Pilas e pilares

Parece que chegou ao fim o caso que opôs Sócrates a João Miguel Tavares, com base no texto José Sócrates, o Cristo da política portuguesa. Ao tempo, e ainda antes de saber da existência do processo, revoltou-me a violência moral do que o João fizera. Aquele registo obscenamente juvenil e ressabiado, apenas para dar nas vistas e brincar aos machos Alfa, era injusto. Vindo da nova geração de cronistas, era triste. Especialmente, estas duas passagens:

o apartamento de luxo comprado a metade do preço

À medida que se sente mais e mais acossado, José Sócrates está a ultrapassar todos os limites. Numa coisa estamos de acordo: ele tem vergonha da democracia portuguesa por ser “terreno propício para as campanhas negras”; eu tenho vergonha da democracia portuguesa por ter à frente dos seus destinos um homem sem o menor respeito por aquilo que são os pilares essenciais de um regime democrático. Como político e como primeiro-ministro, não faltarão qualidades a José Sócrates. Como democrata, percebe-se agora porque gosta tanto de Hugo Chávez.

Na referência à compra do apartamento, reproduzia-se insidiosamente uma notícia que carecia de posteriores informações para sequer se saber da sua verdade objectiva. No entanto, ela aparecia num elenco de suspeitas confirmadas, ao lado de casos já fechados e outro em investigação, enquanto este nem sequer era um caso fora da zona de influência do Zé Manel.

No referência aos predicados democratas de Sócrates, expelia-se uma bisonha e parola comparação com Chávez, misturada com a pior cegueira de não querer ver como a postura do Primeiro-Ministro, até quando nomeou a TVI e o director do Público no Congresso do PS e numa entrevista na RTP, foi sempre de exemplar lealdade para com a democracia. Em todas as ocasiões foi salvaguardada a autoridade da Justiça e das equipas de investigação, tal como foram dadas explicações aos portugueses do que se podia assumir: a inocência. O resto, tinha de esperar – apesar dos pulhas não terem dado uma semana de tréguas nos ataques soezes. Aquele quem não deve, não teme no enfrentar a campanha negra, atitude galharda e rara em Portugal, surgia como deves, porque és temido, no subtexto canino de mais um Tavares assanhado.

Os publicistas podiam acompanhar as suas rábulas com anexos, apêndices ou entradas na Wikipidea. Quais serão os pilares essenciais de um regime democrático segundo a sapiência do plumitivo? Não faço ideia, mas ter depositado nas mãos dos tribunais uma queixa em matérias de honra faz de Sócrates alguém que se dispôs a receber do Estado uma lição de moral. Não estou certo de que o João Miguel Tavares tenha facilidade em perceber quão essencial para a democracia é o carácter de quem assim procede.

32 thoughts on “Pilas e pilares”

  1. Muito bem!

    isto de ficar pelo facil, insinuar coisas, dar de barato outras,

    mesmo que, e quando, contextualizados em tempos em que homens de mão da presidencia se permitem, tb eles, deixar calunias, intrigas, mentiras

    com objectivo denegrir caracteres, disseminar duvidas, criar divisão motivos estereis e falsos

    não pode passar sem denuncia e assumpção de quem é quem…

    abraço e parabens coragem deste post

  2. É por estas e por outras que estamos atrás, por exemplo, da Jamaica no que concerne Liberdade de imprensa…Tivessemos uma imprensa agressiva e queria ver o Sr. Sócrates a justificar as constantes trapalhadas em que está envolvido…..Mas afinal o que é que o Miguel Tavares disse de tão injusto?

    O autor deste blog é apenas mais um lacaio, neste caso do PS, mas podia ser de outro partido, não passam de uns “yes man”.

