23 thoughts on “Passatempo”

  1. Se prestarem atenção, muita atenção, dão conta que o “coiso” está apoquentadíssimo, num esforço desesperado para não ficar na foto. Esta malta do PSD até deixa a ideia de o querer apresentar publicamente como um pulha coisado com eles.

  2. neste momento o coiso foi à casa de banho para se baldar à conta e abafar a factura.

  3. O ‘ir para além da troika’ (que ninguém encomendou, senão o PSD) aumentou 31% a Dívida que herdou do Sócrates.

  4. Não é por serem ‘idosos’… que os transforma automaticamente em ‘Velhos do Restelo’. Porque há ‘jovens’ com essa mesma mentalidade.

    É porque, como disse o inefável candidato Pedro Nuno Santos, em 17jan2024, na reunião com a ‘Confederação de Comércio de Lisboa’ (passo a citar):

    – “A minha ambição, já o disse algumas vezes, não é que Portugal esteja na média europeia. A minha ambição, e acho que é na medida da ambição do Povo – deste Povo que construiu este país, e fez este país no mar e no mundo – é colocar Portugal no topo. Os portugueses não podem ter uma ambição menor do que essa. E nem sequer aceitamos que, em cada uma das nossas mesas, tenhamos alguém que diga que é impossível”.

    – “Portugal estagna, quando os Velhos do Restelo têm poder a mais. O nosso país fez-se, e construiu-se ao longo da sua História, derrotando os Velhos do Restelo”.

    E esta hem?! É, ou não é, um acontecimento Impronunciável?

  5. O que está mais atrás de todos, na foto, é o juiz Carlos Alexandre? O mesmo juiz que esteve num almoço com Passos Coelho na véspera do Congresso do PSD no Estoril?

  6. O ir além da troika, no meu entender, foi mera ideologia que afastou o PPD do poder por muitos e bons anos. Agora que está sem carisma (100% careca) também não percebo porque não se distanciam dele, de Passos. Já quanto aos pedidos de Marilú , que é refugiada moçambicana, e Rato, justificaram na altura, que como os juros estavam muito baixos, dariam jeito, era vantajoso pedir mais . Só nao entendo porque motivo entregam esses assuntos ao Banco Carregosa, o Estado Português não tem funcionários no Banco de Portugal e nas Finanças para tratarem desses assuntos ?

  7. O ódio a Sócrates é o ódio do passado ao futuro. O ódio a Sócrates carrega o mesmo ódio de há 2500 anos suportado pelo Sócrates e Péricles gregos, os quais, um foi condenado à morte e o outro a prisão ambos acusados de corrupção, moral um e venal o outro. O mesmo ódio acumulado nos ostentatoriamente grandiosos palácios e castelos pela nobreza da Idade Média que mantiveram o passado a ferro e fogo até à Revolução Francesa. O mesmo ódio que o passado, após o Renascimento, impôs à ciência desde o séc. XVI a partir de Copérnico até Galileu no séc. XVII e que teve reminiscências na Europa como em Portugal que subsistiu sob a censura e força da Pide durante todo o regime salazarista.
    Esse ódio do passado ao futuro renasce sempre contra alguém que acomete contra a quietude e confortos estabelecidos possidentes. O nosso Sócrates era um visionário e um homem assim não pode ser medido pela trivialidade rasteira dos medíocres que pululam no interior da existência humana. Nele, ao contrário dos calculistas que pensam os outros por si, nunca existiu qualquer momento de calculismo ao avançar determinado e ciente do que pretendia para o país. Trazia consigo uma utopia para fazer sair Portugal da modorra e estagnação de séculos, apesar de saber que o país é pequeno e pobre de bens naturais. Tinha uma utopia para Portugal e estava disposto a meter mãos à obra mesmo com os meios limitados de que dispunha. E para isso juntou a sí um dos maiores cérebros do país, Mariano Gago, como ministro da ciência e tecnologia e estabeleceu um programa ambicioso de projectos na área das ciências da tecnologia e inovação como nunca fora visto.
    Ainda hoje, quase tudo o que se vai fazendo ou discute como necessidades do país, faziam parte do seu entusiástico e ambicioso plano possível para desenvolvimento de Portugal.
    Os corruptos medíocres a soldo do passado antigo e do mais recente salazarismo, sempre agarrados aos poderes pessoais adquiridos e estabelecidos, impotentes de o travar politicamente, usaram, de forma democraticamente corrupta, um dos pilares do poder democrático não só para o derrubarem como para o destruírem pelo julgamento, publicitário ininterrupto, na praça pública induzindo na mente do pagode ignorante tratar-se de corrupção o que era um carácter obstinado na defesa do progresso em Portugal.
    Claro, um tal homem, jamais pode ser julgado por homenzinhos ou homúnculos como aquele que está na foto ao fundo acompanhado de outros iguais ou semelhantes e todos rodeados de prazeres de mesa farta e estantes de garrafas do fino para saborear vitórias pírricas deles e derrotas históricas de Portugal.
    O verdadeiro julgamento ainda não foi pronunciado mas já é previsível e pronunciável; passarão todos à história como cavacoisos.

