O Qi faz-te mal ao QI

Experiência nunca até agora realizada, e sem previsão do vir a ser, revelou que o Quociente de Inteligência é diminuído pelo Quociente de ideologia. As perdas chegam aos 30 pontos, em média. O estudo utilizou as eleições presidenciais norte-americanas como modelo de aferição. Constatou-se haver um grupo largo de indivíduos escandalizados, ou perplexos, com a eleição de Bush em 2000 e 2004. Esse grupo forçava o seu sentido de realidade a encaixar o pressuposto ideológico que lhe garantia haver erro nessas vitórias. Assim, em conformidade com o sofrimento causado pela eleição democrática de um taralhouco daquele calibre, o povo americano teria de ser falho de várias qualidades positivas ou farto de várias qualidades negativas. O mais das vezes, as expressões Os burros dos americanos e Americanos imperialistas sintetizavam essa polaridade.

Ora, acontece que a vitória de Bush em 2000, e esquecendo o episódio Florida, é lógica: Clinton tinha sido protagonista de um escândalo moral como não havia memória, o qual puxou os independentes para um castigo legítimo aos Democratas; a economia estava ultra-saudável, imaginando-se que assim ficasse viesse quem viesse; não havia 11 de Setembro, nem possibilidade de o imaginar. E, em 2004, mais lógica foi a vitória de Bush: a nação estava traumatizada, ainda incapaz de racionalizar o desastre Bush; a nação estava em guerra, ainda incapaz de racionalizar o desastrado desastre Bush; Kerry não apaixonou, a sua campanha veio 4 anos antes do tempo.

Um Qi elevado impede o entendimento destas relações que chegam lógicas a um QI médio. Nos casos mais graves, nem sequer se consegue a mera percepção dos objectos no espaço bidimensional. Por exemplo, muitas vítimas de um Qi especialmente bem desenvolvido não são capazes de encontrar no mapa dos EUA as zonas onde os habitantes vivam da agricultura, pecuária, indústria, serviços e em que façam questão de ir à igreja ao domingo, gostem mais de música country do que do Zizek e favoreçam com especial carinho o ideal da propriedade privada e da livre iniciativa. Eles acham que tais zonas estão cheias de zombies controlados por militares e agentes da CIA disfarçados de tele-evangelistas; e, podendo, mandavam prender essa gentalha toda que lhes estraga o retrato de uma América desenraizada, ateia, urbana, cosmopolita, europeia, esquerdista e desejosa de ser governada pelo ticket Jerónimo-Louçã. Uma América cujo QI tivesse 30 pontos a menos, pelo menos.

15 thoughts on “O Qi faz-te mal ao QI”

  1. Info, muito obrigado pelo teu comentário, e deixa-me já começar por concordar contigo: pode-se padecer de QI elevado, bastando para tal que se esteja desprovido de tudo o resto que constitui a natureza humana. Agora, talvez tenhas deixado passar a distinção entre QI e Qi. Se foi o caso, ainda não percebeste o texto.

  2. Nos E U da América menos de 3% da força de trabalho vive da agricultura e pecuária, Val. Por isso é que o trigo, o milho e o bife americanos são baratos.

    A dupla Jerónimo-Louça só se fosse numa casa de fados na Broadway.

  3. nem metido Valupi, confesso que me tinha interrogado como é que justificarias a escolha do bush em eleições anteriores face ao argumento da força de carácter lá de baixo, mas esquissaste bem, confesso que não tinha visto antes em toda a magnitude a implicação: garganta funda na sala oval -> governador psicopata filho do pai,
    mas lá vai,

    eu cá para mim acho bem o Sócrates continue, aliás prometi-lhe o belo em si, mas agradeço muito ao Louçã escrever e falar destas coisas:

    http://www.bloco.org/media/20081003livcrash.pdf

    quanto ao Jerónimo é sempre a mesma coisa, mas há quem goste, assim uns velhinhos e tal

    o mosaico

  4. deixar isto tratado:

    dr. Burroso, agora nós,

    estava ao telefone quando apareceste um minuto na talevisão, e nem percebi o que disseste, mas pareceste-me mais gordo e verde do que do costume, diabão

    agora que o bush se vai ficas o único da foto que está na linha da frente, anfitrião da Lajes,

    o que vale é que a tua mulher é inteligente e te cunhou bem como o cherne, para dissimular o tubarão, convoco-te pois Cherne, faço-te cherne-em-si,

    um erro é um dano causado por ignorância e a invasão do Iraque foi um erro em face dos valores civilizacionais que pareciam ter sido adquiridos depois da segunda guerra, o valor da verdade, o valor da solidariedade, o valor da liberdade,

    há que assumir o erro

    talvez consigas fazer a alquimia da transmutação política – para essa nova ordem financeira mundial de que falas, convoco também os teus pensamentos de juventude e que as frases que gritavas na rua ecoem na tua cabeça

