio.

  53. Valupi,

    O que é que sabes tu de mim para me chamares sectário ?! Ou achas que, á semelhança de outros, tb tenho de declarar previamente que nunca votei em Socrates ou no PS para credibilizar as minhas opiniões ?

    Dizes tu que «os empréstimos pedidos a Santos Silva e demais relações financeiras com terceiros, já foi admitido publicamente pelo próprio e pelos seus advogados», mas , se quiseres ser honesto ( e a menos que tenhas lido ou sabido de algo que eu não sei ), também sabes que essas admissões foram feitas em termos suficientemente genéricos para, no minimo, te obrigar a uma suspensão de juizo até melhor esclarecimento.
    Portanto, das duas uma: ou sabes algo para além do que tem sido publicado ( sempre especulativo), ou então, tem paciência, mas estás a alinhar na calúnia pública.

    PS: para te confortar sobre o meu “sectarismo”, deixa-me acrescentar isto: se estivesses a falar do Portas e dos submarinos, dir-te-ia exactamente o mesmo.

  54. das 20:02 às 10:46 = 12:44 > 67 comentários
    1º lugar – básico, 21 comentários = 31,3%
    2º lugar – limbonadas, 15 comentários = 22,4%
    3º lugar – antónio costa e derivados, 8 comentários = 11,9%
    4º lugar – jasmin, 7 comentários = 10,4%
    5º lugar – castro nunes, 6 comentários = 8,9%
    restantes comentadores, brancos, pretos e nulos, 10 comentários = 14,9%

  55. “O que Sócrates fez na sua vida privada, os empréstimos pedidos a Santos Silva e demais relações financeiras com terceiros, já foi admitido publicamente pelo próprio e pelos seus advogados.”

    admitido ou não admitido, ninguém tem puto a ver com isso. se o gajo andou a comer a maria cavaca ou enrabou o portas, nenhum dos familiares gostaria de ver o nome da avó ou do panasca do caldas nos correios manholas.

    “O que está em investigação é saber se tal configura alguma ilegalidade, e qual.”

    errado. prenderam o gajo por motivos políticos e para o manterem preso necessitam de motivos, inventaram uma história de complexidade absurda, investigaram desde pequenino e concluiram corno, agora esperam que se cumpram os prazos para o soltar e dizer que foi tudo legal e havendo culpas são do legislador.

    “É daí que se pode ter já uma conclusão: essas opções particulares têm consequências políticas, como estamos a ver. Quais são? Criaram a possibilidade de se ver envolvido numa acção judicial onde é suspeito de crimes de corrupção. Portanto, mesmo que seja inocente, está neste momento a prejudicar o PS e a democracia por se ter permitido cair nesta situação nesta altura.”

    ora nem mais, o que lhe aconteceu a ele pode acontecer a qualquer um e não há maneira de evitá-lo basta uma denúncia anónima e vontade do ministério público que a coisa acontece. perfeito seria a inversão ónus da prova, já conseguiam condenar ser terem de recorrer a falsificação de provas e testemunhos falsos, coisa mais arriscada e pouco convincente.

  56. ignatz, a inversão do ónus da prova é o que já está a acontecer, na prática da investigação. Prendeu-se para investigar. E, claro, também se prendeu para prender. Mesmo que Sócrates acabe por não ir a tribunal (algo muito improvável), ou que venha do tribunal ilibado das eventuais acusações (algo muito improvável), ou que acabe por ser condenado apenas por fraude fiscal (algo muito provável, pelo menos), já ninguém lhe tira o ano de prisão dos lombos. Nesse sentido, a Operação Marquês é um dos mais espectaculares triunfos da direita após o 25 de Abril.

    Mas, lá está, é por causa de todas estas circunstâncias e factores que aquilo que Sócrates fez, deixando-se apanhar em trânsitos de dinheiro e escutas que criam objectivas suspeitas, foi tão irresponsável tendo em conta as consequências para a comunidade.

  57. MRocha, que queres dizer com “essas admissões foram feitas em termos suficientemente genéricos para, no minimo, te obrigar a uma suspensão de juizo até melhor esclarecimento”? Qual é a parte genérica? E qual é o melhor esclarecimento de que estás à espera?

    Sócrates e os advogados admitiram que foram feitos empréstimos, e que foram usados bens, que vieram do património de Santos Silva. Outras pessoas ligadas a Sócrates igualmente beneficiaram desse património. Qual a dúvida de que estes são os factos? A menos que duvides da palavra de Sócrates e dos seus advogados, os quais também admitiram que Sócrates não confiava nos bancos, daí os esquemas marados para o dinheiro circular até ele.

    Sim, serás um sectário se te recusas a aceitar a realidade. No que a este caso diz respeito, na realidade Sócrates não agiu da melhor forma para os interesses da cidade. Nem para os seus, posto que está na situação que está e terá a sua carreira política acabada.

  58. Texto muito oportuno e correcto, comentários na generalidade equilibrados e atentos, apenas lametável a presença habitual dos dois papagaios poluidores.

  59. AMADOS

    Novamente à vossa presença para vos dizer o seguinte: evidentemente que quando se escreve sobre algo e se pretende fazer valer um ponto de vista, o autor DEVE estar baseado em algo – a verdade fática ou a mentira. Esta última é tratada penalmente, por isso, existem mecanismos para a sua punição. Os jornalistas portugueses NÃO ESTÃO PREPARADOS para articularem sobre matérias da justiça e, por isso, tendem a fugir à fórmula que o PATAS ( e muito bem) mencionava há dias no dispensário. A matéria da Justiça pede um CONHECIMENTO extremo que varia consoante o saber sobre que incide. No caso do texto acima, o autor João Miguel Tavares ESTÁ CERTO. Há PURITANISMO JURÍDICO – FORMAL em Portugal- que tem obviado ao longo dos tempos, de forma VERGONHOSA e ATENTATÓRIA dos mais basilares princípios do ESTADO DE DIREITO. Este último tem sido constantemente ASSASSINADO por BESTAS que se atrevem a mencioná-lo quando VOMITAM em conferências de imprensa sobre processos mediáticos.
    O caso mais EMBLEMÁTICO de atentado ao ESTADO DE DIREITO foi aquele em que pessoas morreram vítimas de derivados plasmáticos contaminados com o VIH. O ESCÂNDALO é este: prescreveu a primeira morte arrolada nos autos de processo – crime; logo, prescreveram as dezenas que se lhe seguiram. Dizia, então, uma notável professora de Direito Penal, que se assistia com a prescrição do crime a um golpe no EDIFÍCIO do DIREITO PENAL. Acrescente-se que, no caso de Otelo Saraiva de Carvalho, o cômputo prescricional se tinha feito até então da mesma maneira que se estava a fazer naquele concreto caso. Só que o TC – imagine-se, o TC, alegado guardião dos DIREITOS, LIBERDADES e GARANTIAS -, entendeu que não. Não obstante, a LEI FUNDAMENTAL, vulgo CRP, continuou a dizer que o DIREITO À VIDA É INVIOLÁVEL.
    O jornalista acima ESTÁ CERTO, pois atento o que se tem ou não conseguido provar, o RESULTADO É: não há corrupção declarada em Portugal, e no entanto, quem instruíu o processo – crime ( OPC, seja, órgão de polícia criminal, e o MP e o JIC, seja, juíz de instrução criminal) SABEM que houve CORRUPÇÃO, de facto.

    Vós que «lincais» tanto, podeis informar-vos sobre os casos das vendas irregulares no distrito de Vila Franca de Xira em âmbito de processos de execução fiscal. Porém, o MP decidiu arquivar. E, todavia, escrito ficou que até HAVIA indícios. Naturalmente que os visados LOGO VIERAM a terreiro dizer que houve ARQUIVAMENTOS. E, mais tarde, quando confrontados com transmissões de bens imóveis para os seus patrimónios, LOGO responderam: confiamos no Estado Português – as informações que as suas instituições nos dão presumem-se verdadeiras.

    E isto remete-nos à questão do puritanismo jurídico. Este existe, tem de ser mudado, e podia tê-lo sido aquando da governação socialista, como agora. Não foi, não é. Há comichões com a questão do enriquecimento ilícito, e ainda, não se mexeu na responsabilidade tributária e penal dos administradores únicos e/ou gerentes das sociedades.

    É UMA VERGONHA, por isso, que um EX – GOVERNANTE que se supõe conhecer o PAÍS, só agora TENHA DESCOBERTO a prisão preventiva e FAÇA um ESCARÇÉU porque lhe foi aplicada e da mesma faça uso para DESVIAR ATENÇÕES, alegando violações da lei que, afinal, não o são, atento o facto de que o seu processo de revogação da medida tem sido sindicado na Relação, sistemáticamente.
    ( Trata-se de uma medida que tem sido aplicada a outros cidadãos)

    Portanto, QUAL É A CALÚNIA e quem é o CALUNIADOR? O homem reproduz a realidade. A solução está nas mãos do legislador que, como tenho referido bastantes vezes, NADA tem que ver com quem aplica a LEI e lança mão dos mecanismos que esta lhe oferece. Legislador que, COMO DEVEM SABER, é a AR e o Governo ( num conjunto de competências exclusivas, relativas e concorrenciais).

    QUANTO AO BESTA que me associa a tendências políticas, em nome da sua limitação inteletual e completa ausência de visão, só lhe digo: CALA-TE, PÁ. Vai ler, estuda, lava a boca e sim, TU DEVES PENSAR ANTES DE ESCREVERES. QUEM TE RECONHECE ELEVAÇÃO, SÓ PODE SER TÃO INCAPACITADO QUANTO TU. COMUNAS.

  60. Ó MANOJAS, já viste um BURRO e IGNORANTE RECONHECER a verdadeira morada da sabedoria? Bocage, no legado que nos deixou, chama-te TOLO.

  61. E depois, a facilidade com que se define ou identifica a INVERSÃO do ÓNUS da PROVA, FACTOS, misturando a CONFISSÃO ( parcial? Total?) no mesmo saco, como se este não tivesse outros sacos dentro.

  62. é mesmo isso que dizes nos dois últimos parágrafos, Val. e eu lamento mesmo que um ano de prisão no lombo esteja a doer. mas também entendo, e aceito, que tantos esquemas marados levassem à prisão preventiva prevista – não é inconstitucional – exactamente para quem vive de esquemas mesmo marados e está- se cagando para a Cidade – ainda mais quando já teve a responsabilidade de a manter sã e a salvo como PM. há aqui um índice de gravidade imenso que eu não perdoo mesmo que em tribunal não haja culpa pela fortuna do amigo que mais parece uma costela sua atendendo à boa vontade e à isenção de medo em tantos esquemas marados. para mim, independentemente do que aí venha, já houve crime organizado. muito bem organizado. inteligência maléfica.

  63. Além de que, um EX – GOVERNANTE que vem agora dizer que NÃO CONFIA em instituições bancárias no País que governou e NADA FEZ para restabelecer a CONFIANÇA, só está a ilustrar-se como mais incompetente que o «incompetente de Peter». Há mouro na costa – tem de haver, senão não haveria esta medida, sendo certo que, por existir «mouro» é que os causídicos do recluso andam atarefados a discutir a causa na Praça Pública.

  64. Atentando no que veio a público e se tal for verdade, o recluso pode dizer que vivia em união de facto com o amigo…se bem que com tantos tiros que deu nos pés, já seja tarde para isso, mas…

  65. e se neste momento me pedissem para fazer uma caricatura dos factos e do que eu sinto em relação a isso seria um umbigo gigante, a deixar a pátria estrangulada pelo esgoto político, a puxar uma mala, não de cartão, de diamantes. e com um balão de pensamento: a vingança é um prato que se serve a quente e em envelopes.

    :-(

  66. Valupi,

    Eu sei que não não aferes os interesses da cidade pelo público do CM . E é por isso que me deixam perplexo as cedências que fazes ao portugal dos pequeninos.

    Para, a ideia que cidade que perfilho, importa saber se um governante é ( ou foi ) corrupto. Não me interessa saber como organiza a sua vida pessoal. Ou seja, penso eu que uma cidadania madura não usa o broche da Mónica para avaliar a governação do Cliton.

    Quanto aos “factos” que referes. Até prova em contrário tudo o que eles te permitem concluir, se estiveres de boa-fé, remete para esfera privada dos visados. Portanto, se não tens melhor argumento, continuo na minha: fazes exactamente o que criticas – puritanismo e calúnia !

  67. «Salgado recebeu uma visita ilustre. A de Mário Soares»

    LOL. Ele visita sempre, ele até faz prefácios, ele é XUXIALISTA. O capitalismo do Salgado não pode ser desprezado. O POVO UNIDO JAMAIS SERÁ VENCIDO. Isto com uma música tipo «Grândola Vila Morena» tem cá um impacto, tipo furacão «katrina». Vejamos agora quem se segue a esta visita. E esperemos as doutas palavras do também ex – governante Mário Soares. Não me digam que o Salgado é XUXA.

  68. Segundo tudo o que aqui foi dito o Tecnofórmico deveria sair de S Bento directamente para o chilindró.
    E o larilas dos submarinos tamém devia ir com ele. Tudo cenas em que, mais do que suspeições, presunções e inuendos fabricados pela cabeça do Valupi ou do azeiteiro JMT, há PROVAS.

  69. Valupi, tens que beber um pouco de água benta para empurrar tanta presunção, senão corres o risco de ficar embuchado.

