O sonho lindo do João Miguel Tavares

João Miguel Tavares não me interessa como publicista nem como entidade psicológica, seria apenas mais um direitolas folclórico se o seu estatuto decadente se resumisse a ser pago pela Cofina, pelo Observador e pelo Balsemão, por exemplo. Acontece que também é pago pela Sonae e já foi politicamente utilizado por um primeiro-ministro e por um Presidente da República – neste último caso à custa da instrumentalização e desonra da celebração do 10 de Junho – o que lhe deu proveitos materiais indirectos elevadíssimos e lhe dá uma importância mediática que nos permite desvelarmos forças subterrâneas em acção no actual jogo de poderes.

Leia-se o que escreveu há dias:

«sim, há um problema gravíssimo de regime em Portugal; sim, há uma cultura de corrupção que chegou às esferas mais elevadas dos poderes executivo, legislativo e judicial; sim, há um desejo evidente do poder político em considerar tais factos como emanações de comportamentos individuais, e não como o resultado de falhas institucionais, de profundos desequilíbrios do sistema e de um capitalismo de compadrio que continua a olear as relações entre a política e a economia, e que, em última análise, sustenta o poder.»

Uma primeira pergunta a fazer é: onde é que o João Miguel estava quando descobriu esta superorganização de criminosos? Foi ainda em Portalegre ou só quando veio morar para junto das elites? Foi quando começou a escrever crítica cinéfila (luminosa, inesquecível, diga-se) ou só depois de 3 de Março de 2009? Nunca obteremos resposta. Ele não tem tempo para futilidades dado estar ocupado a salvar o regime com o fogo do seu verbo, a derrotar os diabólicos socráticos com o aço valiriano da probidade e fé que transporta no peito.

Passemos para a segunda pergunta: como é que um gajo se sente após ter metido Marcelo, Costa, deputados às pazadas e magistrados em barda na saca da “cultura de corrupção”? Fantasio que muito bem. Deve dar um gozo sublime despachar a pontapé e à escarreta os representantes da democracia, os responsáveis institucionais da República, os pilares e o topo do Estado. É coisa para abrir o apetite, dançar sozinho na sala, agarrar-se à esposa com o entusiasmo da lua de mel. Resposta é que também não obteremos nesta pergunta, ala para a próxima.

Terceira pergunta: se as empresas de comunicação social que lhe pagam pertencem, por maioria de razão, aos capitalistas de compadrio que oleiam as relações entre a política e a economia, e que, em última análise, sustentam o poder, esse dinheiro que lhe chega ao bolso tem cheiro? Aqui, finalmente, podemos adivinhar a resposta. Porque se trata de problemática há muito resolvida nas latrinas da Roma antiga. Donde, o fabuloso escriba pode recolher a maquia nascida, como explicou, dos profundos desequilíbrios do sistema sem ofender a pituitária de terceiros.

Apesar de escrever, no mínimo, três vezes por semana há anos e anos e se dar amiúde com o Ricardo Araújo Pereira (visita da casa, atente-se), ainda não existem textos onde o valente denunciador dos podres do regime apresente soluções, medidas tangíveis e exequíveis, um programa político. Ausência que indicia não ter cabeça para tanto? Nada disso, pá. Aconteceu-lhe foi uma coisa extraordinária na vida, o encontro com Passos Coelho e o êxtase que se seguiu. Um ser que fez o seguinte, palavras suas:

«A coragem que Passos Coelho teve em deixar cair Salgado em 2014 é um gesto pelo qual o país lhe estará eternamente grato, mas a recaptura do poder por António Costa em 2015 permitiu que a tragédia do BES (e de Sócrates) permanecesse como um grande impensado.»

Esta é uma das mais cristalinas frases do jornalismo contemporâneo, mesmo da ciência política vanguardista, e só socialistas e gente sem princípios (passe a tautologia) é que se recusarão a reconhecer tamanho rigor no diagnóstico. Como se pode ler, o gesto de Passos Coelho é o de um predestinado a agir sob o comando da divina graça que sempre assiste ao soberano que comanda a História. Daí a merecida eternidade no agradecimento a que esse tal país (não sabemos qual, pois o vocábulo foi prudentemente grafado com caixa baixa para evitar curiosidades malsãs) fica obrigado. Alguém imagina o horror de não termos a resolução do BES e a respectiva hecatombe de falências e imparáveis prejuízos para o Estado aonde se veio parar? Seria mesmo muito mau. A própria Justiça talvez tivesse de fechar portas por falta de matéria-prima e motivação no pessoal. Mas felizmente, um rapaz chamado Pedro, nado e criado na cultura da corrupção por capitalistas do compadrio e compadres capitalistas, fez o que mais ninguém teria feito: podendo escolher o mal menor, avançou implacável na direcção do mal maior.