  8. Que maravilha de comentário, senhor José Neves. Vou guardá-lo aqui numa pasta especial para, se necessário, o plagiar. Não leve a mal. Merece destaque de primeira página.

  9. AFINAL O JUIZ ALEXANDRE É DA PANDILHA …

    O juiz Alexandre mostrou a face.

    Sócrates e a justiça do psd/cds?

    Aos poucos a verdade e o embuste do PSD/CDS de Passos/Portas/Cavaco vêm ao de cima, como o azeite na água.

    Há uns dias foi o Procurador do Ministério Público, assessor do governo Passos/Portas. Hoje é o juiz Carlos Alexandre.

    ORA VEJAM (passo a citar): … “Pedro Passos Coelho almoçou este sábado, 20/01/2024, véspera da Convenção da Aliança Democrática, com Rui Rio e com o juiz Carlos Alexandre”.

    Mas há mais.

    ORA VEJAM (passo a citar): … “Este facto, Senhora Procuradora-Geral, este simples facto, devia levar a Procuradoria a olhar a suspeita de motivação política com outros olhos. Veja bem. PRIMEIRO FACTO: o alegado favorecimento à EDP por parte de um governo socialista é investigado há doze anos por um antigo assessor do governo do PSD-CDS. Absolutamente extraordinário. SEGUNDO FACTO: esse mesmo Procurador, que ocupou funções num gabinete de um governo PSD-CDS, decidiu não investigar o financiamento da campanha eleitoral do PSD de 2015. FINALMENTE, esse é também o Procurador que abriu um inquérito crime contra o atual primeiro-ministro socialista, criando uma crise política, fazendo cair o Governo e provocando eleições antecipadas. Julgo que nada mais é preciso dizer. Aguardo notícias suas Senhora Procuradora-Geral. Cumprimentos.”

    A PERGUNTA QUE O POVO PORTUGUÊS DEVIA FAZER NÃO É ESTA:
    — «Porque estes, que acusaram Sócrates com motivação política do PSD/CDS, e os que o acusam na praça pública com despudor, não deviam ser presos? Não deviam ser encarcerados durante os mesmos 10 anos que durou esta ignomínia, e este atentado PIDE contra a Democracia?

  10. José Neves, pela sua saúde, não acredite no Fernando. Embora ele seja seu camarada na Associação José Socrates Sempre, ter o arrojo analfabeto funcional de colocar José Socrates e Sócrates no mesmo plano moral é inqualificável e o Fernando não assimila isso.
    Enquanto não aceitarem que José Socrates é, mais do que qualquer outra coisa, uma vitima dele próprio (e ele próprio é nefasto ao ponto de nem o PS se querer misturar com ele) é difícil não continuarem a sair textos lamentáveis como o seu.

  11. Senhor Miguel Elias,
    Naqueles tempos, no de Péricles, por exemplo, que o sr. José Neves refere, a Eclésia reunia 10 vezes por ano, mais tarde 40.
    No primeiro ponto discutia-se sempre o
    Voto de confiança aos magistrados
    e no sexto ponto
    Decisões sobre as falsas acusações dos caluniadores ou impostores (isto há 2500 anos…)

    No seu célebre discurso (ou de quem o escreveu por ele, mas com o qual se identificava), ele descreve aquele que evita a política, não como um indiferente, mas como um cidadão perigoso. Ele disse ainda que “o povo reconhece a superioridade do talento”, tal como o povo português o reconheceu em José Sócrates. E foi por isso que o mundo reacionário/conservador português ficou em alvoroço e não deixou de conspirar contra ele e a democracia através de caluniadores e impostores acoitados por tudo quanto é sítio.

    (Ao contrário da primeira impressão que colhi, o sr,. Miguel não tem conserto)

  12. Em relação a José Socrates, vocês vivem num estado de amor patológico. Eu posso até compreender que seja do tipo amor paterno que não consegue ver (não quer ver) no filho o que ele é, mas é patológico. A comparação com O Sócrates, figura dentro das maiores que a humanidade já produziu, então, é o diagnostico clinico claro. O Sócrates venceu os seus inimigos pela vida justa e pela sua execução (que poderia ter evitado), execução que o tornou na figura universal que é. José Socrates é um puto vaidoso, perdido pelo poder, megalómano e soberbo que, caso seja condenado, como os indícios parecem encaminhar, nem ai poderá despir a personagem em que se perdeu. Querem comparações com os gregos, escolham Narciso.