  70. avisem o cego, que SISTEMÁTICAMENTE faz um ESCARÇÉU, que tire os óculos do cão, ou assim não vêm ambos (os dois); e já agora, adquirido como certo ser especialista em coisas das leis, que envie uma adenda, ou mesmo apêndice, ao código do processo penal, que aquilo está errado: extinga-se fase de inquérito, que deverá ser facultativa, devendo os processos começar pela instrução…no resto esteve bem…e daqui saúdo o Dr. Oliveira Salazar…

  71. Valupi!
    Logo, quando aqui regressar, vamos a esta:
    ”Portanto, mesmo que seja inocente, está neste momento a prejudicar o PS e a democracia por se ter permitido cair nesta situação nesta altura.”
    Esta é muito boa! É mesmo o busílis da contradição.
    Suponhamos que Sócrates está inocente. Está preso.
    Alguém o prendeu sabendo que estava ou ”estaria”, como se tornou moda dizer, inocente.
    Estando todavia preso, o principal lesado é o PS.
    Leste bem o que escreveste?
    O busílis está aqui. O resto, Valupi, são manobras e fintas de escrita.
    Valupi! Eu não sou do PS e estou-me nas tintas para o prejuízo que a prisão de Sócrates, absolutamente inexplicável à luz do direito e das boas condutas processuais, cause ao PS. O PS de António Costa já demonstrou que se pode ver livre da reputação aviltada de Sócrates.
    Por isso, o que para mim é relevante é o ”facto” jurídico, para usar a terminologia bacoca de magistrado básico do cegueta.

  72. ”Se a judiciaria te convidasse para uma reuniao informal, para debater o teu patrimonio e estilo de vida, nao achas que rapidamente te ias lembrar com que dinheiro compraste a carroca de bois que te leva ao trabalho?”
    Lá vem o nosso General impressionar o pessoal com fardas.
    Ó básico! Porque razão haveria a polícia judiciária de querer saber com que dinheiro eu comprei a minha carroça de bois? Achas que a polícia judiciária anda em crise existencial, sem saber como aplicar o seu tempo e recursos?
    És mesmo básico. Estás a ameaçar o pessoal com a polícia judiciária? Olha, por mim podem vir saber o que quiserem. Por ti, não sei, tendo em conta que andas aqui anónimo. Se a polícia judiciária quisesse saber da tua carroça, não podia.
    Mas o que eu te queria dizer era o seguinte:
    A polícia judiciária está obrigada quanto tu ou eu a cumprir a lei. É certo que os casos de não cumprimento da lei por parte da polícia judiciária se vão acumulando no rol das impunidades. A polícia judiciária também escolhe os seus bodes expiatórios para acautelar a reputação da corporação.
    Tu tens uma linha directa para a polícia judiciária?

  73. O problema do básico deve ser o inglês: “The Corruption Perceptions Index ranks countries and territories based on how corrupt their public sector is perceived to be.” Mas vindo de quem acha que percepção dos crimes chega para condenar o pessoal, não me admira muito. E já foi demonstrado que a percepção da corrupção é superior aquilo que de facto ocorre, e tem tendência a piorar à medida que se degrada a situação económica.

  74. A polícia judiciária não pode convidar para reuniões informais, básico.
    Essa alusão põe em causa a reputação da polícia judiciária.
    Uma reunião informal, para ti, é o quê?
    Um interrogatório à margem da lei, com listas telefónicas e gorilas de encher o olho

  75. – Senhor Inspector. Daqui fala o anónimo básico. Aquele.
    – Boa tarde senhor anónimo. Desta vez é o quê?
    – O Nunes, não sei se está ver… aquele Nunes de que temos falado… tem um cadáver escondido na horta. Anda publicamente sempre a desculpar-se de falta tempo, porque anda a abrir uns buracos… Ou tem um cadáver ou tem um tesouro.
    – Oquei, senhor anónimo básico. Vamos tomar nota da ocorrência. Mas como é que o senhor básico sabe disso? Quando tiver tempo passe por aqui também. Aqui há gato… E traga a sua declaração de IRS.
    – Esqueça, senhor Inspector. Retiro a minha queixa. Boa tarde.

  76. MRocha, não importa apenas saber se um governante é corrupto. A corrupção não passa de um crime entre muitos outros possíveis. Aliás, qualquer ilegalidade é relevante, mesmo que sem âmbito criminal, no que toca aos governantes. Porque eles, nesse estatuto, estão obrigados a dar um exemplo de alcance cívico. Ou achas que será indiferente para a sociedade que um qualquer governante não pague todos os seus impostos, ou até que ache que pode passar sinais vermelhos sem tal ter importância política?

    Estás agarrado à falácia da inviolabilidade da esfera privada de Sócrates apenas para não te confrontares com ela. Acontece que essa esfera, em parte e na parte que avalio e discuto, já se tornou pública – portanto, já é política – por via do processo em que é arguido. E, à luz do que é público, o Ministério Público tinha razões para abrir uma investigação. É esse o facto principal que permite concluir pela irresponsabilidade de Sócrates atendendo à sua importância política para a comunidade.
    __

    Perfil anónimo do Manuel de Castro Nunes, li o que escreveste 3 vezes e fiquei na mesma. Mas, quando voltares, estou certo de que vais conseguir explicar melhor o que queres dizer. Partindo do princípio de que tens algo para dizer, bem entendido.

  77. Citando o Sr Valupi:

    “Mas, lá está, é por causa de todas estas circunstâncias e factores que aquilo que Sócrates fez, deixando-se apanhar em trânsitos de dinheiro e escutas que criam objectivas suspeitas, foi tão irresponsável tendo em conta as consequências para a comunidade”.

    “Portanto, mesmo que seja inocente, está neste momento a prejudicar o PS e a democracia por se ter permitido cair nesta situação nesta altura.”

    ENTÃO SR VALUPI o sr deixa-se manipular e comporta-se neste caso, mal-comparando, como aqueles que acham que os violadores são criminosos mas as mulher que ia na rua de mini-saia a mostrar umas belas pernas é quem na verdade tem a culpa de ter sido violada porque “provocou” os violadores !

    Ora adeus, meu caro. Essa história não.
    Até porque por esse caminho vamos todos deixar que nos limitem a nossa liberdade para que não digam que “não nos pusemos a jeito”, e no limite você sabe tão bem quanto eu que quem decide o “limite” nunca serei eu ou você mas aqueles que nos querem “apanhar”.
    Ou seja, no caso de Sócrates se não fosse “isto” era “aquilo”. Não se esqueça que andam atrás do homem há pelo menos uns 15 anos. Eu gostaria de saber quantos resistiriam tanto tempo.

    Quanto ao PS eu vejo as coisas ao contrário, e tenho é vontade de perguntar como é que o PS deixa que façam uma coisa destas a um dos deles, que foi Deputado, Secretário de Estado, Ministro, e Primeiro-Ministro, e a quem agora, o partido por quem ele arriscou o coiro, nem para lhe garantir os vulgares direitos de qualquer cidadão serve ! Isso sim, é que é de questionar !

    Meu caro Valupi quem falha neste momento não é Sócrates, é o PS !

  78. Jasmim Silva, tens de ganhar o hábito de ler o que escreves. Vou ajudar-te:

    “Não se esqueça que andam atrás do homem há pelo menos uns 15 anos.”

    É isso que tens de recordar quando estás a ler o que escrevo. Porque senão asneiras.

  79. Sr Valupi

    Comentando o seu último comentário ….

    O Ministério Público teria boas razões para investigar, não tinha e não tem é razão nenhuma para prender para investigar ! isso é ilegal, imoral, e obsceno, num Estado de Direito !
    E segundo o Sr Valupi a culpa disto é … de Sócrates, que se pôs a jeito !
    Não meu caro, isso não !
    A culpa é de quem viola a lei, de quem permite, de quem confirma, de quem omite, de quem nada faz, e de quem cala !
    Até ao momento é Sócrates quem tem todas as razões de queixa, e nunca o contrário.

    PS: e lá está você a fazer previsões que revelam um pré-juizo (é muito improvável que não seja acusado, é muito improvável que seja ilhado, etc, etc …).

  80. Venho por este meio manifestar o meu mais veemente repúdio pelas estatísticas marteladas do Instituto Nacional de Estatística.
    Ora eu a essa hora ainda estava a dormir e portanto o desonroso 3.° lugar a mim atribuido é falso, qual medalha de cobre, qual carapuça, coisíssima nenhuma.
    Ainda só agora há pouco começei a publicar e somente fiz 2 ou 3 comentários. Até ver.
    Esse gajo estatístico deve ser 1 agente do governo manipulador.
    Então agora o governo tem 1 orgão consultivo chamado FMI ?
    Que lhe recomenda corta aqui, aumenta alí ?
    Essa é boa, só pode ser um gabinete qualquer interno, dirigido pelo roto Bruno Maçãs, e dirigido à distância pelo Carlos Moedinhas, digo, Troquinhos.
    Tá-se bem.

  81. De facto faltaram aí as aspas no “investigar” há 15 anos.
    Porque para efeitos de processo criminal a “investigação” relativa a este processo terá começado há 2 anos (?). A verdade é que as manhas processuais utilizadas para contornar a lei nem sequer permitem com rigor determinar quando é que começou de facto a “investigação”.
    E o que é aqui relevante é que no momento em que prendem, ao contrário do que querem fazer crer a opinião pública, não têm factos identificados do crime de corrupção, logo à luz da lei não podiam ter prendido preventivamente para depois irem investigar se esses factos existem ou não.
    Ora adeus. Perceba você o sentido das críticas, e deixe-se de tretas.

  82. ” à luz do que é público, o Ministério Público tinha razões para abrir uma investigação”
    Quais são essas razões, Valupi? Sujeitar propostas políticas que desagradam a alguém a voto popular?

  83. Ó Rocha, perdoe-me a intromissão, o problema aí era de saber se a questão de vida privada teria ou não implicações na esfera política.

    É que sendo possível que a snra. Lewinski, e o nome diz algo, fosse agente da Mossad, o político estava agarrado pelo coiso e portanto passível de chantagem político.

    Aliás, nem foi caso isolado, foi prática reiterada, fellatios em série.
    Para mais, na Sala Oval.
    Em privado, é outra coisa, nouto local.
    E pode suceder e é bem possível que haja legislação doméstica americana para esse efeito.
    Você sabe, se fôr funcionário público, o que lhe pode suceder, se fôr apanhado em pleno acto com uma colega, no local de trabalho.
    Bem, mas ele lá se safou. Os advogados impingiram que sexo oral não é sexo, e o arrependimento público atenuou.
    Um spin doctor doméstico até aconselhou – embora ninguém lhe tivesse encomendado o recado – e sustentou :
    Perseguido políticamente por motivos sexuais, ou sexualmente perseguido por motivos políticos ?
    O espertalhaço chama-se Nuno Rogério e é um enciclopédico que sabe de tudo.

  84. olha que gente fanática que não percebe que é do homem para o político que há Cidade! olha que gente que sabe criticar a política que esquece as pessoas quando, ao mesmo tempo, ignora o que fazem as pessoas para tirarem dignidade à política! de facto é preciso ser-me muito especial, e em muitas frentes das inteligências, para perceber isto. está visto. viva o Val! :-)

  85. « Por isso, o que para mim é relevante é o ”facto” jurídico, para usar a terminologia bacoca de magistrado básico do cegueta.»

    BACOCO és tu, ó CASTRETA PRUNES. nem básico és, ó CASTRADO. És uma inexistência, meu, foste articulado, pá, mas és ilegal. Vai pensar o porco, pá, precisas de te alimentar, ó contador de lérias.

  86. ESCREVINHOU a licenciada JASMERDIM PIMBA

    «A verdade é que as manhas processuais utilizadas para contornar a lei nem sequer permitem com rigor determinar quando é que começou de facto a “investigação”.

    ó dótorra, diz lá quais são as manhas processuais e onde é que isso está escrito, pá.

    Olha, a investigação começa a partir do momento em que o MP a assume na data ESCRITA, REGISTADA, na primeira ( ou segunda, pá) do PROCESSO, tás a bere?

  87. primeira ou segunda folhinha do processo, pá, é melhor explicar, para não ter que ler mais asneiras da tua boca. Bem sei que as dizes aqui, porque denunciar as «manhas» tu não fazes, tens medo da PIDE, pá.

  88. Ó JRCC, óbe, não, pá, as coisas são tão ostensivas, que nem se carece de cangalhas. Quando ao apêndice pá, ou adenda, a proveito a tua recomendação, mas encaminho-a para os IGNARALHOS, pois para eles o homem está absolvido antes de ser investigado. Na verdade, nem instrução nem julgamento, «por causa que» o homem é naturalmente inocente. O amigo é que o desviou, deu-lhe dinheiro, boa vida, desvirtuou-lhe os valores da Covilhão, pá. Que achas?

  89. Valupi, tenho interesse em informar-me. Bota aí quantas investigações com escutas telefónicas foram iniciadas entre as centenas ou milhares de pessoas que aderiram ao Rert.

  90. De nada Jasmim, sempre ao dispôr.

    Estes tabeletes são uma porcaria, julgo que não trazem corrector ortográfico nenhum e que à medida que vamos escrevendo, vamos por assim dizer construindo um .
    O problema agrava-se porque me parece que o corrector, que memoriza por acréscimo, tanto vai incorporando palavras correctamente escritas, como palavras incorrectamente escritas.
    Assim e se por lapso tivermos digitado mal uma palavra, ele memoriza, e depois se digitarmos mais tarde, novamente a mesmíssima palavra, desta vez correctamente, ele modifica automaticamente para a primeira memorização e portanto transforma um acerto, num erro.
    Um aborrecimento, e tem que se estar com duplo trabalho porque também sucede, pelo menos no meu tablet ocorre isso, que, mesmo quando eu escrevo uma palavra nova que portanto nem está em memória, ele muda para outra coisa qualquer, por acrescento de letras.

  91. … ou entre as dezenas de milhar que movimentaram quantias avultadas a partir de contas no BES, após o início da perseguição do Banco de Portugal e do jornal Expresso.

  92. Escrevinhou a JASMERDIM PIMBA

    «A culpa é de quem viola a lei, de quem permite, de quem confirma, de quem omite, de quem nada faz, e de quem cala !»

    Ora beie. Então, num queres considerar queixares-te às entidades, nomeadamente para aquelas que o BÀSICO gentilmente te informou e denunciar as «manhas processuais»? Hum? queres ser bista cumo alguém que «nada faz, e de quem cala».