    Abraço

  3. Convém lembrar que João Miguel Tavares é um assalariado da ICAR, enquanto colunista da revista “Famíia Cristã”.

  4. “O autor deste blog é apenas mais um lacaio (…) não passam de uns yes man” e depois manda um abraço?
    Val, desconfio que andas a ser seguido por uma jibóia…

  5. Leio diariamente o seu blogue. Concordo quase sempre com os seus textos.
    Só um senão: lagartismo!

    Tenho lido muitas críticas aos seus textos chamando-lhe lacaio, yes man, etc, do PS. mas tenho lido muito pouco a rebater com racionalidade as suas posições.

    O tal jornalista é um garoto que, no tempo do Eça, levaria umas bengaladas.

    Insinua, calunia, mas nada prova.
    É a regra de ouro do neo-jornalismo.

    Não esqueçamos que acusam, julgam e condenam, são deuses todo-poderosos.
    Para eles a liberdade de imprensa só tem um sentido.
    Conheço um que diz: ” eu publico a atoarda quem quiser que desminta”.
    É esta a ética e a deontologia da maioria dos jornalistas.

    Deveriam ir para as arenas marginais lutar com os pitbulls das favelas portuguesas.
    Como gostam tanto do sabor a sangue…

    Declaração de interesses:
    Não sou militante do PS, penso pela minha cabeça e só obedeço à minha consciência.
    E à minha mulher! Lá isso obedeço, à minha mulher!
    Ai não, que remédio!

  6. João Miguel Tavares nunca me seduziu como jornalista. Vou ler os seus artigos mais por curiosidade de que por outra coisa, para ver o que tem para dizer de José Sócrates – faz-me lembrar os fanáticos pelo futebol que esperam pelo domingo, para descascar no treinador, se não neste, nos jogadores e se estes se portaram mais ou menos, vão para os directores ou para a pessoa que teve a infelicidade de estar próximo dele – é o que este senhor faz aos domingos para publicar na segunda-feira. Sempre foi assim e assim será enquanto os directores de jornais a isso se prestarem, depois admiram-se que daqui a quinze anos já não existam jornais em papel – costuma-se dizer, quem bem faz a cama nela se deita.
    Sobre a descida no ranking mundial segundo li hoje na imprensa que se deve ao facto de em Portugal, para se criar uma rádio ou jornal ser preciso uma licença. Não pelo facto da tal asfixia democrática, nunca em Portugal vi tanta liberdade de expressão, o que vejo é uma falta de educação a toda a prova feita por pessoas que há falta de outra matéria, vão para o insulto, calúnia e para a vida privada de cada um. Quem foi o 1º. Ministro que se prontificou de todos os meses ir à Assembleia da República prestar provas aos deputados. Foi Durão Barroso ou Santana Lopes? É claro que não.
    Queria que ao caluniar não lhe respondesse ou, esperava um par de capões agora pelo Natal, que a minha terra é fértil pela feira de S. Luzia? Claro que não o senhor é bastante sério para receber prendas. Mas se for como diz que Sócrates é não se acanhe, mande-me a sua direcção.
    Vou finalizar com uma frase de Mário Soares que sempre achei o máximo: temos de viver com aquilo que temos.

  7. Sabendo de antemão que os jornalistas em Portugal são considerados inimputaveis pela justiça maior valor simbolico tem o acto.

    Acho que o titulo (Pilas e Pilares) fazia mais sentido nos posts dedicados ao Saramago :)

  8. Falou-me um amigo ex-jornalista sobre o mecanismo muito praticado para criar notícias quando estas não abundam e se torna difícil vender o papel do jornal ou o tempo de antena.

    Desafio: é preciso animar o espaço noticioso
    Solução: com base em rumores ou simulacros de rumores ou ainda com base em coisa nenhuma, sonda-se um visado – a “vítima” da notícia, no sentido de saber se confirma que “…(espaço para incluir o rumor )”.

    O visado fica todo indignado (ou não) e não confirma.

    A notícia sai, estrondosa: ” Fulano de tal desmente que tenha (espaço para o rumor que passou a facto não assumido e desmentido pelo visado)”.

