Perguntas simples

Em que parte da Constituição ficou descrito o que pode e deve fazer-se quando é o próprio Presidente da República a não assegurar o regular funcionamento das instituições democráticas?

17 thoughts on “Perguntas simples”

  1. Boa pergunta Val. Contudo, o que a mudez de Belém indica é que o PR foi mais rápido a demitir-se que o governo.

  2. Não sei o que deve fazer-se nem o que lá está escrito. O que sei é que há nesta democracia dois titulares de cargos públicos ao mais alto nivel que, na prática, são considerados inimputáveis: Cavaco Silva e João Jardim. Podem dizer e fazer o que bem lhes apetecer que ninguém faz reparo e ninguém investiga. Um presidente da republica que se negou a apresentar os contratos dos negócios sobre os quais foi questionado e quem devia falar e investigar, se cala por medo ou reverencia (lembram- se do famoso “contratos zero?!) está livre para agir com total impunidade e fazer discursos selvagens contra o governo legitimo, como o da tomada de posse.
    Ficará para a história o retrato maldoso e mentiroso que fez de uma década de governação -uma década perdida, disse ele- esquecendo tudo o que de bom se fez, como se o País pudesse ser reduzido ao seu défice. Não tem perdão este “mísero professor” de economia quando esquece deliberada e afrontosamente, como reles e rasteiro politico, que esse mesmo defice estava em pouco mais de 2% antes da crise estoirar por esse mundo fora, sendo nós apanhados pelo tsunam que se lhe seguiui.
    Meu caro Valupi, para mim isto foi demais. Não acredito no homem que foi reeleito PR. Felizmente que são apenas cinco anos de mandato, numa História que já leva oitocentos e os portugueses já viram “disto” muitas vezes. Apesar de tudo, cá estamos.

  3. O que é que diz a Isabel?
    Eu cá acho que devíamos convocar uma manifestação da geração inteligente ou desenrascada, pedindo a demissão do prevaricador, fornecendo assim amplos argumentos à oposição a Cavaco para dizer que tem suficiente base social de apoio para arrastar o gajo de Belém para Boliqueime de onde nunca devia ter saído.

  4. Cavaco não é solução, é parte do problema: em 9 de Março mostrou-se como um elemento de facção, afunilando a sua posição em vez de se (tentar ao menos) assumir como PRTP*.
    Não tem agora condições para uma acção mediadora e credível.
    ________
    *Presidente de todos os Portugueses

  5. Essa é quase da dimensão da “verdade inconveniente”.
    No que aos dislates do homem respeita, se não somos nós a tratar da natureza, ela encarrega-se de resolver os problemas.
    Os eleitores elegeram Cavaco Silva naquela onda: mais Co2 para a atmosfera não há-de fazer tão mal como uma “salsicha” sem selo de garantia, ou um vate secular com prazo de validade ultrapassado.
    A poluição que está a provocar o “malcheiroso” da travessa do Possolo ainda nos vai sair muito caro, mas é a democracia.
    O povo votou, o povo falou, está feito, está dito.
    Quem sobreviver a esta ópera bufa, a esta tragédia, verá.
    J. Albergaria

  6. Quando o poder caíu na rua no largo do carmo, ninguem o foi levantar do chão.

    Dizia-se que isto ia tudo pró galheiro, mas não se pensava que duraria tanto tempo a ruir.

  7. Portanto a culpa desta situação é do Cavaco… Os calimeros continuam, coitadinhos, as vitimas, afinal só querem o bem da nação. O grande pecado do Cavaco foi ter permitido a esta espécie de PM formar governo. Quanto a este PEC (4º em menos de 1 anos, o que demonstra a grande credibilidade deste Governo) o que é que ele deveria ter feito? Obrigar o Passos a passar mais um cheque em branco? Ainda mais que ele nem sabia da existência de mais um PEC. Não me venham com tretas, o calimero do Sócrates planeou isto muito bem, cagando, mais uma vez, para os portugueses e tentando salvar o coiro.

  8. É, Adolfo Dias, o que Sócrates deveria ter feito era cortes draconianos logo que se cheirou a crise. É que, sabes, esses cortes que tanto desejas têm um efeito colateral curioso: dão cabo da economia e do crescimento e provocam sofrimento na população, pelo que a opção mais avisada é ir fazendo o menos possível para conseguir o efeito desejado, e só em caso de necessidade é que se vai cortando mais. Para ver se o paciente não morre nem da doença nem da cura. Percebes agora a sucessão de PEC’s, ou queres um desenho?

  9. Ó Vega, o que ele deveria ter feito era ter contado a verdade, era não ter aumentado os FP em ano de eleições, criando uma ilusão de que está tudo bem. Assim o paciente vai continuando em coma, sem reacção nem perspectiva de melhoras, apenas a ilusão o vai mantendo vivo, mas sem viver. Entendes ou queres um desenho? Pode ser em 3D se quiseres …

  10. ahahah, achas mesmo que os mercados nos estão a estrangular porque os FP tiveram aumentos?

    Ah, e que verdade é que te faltou? Já percebi, és um adepto da governação apocalíptica, um daqueles que teve de mudar a roupa interior quando Durão Barroso declarou que “o país está de tanga”, tanta a satisfação, apesar de ser – e nota o uso correcto da expressão – mentira.
    Logo, para ti, um responsável da governação deve ser uma pessoa que proclama aos ventos que isto está muito mau. Dispensas optimismos, porque para ti, que te fias pelos vistos na interpretação à letra do que os governantes dizem, isso cria “uma ilusão de que está tudo bem”. Ignoras os efeitos na economia e na sociedade que declarações permanentes de crise têm. Puxar pelas pessoas, pela economia, pelo país, não é contigo, preferes baixar os braços e aceitar a sorte madrasta.
    Deixaste-te iludir, não percebeste o que estava em causa, a origem da crise, os passos para sair dela, e agora culpas os outros pela tua falta de entendimento.

    Mas os outros, aqueles que não estão no governo e gostavam de estar, esses proclamam que está tudo mal, que não nos vamos safar, que não vamos conseguir, que é escusado, que o governo mente, que Sócrates é um mentiroso. Esses sim, dizem a verdade. Porque é que haviam de mentir, não é?

    Desenhos 3D não tenho. Terás que te governar com este.

  11. Não, não acho, esse foi apenas um sinal, um sinal que não haveria necessidade de sacrificios e por isso os responsáveis ou foram incompetentes ou foram mentirosos, escolhe. Não é preciso ser apocaliptico para ser realista, nem é preciso ser ilusionista para ser optimista.

    O resto que falas são apenas delirios ilusórios não de um optimista mas de alguém que anda iludido ou então alguém que só vê uma cor, o rosa….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.