    Ó pá, onde te licenciaste pá? És colega do 44 e do Relbas, hum, és?

    COMUNA.

  93. Lucas Galuxo, a questão não se coloca do ponto de vista da avaliação do Ministério Público quanto à totalidade dos casos possíveis, mas sim das informações consideradas suficientes para abrir uma investigação e começar a espiar e a vasculhar o alvo Sócrates. É esse o contexto na berlinda.

  94. Galuxo, Galuxo, num te metas em coletes em que não cabes, pá.
    Ora beie, dizes tu
    «” à luz do que é público, o Ministério Público tinha razões para abrir uma investigação”»

    Óbe, aquilo num está errado pá. bê bem: o 44 beio da Covilhã, de repente ganhou estatuto monetário PUBLICAMENTE apercebido, com casas, gostos, nome na montra do Armani, pá, enfim. Depois afastou-se,e foi estudar, instalou-se regiamente e num auferia rendimentos, pá. Cumé? hum? Temos algo, ebidentemente. Depois houve umas certidões tiradas em Loures, pá. E o MP tebe de iniciar o procedimento, tás a bere? oqueie.

  95. Ok, Valupi. E, à luz do que é público, quais são essas informações que se podem considerar suficientes?

  96. Num te preocupes, pá, que o Loureiro taméie há-de explicar porque mudou de mulher, de carro e de casa.
    Tás a bere? Olha que para se chegar a Cabo Verde, pá, é preciso pagar o bilhete.

  97. Galuxo, galuxo, és um recruta! Eu já te respondi pá, e olha pá, eue num estou a brincar pá, tás a bere?

  98. ó pessoal da teoria da inquisição, o processo foi aberto porque ocorreu uma transferência bancária para a conta do visado, e à luz da legislação vigente existiria motivo para uma investigação.
    Assim, e segundo creio, os bancos têm obrigatoriamente que informar o Banco de Portugal, quando ocorrem movimentos bancários (depósitos e transferências) avultados – existe um valor a partir do qual se mostra exigível a participação – cuja origem não tenha justificação.
    Donde, se qualquer um se apresentar ao balcão e entregar 500 mil euros em dinheiro vivo, ou ocorrer uma transferencia bancária de que se suspeita da origem do dinheiro, a comunicação segue para o BdP.
    O funcionário da Caixa de Depósitos, sabendo ou desconhecendo, não importa ao caso, o nome do visado, mais não fez que a sua obrigação.
    Foi a partir daí, creio, que nasceu a investigação.
    O BdP deve estar obrigado a comunicar ao MP.

  99. O que coloca o caso na mira das autoridades é uma comunicação da Caixa Geral de Depósitos relativa a transferências avultadas da mãe de Sócrates para Sócrates. A CGD estava obrigada por lei a fazer essa denúncia, ou aviso, posto que as quantias em causa assim o justificavam. A partir daqui, estava aberta a porta para se vasculhar tudo e mais alguma coisa.

  100. Valupi,

    Tomei boa nota dos teus argumentos. Mas deixaste-me uma dúvida: quem é que recomendas para que alguém seja aceite como governante da cidade? Malta educada desde tenra idade em mosteiros zen por sabios eunucos ? E no após governança, que sugeres ? Internamento em retiros de ascetas nas montanhas gregas ?
    Confesso que por instantes me fizeste recordar a Morgado ! Ora, ao contrário da Morgado, eu não tenho a veleidade de exigir aos outros uma perfeição Maoista cuja utopia a História já se encarregou de demonstrar. O meu humanismo leva-me a aceitar a humanidade por aquilo que ela é. Dirás que há a moral, a ética, etc e tal. Pois concordo contigo! Mas considero que são assuntos que cada um tem de dirimir com a sua consciência na intimidade da cabine de voto, e não na esfera pública. Ora no caso em apreço o homem nem sequer é candidato a coisa nenhuma. Portanto a única coisa que me interessa é saber se enquanto governante cumpriu ou não com o exigivel. Tudo o mais é matéria masturbatória que em nada contribui para a causa da cidade. Digo eu!

    Obrigado pela tua réplica.

  101. Estamos avançando. Já não nas centenas, nos milhares, nas dezenas de milhar, mas sim nas centenas de milhar ou milhões de pais que, ao longo dos anos têm feito transferência de dinheiro para seus filhos. Quantos têm sido investigados? E com recurso a escutas telefónicas? O que é que, à luz do que é público, retira o carácter arbitrário e de perseguição pessoal a este caso, Valupi?

  102. ora portanto, parece que essa questão já é pacífica.
    Aliás, não terá sido por acaso, que o causídico escolhido para a defesa, seja um especialista em direito bancário.
    Se na realidade é ou não, desconheço, mas li isso numa notícia de jornal àcerca do currículo.

  103. E notar que essa é uma entre várias tentativas publicadas (Rert, transferências BES, transferências CGD…)de justificar o início do processo. É um pouco estranho permitir que ocorram sem desmentidos, dada a gravidade das implicações para o futuro político do país que o processo pode originar.

  104. MRocha, cada um escolhe as linhas com que se cose. As tuas, está claro, não são as minhas. Contudo, espero que ainda vás a tempo de reconhecer que continuas a fugir ao confronto com a realidade. A realidade não é essa de alguém defender o puritanismo seja do que for, é a da evidência de existir um Estado de direito. Aconselho-te a estudar este conceito.
    __

    Lucas Galuxo, quantos desse pais que referes fizeram transferências para os filhos na ordem de valores registados no caso de Sócrates?

  105. Valupi, talvez tenham sido muitos dos que tenham vendido património no ocaso da sua vida. Serão poucos? Será uma raridade?

  106. Lucas Galuxo, estás a discutir este assunto de forma criançola. O aviso da CGD tinha de ser feito dados os valores em causa e a tipologia da transferência. Creio até que será algo automático, o sistema detecta e avisa sem intervenção humana, se bem recordo o que li na ocasião.

    O que confere relevância especial a esse episódio é ter ocorrido com um ex-primeiro-ministro. Porque dá a possibilidade ao Ministério Público para abrir uma investigação tendo em conta a responsabilidade pública da pessoa em causa. Foi isso que se decidiu. E bem.

    A parte onde já não podemos reconhecer que as coisas correram bem diz respeito a tudo o que vem a seguir, onde se inclui a violação do segredo de justiça antes de detenção, depois o espectáculo da detenção, depois a prisão sem acusação passados tantos meses, e as contínuas violações do segredo de justiça ao longo do tempo. Mas essa é uma outra conversa que não se confunde com a responsabilidade de Sócrates a respeito da sua vida privada. Por exemplo, alguém com o seu conhecimento da política e das instituições públicas não podia ignorar que lhe poderia acontecer algo deste género caso desse azo a tal.

  107. não digam asneiras e falem do que sabem, se é que sabem.
    o aviso da cgd era referente a transferências da conta da mãe e supostamente tiveram como origem a venda de património familiar. inicialmente foi isto que foi noticiado, mas como era uma chatice transformar esta porra em corrupção, evasão fiscal e branqueamento de capitais, tiveram que alterar a estratégia e meter outras cenas ao barulho, interpretações policiais de escutas telefónicas.

  108. é por estas e por outras que a humanidade galopa no progresso mas não na evolução daquilo que é essencial . é o antrópico no seu pior. vergonha para vocês! imagino a educação que dão aos vossos filhos.

  109. a bimba tropeçou no antrópico e bora lá fazer uma omeleta de indignação numa armação aos cucos. uma reunião de condóminos com esta gaja deve ser de partir a cona a rir.

  110. O cegueta
    Certamente que não foi na tua escola que me licenciei, visto que tu não conseguiste fazer a 4a classe, nem à conta da tua mãezinha ter corrompido a professora com umas cestas de fruta e uns galináceos no Natal!
    E não metas o Sócrates na mesma cesta do Relvas porque isso é um insulto demasiado ostentivo, mesmo para um direitolas como tu, já que o Socrates é Bacharel em Coimbra, e o Relvas é um caso de insucesso escolar …como tu!
    E agora prova que não és um cábula e que fizeste a 4a classe! Inverte lá o onus da prova, como gostam os direitolas!

  111. Senhor Valupi.
    Primeiro do que tudo, eu quando não tenho nada para dizer, calo-me. Não entupo as linhas de comunicação e calo-me.
    Assim sendo, eu disse:
    ”Esta é muito boa! É mesmo o busílis da contradição.
    Suponhamos que Sócrates está inocente. Está preso.
    Alguém o prendeu sabendo que estava ou ”estaria”, como se tornou moda dizer, inocente.
    Estando todavia preso, o principal lesado é o PS.
    Leste bem o que escreveste?
    O busílis está aqui. O resto, Valupi, são manobras e fintas de escrita.
    Valupi! Eu não sou do PS e estou-me nas tintas para o prejuízo que a prisão de Sócrates, absolutamente inexplicável à luz do direito e das boas condutas processuais, cause ao PS. O PS de António Costa já demonstrou que se pode ver livre da reputação aviltada de Sócrates.
    Por isso, o que para mim é relevante é o ”facto” jurídico, para usar a terminologia bacoca de magistrado básico do cegueta.”
    Ora… é já dizer muito.
    Sintetizando o que disse, ficaria assim.
    Só faltava que o senhor Valupi, que não sabe se Sócrates é ou não inocente, tendo sido Sócrates preso e alvo de uma campanha itinerante na comunicação social em demanda de motivos que possam ter levado o MP e o JIC a prendê-lo, sendo também por demais óbvio que a sua prisão tem um dado contexto no quadro da agenda política eleitoral, venha sugerir que José Sócrates o poderia ter evitado para garantir a impoluta reputação do PS e não macular a campanha eleitoral.
    Eu sempre disse que não sei se José Sócrates é culpado ou inocente de quê. Mas, sem dúvida, a metodologia e as cumplicidades envolvidas nesta cabala, não receio palavras nem expressões claras, fazem-me crer em que José Sócrates é inocente, no que respeita às suspeitas que sobre ele recaem no âmbito deste processo.
    Essa é a minha convicção, expressa consecutivamente, em vários foros, desde Novembro de 2014.
    Ora, como eu não sou do PS nem próximo, sei de que ”crimes” José Sócrates, enquanto Primeiro Ministro e no âmbito da sua acção política e governativa, é culpado. Mas a maior hipocrisia seria, agora, ilibar o PS e o governo de José Sócrates desses ”crimes”.
    Tenho muito para dizer, senhor Valupi. Mas tenho que o escrever antes.

  112. Então, senhor Valupi?
    Dizem por aí que o senhor é o único que tem acesso aos IP todos.
    O senhor não sabe que o perfil anónimo do Manuel de Castro Nunes é o próprio, o Manuel de Castro Nunes, sem tirar nem por?
    Porque se dirige ao meu perfil anónimo e não a mim?

  113. O gajo bebeu definitivamente mais licor da marca de «M». Ó pa ele a largar em pela atividade de soltura.
    Cala-te pá. não tens nada para dizer,então cala-te. ETAR contigo, meu.

  114. Isto, dura dura dura é pior do que a cel … basta um pouco de paciência
    faltam dois meses para ser formulada a acusação a José Sócrates ou,
    tratarem dos papéis para a sua libertação sujeito a passar pela esqua-
    dra mais próxima quando quiser!
    Não sei se, o procurador Rosário nas horas vagas (?) é escritor, já o ma-
    no da PGR, aproveitou o “estoiro” da operação “face oculta”, para nesse
    mês de Agosto lançar mais um romance dado ter esse “hoby” nas suas
    horas vagas, ele foi um dos visionários do atentado contra o Estado de
    Direito que, estaria a ser “montado” pelo então P. Ministro!
    Ainda, não consegui saber ou entender qual era ou foi a vida luxuosa
    de Sócrates ? Quantos políticos no activo passam férias nos iates ou
    mansões de grandes empresários seja no Mediterrâneo ou no Brasil???

  115. Recordo ao senhor Valupi que o autor dessa sibilina ideia, no uso do pragmatismo político com que, por norma, condimenta as questões de princípio, foi o doutíssimo professor Marcelo Rebelo de Sousa.
    Tinha-se esquecido?

  116. J Madeira

    Pelas aparências eu inclino-me mais para a segunda hipótese, ja que hoje o Correio Manholas diz que os putativos milhões (imaginarios?) do Vara ainda estão a ser procurados na Suíça. Tendo em conta que segundo a mesma notícia a “procura” já dura desde Janeiro, a ser verdade (o que duvido) a busca está a revela-se muito difícil. Se calhar vai ser preciso investigacao agora anda perdida no meio dos negócios do empresário de jogadores da bola, o noivo Jorge Mendes, UPA, UPA!
    A notícia diz que o Rosário (e o Juiz ! Pasme-se) querem analisar melhor as contas da filha do Vara.
    Anda tudo no pagode com o homem preso, é o que é.

  117. Eu tenho estado muito atento ao desenrolamento deste caso, Caríssima Jasmim.
    Tentei e tento encontrar uma só razão para suspeitar da inocência de Sócrates no que respeita à matéria alegada publicamente neste processo. Cogito. Coloco-me no papel dos acusadores.
    Só encontro incoerências, ideias e procedimentos perigosos como precedentes para o uuro da justiça em Portugal.
    Ora são os fatos, os almoços, o alegado luxo. Como se não houvesse mais nada e a matéria fosse essa. Ora é a Venezuela, onde a Teixeira Duarte fez negócios muito mais astronómicos do que a Lena. Angola, a Argélia.
    Entretanto, nada de objectivo.
    É mais do que óbvio que a direita precisava de diabolizar Sócrates, o grande culpado de tudo.
    Mas o mais notável é, sem dúvida a anuência do Costa e do PS.
    O Costa nem entende que para uma pessoa de fora que não seja parva a sua atitude parece negociada com o procurador, ao abrigo da figura jurídica tão cara aos ceguetas, plea bargain.
    É obsceno. A mais deplorável caricatura das obscenidades do pragmatismo político sem carácter, sem princípios, sem ética.

