Parem as rotativas: jorra dinheiro do buraco das PPP

O ex-ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, afirmou hoje que o Estado tinha em 2010 um saldo positivo de cerca de 460 milhões de euros, contabilizados os pagamentos e recebimentos futuros em todas as 36 parcerias público-privadas (PPP).

“A diferença de pagamentos e recebimentos futuros era favorável ao Estado na ordem dos 460 milhões de euros com referência a 2010”, disse hoje Teixeira dos Santos.

Na comissão de inquérito parlamentar às PPP, o antigo governante explicou que “aquilo que o Estado espera receber durante a vida útil das parcerias rodoviárias, ferroviárias e da saúde é superior aquilo que tem que pagar”.

O antigo governante defendeu que “o modelo permite de alguma forma repartir o encargo financeiro no tempo, alinhando a repartição do encargo financeiro com o usufruto dos benefícios económicos” bem como “a repartição do risco”.

“Aquilo que a evidência nos mostra é que os custos associados ao financiamento de projetos públicos, ao abrigo deste modelo, são francamente mais vantajosos do que se resultasse do investimento público direto”, declarou.

Ainda assim, Teixeira dos Santos recordou que o plano rodoviário nacional foi aprovado na Assembleia da República, em 1998, “por todos os partidos com assento na AR”.

Estado tinha saldo positivo de 460MEuro em 2010

5 thoughts on “Parem as rotativas: jorra dinheiro do buraco das PPP”

  1. O Sr. Medina Carreira deveria ser denunciado ao ministério público por difamação e burla agravada, dados os danos colaterais que os seus comentários causaram ao país. Além do mais, a parte portuguesa da coligação PSD(R)-FMI deveria ser constituída arguida, com fundamento no Artº 308º do Código Penal, que diz:

    “Aquele que, por meio de usurpação ou abuso de funções de soberania:
    a) Tentar separar da Mãe-Pátria ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira todo o território português ou parte dele; ou
    b) Ofender ou puser em perigo a independência do País;
    é punido com pena de prisão de dez a vinte anos.”

  2. Curioso é ainda ninguém ter refutado tal afirmação, o que a valida e faz com que nos interroguemos sobre o tal escândalo das PPP’s!

    Será mesmo assim, ou as vozes criticas estão todas de férias no Brasil?

    Já agora, não me lembro do famoso parecer dos técnicos do FMI falar nas PPP’s! Ter-me-á passado despercebido?

  3. Dado o silêncio absoluto acerca do “saldo positivo das PPP” até esta revelação (!) de Teixeira dos Santos, é de supor que nenhum parlamentar da AR, nenhum político de todo o leque partidário e nenhum comentador (a começar pelo renomado Medina Carreira) conheciam a realidade. Era segredo de Estado? O PS e seus ex-governantes, que têm sido enxovalhado com o assunto das “ruinosas PPP”, nunca tiveram acesso ao “segredo”? Se não era segredo, o João Galamba ou o Silva Pereira, por exemplo, não deveriam ter defendido a honra?
    Anda tudo a dormir. E depois queixam-se de ver o PSD a subir nas sondagens.

  4. eh pá, mas as ppp´s são apenas um meio para atacar a honra das pessoas e obter ganhos políticos (o que já foi conseguido). porque é que nas discussões nunca se põem números na mesa? ora isso implicaria que os intervenientes nos debates estudassem alguma coisa e isso não é para eles. até o seguro ajuda à festa fandanga quando declara solenemente que a sua proposta de poupança é cortar nas ppp? e ninguém lhe diz que isso se traduz num corte insignificante da despesa já que elas valem 0.6% do pib em 2013. é este o chungoso estado do debate em portugal. e depois a poeira assenta e o que se vê é que o merdoso do barreto já não se lembra das cláusulas escondidas, o actual ministro da saúde está muito satisfeito com as ppp’s da sua área e os privados querem desfazer-se das ppp’s nas estradas porque estão a perder dinheiro. e ainda por isso cima se descobriu que a maioria das ppp’s não surgiram no consulado do socras…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.