    A partir daqui está criado o facto jornalístico. Porque se desmente, algo tem a esconder.Porque onde há fumo, há fogo, etc. Todos os outros órgãos querem acompanhar a polémica e propaga-se a coisa…

  9. Mais uma da justiça portuguesa em que todos dizem confiar.
    O Daniel Olivira é condenado por um juiz por ter chamado palhaço ao Alberto João Jardim, esse expoente da contenção, discrição e respeito pelos outros.

    Um badameco que quer dar nas vistas metendo a Ciciolina ao barulho AFIRMA que Sócrates foi desonesto e corrupto, baseado apenas em rumores e diz-que-disse e os iluminados juízes acham que estamos apenas no terreno das opiniões políticas salutares.

    Que não restem dúvidas que é esta corja de juizes incompetentes e/ou prepotentes que mandam efectivamente no país.

  10. Minhas sras e meus srs.,

    foi público, por ex., que o referido apartamento foi, sem explicação plausível, adquirido a um preço substancialmente inferior às fracções similares do mesmo edifício.

    Foi tmb público, que o apartamento teria sido adquirido pela mãe do “nosso 1º”, pese emboras, a mesma sra. declare rendimentos mensais de 250 €… (se a sra fosse taxista na Suiça mereceria mais desconfiança?)

    Associado, a tudo o q se conhece do “nosso 1º”, gostaria de saber porque há-de ele ser contemplado com um tratamento diferente (benevolente) de Valentins, Isaltinos, etc..

    Os partidos, ou os n/ políticos, não serão com certeza os depositários adequados da V/ fé.

    Cumprimentos,

  11. Vap,

    segundo o Público, os rendimentos da senhora eram superiores a 3.000 euros…
    Muitas fracções do prédio foram vendidas ao mesmo preço (baixo) porque a empresa proprietária era offshore

    P.S. O Vap acha que o o “nosso 1º” tem sido objecto da “benevolência” dos media???
    Desculpe, onde viveu nos últimos anos?

  12. Já devia estar habituado aos “João Miguel Tavares” desta terra, mas por muito que tente não consigo.A desonestidade intelectual e política de alguns ditos “jornalistas” causa-me vómitos e um grande asco.É tal esse asco que nem consigo dizer o nome de muitos dêles. Foi para isto que se fez o 25 de Abril? Antes, no tempo da “outra senhora” sabíamos quem eram os verdadeiros e os vendidos.Os vendidos de agora são-no a entidades muito mais difusas e dificeis de identificar, como empresas que possuem jornais sob fachadas respeitáveis, grupos de comunicação social de hombridade duvidosa,entidades políticas(partidos) inidentificáveis,directamente em relação com o escrevinhador de serviço.É fácil destruir a honra de alguem ,tem sido fácil caluniar impunemente sem sofre as consequencias da desonestidade. Esperemos que isso venha a mudar pois a vontade que tenho é de ser eu a mudar de terra.

  13. Caro Edie,

    Relativamente ao Público:
    “A mãe do primeiro-ministro José Sócrates, Maria Adelaide Carvalho Monteiro, comprou o apartamento onde reside na Rua Braamcamp, no centro de Lisboa, a uma sociedade “offshore” com sede nas ilhas Virgens Britânicas, e pagou-o a pronto num ano em que declarou menos de 250 euros de rendimentos, noticia hoje o jornal diário “Correio da Manhã”, que investigou o património da família do primeiro-ministro.”
    http://www.publico.clix.pt/Sociedade/mae-de-socrates-comprou-a-pronto-apartamento-a-offshore-e-declarou-menos-de-250-euros_1358263

    Relativamente ao argumento “porque a empresa proprietária era offshore”, não percebi…as offshores serão uma espécie de “outlet” imobiliário?

    ver aqui: http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Politica/Interior.aspx?content_id=126652

    E sobre a questão relativa à “benevolência”, mantenho o que disse. Não vejo nos media as atitudes de “defesa da honra” de srs como o Isaltino, Valentim, etc…