  118. Valupi, insisto. Detectar uma transferência de dinheiro entre familiares, após a venda de património, não me parece uma razão válida e suficiente para decidir colocar um dos principais protagonistas da vida pública nacional sob escuta telefónica permanente. Se não existir outra justificação, acho que esse expediente serve antes de prova da natureza política do processo. Pensava que tinhas outras informações.

  119. oh galoxa indas tás acordado, vai dormir que a pensar morreu o burro.
    Conratulaste-te com a exulsão do Básico? E ainda lhe atiras-te pedras pelas costas ?
    Mas olha que ele parece que anda por aqui, não postou no quadro de comentários do cartaz ?
    Vá lá avisa o chefe faz o teu trabalhinho de pide.

  120. Lucas Galuxo, esse é o principal busílis na berlinda. Caso se consiga produzir uma acusação, uma qualquer, a investigação terá justificada a sua existência. Se Sócrates acabasse por não ser acusado pelo Ministério Público, ficaria a suspeita de ter sido um processo com motivação política.

    Mas do que já foi revelado, Rosário Teixeira não terá com que se preocupar. Ele só avançou porque o material recolhido lhe permitia construir um caso que, mesmo que não gerasse sentença em tribunal, pelo menos deixaria a marca indelével da culpabilidade na opinião pública.

  121. TODAS as ACUSAÇÕES do MP são suscetíveis de NÃO gerar CONDENAÇÃO.

    O critério que lhes preside é que são mais os indícios de que o acusado pode vir a ser condenado do que o contrário. A acusação do MP submete-se a julgamento.

    Com prisão preventiva é EVIDENTE que haverá acusação e que NUNCA será uma qualquer acusação.
    já agora, de certeza que foi o «aviso» da CGD que deu azo ao processo? Olhem que não, olhem que não…Mas como sabeis tudo, vedes tudo…

  122. JASMERDIM PIMBA, toma atenção ao que segue: eu não gosto de apoucar ninguém nem de utilizar linguagem ordinária. Porém, reajo e este «dispensário» funciona como um espaço de brincadeira com seriedades pelo meio. Também não me acho superior a ninguém mas não deixo que alguém se ache superior a mim, a não ser, evidentemente, que o seja COMPROVADAMENTE . Eu lido numa sede em que figuras como tu são DERRUBADAS após os primeiros segundos de discurso ( escrito e oral). Nessa sede tenho encontrado PESSOAS com a quarta classe ( como tu dizes, que são mais DOUTORAS que os licenciados, como tu pesporrentemente afirmas que és. Ora, lendo, ainda que por alto o que tu escreves, retiro uma figura patética que pensa que um diploma superior lhe dá alguma categoria inteletual e/ou outra. No teu caso, se na realidade és como escreves aqui, aconselho-te – esconde essa licenciatura, pois só dás mau nome aos PORTUGUESES, que têm sido governados por «dótorres» como tu.
    Quando às minhas habilitações – bem, devo dizer-te que tenho duas licenciaturas, três pós – graduações, falo três línguas e, no meu disto tudo, PÁ, o mais importante, é que não «vou em TRETAS de gajos como tu, digo o que tenho a dizer, seja a quem for, e quando não gosto, não como e saio. BTW, o Dr. Oliveira Salazar, que os IGNAROS como tu não respeitam, era de facto, um homem brilhante, inteligente, que não vendeu Portugal a ninguém. Vê tu só, o homem até conseguiu fintar o maior diabo ao cimo da terra – hitler. Este também era inteligente. O Diabo é inteligente. Porém, isso não significa que, reconhecendo tais qualidades àquelas figuras, se lhes aceite as práticas políticas e humanas. Portanto, quem julga, como tu fazes, sem ler, sem estudar o que lê, só pode ter um nome – TOLO. O Sr. Hédois dizia isso mesmo – os tolos repetem o que ouvem dizer. Tu és assim.
    Isto posto, RESPEITA os que têm a 4.ª classe, porque ou não puderam avançar com os estudos ou porque simplesmente foram incapacitados o bastante para não o conseguirem fazer. Quanto a mim, TOLOS como tu, coloco-os no seu devido lugar. Percebeste, ó pateta CASTRETA?!
    E para os que não gostam de estrangeirismos, « ó pa bocês» – TAKE A BIG HIKE e regressem ao esgoto, de onde nunca deviam ter saído. Capisce? Oqueie.COMUNAS desertores.

  123. Valupi

    Mas então como é ?

    Agora deste em anal-retentive ?

    Então eu coloco un comentário de madrugada às tres tal e ele aparece aqui ( noutro lado ) às treze e tal ???

    Numbejonada : o Basico parece que foi afastado.
    Depois de afastado li um post dele, in texto, Valupi le petit Stalin, que depois desapareceu !!!

    Volto daqui a pouco mas de metrelhadora na mão.

  124. Não estou a perceber nada do que se passou. O BÁSICO FOI EXCLUÍDO PORQUÊ?

    SERÁ QUE ALGUM DEMOCRATA PODE EXPLICAR-ME? ENTÃO PÁS? ONDE ESTÁ A LIBERDADE DE EXPRESSÃO, ETC E TAL? E O ESTADO DE DIREITO, ETC E TAL? FREI TOMÁS É O TIPO MAIS FAMOSO DO PLANETA.

  125. Sobretudo, onde estão as regras ( guidelines ou linhas de conduta ) já nem falo do protocolo de etiqueta da Internet, que é universal.
    Mas isso é chique demais.
    Agora o regedor, arvora-se em poder discricionário total, arbítrio à la gardaire, o Basico sai, o escarro dos brioches feitos a juizas, ofensas a magistrados, juiza bebeda, e vernáculo ordinaríssimo, fica.
    Numbejonada, prepare-se pra ficar aqui sozinho.
    E pode bem com eles todos.
    A chatice é só que tem mais trabalho.
    Vou lançar a bomba.
    Mas que critério é este ?

  126. A verdade é que, tanto o cegueta como o senhor Valupi podem dizer o que lhes vem à gana. Que sim e que não, o direito e o avesso, uma no cravo e outra na ferradura.
    O Manuel de Castro Nunes tem que escrever com toda a coerência, não afirmar nem negar nada sem exaustivamente o documentar, confrontar o pressuposto da tese com a conclusão.
    O senhor Valupi está dispensado de coerência, de razão, de ética na escrita, porque goza dos privilégios de cronista mor do reino.
    ”Mas do que já foi revelado, Rosário Teixeira não terá com que se preocupar. Ele só avançou porque o material recolhido lhe permitia construir um caso que, mesmo que não gerasse sentença em tribunal, pelo menos deixaria a marca indelével da culpabilidade na opinião pública.”
    Para o senhor Valupi isto são ”peanuts”. É o normal na normalidade do pragmatismo da vida política, que é assim e nada há a fazer. Acontece, é o ”real”, o ”factual”, de fado, conformemo-nos.
    Pelos vistos o cegueta básico foi banido. E o cegueta cegueta? Continua aqui, dando voz ao básico.
    Alguém alega que o senhor Valupi é o senhor Inácio? A hipótese tem consistência.
    E quem é o cegueta? É o básico banido? É o senhor Valupi? É o senhor Inácio?
    Serão todos, a uma só voz, os responsáveis técnicos pela campanha eleitoral do PS e do Costa?
    Terá o Costa feito um acordo com o Rosário Teixeira para perder as eleições e governar em coligação aberta com a coligação?
    As hipóteses não teriam limites e exponenciar-se-iam até infinito.
    No horizonte do pragmatismo político tudo é possível.
    Diz o senhor Valupi: ”O material recolhido lhe permitia construir um caso.” A justiça é isso? Construir casos com material recolhido? Recolhido onde? Como? Que material fica por recolher para construir um caso? Quantos casos se podem construir com o mesmo material?
    Tudo isto seriam ”puritanismos jurídicos”, inventados por historiadores antiquados formados na disciplina obtusa da crítica das fontes.
    De resto, Fernão Lopes e Rui de Pina são inquestionáveis, porque recolheram testemunhos e eram donos dos cartórios.
    Como digo, não vale alegar razão nem argumentos contra o senhor Valupi, porque ele e o cegueta são os cronistas mores do reino.
    Viva Salazar! diz o cegueta. Morra Salazar e viva eu! diz o senhor Valupi.
    Como Salazar já morreu, ganha o senhor Valupi.
    És um tanso, cegueta.

  127. Valupi, folgo observar que há uma correcção de tiro de” à luz do que é público, o Ministério Público tinha razões para abrir uma investigação” para “o material recolhido permitia a Rosário Teixeira construir um caso, mesmo que não gerasse sentença em tribunal”. A culpa tanto pode ainda ser atribuída a quem se defende como a quem faz a acusação.

  128. Lucas Galuxo, não entendo o teu comentário, porque estás a referir-te a duas facetas do processo que não são antagónicas. A partir do aviso da CGD, as autoridades tinham a obrigação de investigar a situação. Numa primeira fase, para avaliarem se as transferências indiciavam eventuais ilícitos. Se sim, abria-se a investigação judicial para aferir da real situação indiciada. E é nesta fase posterior que se começam a acumular elementos que reforçaram e alargaram os indícios iniciais.

    Só no final das sucessivas fases do processo é que vai ser possível ir iluminando com crescente rigor o grau de acerto, ou desacerto, do MP. Para já, temos que é legítima a abertura da investigação – eis aí a responsabilidade de Sócrates – e que parece ilegítimo o modo como essa investigação tem sido conduzida.

  129. Valupi, voltamos ao princípio. Para avaliar a bondade da origem do processo importa saber quantas transferências de valor igual ao superior ao efectuado pela mãe de JS ocorreram nos bancos portugueses, quantas foram comunicadas às autoridades competentes, quantas deram origem a investigações com os métodos nesta adoptados e quais os indícios de eventuais ilícitos graves nessa transacção, mesmo fiscais, considerando se essa investigação começou antes ou depois da declaração anual de rendimentos. Não encontro publicadas informações que permitam efectuar essa avaliação e parece-me um pouco tarde para remediar as consequências de uma eventual avaliação negativa a esse procedimento inicial.

  130. Lucas Galuxo, não creio que essas informações sejam públicas, a começar pelo facto de remeterem para dados confidenciais. Mas, mesmo que estivessem disponíveis e te dessem a ti algum material estatístico para te entreteres, tal continuava a ser irrelevante pois a decisão de abrir o processo para investigar Sócrates é sempre o resultado de uma avaliação do caso em si. Ou seja, eventuais erros ocorridos noutras eventuais situações não invalidam a correcção do que aconteceu com Sócrates no início.

    Tens de restringir o campo da tua amostra e perguntares: quantos ex-governantes foram apanhados com transferências avultadas para as suas contas ao ponto de se lançarem alarmes automáticos? Mesmo neste segmento, o interesse da pergunta é limitado à curiosidade e à avaliação genérica da Justiça portuguesa, não impede o reconhecimento de que Sócrates, mesmo que inocentemente, é o principal responsável por ter dado azo a ser tratado como suspeito de crimes vários.

  131. Ó CASTRETA CASTRADO, pá! Tu de tanto lidares com esqueletos, pá, mataste o que presumivelmente foi um cérebro. Mas tu continuas a confundir-me? Mas digo-te já: o BÁSICO é um personagem COM CABEÇA e MUITO PODER de ANÁLISE. Não me importo que me confundas com ele! Agora com os outros? Mas BRINCAS ou Quê? Pá? Ouve, já que o critério da Prova prevalece por aqui, PROVA lá o que dizes a meu respeito. A não ser que a inversão do ónus da prova te dê jeito…

  132. E este pessoal continua a batalhar com a denúncia da CGD. Fogo. Mudem de cangalhas, pá, e foquem-se no essencial da discussão. Um hilário! Um hilário!

  133. CASTRETA, tanso és tu, pá. Regula a dentadura que tens no buraco traseiro para não jorrares tanto disparate.

    COMUNA.

  134. E NÃO ME CONFUNDAS com o VALUPI, pá. Eu não incorro em contradições, PERCEBES, PÁ!? Eu tenho uma cara e uma medida, pá, não tenho duas.

  135. És o máximo, cegueta!!!!!
    Tens uma cara!!!!
    Só tu para me pores a rir num dia destes.
    O cegueta tem uma cara.

  136. Ó CASTRETA! PANELEIRO! tenho cara, sim. Bem sei que não conheces o conceito.

    Tu, Cara não tens, mas tens um trombil cheio de hematomas e andas com as dianteiras no ar. Alguma dúvida, Ó RANHO de caracol?

  137. E se queres comentar o que escrevo, meu animal, fá-lo com alguma consistência…digo-te já que não leio as tuas «composições dialogadas, com a trampa ignara do dispensário».

  138. Comentar o que tu escreves?
    Por exemplo:
    ”Ignaralhos do caralho! Comunas! Xuxas!
    Ide beber licor de merda!”
    Já comentei.
    Já te disse que és um paneleiro basófias.

  139. PANELEIRO, BASÓFIAS, LÈRIAS és tu.

    também és FRUSTRADO, INVEJOSO e, pior que tudo: BURRO. Não tens desculpa.

    VAI PASTAR. Come um fardo de palha estrumada. Estás anémico.

  140. BTW, NUNCA me viste aqui a proferir um PALAVRÃO.
    Não tenho a tua BAIXEZA. Don´t buy it, ASSHOLE.

  141. Vou chamar o 112!
    Mando-os ir ter a Espinho?
    Ao menos dá-me o teu número de utente do SNS.
    Não os estou a ver a perguntarem pelo cegueta.
    Põe uma pastilha de nitromint debaixo da língua, homem!

  142. Pastilha? Põe tu, pá. Tu é que precisas dela, ó paneleirote.
    Agora falas de Espinho, pá? És um «desnorte» pá, o que está correto, atentos os conteúdos que aqui vertes.
    Conta aí, andas sempre de penico ao lado, não é, ó desertor?