  5. Ah, já percebi. Tinha lido um pouco à pressa e o meu QI constipou-se. O Qi tem valores normais e não atrapalha.
    Mas dizer que o Qi afecta o QI é clássico. Aplica-se a muitas geografias e às mais diversas ideologias. O Sócrates, por exemplo, está sempre a dizer: ‘a vossa cegueira ideológica isto, e aquilo…’.
    Haver um estudo é bom, mas ele pode ser usado por todos.

  6. Nik, as tuas contas estão um bocado por baixo, mas não tem mal.
    __

    Z, isso não invalida que os Republicanos tenham milhões de broncos, os quais ainda hoje aprovam a governação de Bush. Há de tudo, especialmente quando há muita gente e com experiências bem diferentes.
    __

    Info, exactamente, o Sócrates é um bom exemplo da aplicação desta lógica. Agora, só te falta detectar melhor a minha ironia, pois não há estudo algum.

  7. As “minhas contas” são dados oficiais do governo americano. Força de trabalho na agricultura em percentagem do total da força de trabalho nos EUA: 2,7% (2004). População rural em percentagem da população total, anda pelos 18% (inclui todas as espécies de inactivos e os produtores isolados).

  8. Valupi, os USA para mim vivem no meu coração, para o bem e para o mal, aquilo ainda é uma nação jovem, bem vistas as coisas, muita adrenalina, estrogénios e testosterona; eu visto roupa americana quase sempre porque é a que me dá mais jeito para o dia, e sapatos portugueses,

    a America tem grande diversidade e portanto grande riqueza, grande inventividade, também tem grande violência, real e potencial

  9. Valupi, tenho uma dúvida, sempre achei fascinante esta coisa da maisvalia mas é porque acho o som bonito, flopeja no ar; ora bem, então quando eu vou buscar um youtube não sei onde e meto num blog, seja este ou qualquer outro, estou a criar mais valia de ir lá ver, seleccionar, meter, tudo isso é trabalho, já nem falo dos neurónios que pode ficar espiritual, estou a falar do básico da física, trabalho= força*deslocação, ora a força dos meus fingers no teclado são muitos vectores vezes muitos deslocamentos,

    não estou a querer nada para mim, que não seja Sol, alegria e amores, no que tenho andado bem, mas era uma vez mais para te demonstrar, no teu caso por maioria de razão, porque postas e bom, que a blosfera é uma reserva de valor expressa em serviços de conhecimento e comunicação que pode suportar muito new money, lá exactamente como se pode processar a articulação já me entedia, prefiro que permaneça em aberto, chega-me demonstrar a existência de reservas potencialmente infinitas,

  10. o lucro de outro, que não o trabalhador, mas essa é a parte da apropriação

    eu falava na criação de mais-valia no sentido de valor acrescentado de um produto por reimersão noutro contexto acrescentado disto ou daquilo, como mensagem, ou programa

    pois então, todo o mar de criatividade da blosgosfera por certo que dá origem a lucros de muitos, concretizando negócios de contratos, de bolsas, de protocolos, sei lá que mais, através do marulhar de idéias e comunicação

    eu não preciso de construir a canalização para ver que num sistema simples de vasos comunicantes a água passa do vaso que tem maior potencial para o que tem menor, isso é com água física, com informação não sei se é análogo,

    não te esqueças que para falarmos de valor de não-sei-quê parece que temos sempre de usar uma tensão entre duas categorias, por exemplo valor de uso/valor de troca, análogo do par significante/significado

  11. ja´ha algum tempo que não via tanta e tão bem feita ironia só ouve uma coisa que não percebi como é que se apenas >3% dos americanos vive da agricultura pecuária; o milho bife e não sei que é mais barato

    (se calhar padeço de Qi)
    mas…
    Façam um desenho por favor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.