Eis, então, que nas catacumbas do regime se digladiam forças que tentam manter a tragédia do BES (e de Sócrates, ainda mais, arrisco declarar) como um grande impensado, umas, e forças que querem transformar a tragédia do BES (e do Sócrates, há que o repetir sem medos) num grande pensado, ou, calhando tal não ser ainda possível por falta de maturidade e literacia na população, num pequenino impensado, outras. Tal conflito chegará ao fim quando Passos Coelho recapturar (nunca se usou um verbo com tanta acutilância, senhores ouvintes!) o poder ao malvado António Costa.

É para este sonho lindo que o João Miguel Tavares trabalha todo o santo dia, até altas horas da noite, por vezes chegando mesmo uma beca atrasado aos encontros com o Araújo das piadolas.

26 thoughts on “O sonho lindo do João Miguel Tavares”

  1. O gajo aqui há dias atirou-se, por duas vezes, na mesma crónica, ao diretor do jornal, Manuel Carvalho. Não me lembro qual era o tema. Não disfarçou muito as intenções… Este JMT é ascoroso, servil – um ranhoso. A imprensa portuguesa está polvilhada de chibos. O Araújo é outro. Por isso veneram tanto o rui pinto , o CHIBO.

  2. a corrupção vem desde a fundação do reino. não foi o rei que mandou matar a mãe?
    as pessoas que observam a árvore do poder pelas folhas , que caem sazonalmente , têm de começar a analisá-la pelo tronco e ramos…são sempre os mesmos.

  3. Por muito que se deseje desmascarar o J.M. Tavares, denunciar a vileza dos seus comentários, julgo que estes indignados e justos artigos só lhe dão importância. É isso que ele quer: ser contestado, ser falado, ser conhecido. ser importante, conseguir polémicas Ele é um provocador intencional que só merece o desprezo, o ser ignorado, o não ser trazido à ribalta. Eu, por mim, há muito que já o não leio, nem sequer para os seus artigos olho. Desculpe Valupi, é a minha opinião.

  4. Concordo em absoluto com Manojas e também com a primeira frase do texto, com um acrescento da minha lavra: o JMigTav não me interessa absolutamente para nada, nichts, niente!

    Asqueroso até ao vómito é o que se pode ver hoje nas capas do expesso.

    Bate todos os recordes de decência e contenção. É digno de animais raivosos, que não merecem compaixão de espécie nenhuma. Mereciam era uma erupção vulcânica por aqueles cornos.

  5. Manojas, tens razão mas não acho que tenhas a razão toda. Sim, ele vive das “polémicas” e é um poço sem fundo de necessidade de atenção – até porque é daí que lhe vem o pilim. Mas como tenho dito e repetido, o seu interesse não está na sua pessoa, antes em quem lhe paga e para o que lhe pagam. A estrutura, ou até estruturas, onde vinga e conseguiu ser uma vedeta.

    Em suma, Marx.

  6. O Valupi presta um grande serviço em malhar nos escribas e comentadores ranhosos da direita raivosa. Nos merdia que pr’aí há, ninguém tem apetite nem cojones para o fazer. Ainda bem que nos restam estas aspirinazinhas das redes sociais. Sem elas, a comunicação social que hoje temos seria tão ou mais insuportável do que a de antes do 25A, porque nem sequer podemos pôr a culpa numa censura de Estado.

    Agradecem os visados ser atacados? Talvez. Os seus egos pelam-se por andar na berlinda. Gostam de ser odiados, porque acham que isso também contribui para a continuidade da esmola que lhes dão. E daí? Vamos nós deixá-los a envenenarem diariamente o ambiente, em absoluta paz de cemitério, só para não se poderem vangloriar de ser atacados?

  7. estão a dizer agora na sic que a oms não descarta a fuga de laboratório, no caso do covid .

    desde sempre, foi essa a minha suspeita favorita .

    os gajos do partido comunista da china ( mainland ) estavam em sérios apuros para conter os protestos e as manifestações dos habitantes de hong-kong ( chineses ocidentalizados e civilizados ) também conhecida por revolução dos guarda chuvas .

    daí que uma coisinha como o covid, que impederia os ajuntamentos, vinha mesmo a calhar .

    sucede que, se enganaram na dose, e na distribuição ( entregaram a tarefa ao carteiro da minha zona, que entrega as cartas todas fora dos sítios correctos ) .