  143. Valupi, continuo sem entender a tua lógica. O que José Sócrates deveria ter feito diferente para não ser “o principal responsável por dar azo a ser tratado como suspeito de crimes vários”? Recusar a ajuda da família num momento da sua vida em que esta lhe seria conveniente? Recomendar a doação do património que lhe pertencerá por herança a instituições de caridade? Que loucura vem a ser esta?

  144. Ele é cada uma. Este gajo que se apresenta como Galucho vota. A única coisa certa que este tipo fez foi escolher o nick. Que recruta! Ó pá, o que tu escreveste não se escreve pá. Aposto que nem o 44 te desejaria ter como testemunha abonatória. Ouve, faz um requerimento de imediato ao processo, este é urgente, de certeza que te vão ler logo,logo. Atenção, o requerimento é aos autos, não é ao livro de reclamações, como diz o ILUSTRE BURRIGNATZ. Qualquer dúvida, apita, pá.

    What an asshole.

  145. Pelo que as últimas notícias sugerem, há que preparar a opinião pública para que a investigação aborte e Sócrates seja libertado ainda antes das eleições.
    O senhor Valupi parece (insisto em parece) estar a adiantar a argumentação dos promotores das suspeitas.
    Não é culpado de crime algum, mas é culpado de ter suscitado as suspeitas.
    Alguém come esta feijoada?

  146. Eh pá. Processa-o pá. Como ele chama caluniadores aos outros se não provarem o que dizem, pede-lhe a PROVA. Ele é sempre muito consistente no que escreve.

  147. Manuel Castro Nunes

    O circo já está montado para a libertação do homem na noite do debate entre Passos e Costa!
    Só por coincidência, é claro!
    Mais uma, pois claro!

  148. Só agora leio que o cegueta assumiu as suas 2 licenciaturas e 3 pós graduações.
    Mas ainda lhe falta o doutoramento !
    Ah, e muito importante, falta-lhe nunca se esquecer que tem a 4a classe !

  149. Temos assistido ultimamente a uma insinuação sussurrante do cegueta, coberto por alusões do senhor pimpamplolas.
    O cegueta seria magistrado, uma barra em processo penal e muito próximo da equipa encarregue do processo Marquês.
    Eu, por mim, acho que o cegueta é contínuo do DCIAP. O contínuo encarregue da arrumação dos carros ma garagem do DCIAP, naquela garagem onde o procurador tem aquela gaiola onde arruma os processos.
    Recorda-se Caríssima Jasmim, de, quando começaram a levantar-se as primeiras vozes indignadas contra a violação do segredo de justiça, o senhor procurador ter levado os jornalistas à garagem do DCIAP para lhes mostrar a gaiola dos processos?
    Não reparou numa sombra que aparecia em todos os bonecos? Era o cegueta!
    O objectivo da montagem era levantar a suspeita de que o responsável pelas fugas de informação era o cegueta, que tinha acesso à gaiola.

  150. Sim, sim. Eu já lhe disse (ao cegueta) que ele é o gajo que carrega as folhas dos processos para as arrumar na garagem! Entrementes bota um olho de soslaio e lê qualquer coisa em diagonal. Isto partindo do princípio que um cegueta consegue ler, porque não consta que o Juiz ou o Procurador escrevam em braille.

  151. Manuel Castro Nunes
    A feijoada a que se refere está a ficar cada vez mais indigesta. Vai ser quem mais vai sofrer de caganeira, e quem mais vai tomar bicarbonato de soda, à falta de melhores antiácidos.
    Parece-me cada vez mais óbvio que uma parte do PS está metida na cabala, mas o homem ameaça chegar para eles todos.
    Eles bem o quiseram arrumar de cena com a armadilha da pulseira (cheirou a negociata) mas ele percebeu deu-lhes cabo do esquema. A todos!
    Veremos o que sai na 1a semana de Setembro! Está tudo virado pró Juiz e pró Procurador e pode ser que venha chumbo de outro lado.

  152. Caríssima Jasmim. Eu nem sou bruxo nem analista eleitoral. Mas pense nisto.
    Tem em vista a conduta de António Costa e a forma como tem tolerado, sem contestação, a forma como a coligação tem em seu poder, como refém, os mais operacionais dispositivos de propaganda, a forma como tem tolerado o contínuo desmantelamento do PS com base no argumento de que o PS é o responsável pela crise e no caso Sócrates, a forma como Costa se descarta do caso Sócrates, tudo indica que Costa se encontra refém de um acordo com o perfil do plea bargain tão caro ao cegueta.
    Na convicção de que a maioria absoluta é inalcançável nas próximas eleições, os três partidos do arco da governação fizeram um acordo pós eleitoral, tão caro a Cavaco.
    O Costa compromete-se a deixar cair Sócrates, não interferindo e seguindo para bingo. O procurador não incomoda Costa nem outros perfis do PS. O Coelho compromete-se a não comprometer Costa e o PS com Sócrates, explicitamente.
    E, qualquer que seja o resultado das eleições, os três partidos governarão em coligação.
    Digo que, com os indícios que se alinham sob os nossos olhos, tudo indica que está em curso a maior farsa eleitoral da história da República.

  153. Lucas Galuxo, caso quisesse evitar a situação em que se encontra, então teria de ter feito tudo o que fosse necessário para tal, fosse lá o que fosse. Por exemplo, não receber na sua conta as transferências da mãe. É só isto que sei.

    Tu pareces saber mais do que eu. Pareces saber que ele não tinha alternativa, e que teria sempre de chamar a atenção das autoridades, as quais poderiam considerar suspeito algum aspecto da sua vida privada. Como não possuo os conhecimentos que sugeres ter, admito que possa ser possível tal cenário. Mas, nesta fase da publicitação do processo, é completamente implausível.

  154. oxalá que não se confirmem crimes enquanto político, gostava assim, mas apenas a falta de carácter evidente nas manhas já declaradas. porque se assim for, esta gente que mete as mãos e o corpo inteiro no fogo vai apanhar a maior banhada da vida. e lá se afogará o ego da razão. mas confesso que ver claramente um ego a afogar-se faz-me rir. até porque é uma lição, pelas horas da morte, de vida. :-)

  155. Manuel Castro Nunes
    Junte-lhe mais um detalhezinho. O negócio foi feito pela ala segurista do PS à o Costa se rendeu. Obviamente a estes interessa até que o PS perca as eleições para poderem cortar a cabeça ao Costa e trazerem de volta o seu amado líder ToZe Inseguro, que assinará imediatamente de cruz no tal governo a 3.
    No meio disto está o tinhoso Povo Português que insiste em não alinhar n farsa do empate técnico que todos sabem nao existir, por isso é preciso dar mais uns tiros nos pés do PS.
    E Sócrates com aquela tirada “as vezes é difícil distinguir entre o discurso da responsabilidade e o da cobardia e da rendição”.
    E o preso não se rende!

  156. Senhor Valupi.
    Poderia fazer a fineza de me dispensar uma atenção equivalente à que dispensa ao senhor Lucas Galucho?
    Obrigado.

  157. “Por exemplo, não receber na sua conta as transferências da mãe”

    E atirar o dinheiro resultante da venda dos imóveis ao vento?

    Tu é disseste existirem informações publicadas suficientes para justificar a abertura de uma investigação desta envergadura. Até recomendaste estudar o caso para iniciar uma discussão contigo.
    Podes mandar bola noutro post, Val. Esta já se perdeu no mato.

  158. Lucas Galucho.
    Esse argumento é recorrente e o busílis da mantenança do estado de sítio, difundido por todos os quadrantes e sedes dos produtores de factos judiciais no cinema, alegado por anormais do estilo do cegueta ou por subtis fautores de opinião como o senhor Valupi.
    ”Mas tu conheces o processo?”
    Ora essa! Mas que processo?
    O processo que eu conheço é aquele que tem vindo a ser divulgado em capítulos na comunicação social, citando fontes bem documentadas ou mesmo próximas da investigação, o que sugere a investigação, ela própria em fuga para as proximidades para não se comprometer.
    Ora, há outro processo?
    Por mim, eu sempre que me manifesto, manifesto-me sobre esse, que é a cara pública dos senhores magistrados.
    O cegueta diz que tem umas folhas que roubou ao outro processo, aquele que eu não conheço. Mas isso é lá com ele. Eu também digo que sei quem é o cegueta.
    Ora, este é o busílis da questão. Outro, dirás tu. Já são muitos, para uma só questão, eu sei. É o processo dos busílis.

  159. “Por exemplo, não receber na sua conta as transferências da mãe”

    Já vamos aqui ?

    Então já chegamos ao ponto em que passamos a compreender que seja normal uma criatura perseguida desde há anos NÃO CONFIAR NOS BANCOS, como disse um dos seus advogados, em vez de nos rirmos dessa afirmação e fazermos coro com a turba justiceira.

    Portanto: todos os pais podem fazer doações aos filhos, seja lá de que valor for, desde que cumpram as percentagens estipuladas pela lei, no caso de haver outros herdeiros.
    Só a mãe Maria Adelaide Carvalho Monteiro não pode vender património e dar dinheiro ao filho José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa !
    E portanto, deixem ver se percebo o raciocínio do Valupi: Sócrates estava obrigado a receber o dinheiro da mãe através de um esquema manhoso qualquer, e nunca pela via normal, como uma simples transferência bancária da CGD à vista de todos, como todas as pessoas que nada têm a esconder, certo ? isto para “não se ter colocado na situação em que se colocou” e que pelos vistos é apenas da sua inteira responsabilidade. Quem tomou a decisão de o prender não tem responsabilidade alguma.

    E agora vejam bem: quem o critica pelos alegados “esquemas” de receber dinheiro em envelopes, pasme-se, é quem também o critica por receber dinheiro da mãe por transferência bancária à vista de todos !!!

    DECIDAM-SE. Afinal como é que Sócrates devia gerir a sua vida financeira privada ? Á vista de todos como na transferência de dinheiro da CGD que a mãe lhe fez, ou mais discretamente, fora dos bancos, e com empréstimos directos de um amigo que lhe entregava o dinheiro em envelopes ?

    Vá, é que não vale criticar o homem por ter cão, e depois crítica-lo por ele não o ter !

  160. Perfil anónimo do Manuel de Castro Nunes, dar-te uma atenção igual não seria justo. Aconselho-te a estudar, ou recordar, a noção de justiça geométrica cultivada por Aristóteles.
    __

    Lucas Galuxo, mas já desististe de respeitar a tua honestidade intelectual nesta discussão? Explica-me lá em que é que ter o dinheiro dos imóveis na conta da sua mãe é não poder fazer usufruto dele ou qual a razão para esse envio não ter sido feito em parcelas menores e mais espaçadas no tempo. Porque do que li, embora possa ter percebido mal, o que colocou Sócrates nas mãos do Ministério Público da Joana Marque Vidal foi a circunstância de essas transferências, pelo seu volume, ficarem dentro do critério que, automaticamente, as coloca como suspeitas. Toma em atenção que esse mecanismo é bondoso, pois tem como finalidade detectar crimes financeiros. Ora, é essa situação original que abre a porta para o Rosário Teixeira entrar na privacidade de Sócrates e começar a vasculhar. Tivesse ou não tivesse uma motivação política para tal, isso é indiferente. Assim que lhe chega a informação de que esse dinheiro ficou na posse da sua mãe através da venda de apartamentos ao Santos Silva, o novelo estava encontrado. Agora era só uma questão de decidir se o iriam desfiar ou não. O resto é história. Ou melhor, parte da história, pois ainda não sabemos como vai acabar.

  161. Mas os burros lêem?Andam com as dianteiras no ar só até certo ponto. Ó CASTRETA explica aí, tiveste lições para subires ao escadote? E para pegares num livro?

  162. Querem ver que o 44 está a dizer que há corrupção em Portugal e que, por isso, ele não confiava no sistema…bancário? A sério? LOL. E ele que governou o País deve saber tanto…

  163. para perseguir o sócras qualquer motivo serve, especialmente se forem indícios que configurem corrupção, evasão fiscal e branqueamento, dá logo especial complexidade e pelo menos um ano de pildra. depois se os indícios deixaram de o ser ou nunca o foram, tamém não interessa para nada, porque o que interessava era tirá-lo do pugrama do orelhas e arredá-lo da campanha eleitoral, não fosse o ps ter maioria absoluta. a direita já provou que é capaz de tudo para ganhar eleições, portanto difamação, mentiras, chantagens e perseguições políticas são os argumentos eleitorais que vão do cavacal ao massamólas com apeadeiro no panascal do caldas. caminhamos para o pensamento e partido únicos com a colaboração das instituições e corporações do regime do estado de direita, polícia, justiça e fisco já aderiram e saúde, segurança, ensino e trabalho vão a caminho. o massamólas teve a latósia de lhe chamar “salvar o 25 abril”.

  164. O BICHIGNATZ, também BURRIGNATZ, escrevendo a trampa que lhe é peculiar.

    Ó paneleirote explica aí porque é que o teu ídolo desconfiava tanto do…sistema, pá! E o que ele fez pelos governados, para que estes não passassem a agonia da desconfiança, pá.

  165. O que eu sei é que um dos que lhe espetou a faca nas costas deve estar agora bem arrependido de o ter trocado pela tropa candanga que depois alinhou pelos interesse dos angolanos: Ricardo Salgado.
    Sim, Ricardo Salgado é o primeiro traidor na fila dos arrependidos. E isso não será um detalhe.
    O outro deve estar a estas horas a admirar a comenda, mas nestas coisas nada como o tempo para meter tudo no devido lugar.
    O jogo ainda agora começou.

    Ó cegueta
    tu também és do Sporten ?
    VIVA O BENFICA !

