Pessimista

Após dois programas do “Otimista”, já é possível concluir que a coisa não passará daquilo. E para aquilo há uma palavra cuja etimologia se perde nas brumas de antanho: chachada. É um programa não só feito em cima do joelho, de escrita e realização básicas, como ostenta uma indiferença para com a audiência que chega a ser a única caraterística a merecer elogio. Quem pensou o projecto está-se realmente a marimbar para o gosto dos espectadores, tão intragável é a forma do produto.

Não se trata apenas, nem principalmente, de Costa exibir uma confrangedora falta de jeito para o papel de apresentador televisivo. A única lógica de vermos um primeiro-ministro tornar-se num arremedo de jornalista em menos de 3 meses tem de transcender a racionalidade funcional. Ostensivamente, estão-nos a mostrar o esqueleto de um negócio a que falta tudo o resto, cérebro e pudor. A uma das partes dava um jeitão poder agitar a bandeira António Costa para o lançamento de um canal TV. A outra parte precisa de dinheiro, como toda a gente, mas também de um veículo publicitário para a sua marca. Foi isso que Costa obteve, bom dinheiro e o que ele achou que seria uma excelente operação de relações públicas: ter uma série de vídeos onde se pode vingar daqueles que disseram não ter deixado qualquer obra em 8 anos de governação.

Ora, de certeza que a SIC e a TVI/CNN, até a RTP, lhe dariam o mesmo tipo de plataforma onde se pudesse passear a dizer banalidades em governês. Por que caralho teria de ir para a Cofina? A resposta mais provável poderá ser apenas aritmética, por haver muito dinheiro a ganhar com os donos do esgoto a céu aberto. Mas também pode ter contado a vaidade, sentindo-se mais importante por integrar a estreia do NEWS NOW com estatuto de super vedeta. É que Costa não perde o sono por estar a ajudar a Cofina a ser Cofina, metendo ao bolso parte dos lucros que vêm do sensacionalismo, das campanhas negras, dos assassinatos de carácter, das perseguições políticas, do populismo mediático e de retintos crimes — na quase totalidade dos casos, contra pessoas do seu partido, amigos e camaradas, até familiares. Já o fez antes, quando era presidente da câmara de Lisboa, e ao tempo ninguém tugiu nem mugiu no PS e arredores.

A sua decisão de apoiar criminosos, oferecendo-lhes o seu currículo e reputação para usufruto comercial, tem um inevitável impacto ético e político. Por um lado, dado ele ter sido um dos melhores primeiros-ministros na dimensão da responsabilidade para com a comunidade, trai e desonra o seu passado de estadista e de líder do mais importante partido democrático em Portugal. Por outro lado, visto não mostrar qualquer embaraço ou dúvida acerca do que está em causa, espalha um sentimento de desconfiança e descrença nos representantes políticos que julgávamos estarem no bastião da defesa do Estado de direito, da democracia, da decência e da liberdade.

Quando um cidadão qualquer é alvo de difamações e calúnias, sendo o dano ainda maior por se usarem as páginas e ecrãs do mais poderoso grupo de comunicação social português, há graves consequências para a sua vida. Pode perder dinheiro, pode perder o bom-nome, pode perder a saúde, e perde fatalmente liberdade. Ver Costa, de novo, ao serviço desses pulhas deixa um gajo profundamente triste e pessimista.

12 thoughts on “Pessimista”

  1. Pelo menos arranjou um emprego para ter dinheiro e outras coisas que supostamente quer… há quem peça emprestadado a amigos , ou supostamente o tenha surrupiado em manobras de corrupção, para ter vidas luxo .
    Dois parolos, mas um acha que dissimula.

  2. Nem otimista nem pessimista, apenas realista. Não se pode deixar de lutar pelos amanhãs que cantam, isto é, o dinheiro.

  3. agora fiquei mesmo triste, fogo, que vergonha, quando as pessoas que admiramos se vendem assim. no entanto, contudo, porém, não obstante, todavia, ademais, Costa poderá estar a pensar que pode vender-se por uma causa nobre: começar a usar o programa para limpar coisas. pode ser que seja assim, prefiro ser, continuar a ser, optimista. ou uma optimista trenga, vá.

  4. Nem tinha ouvido falar do programa. É bom sinal.

    E no entanto não há qualquer espanto: é apenas a trajectória comum dos ‘líderes de esquerda’, leia-se pastores da carneirada centro-esquerda, que mamam na pulhítica para depois mamarem muito, muito mais quando saem do poleiro. Basta ver Blair e Obama, ainda vacas sagradas de muito volupi.

    O Bosta, sendo tuga e semianalfabeto, não pode aspirar a tanto: até chegar o mega-tacho europeu restam-lhe estes biscates de comentadeiro no canal que pagar mais. O bónus, claro, é a visibilidade que a TV ainda dá e que sempre pode abrir novas portas e sinecuras.

    A maior risota é o quadro pintado neste post: “oferecendo-lhes o seu currículo e reputação”, “o seu passado de estadista” e outras larachas. A única reputação de tal chuleco, capo da maior máfia do país, é a de passar entre os pingos da chuva. Muito graças aos volupis.

  5. O Costa quer ir para a óropa e para isso precisa do apoio do governo ou pelo menos que este não o desapoie.
    Como tal neste intermezzo não iria fazer ondas ou entrar em confronto com os direitolas AD, sendo que ainda assim alguns tentaram tirar-lhe o tapete.
    Posto isto gravou alguns programas insípidos e incolores, de consenso generalizado, assim uma espécie de discurso de Miss Universo, para preencher o tempo até que a questão da óropa fique resolvida.
    Tratou daquilo que lhe pareceu mais importante e tem todo o direito de o fazer.
    Contudo esta escolha tem custos e estou em crer que Costa perdeu muito capital político.
    Que faça boa viagem!

  6. Mas perdeu capital político, se é que o tem, para quem? Para a meia dúzia de gajos apaixonados pelo animal feroz que estão ligados pelo costa ir trabalhar para um meio que supostamente montou uma armadilha ao bicho e o caçou? Bem me parecia

  7. Aliás, vai arranjar capital político na patolada , da Europa pro presidência da república é um saltinho de comentadeiro.

  8. ó pá , não é que o costa vai ter o percurso que era do zezito por direito ? malandro.

    este post é inveja pura . e ciúme.

  9. Governo desmente candidatura de Durão Barroso à Comissão Europeia

    “O primeiro-ministro não é candidato e o Governo português apoia a candidatura de António Vitorino à presidência da Comissão Europeia”, sublinhou a mesma fonte, numa reacção a declarações do presidente do PPE, sobre uma eventual entrada de Durão Barroso na corrida para chefiar o executivo comunitário.

    https://www.publico.pt/2004/06/16/mundo/noticia/governo-desmente-candidatura-de-durao-barroso-a-comissao-europeia-1196799

  10. Nunca vi o programa e não penso ver tudo o que
    é Cofina é igual a estrumeira requintada, TBI Palermo ou Shic idem aspas, aspas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *