Obrigado, TVI

A TVI elaborou a lista dos 30 portugueses com mais poder em Portugal. Sérgio Figueiredo, ao promover a iniciativa, realçou que o poder não é discutido cá pela terrinha, daí o mérito e urgência da análise que iríamos finalmente poder fazer a respeito de tão magna questão. Acontece que depois o que saiu foi uma lista onde até a Cristina Ferreira, o Toni Carreira, o Ronaldo, o Mourinho, o Jorge Mendes e o Horta Osório têm lugar. A que se acrescenta um mistério: na redacção da TVI sabe-se que o poder de uns artistas de variedades e do pontapé na bola, mais o de um estrangeirado, é superior ao da Cofina ou do mero CM. De facto, o Sérgio tem razão. Existem em Portugal sérias dificuldades cognitivas na abordagem deste assunto, mesmo quando tratado por um grupo de cromos na matéria como devem ser os jornalistas da TVI.

Pois a montanha pariu um cavalo de raça. A conversa ocorrida entre João Cravinho e José Miguel Júdice, onde discutem a escolha, é imperdível. Cravinho passou o tempo todo a dizer ao José Alberto Carvalho que a lista devia entrar numa outra lista, a lista das coisas mais ridículas do ano de 2015, pelo menos, tamanha a grandeza dos disparates. Júdice aproveitou para deixar aquela que será a melhor explicação até agora conhecida no espaço público para o fenómeno de perversão da Justiça a que estamos a assistir. Dando como exemplo a disfunção de Carlos Alexandre, que deixou de se comportar como juiz dos direitos e garantias e passou a assumir o papel de super-polícia, fez o diagnóstico sistémico da reacção corporativa que está a unir as magistraturas do ministério público e a judicial numa aliança que gera um desequilíbrio cujo resultado não é a melhoria da Justiça mas antes o culto do magistrado justiceiro.

Esta interpretação, para além da sua razoabilidade e verosimilhança, permite abordar o problema sem necessidade de recorrer a teorias da conspiração, sejam corporativas ou partidárias. Permite até colocar a questão técnica relativa às condições psicológicas daqueles a quem se entrega tanto poder. Por exemplo, o Carlos Alexandre poderá ser alguém impecavelmente íntegro do ponto de vista legal e moral e ainda um exemplo sobre-humano de entrega ao trabalho. Todavia, basta que ele se arrogue a liberdade de abdicar da defesa dos arguidos até ao limite da Lei para já merecer o afastamento compulsivo. Onde é que estes tópicos se discutem? À porta fechada, lá nas catacumbas ou casamatas do edifício judicial, daí a relevância das palavras de Júdice. Se não me falha a memória, desde a última vez que estive a estudar o assunto na Wikipédia, a Justiça ainda é um dos pilares da vida comunitária e dos regimes democráticos, pelo que, se calhar, às tantas, vai na volta, até será algo sobre o qual os cidadãos deverão ter o melhor e mais exaustivo conhecimento que for possível obter.

Estamos perante 24 minutos de programa. O que dá à volta de 10 minutos para as declarações de Júdice. Nada mau. É que podia ser pior.

24 thoughts on “Obrigado, TVI”

  1. Ó Valupi

    Olha o António Costa a ser agora entrevistado pelo Octávio Ribeiro na CMTV !!!
    A guinada táctica do Dâmaso Sal e Sede leva água no bico …

    Ai, ai, ai …

  2. ai que delícia de conversa e de análise aqui! resta-me sugerir que a lista leve o acrescento de poderosos candidatos a património imaterial da humanidade – uns pelo prazer e outros pelo absolutismo justo. que risota a minha pensar na Cristina Ferreira a condicionar a vida dos portugueses pelas audiências, mundo fora, juntamente com os Procuradores a condicionarem a vida de alguns portugueses sem mundo porque foram dentro. há, de facto, excesso de tolos em Portugal com poder para lançar uma lista divertidíssima que pretende condicionar a nossa inteligência. :-)

  3. Amigo Manuel

    Será que agora que está sob administração judicial os senhores juízes vão descobrir onde está a colecção de arte egípcia ? e a colecção dos Mirós ?
    Ou quem manda em tudo são os senhores procuradeiros ?