    Para além de n episódios reveladores do seu carácter desonesto : 150.000 empregos (não é ter feito a promessa, mas ter o descaramento de dizer que a cumpriu…), o processo da licenciatura, o suposto “desconhecimento” dos planos da PT para comprar a TVI, o processo de adjudicação do sistema da recolha e tratamento de resíduos do Planalto Beirão: http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/cova-da-beira-central-de-compostagem-socrates-jose-socrates-antonio-jose-morais/1061750-4071.html
    (prepositadamente não referi o freeport)

    Aqui encontrará uma compilação interessante: http://classepolitica.blogspot.com/2009/01/socrates-o-ministerio-publico-e-este.html

    Cumprimentos.

  14. E o vap sabe se a senhora tinha ou não património para poder pagar o apartamento? Sabe se o JS está a pagar 1 empréstimo para o dito? Está concretamente a afirmar algo? Afirme de uma vez por todas e não lance a calúnia e a suspeita sem nada concretizar?
    E cuidado com o que lê no Público, nunca se sabe se não é uma noticia encomendada por terceiros ou por orgãos de soberania com objectivos políticos. Não seria a primeira!

    Quanto ao restante argumentário é de uma pobreza e desonestidade intelectual tal que fico na a dúvida se você não será o “pobre pacheco”, mas com a certeza que embarcou na tese imbecil da asfixia democrática!

    De facto o Sócrates é o melhor e mais determinado político q temos. Fossem todos os outros como ele e poderiamos ter a certeza que o futuro seria melhor, mais risonho e o interesse público seria melhor protegido! Mas infelizmente temos Joãos Migueis Tavares a mais e Josés Sócrates a menos!

  15. Vap,

    As offshore vendem mais barato porque não pagam impostos. Mas vendem mais barato a todos, não foi só à mãe do Sócrates.

    Não que seja útil para a nossa apreciação do valor do Sócrates enquanto governante saber quanto pagou a mãe pelo apartamento, depois de ter vendido um outro em Cascais…

    O JS pediu, segundo o mesmo jornal, empréstimo para pagar a sua casa, mas duvido que isto sirva de atenuante para toda esta perversidade de que é culpado…

    E já que parece que o José Sócrates foi a maior calamidade que podia ter acontecido a este país, lanço uma pergunta: qual foi o melhor 1º ministro que Portugal teve durante esta sua democracia de 35 anos?

  16. Toda a gente é livre de gostar ou de detestar Sócrates, como estes Vaps que por aí pululam. O que não é admissível é que expressem as suas opiniões omitindo desonestamente certos aspectos ou revelando o seu desconhecimento. Se não conhecem bem a história, informem-se antes de emitir opiniões. Se a conhecem, respeitem (toda) a verdade dos factos e não tentem fazer dos outros idiotas.

    FACTO: Sócrates comprou o apartamento ao mesmo preço que os outros inqulinos que compraram nesse ano. Mais barato que um outro que tinha comprado anos antes.

    FALÀCIA OFENSIVA (JMT): Sócrates comprou o apartamento por metade do preço.

    VAP:
    Já ouviu falar numa coisa chamada mercado m? E que o preço dos bens varia ?

  17. Edie,
    Não acho que Sócrates tenha sido o pior, mas “alinho” com o resultado desta sondagem:
    http://www.destak.pt/artigo/40844

    Não questiono, por ex., que Sócrates seja o mais humilde:
    http://www.correiomanha.pt/noticia.aspx?contentid=F911822B-A4BA-4307-90A7-7F478F27EA99&channelid=00000090-0000-0000-0000-000000000090

    E, já agora que se fala de humildade, ser comparado a Pacheco Pereira é para mim um elogio. Concorde-se ou discorde-se dele, tem a “sua” opinião (quer se trate do partido dele, quer do adversários). Apresenta argumentos em vez de chavões, não se limita a reproduzir a “voz do dono”, como infelizmente se vê abundantemente por cá (e não estou a falar só do PS, está entranhado do adn português).

