12 thoughts on “Provavelmente, a tentativa de humor mais asnática de que há registo em Portugal”

  1. O ser humano também é isto. Nunca se conheceram os limites para o tão baixo que pode descer. E justiça seja feita à nossa espécie, também se aplica ao mesmo no que diz respeito a subir. Já esperar subidas no programa em causa… Eu como não vejo… Em contrapartida vejo o eixo do mal. Só para ver se existe algum tema no mundo que os ilustres comentadores admitam por uma vez que seja que não estão habilitados a comentar. Mas muito sinceramente não creio. De qualquer forma esta semana fiquei a saber que a Clara também é expert em saúde e até foi amiga do Arnaut. Lá está quando toca a descer… Já a criatura do inimigo público comemorou o 25 de Abril – já que garantiu que não é muito dado a cravos mas é um grande democrata – com Sócrates. O amor obsessivo tem destas coisas.

  2. Não foi o único. Circulou muita zombaria e achincalhamento com a prisão de um cidadão. É nestes momentos que se mede a temperatura ao estado civilizatório de uma sociedade.

  3. Nunca pensei que este bronco deste RAP fosse tão sabujo, ordinário e despido da decência mínima dum indivíduo que se quer civilizado. Um nojo de pessoa que, a pouco e pouco, vai revelando a sua enorme ausência de carácter.

  4. Provavelmente, a tentativa de humor mais asnática de que há registo em Portugal
    29 ABRIL 2019 ÀS 9:20 POR VALUPI

    Nota. Ai-ai essas dores que vêm de longe, Valulupizinho! A propósito: já têm novidades sobre a performance do Domingos Farinho face ao sôtor Ivo Rosa, hoje?

  5. Está na moda os palhaços ganharem eleições e por cá já deve andar gente a pensar no assunto. Este palhaceiro que, perante os papalvos estilo os que vão rir nas costas ou de frente mal faz um gesto comichoso, ainda tem alguma aceitação pública e, como oportunista que é cada vez mais e mais auto-convencido de sua grandeza ”Intelectual” de embasbacar os basbaques, não espantaria que breve não caia na tentação de ir a jogo.
    O frenesim que o faz ser ‘pensionista’ viciado na TV que quase mais parece um ‘prostituto’ dos microfones bem pagos, não deixam de ser indícios de vontade de visibilidade para fins políticos.
    Além disso é daqueles que vão tão lançados na carreira do gosto pelo aplauso que já não vêem o caminho mas sentem apenas o faro dos objectivos pessoais

  6. Também houve tempo que me deixei impressionar pelo estilo “Madona” , o rei dos estilismo e de o “Ouriquense” o imitador e ainda há muitos a gostarem de brincalhões de jogos de palavras.
    Depois aprendi que aquele estilo brincalhão, sempre mais ou menos o mesmo como no discurso do Presidente de Junta, servia apenas para simular uma crítica “arrazadora” sem fundamentar nada acerca do assunto que se quer criticar.
    O estilismo estudado e usado é o “embrulho” para esconder a incapacidade para desenvolver uma crítica séria.

  7. Asnático? É comovente a tua generosidade, Valupi, mas na verdade o parvalhão não passa de cretino. Asneira é coisa de que nenhum de nós se livra uma vez ou outra, mas é ocasional, pontual. Cretino não é acção, é condição, é coisa gravada na ‘alma’, algo que se é todos os dias, 24 horas em cada, sem folgas nem dias santos. É isso o piadético rançoso: um cretino. Há merceeiros que vendem latas de atum, o merceeiro piadético vende cretinices e idiotices, ou seja, além de cretino, é também idiota.

    Mais idiota ainda quando pouco antes, no mesmo programa, tinha bolçado mais umas idiotices a propósito de uma gaja do Bloco que desejara que o Bolsonaro fosse fazer companhia ao Salazar. Chocava-se o cretino piadético porque isso significava que a garina desejava a morte ao “sólido democrata” brasileiro (Sérgio Moro dixit). Mas que grandessíssima falta de sensibilidade!, implicitava, bufava e indignava-se mui justamente o merceeiro cretino.

  8. Valulupi, olha.

    Tens aí o número do telelé do Domingos Farinho?
    É que hoje é feriado, nem sei de quê devem ser aquelas parvoíces da igreja!, e não conheço ninguém que seja capaz de dizer se o Volver de Carne Y Alma, ou o Red Frog?, estão encerrados.

    Um horror, isto!

    Uma excelente experiência. Além do ambiente magnífico entre a entrada speakeasy e o interior de clube privado londrino, a carta de bebidas é maravilhosa combinando clássicos com novas experiências. Mas as cinco estrelas vão pelo modo como respondem a pedidos fora da carta: o Vesper é um dos melhores que já bebi.

    Ah, e vivó Sócrates!

    #semprecontigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.