  166. Sabes cegueta

    Eu acho que um gajo tem 2 licenciaturas e 3 pós graduações (partindo do princípio que isso é verdade) é um gajo ou incompetente ou hesitante.
    Foi á 2ª licenciatura porque não foi capaz de acertar na 1ª. Não gostou, não se adaptou, andou aos “ss”, … Andou assim a modos que a coleccionar diplomas porque na vida real a coisa não desenvolvia, estás a ver ?
    Ao contrário, um gajo (ou gaja) que acerta na 1ª licenciatura e constrói uma carreira, nunca mais se lembra de andar por aí a perder tempo, estás a ver ? Ou parte para um doutoramento, ou simplesmente deixa-se ser o melhor “artista” no seu mister.
    Ó cegueta tu andaste por aí a “hesitar” não foi ?

    E VIVA O BENFICA!

  167. CASTRETA, ouve, o castrado mental és tu que depende de uma licenciatura para se afirmar. Levaste a resposta que te calou e arruma muito quietinho lá nos confins do sítio onde ninguém vai.

    Hesitar, hesitas tu…em ti próprio. Ouve, eu …não desisto daquilo em que me empenho. O LOSER aqui és tu.
    Quanto ao teu resto de escrita, fogo, arrecada no mesmo sítio.Entretanto, continua a empalar pulgas…

  168. Valupi, apesar de estar obrigado a saltar poças de lama, gosto de passar nesta casa por nela encontrar inteligencia, virtude rara na análise do quotidiano político português actual. Faz confusão como é que os últimos comentários neste post, assinados com o teu nome, são escritos pela mesma pessoa que escreveu as mais brilhantes sínteses de decifração dos dias que correm que tenho lido. Um cidadão português tem que parcelar uma transferência de dinheiro, com origem legal, para não cair nas malhas da arbitrariedade kafkiana da justiça?

  169. – Dá-me licença senhor doutor ?
    – Está licenciado.
    Foi assim que obtivestes as 2 licenciaturas ? Na Universidade do Relvas ?
    Ou os diplomas sairam-te nos pacotes da farinha Maizena ? (risos).
    Quem aqui se tenta meter em bicos dos pés, a arrotar postas de pescada, a fazer de conta que sabe isto e aquilo sobre um processo, és tu, cegueta. E sem te aperceberes já meteste a pata na poça diversas vezes. As vezes suficientes para eu perceber que não passas de uma fraude!
    Já sei o queria saber. E a discussão que releva não é sobre o teu (ou o meu ) grau de literacia. E sobre um tipo que não é quem quer que os outros pensem que ele é.

  170. Aí Lucas
    Então e o Sr Valupi porque ele parece estar a preparar a defesa da direcção do PS para o facto de a Investigação ter parido um rato, e quando tal suceder naturalmente António Costa vai levar bordoadas da grossa (ironicamente os primeiros a bater serão os direitolas).
    Como alguém antes já tinha dito a estratégia da Direcção do PS em relação ao caso Sócrates colocou o partido numa posição em que perde sempre.
    Percebe-se porquê.

  171. Senhor Valupi.
    Eu hoje faço sessenta e cinco anos e ainda tenho uns copitos de vinho para beber.
    Logo, venho responder-lhe ao que, explicitamente, me diz respeito.
    E iremos à justiça geométrica de Arístóteles. Eu não sou aristotélico, nasci em 1950, já Aristóteles tinha morrido há mais de dois mil. Entretanto, caíu Atenas nas mãos dos romanos, Roma nas mãos dos bárbaros, em Lepanto ganharam os turcos, descobriram o Brasil e colonizaram as américas, a polinésia e a melanésia, o povaréu em Paris tomou a Bastilha, nasceram os sovietes, Hitler chegou a Moscovo e caíu a bomba em Hiroshima.
    E o senhor Valupi continua prosélito, na sua cátedra, vomitando Aristóteles, como qualquer doutor beneditino ou dominicano na era das luzes, em que mais não havia que fazer do que copiar códices antigos no scriptorium.
    Será que o senhor procurador leu Aristóteles e quer aplicar à sociedade portuguesa uma justiça aristotélica? Ou será que o senhor Valupi foi encarregue de dar fundamento aristotélico ao desnorte do senhor procurador?
    Senhor Valupi. Não se incomode comigo. Não necessita de dar-me respostas.
    Porque eu vou dar-lhe toda a importância que merece.
    Logo volto.

  172. Lucas Galuxo, um cidadão português, ou doutra nacionalidade, deve é fazer o que lhe der na gana. Este será o meu primeiro e mais importante conselho. Porém, se estivermos a falar do cidadão Sócrates, o tal que desde 2004 se via perseguido por golpadas a envolver políticos, jornalistas e agentes da Justiça na sua perseguição, então creio estarmos a falar de um caso que se diferencia da generalidade do teu pressuposto.

    No plano estrito da sua esfera privada, não só Sócrates tem direito ao sigilo que a todos a lei confere como a sua liberdade é intocável. No plano político, onde o mesmo Sócrates existe de uma forma que arrasta consequências para o PS e a democracia, aí podemos avaliar as suas acções privadas quando elas se tornam públicas.

    Responde lá: achas que Sócrates sabia que se podia ver enredado num processo similar por causa dessas transferências ou achas que Sócrates ignorava que algo similar lhe podia acontecer?

    Dependendo da tua resposta, continuaremos a partir daí.
    __

    Perfil anónimo do Manuel de Castro Nunes, muitos parabéns. Que o vinho não falte nesse copo.

  173. Valupi, para uma pessoa com boa fé no sistema de justiça do seu país, que perturbação na sua consciência pode provocar a transferência de dinheiro resultante da venda de património de famíliar? Ou a contração de um empréstimo para realizar um período sabático?

  174. parabéns! Perfil anónimo do Manuel de Castro Nunes. muitos anos de vida regados a petiscos e copos e pataniscas de bacalhau morninhas. :-)

  175. Queres casar comigo Linda?
    Olha que eu faço umas belas pataniscas.

  176. Lucas Galuxo, não me respondeste. E foges para abstracções. Não estamos a discutir uma pessoa qualquer, estamos a discutir o caso da pessoa Sócrates. Ainda por cima, trata-se da mesma pessoa que admite publicamente, por via dos seus advogados, não confiar no sistema bancário. Quando é que passou a não confiar? Não confia porquê? Por que razão, se não confia, fez essas transferências que iriam criar suspeitas? Trata-se de uma situação cheia de interrogações.

    Olhando para o caso só com estes elementos, a sua posição é legalmente muito frágil e moralmente inadmissível. Precisamente porque ele não é uma pessoa qualquer, é um ex-primeiro ministro e ex-secretário-geral do PS, e as suas decisões na sua esfera privada geraram esta situação historicamente inaudita de exploração política e perturbação de umas legislativas. E logo estas!

  177. teve azar, se recebesse a subvenção por ter sido 1º ministro e fizesse da santa coisa da misericórdia uma casa de putas para apoio da sua candidatura presidêncial era tudo legal e os que chateassem deixavam de mamar.

  178. Olá Castro

    Parabéns pra ti também !
    És dois anos menos novo que eu.
    A coisa devia estar feita para o conta-quilómetros chegar aí aos cinquenta e depois voltar para trás até aos vinte, depois arrancava de novo e por aí adiante até que nós dissesemo, pronto, já tou cheio disto, vou desligar o botão. E acabavamos assim.
    Olha, deixa lá, dizem que o tabaco tira anos de vida, e como ambos fumamos, podia ser pior, podiamos já estar nos 85 anos de idade.
    Seja como for, deixa lá pá, haja saúde !
    Saúde pois, pra ti.

    PS : bela moça a Holinda ;-)
    Eu agora sigo a Olinda.
    Lembras-te do conselho da Caríssima Jasmim, sigam o holandês, sigam a pista do holandês ?
    Eu adoptei o conselho da Jasmim e agora quando quero saber o que o snr. Valupi diz, sigo a pista do holandês, leio a reacção da Olinda, e já sei.
    Poupa-me uma trabalheira e uma maçada do caraças, ler o texto todo do original.
    A propósito, já vi que ele te deu uma patada. Eu tinha-te avisado. E depois tu começaste a ter muito protagonismo e a querer pontificar e esqueceste-te que aqui quem brilha é só um. Foste imprudente. Vá lá que foi uma sorte, foi só uma patada, podia ser pior.
    Género, Castro, estás lá perto, emboras sejas um bronco. Uma besta este Snr valupi, a dar notas, digo, distribuir santinhos.
    Parece a mulher do Busto, a D. Cavaca a dar notas : mal, e menos mal.
    E depois como juiz, não tem preparos : coitado do snr. Básico, processo sumaríssimo, e prisão pra toda a vida. Desfiguração facial. Se fosse eu, nunca mais tinha lata pra cá voltar.
    Delito de ocasião.
    Um preso político, pois.
    Nem sei como me safei.
    Tá-se-me a acabar a bateria.

  179. Ó CASTRADO, DIZ-ME LÁ ONDE É QUE METI A PATA NA POÇA, PÁ? DESAFIO-TE A DIZÊ-LO, A TI E AO DONO DO BLOGUE, PÁ. cONTA AÍ? SE FOSSES ESPERTO LIAS E APRENDIAS, Ó COMUNA.

    deves pensar que me licenciei «à bolonha» como tu e que me limitei a subir escadas para as descer e mudar-me para a casa da frente, pá. TU SIM ÉS UM PENEIRENTO E NÃO ADMITES FICAR LÁ NO CANTINHO, E OLHA, PÁ, QUE EU ATÉ QUE NÃO GOSTO DE DAR NAS VISTAS, PÁ, MAS DOU. TÁS A VER? É QUE NAO ESTÁS A VER, Ó ESPANTALHO. VAI EMPALAR GAFANHOTOS .

  180. Ora vamos então ao senhor Valupi.
    Sem azedumes, recorrendo tão só a uma certa disposição e metodologia analíticas.
    O senhor Valupi anda por aqui impado, com toda a razão, cheio dela, de resto, olha por cima da burra para os circunstantes, escreve muito bem, um discurso anti regime de apelo a uma condescendência prosélita e pragmática com as ”coisas” que são assim mesmo e nada há que fazer.
    Quando não encontra argumentos, cita Aristóteles. E citando Aristóteles nunca perde a razão.
    O senhor Valupi deve ter quarenta e tantos anos, podia ter sido ou foi meu aluno, naquele período de desmembramento do sistema educativo, quando, através de reformas circunstanciais ou de fundo, foi formatado segundo as normas e orientações que se vieram a aglutinar na palavra de ordem ”literacia!”
    Eu propus muitas vezes aos meus alunos: ”Os senhores leiam Aristóteles. Se não lerem Aristóteles nunca entenderão o que se passa nas cabeças que vos governam.” Mais sabia eu que eles não podiam ler Aristóteles. Faltava-lhes tudo para poderem ler Aristóteles.
    Mas havia alguns que liam. Liam Aristóteles através de umas antologias, de umas citações ou de umas sinopses. Acabada a licenciatura era vê-los esgrimir com Aristóteles. ”Já dizia Aristóteles…” Como muito bem defendeu Aristóteles…” Aristóteles para aqui, Aristóteles para acolá, Aristóteles era já uma espécie de aristogato que comia à mesa com os patrões.
    Ora, o senhor Valupi publicou aqui há uma semana, com gáudio, um artigo do Rui Tavares que propunha, esquematicamente:
    As pessoas dividem-se em dois géneros. As coisas em três.
    As pessoas dividem-se entre aquelas que só vêem dois géneros de coisas e aquelas, sábias, que vêem três.
    Ora muito bem. Daqui se deduz que as pessoas não são as coisas nem as coisas as pessoas porque, se mais não fosse, dividem-se umas em dois géneros e outras em três.
    Mas, de seguida, as coisas são as virtudes das pessoas, como a coragem, a temeridade, ou a covardia. A verdade, a mentira ou as meias tintas.
    Ou seja, ainda que as pessoas se dividam em dois géneros, coisificando as suas virtudes, passam a dividir-se em três como as coisas.
    E o artigo tinha por título: ”Que faria Aristóteles?”
    Não vale a pena trilhar os caminhos espinhosos de Witgenstein para nos interrogarmos.
    Toda a lógica cai por terra quando nos debruçamos sobre este novo Aristóteles tautológico.
    Mas, claro, o senhor Valupi vai ler o que escrevi por cima da burra e continuar a comentar a bola.

  181. Ó raio! O cegueta acordou!
    Porra! Ia-me dando uma coisa.

    Boa noite, senhor Pimpapum. Por acaso não me faz a fineza de interceder por mim junto do senhor Pimpampum?

  182. A REDAÇÃO do alegado professor que COPIA o tpc do aluno.

    E na lógica de PLATÃO, Ó IGNARALHO, ficas lá dentro, não é? A olhar para as paredes, nas trevas. Só nestas é que tens trombil. What a fake this guy is. E pensa que articula, que argumenta. 31 de boca. Confirmas-te.
    clown.

  183. Daí que está bem apanhado para ti – o CASTRETA PRUNES, vulgo castrado vaidoso é o TAUTÓ do dispensário. LOL. Tás a perceber porquê, num é? Ó TAUTÓ? Hum?

  184. Vejam, vejam como o CASTRETA PRUNES merece bem o epíteto de TAUTÓ. O gajo repete-se e repete-se.

    ò pá, isso de pedires ao PIMIPAUMPUM para ele interceder junto do PIMPAUMPUM, ilustra bem o meu diagnóstico. És um TAUTÓ e queres ensinar tautologia aos outros. Pas à moi.

  185. Val, para o homem comum e para o ex-primeiro ministro, havia boas razões para confiar no sistema de justiça e desconfiar do sistema bancário. No fim deste processo, vamos ficar a saber se é prudente confiar em algum.

  186. Tens que concordar em que o vinho me dá ideias. O vinho dá-me ideias, pá.
    És mesmo cegueta. O que eu queria dizer era que o senhor PIMPAMPUM pode muito bem ser o senhor Valupi, sendo certo que é o cegueta.
    Vou beber mais um copo. À tua saúde.