  4. A notícia refere-se à insolvência técnica do grupo, do que se deduz que afecta a totalidade das empresas do grupo.
    É interessante que o alarde com uma notícia com esta gravidade passe discretamente quase em rodapé no Económico e tenha sido filtrada por toda a restante comunicação social.
    A SLN continua a ser, embora os montantes sejam sempre iludidos, o maior responsável pelo ”buraco” BPN.
    Os mistérios associados à SLN adensam-se consecutivamente. A SLN, por exemplo, é a maior accionista da Parceria Público Privada SIRESP, com cerca de 33% do capital social, mais 9% indirectamente.
    O estado renegociara a sua participação em Abril deste ano, reduzindo-a drasticamente. As notícias são escassas. Mas qual o horizonte de sustentabilidade do SIRESP após a falência da SLN? Ninguém diz nada.
    Entretanto a SLN detinha a maioria do capital social de várias offshore de que alegadamente perdera o paradeiro. E duas delas seriam as proprietárias da colecção Miró. A resistência do Presidente do Conselho de Administração da PARVALOREM em dar resposta a questões elementares relativamente à colecção e ao seu paradeiro levantam a suspeita de que as obras de Miró acompanharam o paradeiro das offshore e nem estiveram, nunca, em Portugal.
    A ”colecção egípcia” foi adquirida pela GESLUSA, outra empresa do grupo. Todavia, se tivermos como fiáveis diligências constantes nos autos do processo em curso, encontrar-se-ia na sede da PARVALOREM, não se sabe porquê.
    Bem… um dia saber-se-á.
    Mas nada disto é aceitável.

  5. Ah!!!
    Resta saber que tem tudo isto que ver com José Sócrates e com a justiça.
    A verdade é que nada tem que ver. A justiça é cega.

  6. A BURRA, que se diz licenciada,em tribunal seria alvo de uma apreciação diferente daquela outra que se faz do pedreiro. Naturalmente que não está em causa o exercício da cidadania na mesma medida de direitos que a CRP contempla para todos indeferenciadamente. Está sim é a avaliação e/ou perceção da realidade fática de cada um, condicionado pela capacidade inteletual e/ou académica do sujeito.
    Ora a BURRA ( e digo-o com toda a franqueza, a BURRA) tem assolado o dispensário com opiniões que valem o que valem ( como as de todos), porém, os comentários daquela são um GRUNHO e OFENSA à inteligência do atento. Ora uma GAJA que vem aqui alardear que «sou licenciada», denotando com isso o síndrome da sopeira que subiu as escadas e lá conseguiu ( eventualmente) um papel com um grau académico ( as enfermeiras também são «dótorras»), e já pensa que merece tratamento de «dótorra ( a BURRA deve ser daquelas que quando vai barbear-se exige que lhe chamem «dótorra) devia, por isso, ter uma análise mais ponderada dos assuntos em que comenta. Ora é este tipo de GENTE que se deve COMBATER na sociedade portuguesa e remetê-los ao galho certo da árvore. É gente perigosa, pois vota e existindo em maioria geram a democracia errada, com prejuízos para o País. Portugal está nesse patamar desde o 25 de Abril e por isso, se descreve, como o COMUNA do OBAMA o disse – TRASH and TRASHY.

  7. O duas vezes licenciado e três vezes pós-graduado sente-se muito incomodado com a opinião alheia.
    Que pena não podermos ser todos formatados à força para aceitarmos “livremente” o caminho do pensamento único. Chato, não é ?

  8. É fantástico que com tamanha “incongruência”, “tanta coisa por explicar”, e com “o inquérito ainda a começar”, o sr procurador e o sr juiz tenham mandado para casa com caução este arguido.
    http://observador.pt/2015/09/03/dono-do-grupo-lena-diz-instrumentalizado-santos-silva-ministerio-publico-reservas/
    Não se esqueçam que os há mentirosos (os arguidos), que os há farsantes (os arguidos), e que é um direito deles tentarem enganar a justiça para se safarem (os arguidos, Marinho Pinto dixit).
    Mas a verdade que conta em relação aos seus depoimentos é o que fica registado nos autos, e a verdade VERDADEIRA é a verdade material, e dela podem existir PROVAS, quando menos se espera.

  9. Não há hipóteses.
    Eu estava ali atrás a responder ao senhor Numbejonada, convencido de que mudara a sua atitude.
    Mas é assim. Muda logo de novo.
    Ou tem duas personalidades escondidos pelo mesmo nome, ou, enquanto almoça, o senhor procurador vem alarvar com o nome dele.

  10. A BURRA asneia recorrentemente.

    «Mas a verdade que conta em relação aos seus depoimentos é o que fica registado nos autos, e a verdade VERDADEIRA é a verdade material, e dela podem existir PROVAS, quando menos se espera.»

    Será que a BURRA sabe o que é que ESTÁ REGISTADO NOS AUTOS? Se sim, e indicando tal registo VIOLAÇÃO dos DIREITOS CONSTITUCIONALMENTE CONSAGRADOS (.p. e a liberdade, o direito a ser ouvido ou à defesa), porque razão a BURRA nada faz?

    «A verdade verdadeira é a verdade material». Será que a BURRA conhece a verdade material? Se sim, que aguarda para a fazer valer?
    «E dela podem existir provas, quando menos se espera». Mas, então? Podem existir provas? Não existem já? A BURRA que tanto DEFENDE, fá-lo sem PROVAS? E se existem nada faz?