    Boa noite,
    vap

  18. Sim Edie,

    Mais concretamente “o” Cavaco Silva entre 1987 e 1991. Pelo facto de ter sido o período onde efectivamnente se fizeram reformas neste país…

  19. :-) E já agora que reformas foram essas? Segurança social? Justiça? Energética? Função pública? Educativa? Elucide por favor! É q só vislumbro uma, os novos códigos fiscais!
    É um comediante este vap!

  20. Nuno,

    Não nos precipitemos: a profundidade e alcance das reformas do Prf. Silva são de tal ordem que só serão observáveis daqui a algumas décadas.

  21. Nuno, de facto o seu comentário fez-me reflectir melhor e se esquecer:

    – o início dos investimentos em obras públicas e infra-estruturas (o acesso generalizado ao ensino superior só foi possível com os investimentos iniciados então, infra-estruturas na área da Saúde, recordo que na altura nem a A1 existia);
    – abertura à iniciativa privada de vários sectores da economia energia, comunicações, área financeira, a banca (na altura, todas estas instituições eram públicas só depois de Cavaco tivemos o 1º banco privado);
    – a liberalização comunicação social, que possibilitou a abertura de canais de televisão privada (para além das alterações em outros órgãos de informação como jornais, rádios, etc.);
    – relativamente à alteração dos códigos fiscais, recordo que a reforma fiscal então implementada é a que estabeleceu o modelo que hoje existe (criação do IRS e IRC, por ex.) e substituiu o “pântano” até aí existente (basta recordar que, por ex., os funcionários públicos estavam isentos de tributação sobre rendimento);

    Isto foi o que me ocorreu assim de repente. Cada um analisará o “antes” e o “depois” dos 1ºs ministros e concluirá da importância das medidas de cada um.

    Comédia será talvez vir falar do Magalhães…

    Como já disse antes, os últimos anos de Cavaco Silva foram bem diferentes. No entanto, aí seria interessante analisar como evoluiram as suas relações com o partido e o início do “sequestro” dos partidos (PS e PSD) pelo aparelho do estado.

    Cumprimentos,

  22. A ver se percebi. 1987-91 foi “o período em que efectivamente se fizeram reformas neste país”, a saber:

    – código fiscal
    – auto-estradas
    – privatização de parte da economia

    Concordo. Embora o modelo baldo-liberal instituído não nos tenha trazido grandes proveitos, antes uma danada duma crise que não há meio de resolver.

    Mas para um período que foi o único a reformar a sociedade portuguesa, parece-me pouco.

  23. Caro Edie,

    Como referi antes “Cada um analisará o “antes” e o “depois” dos 1ºs ministros e concluirá da importância das medidas de cada um.” O meu objectivo não é “evangelizar” alguém…

    Mas gostava de ver aqui os argumentos que suportam a conclusão de que Sócrates é o melhor 1º ministro. Isto é, medidas concretas e os seus efeitos por contraposição com os que apresentei para sustentar a minha opinião.

    Não raras vezes, mudei de opinião relativamente a pontos de vista que tinha sobre diversos assuntos. É aliás uma “qualidade” que faço questão de manter – pensar pela minha própria cabeça.

    Sobre o “modelo baldo-liberal” instituido e a sua herança, recordo que é o PS quem governa desde 1995 (è excepção de um período de 2,5 anos). Assim, afirmar que a culpa da crise é do Cavaco, poderia levar-nos a concluir que D. Afonso Henriques tmb terá a sua dose de culpa :)

    Cumprimentos,

  24. Vap,

    São várias as medidas concretas que lhe posso apontar da governação Sócrates. São tantas que as vou indicar em doses suaves, até por escassez de tempo:

    Por exemplo, o facto de Portugal estar a ganhar terreno nas energias alternativas/renováveis, tornando-se líder europeu nalgumas delas. Consequências: menor dependência das oscilações económicas e crises associadas ao jogo petrolífero; desenvolvimento de novas áreas produtivas/tecnológicas e benefícios ambientais. Portugal tem neste momento a maior central de produção de energia solar da Europa e um dos maiores investimentos em energia eólica, para mencionar as que estão em estado mais avançado de desenvolvimento.

