O triunfo da transparência

Segundo a gente séria e seus capachos, Sócrates era corrupto. A Justiça vasculhou a sua vida e a da família, indo até ao período escolar, e o que descobriu entregou aos jornalistas amigos para eles fazerem manchetes. Pelos vistos, posto que nunca foi suspeito ou sequer arguido fosse do que fosse, era só disso que se tratava: produção de conteúdos para ajudar a imprensa do laranjal e a malta do eixo do bem, esse que vai da Lapa a Belém e vice-versa.

Segundo a gente séria e seus capachos, Sócrates era mentiroso. Era mentiroso logo por nunca ter confessado ser corrupto, o que muito irritou o Pacheco Pereira, era mentiroso porque jurou não ir aumentar uns certos impostos e depois aumentou uns outros e era mentiroso porque tinha prometido 150 mil empregos na campanha eleitoral de 2005 e apenas conseguiu oferecer 134.459* com a maior crise económica internacional dos últimos 80 anos pelo meio a dar-lhe cabo das contas. Parece que também mentiu no Parlamento, quando confrontado com uma devassa da sua privacidade. Os mentirosos têm esse péssimo hábito de tentarem preservar a sua intimidade, o que é que se há-de fazer…

Segundo a gente séria e seus capachos, Sócrates era arrogante. Talvez o primeiro teórico da arrogância socrática tenha sido Paulo Rangel, o qual em 2007 fez um discurso solene no Parlamento a dizer que nunca como então a democracia e a liberdade se viam perante tão tenebrosas ameaças. A prova que ele deu sem se rir, feito só ao alcance de um verdadeiro herói, foi a seguinte: Pina Moura ter ido para a Media Capital, a mesma empresa que daí por um ano estava a pagar fortunas ao casal Moniz para fazerem o belo servicinho que fizeram com o Freeport e o mesmo Pina Moura que deu o litro como um dos mais notáveis e facundos anti-socráticos. Mas foi aqui que nasceu o espantalho de um primeiro-ministro tirano, prepotente, sanguinário – finalmente dando ao PSD e restante oposição uma estratégia moralista para lidar com aquele que surgia politicamente imbatível e imparável. O facto de a realidade não permitir mais do que alguns segundos deste estado alterado de consciência não impediu o sucesso da fórmula. Uma vez estabelecido que o homem era arrogante, então qualquer manifestação sua passava a ser por inerência uma manifestação da sua arrogância. Se respondia com rispidez a quem o ofendia, estava a ser arrogante. Se respondia com uma ironia a quem o insultava, estava a ser arrogante. Se desmontava entusiasmado uma argumentação do seu adversário, estava a ser arrogante. Se não respondia a uma pergunta feita com má-fé, estava a ser arrogante. Se questionava os jornalistas que o entrevistavam, estava a ser arrogante. Se tentava expor as suas ideias para o público ao arrepio do interesse agendado ou fútil do jornalista, estava a ser arrogante. Se transmitia emoções de indignação perante qualquer facto, estava a ser arrogante. Se sorria em silêncio perante um facto qualquer, estava a ser arrogante. Se inspirava, estava a ser arrogante. Se expirava, estava a ser arrogante. Se entrava em apneia, estava a ser super-arrogante.

Felizmente, conseguimos expulsar o monstro. Agora, a gente séria e seus capachos já podem descansar e sair à rua em segurança. Os actuais governantes não são corruptos, muito menos são mentirosos, muito menos ainda são arrogantes. Eles são apenas aquilo que são, aquilo que não conseguem esconder, aquilo que está à mostra.

__

* Não é este o número? Então, envia aí o número certo, faxavor.

24 thoughts on “O triunfo da transparência”

  1. Valupi, Aspirinicos, vão ver depressa :

    No dia 13 de Outibro de 2012, três alunos da Escola Secundaria n° 16 do Sabugal, Katia Maria dos Santos (10 anos), Francisco Barros (12 anos) e Armando Matos (10 anos), afirmaram ter visto nos ceus “…a cabeça enorme de um senhor de cabelo grisalho que alumiava mais que o Sol…” sobre uma azinheira de um metro ou pouco mais de altura, quando esperavam pelo autocarro das 8h00. O Senhor olhou-os com olhar ternurento e disse-lhes suavemente “…esperai bom povo de Portugal, que o meu regresso esta para breve…”.

    http://www.noticiasadointerior.com/sociedade/8291/socrates aparece-a-três-jovens-no sabugal -%C3%A0-f%C3%B3rmula-de-s%C3%B3crates#.UIh7zsXAfTr)

    Boas

  2. ehehehehe,

    Ignatz : O link não funciona, é ? Ora tenta la este :

    http://www.soudevotodesocrates/8734/-%C3%A0-f%C3%B3rmula-de-s%C3%B3crates#.UIh7zsXAfTr)

    Valupi : Milagre seria impedir que o PS e o PSD acedam ao poder por turnos com um programa que é invariavelmente o mesmo : assobiar para o lado e deitar as culpas para o parceiro antecessor/sucessor.