  187. O VINHO pá, alimenta o teu caráter de TAUTÓ, pá. Daí a tua tautologia. Confirmas-te. És um tautó.

  188. «Val, para o homem comum e para o ex-primeiro ministro, havia boas razões para confiar no sistema de justiça e desconfiar do sistema bancário. No fim deste processo, vamos ficar a saber se é prudente confiar em algum.»

    escreveu o galuxo. Outra asneira, claro.

    O ex – primeiro ministro porque era primeiro -ministro tinha o DEVER de MUDAR o sistema, se no mesmo não confiava e se sabia que os seus governados o usavam por no mesmo serem obrigados a confiar. Quedou-se e beneficiou de um sistema não confiável que, por alegadamente ser não confiável, lhe conveio para os movimentos que fez. Ele até fez aprovar legislação específica em sede fiscal…TRETAS. Vai levar uma SOVA na acusação e em julgamento.
    O 1º ministro tem DEVERES ACRESCIDOS perante a sociedade e se se analisar a produção legislativa do mesmo, até é capaz de se concluir que o homem era profícuo em produzir leis…PORTANTO, TRETAS E TRETAS, O QUE SOMADO DÁ TRETAS. ESTÁ ENTALADO E NÃO VENHAM COM A TRETA DO HOMEM COMUM – NO CASO DELE NÃO PEGA.

  189. O cegueta
    Tu numbesmesmonada.
    Estás com os copos!
    Meteste a pata na poça e agora ficou lá presa. O teu bluff nunca mais resultará. Não sabes a ponta de um corno sobre o processo do Sócrates. Sei eu mais por mera dedução do que tu alegadamente a leres à surrelfa os hieróglifos que o senhor Procurador mandou guardar na garagem.
    Aliás, por esta altura já nem o sr Procurador está em condições de compreender o que ele próprio escreveu !
    E tu cegueta, és burrinho todos os dias.

  190. O seu CAMELO!
    Quem faz as leis é a Assembleia da República não é o Primeiro Ministro!
    E depois ainda perguntas aonde é que meteste a pata na poça ?
    Tu és burro todos os dias. Continua assim até todos aqui perceberem que és uma fraude!
    Quem é que o Rosário vai acusar pelo RERT3 ? O senhor Comendador por ter apresentado o projecto de decreto lei ? Ou a Assembleia da República por o ter aprovado ?
    Cegueta tu nem a zarolho chegas! És um caso perdido!

  191. Ó Caríssima Jasmim!
    Não bata mais no ceguinho.
    Agora é a minha mascote. Vou pô-lo numa gaiola aqui à porta a fazer cu cu, para marcar as horas e me recordar todos os dias que a vida é boa.

    ”- Mamãããã! Olh’ós comunas!
    – Já vou filho. Vamos primeiro encontrar o teu pai.
    – Salazar! Salazar! Salazar!
    – Não grites tão alto, filho. Vão todos ficar a saber.
    – Sócrates! Sócrates! Sócrates!
    – Raio, filho. Chama pelo Castro! Foi o Castro!”

  192. Boa noite Numbejonada

    Reparo que o Castro pediu-me para pedir a mim próprio, para interceder junto de, creio, de sí.
    Eu estive para tomar uma iniciativa nesse sentido, atenta a excepcionalidade da data.
    Mas isso foi antes e isto esteve a carregar, agora é tarde demais, já está tudo estragado.

    Na oportunidade, leia isto, amplie a imagem para ler.
    A ser verdade, ilustrativo do poder que os bloggers pensam que têm, e demonstrativo do modo badalhoco como alguns políticos constroem os alicerces de acesso ao poder político:

    https://ntpinto.files.wordpress.com/2013/11/fotografia-11.jpg

  193. Senhor Pimpampum. Conheço isso há quatro anos, não através desta entrevista, que também li, mas através de comentários na blogosfera e nas tavernas.
    Todos sabemos que aquela manifestação de 12 de Março de 2011, que fez tremer o governo de Sócrates, foi convocada nas redes sociais por alegados anarcas do PSD e mesmo do PNR.
    Qual é a novidade?
    Portugal tem uma sólida tradição de contra informação, herança antiga, que trespassa todos os quadrante políticos.
    Mas o curioso é o papel dos anónimos. Todos sabemos que os ”Anonymous Portugal” e os ”Tugaleaks” são uma criação virtual dos sectores de direita da coligação, mobilizando pessoal da secreta estilo Alcides.
    Não vejo a novidade.
    Só agora deu conta disso, senhor Pimpampum?
    Por acaso, como anteriormente lhe disse, há outro Miguel Abrantes.
    Enfim…
    Parece-me que não entendeu o que escrevi acerca do senhor Valupi.

  194. O senhor Pimpampum traz a cabeça encharcada em propaganda. Tem muita dificuldade em compreender uma alma simples.
    Mas, sobretudo, um par de botas simples e caminheiras, que por vezes se exasperam.
    Penso por vezes que o conheci em algum lado, mas não me recordo bem. É provável que me tenha cruzada consigo numa paragem qualquer e o senhor não me deu atenção.
    É por isso que não compreende a minha alma simples.

  195. Ainda hoje o estupor do sacerdote da TVI disse que o PSD se move melhor nas redes sociais e por isso leva vantagem.
    E por isso que eu faço o dever cívico de aqui vir desmascarar o estupor do cegueta!
    O gajo quer fazer passar aqui as construções da extrema direita fascista inimiga de Sócrates. E para tal vem para aqui com insinuações como se conhecesse o processo. Mas depois dá caminhadas como a que está escrita mais acima e desnuda-se. O Primeiro Ministro responsabilizado em tribunal pelas leis aprovadas na Assembleia da República !!!!!!!
    Comigo está feito ao bife! Já não lhe bastava o Manuel Castro Nunes !!!

  196. o irrevogável voltou
    9 DE AGOSTO DE 2015 ÀS 21:47
    já távamos com sódades do pimbopampum para emparelhar com a bimbalhoca.

    OLHA OLHA, O INACIO JÁ SABE IMITAR-SE A ELE PRÓPRIO.

  197. “OLHA OLHA, O INACIO JÁ SABE IMITAR-SE A ELE PRÓPRIO.”

    imberbe do caralho, não tem mainada pra dizer, põe-se a gritar meras sem sentido porque ficou fodido de lhe terem notado que, dia sim, dia não, faz birra e diz que vai embora para voltar na primeira oportunidade.

  198. E isso incomoda-te e é público e notório.
    Ora eu estou aqui exclusivamente pra te foder.
    Manias.

  199. “Ora eu estou aqui exclusivamente pra te foder.”

    ora porra, pensava que voltavas para ser gozado, mas sendo assim, paciência… fode lá à vontade, já mandei vir pipocas.

  200. Então quer dizer que já não estás a trabalhar, estás só a divertir-te .
    Ora como eu não mando links porno nem estou pra te aturar, vai olhando pró que tens aberto e agarras-te ó Alberto. E metes as pipocas pelo cú acima que grão a grão enche o Inácio o Farinácio.

  201. Perfil anónimo do Manuel de Castro Nunes, muito obrigada pelo convite. de facto fizeste-me arregalar os olhos com esses teus dotes. mas é preciso muito mais, carago! por exemplo, sabes fazer tranças e desencravar pêlos? :-)

    gostei de Holinda, Pimpaumpum, um belo acrescento.:-)

  202. «Quem faz as leis é a Assembleia da República não é o Primeiro Ministro!»

    DISSE A JASMERDIM PIMBA, VULGO CASTRETA CASTRADO.

    Bem, a ignorância daquela figura é maior do que eu julgava. Não sabe ler, não sabe interpretar. É um zero da esquerda e nesta, é um zero à esquerda.

    De facto, o primeiro – ministro não «faz» leis. O governo, EXECUTIVO, a que o 1.º ministro PRESIDE FAZ leis, dentro de uma competência constitucionalmente consignada – pode ser própria, pode ser autorizada ( pela AR).

    Evidentemente que o ASNO não vai perceber isso, mas que se há-de esperar de um GAJO que chama camelos aos outros, por estes não partilharem da incapacidade dele?

  203. «O Primeiro Ministro responsabilizado em tribunal pelas leis aprovadas na Assembleia da República !!!!!!!»

    A JASMERDIM PIMBA, BESTA por direito natural, persevera na sua natural IGNORÂNCIA.

    Não conhece a figura do LEGISLADOR e desconhece que este, no sistema constitucional português, pode ser a ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA e o EXECUTIVO/GOVERNO.

    O BESTA CONFIRMA – SE. É IGNORANTE. Pois fica assim, volta à escadaria e volta a subi-la, sem voltar para trás.

  204. oh pázinho pára de dizer disparates e andar com a casa à roda para apertar a lâmpada. quem tem poder legislativo e aprova leis é o parlamento, se são encomendadas ao xico dos anzóis ou vetadas pelo presidôncio é outro assumpto.

  205. As BESTAS do costume, useiras e vezeiras na cegueira, não podem, por isso, ler e muito menos interpretar.

    Há que tratá-las de acordo com a medida que merecem. A JASMERDIM PIMBA expede ASNEIRA sobre ASNEIRA, e quando bêbada mais ASNO fica.

    Tu, ó real BESTA, nada tens a desmascarar. Podias sim, tentar descobrir a minha identidade, MAS que não consegues. Nem penses meter-te comigo. Tenho-te avisado ao longo do tempo. Não lês, não sabes interpretar, queda-te com as massagens às pulgas PÁ.

    Quanto ao 44, ó BESTA – DESAFIO-TE a CONTRADITAR o que até aqui tenho escrito sobre a matéria POSTADA. Lembra-te que EU NÃO ESPECULO NEM FAÇO CONGEMINAÇÕES em jeito de SOPEIRA. Ora isso, eu tenho visto MUITO por aqui. A IGNORÂNCIA de quem assim procede reside nisto – não sabem que não adianta falar de um PROCESSO JUDICIAL, sem o terem à frente, porque este é que FALA. Não são as cimeiras de causídicos, com intuitos informatórios, nem as manifestações de FÉ populaXa a ÉVORA que nos dizem da REALIDADE.

    Porém, rio-me muito com as DEFESAS que se fazem do 44.

    Isto posto, venha lá o mais insigne dos bloggers questionar o que acabo de escrever.

  206. O BADALHOCO DO IGNATZ é BURRO a todo o momento.
    Cala-te BESTA. Não encontras linque que contradite o que eu disse, não é? Toma lá uma dica, Ó REAL BESTA: consulta a CRP. IGNORANTE. Vai tu apertar a dentadura ao CASTRETA, que o cheiro por aqui anda insuportável, RANHOSO. COMUNA.

  207. PIMPAUMPUM,

    Sem dúvida. As redes sociais têm um poder imenso. Porém, se estivermos atentos, BASTA um só para derrubar uma cambada de ANORMAIS, INTERESSEIROS e IGNORANTES.

    Olhe o que se passa neste dispensário, que é uma bela amostra do que é a população que por aqui circunda.

  208. “EU NÃO ESPECULO NEM FAÇO CONGEMINAÇÕES em jeito de SOPEIRA.”

    nem precisas, basta-te papaguear o que o manhólas diz diáriamente ao sopeiral e quando a coisa dá para o torto umas caralhatzes e mudar de assumpto.

  209. Deves pensar meu grande ASNO que são todos como tu, e deixa-me lembrar aqui algumas das tuas pérolas, a saber:
    o BESTA chama LIVRO de RECLAMAÇÕES aos AUTOS.
    o BESTA distingue FALÊNCIA de INSOLVÊNCIA.
    o BESTA carateriza a RESPONSABILIDADE OBJETIVA com DOLO.
    o BESTA DESCONHECE as COMPETÊNCIAS da Assembleia da República e do Governo, em matéria legislativa e que ambos são LEGISLADORES.
    o BESTA confunde medida de coação com pena penal.
    o BESTA mistura FACTOS com INDÍCIOS.

    Claro está que nisto tudo, participa a JASMERDIM PIMBA – a CASTRETA CASTRADA licenciada do dispensário – fez questão de o assinalar. Porém, com os desenvolvimentos das patacoadas desta BESTA, constato que, afinal, é mais do mesmo – faz massagens a pulgas e esclarece os sítios que as mesmas percorrem ao logo da sua vida. Chama a isso, fazer história.

  210. Acredito, Ó REAL BESTA, que porque tens os buracos por onde pretendes ouvir, habituados a cera capaz de fazer inveja a uma COLMEIA, e aos palavrões da peixeira que te pariu, que todos se expressam em registo ORDINÁRIO, NOJENTO e FEIO. O teu caso.

  211. hoje estou com paciência e tudo o que vou comentar começa por “o burro do caralho”:

    o BESTA chama LIVRO de RECLAMAÇÕES aos AUTOS. => tens um apurado sentido de humor, continua a cavar, pode ser que descubras que estão a gozar contigo
    o BESTA distingue FALÊNCIA de INSOLVÊNCIA. => lembro-me das asneiras que disseste sobre isso e pelos vistos continuas a achar que é tudo a mesma coisa. adiante, já dei para esse peditório.
    o BESTA carateriza a RESPONSABILIDADE OBJETIVA com DOLO. => não tou a ver onde, mas gosto muito de bolos
    o BESTA DESCONHECE as COMPETÊNCIAS da Assembleia da República e do Governo, em matéria legislativa e que ambos são LEGISLADORES. => sim, pois, já te expliquei aí acima como é que se enroscam lâmpadas, esqueci-me foi de te dizer que para darem luz não podem estar fundidas e é conviniente desligar o interruptor.
    o BESTA confunde medida de coação com pena penal. => essa confusão não é minha, é do incompetente que está a rabiscar o processo. o teu colega de carteita na telescola de mação.
    o BESTA mistura FACTOS com INDÍCIOS. => yeah, especialmente porque todos os factos podem ser transformados em indícios, apesar de até agora só terem dado rasquícios* judiciais.

    * se o maltez inventa palavras, eu tamém posso

    fiquemos por aqui para não te envergonhar mais, mas se insistires, tenho boa memória e apesar de não cantar vitória.

