PSD-FMI

Não sabemos se o actual Presidente da República admite que estamos integrados na governação europeia, ou sequer se tem consciência de que pertencemos ao continente chamado Europa tendo em conta que considera serem os problemas económicos de Portugal da exclusiva causalidade do Governo, mas sabemos que no dia 9 de Março de 2011, ao assumir o seu novo mandato, disse o seguinte urbi et orbi:

Há limites para os sacrifícios que se podem exigir ao comum dos cidadãos.

Este frase resultou de um processo de consultas, durante o mês de Fevereiro, que levou a Belém todos os mais altos responsáveis pelas contas e políticas nacionais; incluindo um senhor chamado Durão Barroso, outrora visita dos conselhos de ministros do professor Anibal, que, embora não directamente ligado ao País, tem o País directamente ligado à entidade que chefia. Acrescente-se a esta recolha o somatório das reuniões semanais com o Primeiro-Ministro ao longo dos últimos anos e ainda o prestimoso trabalho de recolha de informações que os elementos da Casa Civil efectuam sem descanso nem temor, como o provam os dossiers entretanto organizados acerca dos mais variados assuntos e personalidades. Ora, deste homérico levantamento a respeito dos desafios cá do burgo nasceu um comício na tomada de posse, freneticamente aplaudido pela direita parlamentar. Nesse comício foi apresentado o programa e as linhas ideológicas do que o Presidente da República quer que o seu futuro Governo implemente. E ainda deixou o interdito de se continuar a tentar reduzir o défice com mais medidas de austeridade, na prática desautorizando o actual Governo e suas negociações com os parceiros europeus para encontrar uma solução que defenda os interesses nacionais.

Se juntarmos todos estes factos à campanha permanente para deturpar qualquer dos resultados positivos que possam ser associados às opções de Sócrates e sua incessante procura de saídas para um problema que não criou, temos de reconhecer que existe em Portugal um novo partido: o PSD-FMI. É um partido bicéfalo, com dois presidentes e uma tragédia provável: a mistura do infantilismo com a senilidade.

29 thoughts on “PSD-FMI”

  1. Parabéns, Valupi. Óptima análise. Óptimo gozo!
    A frase do presidente que citas anda a ser agora repetida por outros PSD, nomeadamente Paula Teixeira da Cruz. Será o slogan da próxima campanha?
    Se for, vamo-nos divertir imenso, já que vão ter de começar por explicar como vão conciliar o limite por eles agora traçado com tanta indignação aparente (caso ganhem as eleições) com a ausência quase total de limites do FMI … este grande aliado da estratégia passista.

    Como diziam no Financial Times há uns dias: Há países, como a Irlanda, onde a vinda do FMI causa tanta revolta que se convocam eleições e o governo cai. Há outros, como Portugal, onde se precipitam eleições para vir o FMI. “Aren’t we fucking original?”

  2. cavaco, na maior parte do tempo em que foi primeiro ministro, governou em tempos fáceis, em épocas em que “escorria leite e mel” da união europeia e tinha uma maioria parlamentar.
    sim, cavaco poderia ter feito história enquanto primeiro ministro, mas não passou de um mero mestre do betão, sem visão para portugal. hoje está em belém sem saber ler nem escrever. basta-lhe uma sociedade encantada com o senhor campóneo, pai de família. a nossa falta de capacidade crítica é gritante. como escreveu clara ferreira alves, na sua habitual crónica do expresso, “num grande país europeu como a frança, a alemanha ou a grã-bretanha, cavaco seria um apêndice, nunca um órgão político”.
    tudo dito!

  3. Na minha qualidade de militante deste sub-partido aspirina da bajulação e braço armado na blogosfera do partido XuXa, exijo que, não sendo um rapazinho que amua por dá cá aquela palha, o VALUPETAS-VALUTRETAS-VALUTETAS comente aquele aforismo e definição de elevada proficiência discursiva do Ministro das Finanças e PM, sobre o pior que se passa neste hemisfério norte para sermos também os primeiros a meter gafes e o quarto país do mundo mais endividado?