    Por exemplo, o arranque da refgorma do Serviço Nacional de Saúde, reforma do sistema de cuidados de saúde, passando pela reformulação da rede hospitalar e a criação da Rede de Cuidados Continuados, destinada a doentes sós ou idosos que não podem permanecer nos hospitais nem em casa. São para já 170 unidades que albergaram dezenas de milhar de pessoas. esta rede continua a crescer. Com a optimização da utilização dos recursos técnicos de saúde e com a construção e modernização de hospitais, com a redução para menos de metade dos tempos de espera para cirurgias e afins, e… e…

    (Continuação em próximos capítulos).

  25. Caro Vap,

    Ainda andas por aí? Não me esqueci do teu pedido. Peço compreensão para a enormidade da tarefa, como compreenderás. O próprio Cavaco se queixou ou vangloriou de já ter aprovado mil setecentos e noventa e tal diplomas.

    Por isso, hoje deixo mais umas dicas sobre as tais medidas concretas e espero que me deixes algum feedback sobre o que tenho dito para sustentar o argumento, como eu fiz com os teus.

    Ora vamos a isto:

    – Modernização tecnológica do sistema de ensino: todas as escolas ligadas à internet em fibra óptica; em 2005 havia 1 computador para 14 alunos, em 2009, é um computador para cada 4 alunos. Foram introduzidos 7.613 quadros interactivos nas salas de aula (um por cada 3 salas) e um videoprojector por cada sala de aula.

    – Programa Simplex: 600 medidas desburocratização e modernização da administração pública, com taxa de execução de 80% (exemplo: proliferação e melhoria dos serviçospúblicos on line); racionalização de serviços de administração em rede (175 milhões de investimento) integração informática entre os serviços dos vários ministérios.

    Portugal é classificado pelo Banco Mundial no top 10 mundial do ranking “Top Reformer” administrativo/comercial. Por curiosidade, Espanha está no 62º lugar e itália no 78º.

    E pronto, a não ser que me digas para parar, para a próxima levas com o Plano Tecnológico, matéria em que detenho informação mais vasta e directa.

    P.S. 1 – Faço notar que estas pontinhas de iceberg que tenho enunciado são conseguidas em tempos de vacas escanzeladas, enquanto que o grande 1º que foi Cavaco teve a sorte de ter o período de vacas mais gordas de que há memória de há décadas para cá.

    P.S.2 – É “Cara Edie”. Pois, sou menina. E já agora, permite-me celebrar: Mulheres ao Poder!

  26. Boa noite Edie…

    Estive a passar o fim-de-semana em terras dos 62º do ranking…a sério, acreditas mesmo que em termos de organização administrativa / burocracia estamos assim tão bem?

    (sou pai e, embora divorciado, acompanho de perto todos os aspectos da vida dos meus filhos. Ainda na semana passada perguntei ao Diogo q está no 2º ano: “Já usaste o Magalães na aula?”, resposta “Papá, a Sofia, a Bia, o Pedro, ..etc…ainda não têm, por isso ainda não podemos”…entendes?)

    Não questiono os avanços em termos tecnológicos e informáticos que referiste, mas fala com qq professor e ele dir-te-à se vê mais ou menos burocracia nas escolas (é aliás o principal motivo da “revolta” dos professores)…

    Respeito a tua opinião, mas não vejo que as medidas que enunciaste, embora reconheça que são positivas, tenham o impacto das que referi, pois essas mudaram a sociedade em que vivíamos (po ex., se disssesses que as mm foram, em parte, impostas pela Uniâo Europeia, seria um bom argumento :))

    Numa coisas estamos de acordo, gostava de ver as mulheres no poder…

    Boa semana Edie,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.