  212. O REAL BESTA, persevera na IGNORÂNCIA. É natural que o faça, pois não tem como contraditar com SABER o que REPETIDAMENTE LHE TEM SIDO GRATUITAMENTE ENSINADO. Nesta altura, tenho que lhe chamar BURRO. Tem as PALAS de tal forma coladas que não consegue ver.

    Mas…pretende gozar. Pois bem, só te gozas a ti próprio, ó ESCARRO.
    ( Será que não encontraste linques para contrariar à tua maneira, o que escrevi? Hum, ó BURRO? Claro que não. Nota, contudo, que o saber wikipédico de quando em vez tem umas coisas interessantes, ó PALERMA!)

  213. “O REAL BESTA, persevera na IGNORÂNCIA.”

    é só isto que tens para argumentar em tua defesa? fraquinho, não vale o tempo que perdi a contraditar-te.

  214. oh vaca! deixa de oferecer os teus préstimos, tirando o pimpampolho e o seu olho do cú que não bê nada o pessoal só come carne certificada.

  215. NOJENTO! Para contraditares tens de saber, sua BESTA PUTREFACTA. Mergulha na sanita e puxa a água de imediato para aproveitares a correnteza.

    PANELEIRO mal cheiroso. Tu sim és uma vaca com focinho de hiena. Para comeres carne certificada tens de ter dentes e gosto para tal, RATO de esgoto. Põe-te na camioneta e ruma até Évora, pode ser que te partam lá o focinho.

  216. Estou com pena de ti cegueta e por isso aqui vai uma ajuda:

    1. Quem aprovou o decreto-lei que aqui importa (o RERT3) foi a Assembleia da República. Assunto encerrado.

    Mas vou continuar a ajudar-te, apesar de não ser licenciada em Direito (nem em Torto):
    2. O Governo pode emitir despachos ou diplomas, mas como já disse não foi o caso !
    Mas ainda que tivesse sido teria sido o Governo, ou seja, o Conselho de Ministros, a aprovar, e não o Sr Primeiro-Ministro. Teria de ser chamado a explicar-se perante todo o tribunal todo o Conselho de Ministros e não apenas o PM.
    3. Os despachos ou diplomas são levados a Conselho pelo Ministro da respectiva área, para discussão e aprovação por todo o Conselho de Ministros (o PM preside).
    Neste caso teria sido o excelso e digníssimo sr Comendador Teixeira dos Santos. E assim seria ele o primeiro a ter de se ir explicar ao tribunal e teria de dizer que foi o sr PM que lhe apontou uma arma á cabeça para ele levar o diploma a Conselho.
    E depois teriam de ir todos os outros Ministros ao tribunal dizer exactamente a mesma coisa. Que Sócrates lhes teria apontado uma arma à cabeça para eles assinarem, ou em alternativa que todos (ou pelo menos a maioria) se deixaram corromper, ou então … todos assinaram de livre consciência porque entenderam que a lei era boa para o país !!! qual achas que o sr Comendador escolhe ? apesar da Comenda dada pelo PR … e os outros Ministros ?
    4. Mais, teriam de ser chamados também a tribunal os Conselhos de Ministros e os Primeiro-Ministros anterior e posterior ao governo presidido por José Sócrates, já que existe um RERT 1, um RERT 2, e um RERT4. E o que é mais giro é que o RERT4 (parido na vigência do actual Governo) é muito mais favorável aos prevaricadores da fuga ao fisco, já que amnistia sem exigir a repatriação do dinheiro, coisa que o RERT3 exigia.
    Como é que achas que o laranjal se explicará perante o tribunal ?

    Estás satisfeito cegueta ?
    Ou vais continuar a andar com a casa à roda para apertares a lâmpada ? (risos! )

  217. Tás a ver cegueta
    Como tu não sabes nada do processo e a única coisa que aqui fazer é dares-te ares e armares-te aos cucos ?

  218. Ó SUA BESTA!! APRENDA A LER! DEPOIS DE LER, veja se entendeu. Aplique, se for o caso!

    Quero lá saber quem fez EM CONCRETO o que invoca! O que está em causa é o que ALEGADAMENTE o 44 defende em seu abono, qual seja, e MUITO SUMARIAMENTE, sua BESTA, a DESCONFIANÇA no sistema que GOVERNOU. Podia ou não ter mudado o SISTEMA que ele CRITICA? Estava ou não ao seu alcance proceder a essa mudança?

    Quero lá saber das suas considerações sobre PROBATÓRIO no caso! Você conhece-o? Você, sua BESTA, critica os pasquins e bebe na informação destes para tecer teorias conspiracionistas?!

    Sossegue que assim que houver acusação, SABERÁ dos factos imputados ao detido. E também saberá da prova do acusador, que certamente não deixará os seus créditos em mãos alheias.

    COMO É QUE SE PODE FALAR COM VOCÊ, SUA BESTA, SE VOCÊ NÃO TEM BASES SEQUER PARA ACOMPANHAR O QUE LHE DIGO??
    COMECE PELA CRP, SUA IGNORANTE.
    esta besta nem gargalhadas gera, mas pena.

    VÁ PASTAR.

  219. Ainda aqui um tipo que parece não ter mais nada que fazer do que gritar injúrias a tentar perturbar o fluxo de conversa entre pessoas que partilham opiniões de forma educada e com graça. Percebo a ansiedade do numbejonada mas, desta maneira, fica difícil seguir a caixa de comentários que, mesmo assim, me parece um dos lugares de mais consistente elaboração cívica sem compromissos da nossa praça. Sugiro ao numbejonada que crie um blog para se aliviar das frustrações que aqui exibe e deixe os outros em paz. Quem estiver interessado em dar troco a essa gritaria poderá dirigir-se a essoutra casa de barulho. A sério, numbejonada, deixe-se de criancices.

  220. “Sugiro ao numbejonada que crie um blog para se aliviar das frustrações que aqui exibe e deixe os outros em paz.”

    já tem, mas só lá vai o burro do caralho, o reformado das finanças e uma tal zaida que é uma espécia de óbimba do pnr.

  221. ”Quanto ao 44, ó BESTA – DESAFIO-TE a CONTRADITAR o que até aqui tenho escrito sobre a matéria POSTADA. Lembra-te que EU NÃO ESPECULO NEM FAÇO CONGEMINAÇÕES em jeito de SOPEIRA. Ora isso, eu tenho visto MUITO por aqui. A IGNORÂNCIA de quem assim procede reside nisto – não sabem que não adianta falar de um PROCESSO JUDICIAL, sem o terem à frente, porque este é que FALA. Não são as cimeiras de causídicos, com intuitos informatórios, nem as manifestações de FÉ populaXa a ÉVORA que nos dizem da REALIDADE.´´

    É de facto muito difícil alegar contra o cegueta.
    A qualquer alegação o cegueta responde com as mesmas basófias. Põe a cassete a desbobinar e aí vai disto evaristo.

    ”Comunas! Xuxas! Paneleirotes! Falais do que não sabeis! Não tens bases para acompanhar o que te digo!”
    És um ponto, artolas! Enterras-te a ti e a todos os que queres defender.
    Tu tens um blog cegueta?
    Serás tu aquele mestre manhoso do Pimpampum?
    Lê Aristóteles, homem, lê Aristóteles! E ficas a entender o que é o meio das coisas.

  222. Ó Numbeijonada

    Acho que vai ser a última vez que lhe respondo directamente porque não autorizo que quem quer que seja se me dirija nos termos mal-educados com que se me dirige.
    Vá lá chamar BESTA á senhora sua mãezinha.

    Pelos vistos agora já não quer discutir o caso em CONCRETO.
    Como o ficou encurralado no concreto já prefere o ABSTRACTO.
    Pois seja. Mas continuo a ter más notícias para si. É quem em abstracto é tudo exactamente igual ao que é “em concreto”. Ou seja, o sr Primeiro-Ministro não pode “mudar as leis do país” SOZINHO, sabia ? Ah não sabia ? Você vive com a cabeça no regime da Monarquia Absolutista, não é ? Pois mas Portugal é uma República, e os poderes estão repartidos, e pelo menos formalmente é suposto controlarem-se uns aos outros para não fazerem isto resvalar para uma ditadura de uma facção.
    Ou seja, o sr Primeiro-Ministro NÂO PODE mudar as leis sozinho (há uma Assembleia da República, sabia ?) e muito menos o REGIME, nem mesmo quando ganha as eleições com maioria absoluta.
    Parece-lhe estranho ? a mim não ! mas não me admira que aos fascistas da extrema-direita a Democracia e a República sejam conceitos estranhos.

    Passe bem.

  223. LUCAS GALUXO

    Invetivas, orinarices e tudo o que se lhe associar não residem certamente deste lado.
    Certamente que frontalidade – a minha – o incomoda e, como sabe, não posso silenciar-me perante quem NADA produzindo em concreto, se atreva a APOUCAR matérias em que me pronuncio com SABER.

    Quanto ao conselho que tenta dar, aplique-o a si.

  224. “Invetivas, orinarices e tudo o que se lhe associar não residem certamente deste lado.
    Certamente que frontalidade – a minha – o incomoda e, como sabe, não posso silenciar-me perante quem NADA produzindo em concreto, se atreva a APOUCAR matérias em que me pronuncio com SABER.”

    exemplo mais recente às 15:04

    “Ó SUA BESTA!! APRENDA A LER! DEPOIS DE LER, veja se entendeu. Aplique, se for o caso!

    Quero lá saber quem fez EM CONCRETO o que invoca! O que está em causa é o que ALEGADAMENTE o 44 defende em seu abono, qual seja, e MUITO SUMARIAMENTE, sua BESTA, a DESCONFIANÇA no sistema que GOVERNOU. Podia ou não ter mudado o SISTEMA que ele CRITICA? Estava ou não ao seu alcance proceder a essa mudança?

    Quero lá saber das suas considerações sobre PROBATÓRIO no caso! Você conhece-o? Você, sua BESTA, critica os pasquins e bebe na informação destes para tecer teorias conspiracionistas?!

    Sossegue que assim que houver acusação, SABERÁ dos factos imputados ao detido. E também saberá da prova do acusador, que certamente não deixará os seus créditos em mãos alheias.

    COMO É QUE SE PODE FALAR COM VOCÊ, SUA BESTA, SE VOCÊ NÃO TEM BASES SEQUER PARA ACOMPANHAR O QUE LHE DIGO??
    COMECE PELA CRP, SUA IGNORANTE.
    esta besta nem gargalhadas gera, mas pena.

    VÁ PASTAR.”

  225. … e se comesses os cacos cagavas lustres de cristal para a próxima remodelação do metro de moscovo.

  226. Ó JASMERDIM PIMBA,

    BESTA é a sua mãe que a pariu. Pela sua nova invetiva, se vê o seu calibre.
    Quanto ao demais, saiba que os factos são estes: meteu-se a lavrar e continua a tentá-lo, em seara que não domina, nem na mesma consegue semear. Qualifica INDEVIDAMENTE quem lhe DIZ para atentar no que escreve, para se poupar à asneira. Admiti-lo-ia se você SOUBESSE do que escreve, mas NÃO SABE. Logo, limite-se a expõr a sua opinião e dispense os epítetos a quem a contradita com SABER.

    Até aqui você tem demonstrado TOTAL INCAPACIDADE na leitura e na interpretação. Imputa a quem se dirige, o inverdadeiro. Persevera no epíteto. E diz que «encurrala». Ouça, quem assim persiste e nem SEQUER sabe que o legislador português pode ser (também) o governo, mesmo depois de INFORMADO que a CRP assim o consigna, só pode ter um nome, em reação aos epítetos que me dirige – você é uma BESTA.
    Se não gostou, tem bom remédio – PROCESSE-ME e discuta o assunto comigo em instância própria.
    Você está para mim, como a peixeira está para o médico na discussão em assuntos médicos. Entendeu?

    Cultive-se – comece por ler o soneto da cagada, e ao mesmo tempo, a alegoria da caverna. Quem sabe tira conclusões sobre o seu perfil – o de BESTA, pois persiste em não ver e insiste na asneira.
    É BESTA e BURRA ao mesmo tempo. Vá estudar Direito Constitucional, e depois ATREVA-SE a discutir comigo a matéria do processo legislativo na ordem jurídica portuguesa.

    Evocê VOTA, isto vota!!
    Vá pastar.

  227. IGNARALHO,

    Tu és um escarro. Desde quando, tu que tudo sujas com as tuas metáforas, és alguém para discutir o que quer que seja na sede que transcreves?

    Tens sentido de…elevação? Tu, um porco?
    Olha só o discurso badalhoco que aqui se poderia reproduzir associado a ti….
    Give me a break. Gostas de comer pipocas acompanhado, mas comigo não tens sorte nenhuma. Volta para a ETAR:

  228. Tu lá sabes, ó IGNÔNCIO, o que podes comer e expelir. A avaliar pelo que aqui escreves, certamente, até és capaz de largar objetos estranhos. Sê produtivo: vai limpar a trampa dos cartazes.

  229. BADALHIGNATZ,ouve, não uses aquilo para que não tens e nunca terás…porte. É altura de beberes coca – cola, andas a largar muita bosta por aqui. Já houve quem pedisse limpeza ao dispensário.

  230. a tua amiga básica já foi de cona, pode ser que sejas a próxima. agora vai fazer queixinhas ao valupi que te ameacei e dá conta da ocorrência àquele cepo que passa informações dos processos nas tascas de moscavide e que se queixa da reforma da sogra não dar para a prestação da bibenda apalhaçada com remodelação ilegal em oeiras.

  231. Ai, ai, os ELEVADOS, que discutem com elevação. Os gajos rebentam quando apanham a valer.

    JASMERDIM PIMBA, tu certamente estarias mais rica que o Salgado. LOL. Keep trying…

    IGNARATZ,

    Bebe coca – cola, pá. Olha bem para a tua «expressão». És um asco, um asco. E votas pá, tu votas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.