    Não te poupes em argumentos ò rapazinho de gelatina/medula socialista …

  4. Mais um pedido de ajuda interpretativa e, já agora, com algum grau de capacidade semiológica das palavras de um dos bem sucedidos boys do PS, sergio sousa pintas, que terá dito “estar com “vontade de pedir desculpa às pessoas” pelo facto de ter sido um Governo PS a entregar a pasta da Economia a “um ex-braço-direito de Cunhal e a um boy de Chicago”.

    Foda-se que isto não me cheira bem. O que é que se passa aqui camaradas sub-partidários?

    Preciso de lógica e paz neste momento dorido. Alguém me ajuda?

  5. desculpa lá ó 285 mas não falas do Carrilho? ele disse: “Estou de acordo com Medeiros Ferreira, para mais porque não tem havido eco de que haja debate dentro do PS, nem da campanha. Sou a favor de que fosse adiado o processo um mês. Se houver crise, o PS deve ter um período de reflexão, não é tocar trombetas à reeleição do secretário-geral, como se não se passasse nada.” E explica que “não faz sentido ser o mesmo candidato a primeiro-ministro”, isto porque uma eleição “não pode ser um tira-teimas”. E sublinha que “Sócrates devia dar lugar a uma solução, com desprendimento, devia ser ele a abrir a porta para a reflexão do partido.”

    ainda á gente com tomates pelo PS, ao contrário dos pantemineiros agachados aqui da Aspirina

  6. E posso tomar logo três ou quatro duma vez camarada Aspirina lambe-beija-chupa Botas do Socas, SharK? É que esta constante sodomia sádica do Governo, ainda por cima sem lubrificante, está a deixar-me o esfincter todo desfeito …

  7. Pergunta do ano (deste e dos anteriores, claro):

    Faz sentido quando o primeiro-ministro afirma “ou eu ou o caos”?
    Acho que é entre um tipo de caos ou outro tipo de caos.

    Sabem quem respondeu? Se precisarem de ajuda eu ajudo, malta.

  8. para o manual dos vosso argumentário acéfalo de branqueamento, mistificação e obscurantismo em que se especializou a aspirina beijoqueira, a respeito da história política e económica dos últimos anos, aqui vos deixo mais um argumento que vos será precioso nas próximas análises encomiasticas. Não precisam de agradecer, porque o autor não sou eu mas quem conheçe bem a máquina por dentro. Já que vocês só lêem os flyer’s do governo. Sabem quem é?

    -Sócrates defende-se com a crise internacional…
    A crise internacional passou. A Alemanha está a crescer 4%, os EUA à volta da mesma coisa. Índia, China e Brasil não deram por nada. A economia mundial está em recuperação. O que aconteceu é que alguns países não aguentaram: Irlanda, Grécia e Portugal. Espanha já descolou há mais de um ano. Espanha diferenciou-se de nós porque tomou medidas no início do ano para controlar a despesa pública.
    Esta crise financeira internacional certamente que nos afectaria, mas teve alguns elementos que nos poderiam ser favoráveis. O preço dos bens alimentares caiu, o preço da gasolina desceu, não tínhamos activos tóxicos, o nosso sistema bancário aguentou-se muitíssimo bem em 2009 e não sofremos de uma bolha do imobiliário. Podíamos ter chegado a 2010 e 2011 numa situação melhor que a Espanha.
    -As agências de rating não nos estão a pedir uma tarefa impossível? Diminuir drasticamente o endividamento e ter crescimento económico?
    Em parte isso é verdade. Não tenho dúvidas que o downgrade em dois níveis da S&P em Abril do ano passado foi muito a seguir o mercado. O mercado já não estava a acreditar e a S&P exagerou nessa descida. Mas nós daí para a frente também não demos razões para mostrar que eles estavam errados. A partir daí o problema fundamental para o país é que o sistema bancário ficou impedido de se financiar nos mercados financeiros normais e no mercado interbancário. Ficou exclusivamente pendurado no BCE. A partir daí as vulnerabilidades somaram-se. Temos uma vulnerabilidade de liquidez bancária que foi criada pelo Estado. Enquanto na Irlanda foram os bancos que puseram em causa a sustentabilidade financeira do estado irlandês, em Portugal é o comportamento irresponsável, a política orçamental, que está a pôr em causa a capacidade de actuação dos bancos portugueses.

