Peripateta

Santana tinha a certeza de ir perder. Se calhar, por muitos votos. Na sua criatividade, descobriu uma forma de anular o dramatismo e dissipar a angústia: saturar as televisões com a sua presença. Começou logo com a originalidade de assistir em público ao anúncio das primeiras sondagens após o fecho das urnas. Continuou com o adiamento do discurso de derrota. E teve um golpe de génio nas saídas à rua, andando feito louco de um lado para o outro entre dois prédios, como se ainda não tivessem inventado o telefone e ele tivesse sido abandonado pela equipa da candidatura.

Um repórter da SIC quis consagrar a genialidade do momento com uma pergunta bem canalizada, perguntou-lhe se as constantes andanças se deviam à necessidade de ir à casa de banho. Cheirava-lhe a candidato borrado?

One thought on “Peripateta”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.