12 thoughts on “Perguntas simples”

  1. Claro que vai estar e durar. Acaso este país já saiu da austeridade em que o lançou Passos Coelho e Gaspar?
    No governo anterior, se algumas medidas foram tomadas para amenizar a enorme austeridade que vinha de trás, foi por força e pressão dos parceiros da geringonça. Por isso a indisfarçável avidez com que o Costa se quis ver livre deles. Por ele e muitos outros do seu governo (não todos, faço essa justiça), creio que nenhum alivio teria sido introduzido. Agora sim, está de mãos livres para governar de acordo com os seus estados de alma, sem ter que dar contas a ninguém. Só que talvez se lixe e, daqui a 4 anos, tenha que sair pela porta pequena. Mal empregada, a aposta que nele fiz em 2014. Em desespero, agarramo-nos a qualquer coisa.

  2. O país está como e onde está, por desejo da Europa. Uma espécie de país de segunda ou terceira classe. E daquí não saímos .
    As baias impostas pela troika impedem qualquer mudança .
    Talvez um portuguexit seja a única solução.
    Para os que dizem que viria aí o caos, como está o país, sem qualquer esperança, então é melhor arriscar e se fôr caso disso, estourar, do que continuar a ser escravos dos estrangeiros.

    Costa, ainda no tempo da geringonça, tinha dito que queria tirar a cobrança da Contribuição Audio-Visual, da factura da EDP .
    Não o conseguiu. De imediato, os lacaios locais dos chineses, disseram que se opunham .
    O cabrão do Mexia, tem 4000 de dividendos na carteira, (numero de mortes extra por mês no período de inverno, de pessoa que não conseguem aquecer a casa ) .
    Surpreendentemente, Costa, surgiu a fazer de lobista dos chineses, contra os avisos de Macron a Merkel .
    Mais recentemente, reuniu com Bibi, e falaram sobre água. Desde Jorge Coelho ( indaqua ) que receio que o PS venha a privatizar a água .
    Se se tiver em atenção que Israel tem um gravíssimo problema de falta de água, e que uma milionária israelita comprou várias empresas de águas no norte do país ( vendidas pela indaqua ) receio bem que, após a venda do bem essencial electricidade ao Partido Comunista Chinês, se siga a venda da água à Judónia .
    Este Costa, decepcionou-me …

  3. Imposto Passos Coelho?
    Recordo que este imposto foi lançado para fazer face ao descontrolo das contas públicas em que o governo do Sócrates deixou o País.
    E há muitos países na Europa que também têm este imposto, não é só Portugal.
    E parece-me evidente que este imposto veio para ficar. Nenhum governo vai querer perder esta receita. Muito menos o de Costa, cujo orçamento do Estado para 2020 traz mais despesa que tem de ser financiada por mais impostos. Estamos tramados pois, ao contrário do que disse o Centeno, a carga fiscal vai mesmo aumentar.
    O que se passa é característico de governos de esquerda, que adoram esmifrar a classe média, média-baixa. As classes mais desfavorecidas até podem ter ligeira melhorias, mas tudo à custa da classe média, média-baixa que continuarão a ser esmifradas, ano após ano. Ao nivelar por baixo o governo do Costa vai deixar o país mais pobre. Por este andar, num futuro próximo, a esmagadora maioria de nós será pobre. Triste destino. Safar-se-ão os ricos e os que estiveram junto do poder que distribuirá os “tachos” bem remunerados pelos amigos e familiares.
    Com um nível d poupança tão baixo Portugal não tem recursos nacionais para investimento. O investimento, se é que haverá, será externo fazendo com que a economia esteja cada vez mais na mão de estrangeiros. Os ganhos que estes tiveram serão transferidos para o exterior. Curiosamente, ou talvez não, só vejo a falarem do crescimento do PIB. Esquecem-se do rendimento nacional bruto que mede o resultado da economia que fica nas mãos agentes nacionais.
    Nos últimos anos o crescimento do PNB tem vindo a situar-se sistematicamente abaixo do crescimento do PIB. Não é de admirar, pois têm vindo a ser pagos cada vez mais lucros e juros aos capitais que têm financiado a nossa economia – e que não são propriedade de agentes nacionais (sendo, por isso, enviados para fora, como já referi).

  4. Eu mesmo , pode escrever na pedra o que está a dizer : é tão evidente que até dói. Portugal será um país de velhos e completamente falido , sem diversidade de agentes económicos e tudo controlado por meia dúzia de multinacionais.

  5. … em que o Governo de Sócrates deixou o país…
    Esta tropa não terá olhos para ver o que o Governo de Sócrates deixou no País ?
    Eu sei,é demasiada subtileza ,para muitas cabeças!

  6. Eu mesmo, não percebeste o mínimo do que está em causa. Não se trata de nenhum imposto, e não tem qualquer importância para as contas públicas, apenas retira mais dinheiro ao Zé Povinho que o gasta nos jogos da Misericórdia.

  7. Valupi:
    Não percebi o que está em causa em quê?
    No texto que escrevi até falei muito pouco no imposto pois não vi aí muita relevância. Interessava-me mais escrever sobre o sentido das medidas do governo pois estas marcam-nos e comprometem o nosso futuro. A manutenção desse imposto, dito de Passos Coelho, é apenas uma das consequências do pensamento dos governos de esquerda: nivelar por baixo, esmagando a classe média e médio-baixa que são quem paga impostos. Tal como, por exemplo e relativamente ao OE 2020, a não actualização dos limites dos escalões do IRS.
    Vem agora os novo mapas do OE deixar à vista o aumento da carga fiscal para 2020.
    Pois tira mais dinheirinho ao Zé Povinho, por isso é que é um imposto.
    Porém, caíram os montantes gastos em jogo? Não. Em 2018 gastaram mais 2,3 % do que em 2017.
    Infelizmente o que eu vejo é o pessoal a cortar em outras despesas mais essenciais para poder continuar a jogar.

  8. Eu mesmo :
    Deixas-me curioso. Conta aí,tim-tim por tim-tim,quais os impostos que vão ser aumentados e as variações percentuais das taxas a aplicar!
    Não consigo,sem números seguros,chegar a conclusões e o facto de não indicares uma única variação não valida por aí além o que afirmas !
    Para atacar o governo não é preciso inventar. Há mil e um motivos, A começar pelas meadas de fio de tropeçar desaparecidas e aparecidas em Tancos,,,Ah,,,Ah…Ah

  9. Abraham:
    Não é aqui o local certo para apresentar os dados, tim-tim por tim-tim.
    Mas já referi uma das situações, a não actualização adequada dos limites dos escalões do IRS.
    Pode ser que no Parlamento façam essa actualização, ah, ah, ah.

  10. Eu mesmo, fala do que te der na real gana que não pagas mais por isso. Mas continuas a alucinar ao falar no “imposto Passos Coelho”. Isso não existe, compadre, é uma boca.

  11. Ó Reaça:
    -Mete números na prosa ! A Teologia sempre te prejudicou ! A prova dos nove ou uma real dão outro alento aos pareceres!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.