  9. Ó 285 e Pergunta do Ano, entre a ordinarice de um e o chorrilho de disparates, originais ou citados do outro, hesito no insulto. Como sou uma senhora, importam-se de desamparar a loja?

  10. Lamento imenso esse dano na tua anatomia, ó 285, devias estimar mais o corpo e, de caminho e a avaliar pelos estragos que o teu discurso denuncia, a mente também.

  11. But why ò girl?

    Qual é teu estatuto aqui? Accionista? Proprietária? Odalisca, parece-me …

    Já leste os argumentos e não gostas?

    Sabes ou não quem fala assim?

    E sabes ler para além do missal Xuxa?

    De certeza?

    Lá por seres, como dizes, senhora, isso não te salva de coisa nenhuma porque, pelo que vejo, a tua especialidade é também a ordinarice da defesa da mentira e o disparate da sabujice política ao serviço da PROPAGANDA e do BRANQUEAMENTO.

    Não venhas para aqui com lamechisses das diferenças de género, que não colam.

    Toma uma Aspirina a sério que isso passa …

  12. Ó lambe coiso, Vê lá na net, parece que há quem se queixe de que os senhores do FMI não são nada meigos. E se estás preocupado com o teu esfíncter, não devias estar a pedir por mais…

  13. A Pergunta do Ano e dos Anteriores deve ser feita sem erros ortográficos: não é voçês, mas vocês; não é flyer´s mas flyers, não é lamechisses, mas lamechices. (só para ficar mesmo a pergunta perfeitinha do ano e dos anteriores).

  14. Valupi Penelope e Valter Marques, parabens vossas analises, com VMarques a acertar na mouche…

    ainda hoje, nos meus redemoinhos pela cidade, remorava alguns factos que cita

    Parece que há por aqui uns ruidos de interferencia …
    espero que acabem, por iniciativa propria,
    pois não faz sentido virem aqui insultar as pessoas…

    suponho que terão coisas mais giras para fazerem, pensarem
    entreguem-se a elas,
    gozem os ambientes e as falas onde são felizes

    deixem-nos aqui com nosas reflexões e troca de ideias..

    penso eu de que…

  15. mistura de infantilismo e senilidade é assim qualquer coisa tipo doença bipolar , né ? estamos fritos , pois é disso mesmo que sofre o sócrates. e esta em plena fase de mania. caramba, faltará muito para que lhe dê a depressiva e se feche em casa?

  16. Democracia é respeitar-nos uns aos outros. Se assim é, porquê aceitar comentários cujo objectivo é serem, somente, ofensivos e ordinários?

  17. eu cá não sei , mas posts infantilistas e senis não podem estar à espera de comentários elevados. mas isto sou , que penso que democracia dá para todos os lados. se não desse , mudanças de sexo e tal cartório civil eram impensáveis.

  18. Há alturas em que as pessoas têm de se afastar um pouco do poder porque as pessoas cansam-se com facilidade.
    Neste momento, esta fase do Sócrates faz-me lembrar a fase final do Cavaco como primeiro-ministro: já ninguém o podi aver e ouvir.
    Precisamos todos de um “refresh”.

