O pior de 2018

O pior de 2018 foi não termos alguém do PSD (tanto fazia) e a Assunção Cristas a governar a malta. Com esse pessoal a despachar decretos-lei, os professores já tinham recuperado todo o tempo de serviço e o mais que se lembrassem de pedir, os enfermeiros passariam a tirar os pensos com muito maior delicadeza e carinho e quem pensasse em fazer greves a cirurgias (ou que fosse ao corte das unhas) seria tratado como efectivo criminoso, os magistrados do Ministério Público teriam Joana Marques Vidal firme no comando da PGR por mais 6 ou 60 anos (o tempo que levasse a exterminar a praga de corruptos com ninho no Rato), o valente Ventinhas poderia dedicar-se a tempo inteiro a comentar processos judiciais em curso e caluniar certos arguidos que ele não grama, e, claro, as 20 estações de Metro da Cristas (com um custo simpático de dois mil milhões de euros) estariam quase prontas.

Os direitolas, quando vão para a oposição, transmutam-se em paladinos do Estado, da coisa pública, do investimento nos serviços sociais em favor dos mais desfavorecidos. Ou seja, a direita na oposição mal se distingue das pessoas decentes. É, pois, lamentável que o PS não tenha deixado entrar à socapa nos Conselhos de Ministros alguém do PSD (tanto fazia) e a Assunção Cristas (ou deixá-la participar por SMS, feito artístico em que se terá especializado nesses dias de canícula em que só apetece piscina ou beira-mar).

12 thoughts on “O pior de 2018”

  1. Certo ! Com essa malta ao leme o Estado nunca “falha”, portanto a estrada de Borda não caia, não havia assaltos a paióis, coletes amarelos, anestesistas a 500 à hora, e o Marcelo sentir-se-ia muito menos solitário, coitado. A falta que eles nos fazem !

    Bom Ano, aspirinas.

  2. Nem mais, com essa malta no poder haveria chupa-chupas e balões para toda a malta e do céu cairiam caramelos.

  3. E com essa malta no poder a tropa fandanga (professores, enfermeiros, bombeiros, juízes, promotores, etc) não seria tão grevista, tão exigente, tão protestante, tão revoltada), sabem muitos, e muitos mais não sabem, porquê. ,

  4. Ó Val estás a brincar mas se eles lá estivessem já nos tinham devolvido a sobretaxa, já tínhamos uma agência para a emigração, já não tínhamos a porcaria da peste grisalha, os professores tinham o tempo contado desde a 1a República, e os enfermeiros eram equiparados aos cangalheiros.

  5. Não se brinca com os enfermeiros, quando já há muitas famílias de luto graças às suas greves

    E o Costa sempre com o seu sorriso trocista!

    Porra!

  6. Com o governo do Passarolas de Massamá em frenética perseguição do objectivo do “Estado Mínimo”, o Estado por estas alturas já não existiria, e logo, não falhava !

    Espanta-me que ninguém faça esta pergunta à direitalha.
    – Olhe lá, você não era um dos que queria o “Estado Mínimo” ? tão agora como quer que funcione ?

  7. Essa gentalha tem sido levada em ombros pela comunicação social, são horas e
    horas de televisão e, resmas de papel com os seus guinchos sobre as falhas do
    Estado, vão à missa pedir mais desgraças para culpar o Governo!
    Já o Presidente Celinho apesar de, muito debilitado pela operação a uma hérnia
    coisa considerada de última prioridade nos hospitais do SNS, criou um tabu so-
    bre uma eventual recandidatura, dependente dos resultados das eleições legisla-
    tivas, se por bamburrio o PS conseguir uma maioria absoluta … reforma-se!
    Mais um tempo, eles estarão a viajar para o Brasil uma terra prometida e bem
    governada, onde poderão ser bem aceites como professores catedráticos nas
    universidades locais, tudo gente de elevado currículo de competência e não só !!!

  8. o pior é o saldo, cada vez mais, negativo da população : Costa , o cangalheiro :)

    ainda que tem um aspecto positivo a coisa – estou mesmo convencida que a esperança de vida está diminuindo e tem lógica , os meus pais não fizeram um décimo das maluqueiras da minha geração – talvez me reforme antes dos 80 … “”Mas o que será mesmo preocupante, e não temos dados que permitam perceber isso, é se a esperança de vida diminuir.”

    https://www.dn.pt/edicao-do-dia/06-ago-2018/interior/2018-caminha-para-ser-ano-de-recorde-de-mortes-em-portugal-9682012.html

  9. Minha senhora, o problema não é o número de mortes. O problema é estarem a morrer as pessoas erradas. Os direitolos, por exemplo, parecem ervas daninhas. Nem com sal desamparam a loja…

  10. Adoro vir ler estes textos do Aspirina B. Mais um em que acerta em cheio. Se professores e enfermeiros (a maioria) não fossem uns acéfalos, perceberiam a realidade e não se deixariam comandar por gente do psd e cds que só os manipula e no fim os trata como lixo. Pensariam por si mesmos e evitariam destruir ainda mais os sectores que ficticiamente dizem defender. Dantes, um prof, um enfermeiro merecia todo o respeito, agora eles próprios se descredibilizam constantemente. Querem arruinar o que pouco que resta de bom que os governos psd/cds não conseguiram destruir. Só eles é que sofrem e têm direitos, o resto do país nada, que pague. Deveriam ter emigrado todos quando o seu amigo coelho os convidou. Mas, ainda estão a tempo, o Brasil de Bolsonaro é o país ideal para eles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.