  8. A OMS não descarta, agora, a fuga de laboratório que antes negava porque o corrupto senil Joe Biden adoptou há algumas semanas (ainda que de modo um bocado mais cobarde) a tese do cavalão desbocado Donald Trump. Os motivos são os mesmos, para um e para outro: ambos precisam desesperadamente de alguém a quem culpar pela sua própria estupidez e incompetência a lidar com a pandemia e a OMS está cheia de criadagem mais do que disposta a baixar as calças e fazer um jeitinho ao patrão americano. Isso não põe totalmente de parte a hipótese de fuga laboratorial acidental, mas a tese das 3:02 só não é teoria da constipação porque, com aquela tirada dos “chineses ocidentalizados e civilizados” de Hong Kong, imagino que por oposição à horda de Neandertais do continente, só pode ser mesmo ironia voluntária, para fazer rir o pardieiro. Na China também há quem defenda a mesma tese, mas para esses o laboratório “culpado” seria o de Fort Detrick, nos EUA.

    https://www.nytimes.com/2019/08/05/health/germs-fort-detrick-biohazard.html (Agosto 2019)

    https://wjla.com/news/local/cdc-shut-down-army-germ-lab-health-concerns (Janeiro 2020)

    https://news.cgtn.com/news/2021-02-18/After-mysterious-shutdown-Ford-Detrick-still-shrouded-in-secrecy-XZkLOGbxcc/index.html (Fevereiro 2021)

  9. A culpada da disseminação do coronovirus não será a Diretora Geral de Saúde portuguesa ?
    Isso sim, é que poria o governo de Costa em pantanas, levaria o Rio ao poder e vingaria de vez o Bastonário dos médicos e a Bastonária Cavaca ,acabando,na passada,com o SNS !
    Para alguns seria um Sonho de uma Noite de Verão….

  10. Fui professor de uma das filhas deste esterco, no tempo das AEC. Eu era e sou professor de Inglês. A menina era aplicada, mas já tinha tiques de arrogância. Um belo dia, veio com esta pérola: teacher, não venho mais ao inglês. Why not? Porque o meu pai arranjou aulas privadas, com o Anthony, não preciso de ficar aqui para o Inglês.
    Parece-me significativo. Mas o curioso é que a cachopa acabou por ficar nesta escola pública, esse ano e os seguintes, a ter o dito inglês, às tantas o Anthony fazia-se pagar bem. De passagem, o JMT, que era todo falinhas mansas quando ia buscar a filha, aproveitou à época para escrever um artigo a malhar nas AEC, como se fossem merda. Deixou todos os professores da escola boquiabertos e passámos a dedicar-lhe, no trato que tínhamos de ter com o tipo enquanto encarregado de educação, um profundo desdém.

  11. O amor da América por estes “chineses ocidentalizados e civilizados” de Hong Kong é tão grande e assolapado que, só para chatear os primos neandertais do “mainland”®, esses comunas dum cabrão, não se acanha um segundo em, democrática e civilizadamente, dar cabo do ganha-pão dos ocidentalizados. Ora toma que é democrático!

    Chinese officials blast US ‘fearmongering’ advisory to business operating in Hong Kong

    https://www.rt.com/news/529479-us-advisory-hong-kong/

  12. ò quimacho! não tens links das negociatas do galinha com os russos e das amizades com o chega?

  13. e especialista em coisas surtidas, apoiado em fontes tais como o jornal vozes de burro, e outras tubagens, youtube e enciclopeida wikipeida . cala a boca só dizes merda, reduz-te à tua insignificância.
    aquela merda nasce lá e repentinamente desaparece lá . e inda por cima dizem que os casos ( raros dizem eles ) que aparecem, são importados .
    quero lá saber quem disse ou diz que o vírus é made in china . está a dizer a verdade .
    se quizeres paga, eu tou já a fazer o apuro dos prejuízos para apresentar a conta aos chineses . e não estou só .
    o chefe da delegação da oms que já lá esteve para investigar ( e que previamente tinha trabalho 6 anos para um laboratório chines ) disse que basicamente os chineses não deixraram ver nada do que eles queriam ver, e não cooperaram .
    Pastar bem !

  14. o cromo clementina, especialista em meter tudo ao barulho, e basicamente não dizer nada, arreveza um samba do crioulo louco, mete tudo na panela de pressão e finaliza na cataplana . pra ver o que dá .
    esqueceu-se dos revolucionários cubanos, deve estar debaixo dum chaparro a beber uma cuba livre com a cabeça debaixo da boina . que puta de mona !
    esqueci-me de dizer ao teu camarada camacho, que o partido comunista chinês, está-se cagando para o povo chinês. seja mainland, seja onde fôr .

  15. se não sugeria que te queixasses à gerência
    podes sempre pedir o livro de reclamações e escrever lá um chorrilho de palavrões.

  16. A mula-russa camacho despeja com um renovado frenesim a carga que carrega no lombo, servindo-nos mais doses de boa propaganda made in Rússia e China, essas duas referências da liberdade e da democracia no Mundo.
    Torna-se impossível eleger a principal qualidade do bom camacho, tão difícil é a escolha: se o seu acriticismo compulsivo, se a sua imbecilidade esclarecida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.