  19. Visto pelo lado do cansaço é uma hipótese. Mas eu gosto mais de ver pelo da capacidade, a todos os níveis, para governar um País. Mudança ? Claro que sim, mas para melhor. O problema está aqui PARA MELHOR. As alternativas são melhores em quê? (tirando a vista cansada)

  20. Debate quinzenal na A.R.:
    Mais uma vez assisti ao debate quinzenal. O que mais me revoltou foi a falta de educação que ali reina. Quando se discorda não se é obrigado a usar o insulto, usam-no os desprotegidos de carácter que, para tudo só tem essa solução. Aqui na minha terra usa-se o provérbio: o insulto ou agressividade verbal é o recurso dos imbecis. Infelizmente naquela casa de há uns anos a esta parte é o que mais campeia.
    Se a oposição, PSD E CDS, diz que Sócrates é o problema e não a solução porque não votaram favoravelmente a moção de censura do Bloco de Esquerda? Ou porque não apresentam agora uma? Queriam que o Presidente da República demitisse o governo. Isso era a cereja em cima do bolo! Unem-se e corram com Sócrates. Se ele é assim tão mau não tenham medo dele numas próximas eleições.
    Mas nem tudo foi mau e fiquei sensibilizado. Antes das votações, foi guardado um minuto de silêncio a duas personagens sendo uma delas, Raul Brito, filho desta terra, Freamunde. O discurso de Francisco Assis condiz com o passado de Raul Brito. Tive o prazer de o conhecer, nasceu em Freamunde e a sua meninice e juventude foi aqui passada, mais tarde foi viver para o Porto, mas os laços com a sua terra sempre prevaleceram.
    É usual dizer-se que quando se morre era boa pessoa, não é o meu caso. Raul Brito tinha todos os predicados e mais algum, não é por acaso, que o seu nome foi lembrado em várias localidades do distrito do Porto.
    Paz à sua alma. Que esteja em bom lugar.

  21. Então ninguém saca um coelho da cartola ? Eu ajudo. Por exemplo, Passos Coelho é uma alternativa melhor porque……só um momento……estou a pensar……a consultar o meu arquivo histórico……a consultar o site da presidência da república…….Desisto, não encontro nada daqueles lados, só se encontram apelos à ignorância.

  22. o cds é uma alternativa bem melhor para qualquer ser que faça balanço custos / beneficios sem sporting benfica pelo meio. a ideologia morreu , a gente tem de começar a escolher entre aqueles que têm menos pessoas de “confiança política” para colocar e ideias que nos vão menos ao bolso. mas pensam que na frança , pais civilizado , onde o cavaco era apendice ( li por aí) a le pen anda à frente do sarko? lá , os que trabalham e estão fartos de ser xuxaliaxados , fazem contas à vida , só pode.

  23. e há um tipo , o fitoussi , que vos explica o que se passa muito bem. é comprarem o livro : nenhum governo pode governar sem ter em conta o mercado , logo , esquerda e direita já eram . prái uns 15 anos que eram. não sei quando foi editado o “debate tabu “, mas já o li há muitos anos. os tais 15.

  24. Sugestão para um update: PSD-FMI-CDS, dois presidentes-mor e dois paus mandados, desculpem, presidentes partidários.

  25. quando os tipos da cabovisão, ou similar , me ligam , eu digo logo , quando se identificam , que não vale a pena dizerem mais nada , é perderem o seu tempo e o meu : não quero comprar nada. tenho a certeza , nem quero ouvir o que têm para vender. é a mesma coisa que discutir com pessoas que sofrem de clubite e até estão dispostas a comprar arbitros. de aí não sai nada que me sirva. pura perda de tempo.

  26. Compreendo perfeitamente, upss, precisamente o que sinto quando aparece um comento teu, seja sob que nick for (os erros de pontuação e o disparate grosseiro são o elemento comum) . Portanto, a tua solução: o rei da demagogia, Portas.Gostaste do resultado anterior, foi? Não preciso, obrigado (clic).

  27. Portugal está mesmo a precisar de gastar mais uns bons milhões em eleições, festanças, corre-corre, foguetórios, comícios, almoçaradas e jantaradas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.