Onde é que estavas no 6 de Janeiro de 2021?

Representante de Trump fotografado no gabinete de Nancy Pelosi a dar lições de democracia e liberdade à presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos e ao Mundo em geral.

15 thoughts on “Onde é que estavas no 6 de Janeiro de 2021?”

  1. O comportamento cívico da direita sem freio, como sempre , é memorável. Todas as conquistas democráticas foram arrancadas,a ferros, a essa gente. A História di-lo. O presente mostra-o.

  2. Segundo uma reputada (?) comentadora da TSF chamada Raquel Vaz Pinto, os “pais fundadores” não estão nada satisfeitos e deve haver mãozinha dos russos nesta barafunda.
    Esta mente brilhante é investigadora do Instituto de Relações Internacionais da Universidade Católica de Lisboa. Escreve pérolas deslumbrantes sobre Portugal em revistas internacionais como a American Interest e, por acaso, mas só por acaso, é do CDS.
    Mas isso não quer dizer nada, certo?

    A única coisa que achei graça, foi constatar a aflição das elites americanas (até europeias) com a invasão dos seus domínios pelos burgessos trumpistas. Já se falava em PROFANAÇÃO, got it?
    Eu sei que o mais certo era dar merda, mas e se isto pega?
    Não digo entrar pelo parlamento a dentro porque, para destruir a democracia e as instituições já cá temos os grupos de comunicação social. Mas olha o pessoal a “entrar” pelas sedes das empresas do PSI 20, bancos, etc…
    e perguntar directamente o que é que andam a tramar?
    E escrutinar os interesses dos jornalistas? Procurar indicios de corrupção, talvez?
    Sorry, já sou eu a divagar.
    Sonhos…

  3. Um negro matou dentro do Capitólio uma mulher branca desarmada que, sem expressiva oposição das forças de segurança, aí havia ilegalmente entrado.
    Em nenhum parlamento europeu há memória de tanto laxismo das forças de segurança como aquele que se viu na manifestação de ontem. Se em qualquer manifestação em Portugal junto à AR, houvesse um tamanho laxismo, garanto que alguns dos manifestantes, fossem de direita ou esquerda, aí teriam entrado, pelo menos os mais temerários.
    Não trago aqui à colação as manifs do tempo de Passos Coelho por motivo ideológico, apenas porque são as últimas e de que tenho melhor memória, mas do que me recordo é que se não tivesse sido a intervenção musculada da polícia em várias manifs, também muitos manifestantes teriam estado bem próximos de atentar contra a Democracia, violando a integridade da AR.
    Terá sido racismo a morte desta mulher?
    É legítimo que as forças de segurança contribuam para uma situação de insegurança e depois desatem ao tiro nos manifestantes por terem perdido o controlo da situação?
    Espero, acima de tudo, que não tenha sido racismo, porque uma morte por racismo é certamente mais revoltante, incompreensível e abjeta do que a motivada por excesso ou abuso de legítima defesa.
    Cumpre, porém, investigar a morte desta mulher, sendo certo que as imagens captadas são altamente perturbadoras.

  4. Já agora, acrescento que atrás da desgraçada mulher, a menos de um metro de distância, estavam inúmeros polícias fortemente armados, pelo que ainda menos se entende que justificação razoável poderá ter tido o homicida para atentar contra a sua vida.
    Bom seria se a fotografia acima expressasse o que de mais grave se passou, mas não, muito longe disso.

  5. O que se passou agora nos EUA foi igual ao que lá se tem passado nos últimos meses, disfarçado de manifestações “anti-racistas”. Diferenças:

    1 — O que se passou ontem teve o natural e merecido destaque mediático, enquanto a violência falsamente “anti-racista” e “de esquerda” dos últimos meses foi ignorada pelo mainstream merdia ou por este rotulada de “manifestações pacíficas”, muitas vezes em peças “jornalísticas” em que se viam as chamas dos incêndios em imagens de fundo. Não me refiro à mais do que justificada violência inicial da reacção ao assassínio do americano negro George Floyd por três membros da bófia americana, mas sim ao que se passou depois.

    2 — No que se passou ontem foi destruída propriedade pública. No que se passou nos últimos meses, a destruição de propriedade pública foi em muito maior escala e (por definição) durou meses e não um dia apenas. Essa destruição de propriedade não menos pública do que a do Congresso foi apoiada e incentivada por muitos dos que agora se indignam, nomeadamente a própria barbie fóssil que dá pelo nome de Nancy Pelosi, speaker do mesmo Congresso e auto-classificada “connoisseur in dark chocolate”, qualidade que, em enternecedora punheta internética, achou importante dar a conhecer às massas ignaras do planeta, da galáxia e do universo.

    3 — Acresce que nos últimos meses, sob a tolerância benevolente e encorajamento das Pelosis da maxi banana republic e do mainstream merdia do planeta inteiro, foi destruída propriedade privada numa escala muito maior do que a de propriedade pública, nomeadamente pequenos negócios propriedade de americanos negros, que ficaram sem nada em nome de um falso anti-racismo que, nos métodos, na intolerância e no estilo, mais parece uma fotocópia da famigerada Revolução Cultural maoísta.

    Enfim, vai-se o Trump desbocado, vem-se (ou nem isso) o Biden corrupto, how fuckin’ nice! Meet the new guy, same shit as the old guy, but with a fancy tie! Meet the new clown, same shit as the old clown, America up and the world down!

  6. “Um negro matou dentro do Capitólio uma mulher branca desarmada que, sem expressiva oposição das forças de segurança, aí havia ilegalmente entrado.”

    não é verdade. quem matou foi um oficial à paisana branco que protegia a entrada da camara do capitólio, cuja porta tinha sido barricada com mobiliário e com expressiva oposição da forças de segurança, havia pelo menos 5 armas apontadas à porta.

    “Em nenhum parlamento europeu há memória de tanto laxismo das forças de segurança como aquele que se viu na manifestação de ontem. Se em qualquer manifestação em Portugal junto à AR, houvesse um tamanho laxismo, garanto que alguns dos manifestantes, fossem de direita ou esquerda, aí teriam entrado, pelo menos os mais temerários.”

    sem pensar muito lembro-me do golpe falhado do tejero molina com tiros nas cortes espanhola e também me lembro da última tentativa de invasão da assembleia da república portuguesa protagonizada pelos zeros das forças de segurança em março 2014, balanço: 14 feridos policia x corpo intervenção.

    “Não trago aqui à colação as manifs do tempo de Passos Coelho por motivo ideológico, apenas porque são as últimas e de que tenho melhor memória, mas do que me recordo é que se não tivesse sido a intervenção musculada da polícia em várias manifs, também muitos manifestantes teriam estado bem próximos de atentar contra a Democracia, violando a integridade da AR.”

    manifestações contra passos coelho são atentados à democracia e as de apoio ao trump com invasão e destruição do capitólio que sejam actos heróicos e reforço democrático.

    “Terá sido racismo a morte desta mulher?”

    foi, era supremacista e morreu pela causa que defendia.

    ” É legítimo que as forças de segurança contribuam para uma situação de insegurança e depois desatem ao tiro nos manifestantes por terem perdido o controlo da situação?”

    isso tens de perguntar ao trump e a quem o ajudou a preparar o golpe falhado.

    “Espero, acima de tudo, que não tenha sido racismo, porque uma morte por racismo é certamente mais revoltante, incompreensível e abjeta do que a motivada por excesso ou abuso de legítima defesa.
    Cumpre, porém, investigar a morte desta mulher, sendo certo que as imagens captadas são altamente perturbadoras.”

    foi racismo, abre o link abaixo e vais ver bué de fotografias dos racistas que invadiram a capitolina e fundamentam parte do que escrevi.

    https://www.dailymail.co.uk/news/article-9120779/PICTURED-Trump-supporter-Air-Force-vet-shot-killed-storming-Capitol.html

  7. Esta iniciativa, sim, devia ser apoiada pela alegada esquerda americana, porque é justa e adequada. A porra é que essa alegada esquerda americana apoiou entusiasticamente o crime de assassínio que faz com este mandado de prisão contra Trump seja justo e merecido. Quem esperar da alegada esquerda americana que apoie a prisão do filho da puta, pelo crime de assassínio, bueno, é melhor esperar sentado. Para todos os efeitos, ele é (entre muitos) o nosso (deles) filho da puta, a par do bêbado George W. Bush, do entertainer Bará Kobama e da psico e sociopata Killary Klingon, todos eles simpáticos criminosos de guerra.

    https://www.euronews.com/2021/01/07/iraq-issues-arrest-warrant-for-trump-over-soleimani-killing

  8. “não é verdade. quem matou foi um oficial à paisana branco que protegia a entrada da camara do capitólio, cuja porta tinha sido barricada com mobiliário e com expressiva oposição da forças de segurança, havia pelo menos 5 armas apontadas à porta
    No vídeo (seg. 12) da notícia para que remetes no final do teu comentário, é perfeitamente visível um negro, com rosto e mãos negras, a disparar sobre a mulher. E procura também no Twitter , tens lá a “footage” completa. Terá sido racismo?

    Quanto a ser uma supremacista branca, nem a CNN se atreve a avançar um disparate desses – o currículo da senhora está na primeira página do site dessa insuspeita CNN – vai ver, pois não há qualquer indício de ser uma racista.
    E mesmo que houvesse indícios, o racismo não se combate com a apologia do homicídio de racistas, como é evidente para qualquer pessoa normal.

  9. Se eu quisesse acreditar em Deus, se precisasse de acreditar em Deus, se procurasse provas da Sua existência, esta seria certamente uma delas. Como não é esse o caso, posso “apenas” extasiar-me com as maravilhas de que a espécie humana é por vezes capaz. Isso me basta, isso me consola, e não é pouco.

    https://youtu.be/h3kQt14_5OQ

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.