    De facto, podes ficar descansado que a minha voz isolada não chega para tornar plausivel a realização desse milagre…

    Boas

  3. @ Viegas: “assobiar para o lado e deitar as culpas para o parceiro antecessor/sucessor.”

    Não é isso que tu fazes?
    Venha quem venha a culpa é do antessessor/sucessor porque o “programa (…) é invariavelmente o mesmo”?
    E qual a diferença entre assobiar para o lado e andar por caixas de comentários a postar links idiotas enquanto coças os tomates?
    És um triste que tropeça nas suas próprias palavras.

    E comentários ao post tens? Isso sim era um verdadeiro milagre!
    Ou para partilhar só tens o teu vómito?

  4. Caro André,

    Eu sabia que os leitores deste blogue não me podiam desiludir…

    Não não é isso que eu faço. E’ precisamente o contrario, “isso” é o que eu critico, inclusivamente neste post (e ja agora, para teu espanto, ja votei em Socrates).

    Não funcionam os links, hem ? Então experimenta este :

    http://www.soumesmoingénuo/blogpost/

    Boas

  5. O que eu critico ?

    A fulanização-espectaculo em detrimento da politica e a procura comoda de bodes expiatorios/homens providenciais em vez de ir à raiz dos problemas.

    Socrates, ou melhor as politicas implementadas pelo governo PS (que eu contribui a eleger), são obviamente uma boa parte das causas das dificuldades actuais e reconhecer os erros é, talvez, o primeiro passo para procurar sair delas. Correlativamente, criticar o governo actual de forma sistematica – por ter cão e por não ter, por querer fazer economias exclusivamente sobre os rendimentos do trabalho, e a seguir a este ter recuado, por fazê-lo atravês do IRS – não me parece solução para nada.

    Se Socrates estivesse hoje no poder, onde é que ele iria buscar o dinheiro para atingir os objectivos da troika (que ele se comprometeu a cumprir caso ganhasse as eleições) ?

    Ja sei que vais dizer que a “culpa” não é dele, mas da crise interlouçãjeronimopassosportacional, e que estariamos muito melhor se tivéssemos anuido ao PEC XXXIV como deus manda.

    Pois bem, é isso que eu critico.

    Que se lixe a “culpa”. Deixa esse assunto para a telenovela das 9, onde a questão é tratada com melhor arte…

    Boas

    PS : Ja sei o que vais dizer. Descansa que vou criar uma associação para que os ingénuos anonimos como eu possam desabafar !

  6. joão viegas, que te faz crer que o texto versa sobre aquilo que tu achas que ele transmite? É que eu não tenho culpa nenhuma das tuas interpretações. Nada do que agora disseste encontra suporte no que lá se desenvolve.

  7. Ó caramelo não sabes que o Sócrates fez tudo, para quem estivesse a governar não teria que ter de atingir objectivos de merda de troika nenhuma?

  8. Pois, desculpa-la Valupi, de facto não tinha lido a parte do texto em que sublinhas que algumas das criticas dirigidas ao governo Socrates eram bastante fundadas, nomeadamente as que se dirigiam ao proposito assumido de ir numa direcção que, fundamentalmente, é a mesma que a preconizada pelo psd, pelo que havera agora que pensar melhor para elaborar uma nova proposta eleitoral do ps.

    Fossem os teus posts todos assim tão claros !

    Abraço.

  9. Caro JP Ferra,

    Pois, de facto também me tinha esquecido disso. Se temos aprovado o PEC IV, iamos hoje de vento em popa, nada mais certo. Basta olhar para a Alemanha, que ja vai salvo erro no PEC XVI…

    Ai não, ‘pera ai, estou a confundir, esse é o Bento XVI e não é programa economico mas papa.

    Mas em traços largos é isso…

    Abraço também !

  10. Oh Viegas mas que grande confusão. Atão desde quando é que o governo deixou de ter cão? Primeiro queriam ir ao bolso dos funcionários, depois queriam ir ao bolso dos empregados do sector privado e ao dos funcionários para dar uns trocos aos patrões, finalmente preparam-se para ir ao bolso de todos os que pagam IRS que incide , na maioria esmagadora, nos rendimentos de trabalho.
    Se Sócrates estivesse hoje no poder decerto não estaria orgulhoso em ser um lacaio aplicado dos credores, além de que não estaria a lidar com o agravamento de tudo a mais alguma coisa, já da responsabilidade do Gaspar e a irresponsabilidade do Passos.