    A BURRA «lê» aqui, «lê» ali, ouve aqui e ali, e depois mete tudo na panelinha de onde enfarda, tudo condimentado a seu gosto. O gosto da BURRA não é o gosto da LÓGICA, do RACIOCÍNIO e ei-la que nos dá que falar pela sua BURRICE, francamente INACEITÁVEL de uma …licenciada.

    Vai cozer meias, pá, ou então queda-te aí a atender alguém e a seguir o protocolo.

  11. ESCLARECIMENTO: eu não ACHO que tu és BURRA. Pelo que me é dado ler neste dispensário, tu ÉS BURRA, tenho a certeza disso. És o teu próprio cartão de identificação.

  12. Lá está, o Presidente da República das Bananas não quer que o SEU Governo leve nas orelhas em plena campanha eleitoral.
    Vejam ao trabalho que ele se dá para proteger o alegado Primeiro-Ministro de levar no toutiço.
    http://www.publico.pt/sociedade/noticia/sindicato-denuncia-fuga-macica-de-procuradores-da-investigacao-criminal-1706529
    Não fossem surgir discursos inconvenientes da parte que menos lhes interessa neste momento, depois do tiro na mona que o outro deu.

  13. «O duas vezes licenciado e três vezes pós-graduado sente-se muito incomodado com a opinião alheia.
    Que pena não podermos ser todos formatados à força para aceitarmos “livremente” o caminho do pensamento único. Chato, não é ?» Disse a BURRA.

    De facto, tenho todos esses diplomas que mencionas e muito bem. Não minto e, esclareço, tão só o proferi porque tu, BURRA, me disseste assim « Sabes que eu sou licenciada..». E eu ri-me muito, com pena de ti, pois logo vi estar perante mais uma figurinha que pensa que o canudo ( e qual?) dá fé ao que verte.

    Não há incómodo nenhum com a opinião alheia. Venha a discussão para se chegar à luz. O incómodo contigo é este: ÉS BURRA, e isso ressalta do que escreves, dos teus conteúdos, e do FACTO de te apresentares como tendo descoberto a roda. Ora, quando uma gaja se afoita em terreno que não domina, não conhece sequer mas ATESTA a VERDADE, clamando o que não sabe, é evidente que se pensa logo: por isso, o país está como está. Se esta é a voz do POVO que vota, o país nunca se arredará do mau, da miséria.

    Percebes, Maria…? Larga as ancas e põe as dianteiras no chão.

  14. Para não falar do tipo de expressões que usas…e não me parece que estejas em modo ligeiro, tipo registo porco ignatziano…

  15. PRUNES, tu não tens CATEGORIA para me responder a NADA. Como muito bem sabes.
    Na verdade, até o dono do dispensário se deve rir à fartazana com as tuas projeções e deduções, designadamente quanto à origem dos comentários. E podes escoiçear à vontade sempre que eu digo e reitero: tu és de «lados». Eu não sou, porém, acontece que gajos como tu temem a concorrência em TUDO e, por isso, aliam-se aos fracos, sabendo que eles o são, mas levando-os a pensar o contrario. Olha só a voz que tu apadrinhas – a da BURRA. Pois. Se calhar bebes um copo para conseguir ler e concordar com ela, na esteira da terapia Hemingway. Portanto pá, se queres brilhar, só tens uma hipótese – no meio das ervas. Junto de pessoas como moi, IMPOSSIBLE.
    Hai capito?

  16. Valupi!
    Voltamos à mesma?
    Se este cegueta de merda continua aqui a provocar toda a gente e tu manténs quem lhe quer responder moderado, começa a não parecer bem.

  17. Hum…Sócrates saíu da prisão. É um homem livre. Agora vamos VÊ-LO a dar entrevistas, a apontar dedos ao sistema judiciário e jurídico. Como é desbocado vai ENTERRAR-SE MAIS. Fazer asneira. E tudo isso será computado, com datas, horas, entrevistas, CD´s. Estava mais seguro onde estava.

    Ó PRUNES, ai estás a ser moderado? Hum? Ó pá! Isso é um atentado aos teus direitos. É que tu achas que mandas na casa dos outros….mas isso não está na CRP. A propriedade é um direito FUNDAMENTAL, IMPRESCRITÌVEL e só pode ser NACIONALIZADA se a massa operária assim o decidir…Já viste como a democracia está mal aproveitada? Isto não é democracia pá! A democracia vigente pós desgraça Abril é só para alguns. Os outros que permitem aquela democracia são instrumentalizados pelos primeiros, tás a ver? Ora segue lá a minha hermenêutica e a exégese da coisa. Hai capito?
    Hum, se calhar queres fazer assim uma espécie de intervenção à Grandola Vila Morena, aquilo, diz quem sabe, tocou sem que o gerente do dispensário da altura tivesse sido …consultado. E depois eu é que sou fascista, hein…? Pobres cravos, nunca mais voltaram a ser o mesmo. Se tivessem cotados na bolsa, tinham lixado muita malta…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.