  13. Como profeta, Elias, assim como outros profetas, foi confirmado em tudo que profetizou porque tudo que disse foi escrito e reescrito quantas vezes foi preciso para bater certo, a condizer, com a narrativa dos acontecimentos futuros contada pelos vindouros crentes no mesmo credo.
    Assim são as narrativas dos ratos procuradores do MP, mudam ao sabor das inverdades e mentiras detetadas que contrariam paradoxalmente as várias narrativas que vão produzindo acerca do percurso pessoal e político de José Sócrates. E levam já mais de dez anos a criar narrativas de suposições, impressões, insinuações, falsas deduções e localizações e, sobretudo, muitas invenções, contudo provas concretas, papéis, contas, escritos, documentos; zero.
    No mundo sempre existem apenas alguns milhares de sábios ou grandes homens e o resto, os milhares de milhões, não passam de ratos a roer nas vidas uns dos outros. Contudo, eu jamais pensaria fazer um paralelismo entre José Sócrates e o Sócrates grego. Não, eu não faço nem fiz tal, quem o faz é o Elias. À maneira dos ratos procuradores você inventa tal relação porque falei do grego para comparar, tão só, que o que os adoradores do passado lhe fizeram é o mesmo que sempre, esses mesmos adoradores do passado, fizeram ao longo da História aos homens com utopias que rasgam e apagam o passado para criar o futuro. E as comparações acabam aí. O resto são acrescentos, revisões e interpretações suas que uma leitura séria do que escrevi não lhe permite fazer um tal paralelismo de vidas.
    Pelo que, como é falso tal paralelismo de vidas que imaginou e descreveu, todas as deduções que retira desse pressuposto falso é, igualmente falso.

  14. Sr. Neves, toda a gente leu e ENTENDEU o que escreveu.
    Parece que há aqui no forum dois José Neves.
    Um, que teve a amabilidade ou imprudência de escrever aqui que não foi à falência porque no tempo do eng.⁰ Guterres, lhe foi dado serviço na Expo98, o outro, será José Neves, Professor Auxiliar no departamento de História da NOVA FCSH desde 2011. Licenciado em História Moderna e Contemporânea.
    Já nem alargo a outros Neves, o da Farfetch, etc.
    Qual deles é o senhor ?
    Se não quiser responder, esteja à vontade. A diferença, nota-se .

  15. José Neves, “… aos homens com utopias que rasgam e apagam o passado para criar o futuro. E as comparações acabam aí.” Acha pouco? Aí onde? No seu fascínio por José Socrates. Deixe O Sócrates fora das utopias que rasgam e apagam passados, que eu desconfio que ele não quer lá estar e perceba (se conseguir) que cria paralelismos em série. Bolas, “… para criar o futuro”, isto é o quê, quando está em causa José Socrates? Para si é o PEC4, para José Socrates o futuro dele próprio.

    E ó José Neves, deixe lá essa conversa manhosa dos salazarismos e dos passados que não sei o quê. Isso é conversa com bafio. Vá comemorar a idade que que você julga que Portugal tem, os 50 anos de abril. Já os passados como os 500 anos de Camões, só a partir de 10 de junho.

  16. Senhor Elias apenas uma nota que exemplifica como confunde conceitos ou seu conhecimento é feito de vulgatas extraídas de redes sociais.
    Disse, ufano, a rematar ; «Querem comparações com os gregos, escolham Narciso.»
    Ora a sua comparação é historicamente falsa e, sobretudo, diz tanto de si como o outro tanto de seu comentário. Eu falei de dois homens, Sócrates e Péricles, dois homens concretos, dois humanos grandes contributos realizadores da grande história dos gregos, e você contrapõe e fala de Narciso que é uma figura da mitologia, um conceito literário de um carácter humano entre dezenas que os gregos estudaram.
    Falei da história de dois homens de carne e osso que foram sujeitos à existência humana e como tal julgados pela maioria da ratazanaria que desde sempre coexistiu com os dotados numa interminável dialética hegeliana ou luta de classes segundo o marxismo. Ora, Narciso, não teve nem tem existência física, não há prova material ou histórica de que existiu dado ser concebido do puro pensamento e da imaginação.
    E aqui, sim, a “existência” dada a Narciso por Elias pode ser um contributo lógico adequado à compreensão das mitológicas acusações de que Sócrates é sujeito por parte das ratazanas do MP.
    Disse, acabou.

  17. E pronto, acabou. O abominável génio das Neves inferiu que eu não sei que o Narciso é uma figura mitológica grega, tem poderes. Eu espero sinceramente que você não seja professor universitário, como é aventado acima por alguém. Não há direito.
    Mas poderia ter utilizado outra, o Touro de Creta, de quem vocês são as ciosas Pasífaes, mas parece que a vaca de madeira construída pelo Dédalivo Rosa tinha caruncho. Menos mal.

  18. Vê-lo a trazer Marx já me faz mais sentido, quando leio, “… maioria da ratazanaria que desde sempre coexistiu com os dotados numa… interminável… luta de classes segundo o marxismo.” Tá aqui tudo, e é muito mais fundo de José Socrates. É uma doença.

  19. não sabes, nem queres saber. o que te interessa é descobrir com quem pretensamente debates para te acreditares na associação cultural e recreativa dos indigentes que bebem do fino no bar da wikipédia e depois trocam galhardetes.
    farto de parvos, possidónios e pedantes.

  20. Áh! O aristocrata ungido, das fontes primárias. Típico no PS também. Está enganado, não me interessa quem você é. Mas pelo comentário, Álvaro?!?!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *