O problema não está nele, está em quem lhe paga

As crises graves geram comportamentos extraordinários. É uma resposta simultaneamente atípica e típica dos organismos perante a gravidade das ameaças. Mas para certos seres as crises graves não passam da oportunidade de repetirem e intensificarem um comportamento ordinário. É o caso com um certo pasquim onde escreve um certo caluniador profissional. Ontem, esse ser vendeu um texto no tal antro a manifestar-se esperançado na possibilidade de se atingir politicamente António Costa por causa da epidemia do coronavírus. A sua esperança vinha apoiada numa diabólica profecia de um certo político que o caluniador profissional promove messianicamente. Um certo político que igualmente se aproveitou de uma crise extraordinariamente grave para obter ganhos políticos que geraram consequências devastadoras após ter afundado Portugal para subir ao poder.

A partir daqui, podemos sem dificuldade entrar no processo cognitivo e sistema emocional do calunidador profissional. Ele tomou o partido do vírus, o qual vê como aliado, como a entidade que vai resgatar a profecia diabólica do seu ídolo e provar que ambos, caluniador e ídolo, tinham razão, sempre tiveram razão: Costa não presta, é apenas um traste “que teve imensa sorte nos últimos quatros anos” (sick). Bastará este “abalozinho” para o derrubar. Daí ser inevitável que o caluniador profissional passe a festejar como adepto cada novo caso de infecção, cada novo salto no número dos suspeitos, cada morte. A morte será especialmente bem-vinda, tal como aconteceu em Pedrógão. Com mortes, muitas e muitas, com velhinhos a caírem por todo o lado, será a consagração suprema do exercício desiderativo. O caluniador esfrega as mãos de contente, as coisas estão a ir no sentido da sua ânsia. E talvez já se imagine, depois de pela mesma causalidade moral ter recebido honras de Estado sendo presidente de um feriado nacionalista, a entrar na Sociedade de Geografia como sócio honorário ainda antes do Natal.

É uma pena, uma lástima, Bárbara Reis não ter disponibilidade para gastar 10% da implacável atenção que dá ao perigosíssimo Ventura, 1% que fosse, com este senhor que recebe do mesmo patrão. Afinal, não consta que a pulhice tenha chegado à Grei com a entrada na Assembleia da República da luminosa e vocal estrela que Passos Coelho escolheu e preparou para tentar sacar Loures aos esquerdalhos e amigos de ciganos. A explicação, sabemo-lo, é sórdida. É que um deles é político – enquanto o outro, para além de colega de pasquinagem, se limita a fazer política.

11 thoughts on “O problema não está nele, está em quem lhe paga”

  1. Nesta ocasião e para as muito mais duras que aí virão, não há uma única crítica que valha a pena/deva ser feita ao Costa, desde que:
    1. Não abandone o barco quando vier a verdadeira tempestade e assumir as suas responsabilidades governativas até ao fim, custe o que custar – espero que entendam o quão difícil isto será se os graves cenários, que são prováveis, se confirmarem;
    2. Consiga que nenhum elemento da equipa governativa se demita por desânimo/desespero, mas ter preparada a imediata substituição de quem dê disso sinais;
    2. Tomar decisões baseadas única e exclusivamente em pareceres técnicos;
    4. Usar a força pública sempre que necessário e de forma exemplar.
    O maior perigo durante os tempos que se aproximam é o de deixar de haver homem no leme.
    Boa sorte a todos.

  2. “pode ser que seja ele atingido , ou a família. o karma é lixado.”

    a quem é que te referes e o que é que a família de quem quer que seja tem a ver com as tuas kermesses de estupidez diletante. dass… não há poste onde a vaca largue bosta.

  3. Esperava que o Costa fechasse as escolas. Continuaremos, assim, a ir a reboque dos acontecimentos tristes que se seguirão em vez de os enfrentar. As expressões “para já não se justifica” utilizadas constantemente pelos responsáveis para adiar a tomada de medidas, têm sido incompreensíveis, pois bem denotam que têm consciência de que as medidas têm de ser tomadas, mas preferem adiá-las, com todos os prejuízos para a saúde pública inerentes a tal demora.

  4. dirijo-me a quem está esperando que ocorra uma catástrofe para obter ganhos políticos. ou outros. já apanhaste o covid , foi? e atingiu.te o cérebro , já percebi . tu e as tuas originalidades idiossincráticas , como sempre.

  5. Infelizmente temos uma fraca densidade de profissionais formados em TCM (Traditional Chinese Medicine), vulgo acupunctura, porque isso poderia aumentar as hipóteses de sobrevivência dos infectados.

    http://www.xinhuanet.com/english/2020-02/29/c_138830308.htm

    https://www.deccanherald.com/international/integrated-treatment-of-western-and-traditional-chinese-medicine-helped-most-covid-19-patients-recover-report-812142.html

    É capaz de ser mais eficiente do que desatar a comer só ervinhas…

    A quem isso possa interessar…

  6. Para quem ainda não tinha percebido (que não é o meu caso), o dejecto castelhano no feminino revelou às 20.35 o nível abjecto da sua baixeza moral.

  7. está bem , é novidade para mim que dizer que alguém que deseja que tudo corra mal nesta crise para que o governo fique mal na fotografia , como conta o post acima , devia ter cuidado com o que deseja porque pode ser ele ou a familia tamb+em afectados , seja um tipo de baixeza moral.
    Claro que tendo em conta que portas guarda este Cerbero , é capaz de no inferno a cenas serem assim ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.