8 thoughts on “O que dizemos agora?”

  1. estive a ver na internet como “nasce” o presunto pata negra iberico,que pode custar cerca de 300 euros.rural,em vez de dizeres barbaridades,faz alguma coisa útil e dedica-te efectivamente ao campo.podes levar o “teu ” cavaco, para teu capataz nos campos da estremadura!

  2. vi os “prós e prós “de ontem, com eurico dias como participante.gostei do estilo e do conteúdo.só lamento, que não tenha respondido à provocação do ministro da economia quando fez mais uma viagem à narrativa da bancarrota.o estilo do programa e a senilidade da fatinha,tiram interesse ao programa e por isso raramente vejo!

  3. oh nuno, compra uns ólicus e um par de sonotones*. aquilo é mais cintilante que brilhante, não têm luz e irrita-se intermitentemente, tipo pisca-pisca, com ares doutorais quando a vidinha (ler currículo) do moçinho é posta em causa. mais um cagalhão, tipo tózero, que se acha predestinado para ministro de qualquer merda, num governo de merdosos chefiados por um cagão. daquela trampa toda que foi aos pós da fátinha aproveita-se o reis novais, o resto é tudo oposição a fingir e a grande maioria combinada com o menistro pirex, até levaram um bate-punho para propor consensos, paz e amor entre sindicatos, patrões, oposição, tribunais, reformados e desempregados, de forma a facilitar o cumprimento dos objectivos dos agiotas e da missão patriotica deste governo em estoirar o que resta.

    * se encomendares esta semana recebes de brinde uma camisa à la goucha, não confundas com gauche, que quer dizer esquerda em françiú.

  4. Ignatz, nunca pensei concordar consigo, tem toda a razão o rapaz é mesmo um petulante e o ar de felicidade acompanhado de risinhos quando a Fatinha disse que ele seria ministro do próximo governo. Um nojo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.