  11. Caro Eduardo J,

    Pois é, o problema economico reside essencialmente na falta de vergonha na cara. Com Socrates, teriamos pelo menos quem pedisse desculpa antes de ir à carteira dos trabalhadores, e isso mudava tudo…

    E, acima de tudo, tinhamos quem soubesse ir buscar o dinheiro necessario sem tirar nada a quem trabalha. E’ simples e vinha la explicado na pagina 48 do programa eleitoral de 2011 : aumentava-se 159.000 % a taxa sobre o capital dos capitalistas. E se não chegasse, era confiscar três ou quatro Rolls Royces desses que andam por ai mal estacionados que a coisa chegava e sobrava.

    Alias não so o plano existia, mas o governo Socrates ja tinha começado a pô-lo em pratica : aumentou-se primeiro o IVA para disfarçar (imposto justo que os trabalhadores pobres quase nunca pagam) e logo a seguir, estava previsto ir sorrateiramente ao capital e aos Rolls Royces. Isto vem preto no branco no PEC IV (paginas 828-9).

    Pois um grande abraço também para ti também !

  12. E escusam de dizer que passo a minha vida a criticar à toa.

    Como todos os leitores deste blogue podem facilmente verificar, deixei sistematicamente comentarios de aplauso entusiasmado nos posts onde o Valupi explica que devemos ser minimamente consequentes e reconhecer que, a ser necessario arranjar com que pagar a divida publica, é mais justo fazê-lo atravês de um aumento do IRS do que atravês da TSU e que essa seria com toda a probabilidade a opção tomada pelo PS na mesma situação…

    Boas

  13. oh viegas! vens pr’áqui defender as teses do regime com a treta requentada do são-todos-iguais e fazem-todos-o-mesmo baseado em suponhamos. a realidade mostra que socras sempre se bateu pelo estrago mínimo até ser obrigado a desistir e engolir o fmi, que supostamente iria minimizar as duras medidas que o gajo andava a implementar à surrelfa. a partir daí foi o que se viu e o que está para ver, por incompetência, compadrio e corrupção e apareces tu com cenários que ninguém viu para dourar a pílula gaspar.

  14. joão viegas, tu queres discursar sobre assuntos que o texto acima não contempla. Acima, apenas se fala da estratégia de anulação da política em que consistiu o exercício da oposição desde 2007 até 2011 e do espectáculo que os actuais governantes estão a dar. Mas podes continuar a delirar forte que não pagas mais por isso.

  15. Vamos la ver uma coisa, Valupi,

    A tua postura neste post-bazuca em forma de tema e variações sobre o tema “prometeram mundos e fundos e agora é o que se vê”, não passa do absoluto simétrico daquilo que criticas, no mesmo post, acerca da atitude de Coelho & Relvas em relação ao governo de Socrates…

    Mas tu, obviamente, não vês isto como uma evidência, ou achas que não interessa porque é retorica. Ora bem, a retorica, universalmente desvirtuada e caluniada com grande injustiça, vale mais do que isso….

    Mas vi que ja chegaste ao delirio. O vinho não tarda…

    Boas

  16. joão viegas, os blogues (tal como as tabernas e os bancos de jardim), numa sua parte essencial, são para isto mesmo: cada um poder disparatar à-vontade. Tu, pelos vistos, queres é teclar sem perderes tempo com a racionalidade do que te sai, pelo que ficas satisfeito em pouco tempo e passas mais umas horas sem angústias existenciais. Muito bem e continua.

    Quanto ao que agora escreveste, inventaste o tema “prometeram mundos e fundos e agora é o que se vê” (!?…) e partes para a usual inanidade que não tem ponta por onde se lhe pegue. Enfim, está tudo em ordem e tu ficas feliz. Ao menos, isso.

  17. Sempre às ordens, ja que pelos vistos o prazer é reciproco…

    E o proveito também : por exemplo, vejo que, de cada vez que conversamos um pouco, acabas por chegar à conclusão que, afinal de contas, os teus posts são sobre nada. Nesse aspecto, devo reconhecer que as mais das vezes são também certeiros…

    Boas

  18. joão viegas, tens absoluta razão: os meus posts são sobre nada que consigas perceber. É por isso que acertas sempre em relação a eles, deixando-te muito contente contigo próprio.

    Já agora, não te esqueças de largar a vinhaça.

  19. “Socrates, ou melhor as politicas implementadas pelo governo PS (que eu contribui a eleger), são obviamente uma boa parte das causas das dificuldades actuais”

    Oh João Viegas, explica lá a forma de o governos de Sócrates ter evitado o resgate. Ou melhor, nomeia aí algumas medidas que o Sócrates tomou que precipitaram a crise das dívidas soberanas, e a dificuldade de acesso aos mercados de venda de dívida pública.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.