No pálido ponto azul

Dada a incompreensível sucessão de acontecimentos no Afeganistão, esperei para ouvir Biden a respeito antes de ousar o delírio de conseguir dar sentido ao que chega pelos canais noticiosos. Antecipava, ou desejava, uma explicação que mantivesse a sua credibilidade, como presidente dos EUA e como político. O que lhe saiu adensou a perplexidade e o desamparo.

Tal como na invasão do Iraque – em que, para além da mentira sobre as armas de destruição massiva, foi incrível constatar que não havia qualquer plano de reconstrução do Estado iraquiano – agora estamos a assistir a algo que previsto seria tido como impossível pela pessoa comum ou pela outra pessoa, incomum, que dorme na Casa Branca. Biden não acreditava na possibilidade de ter talibãs a ocupar o palácio presidencial, e a passear nas ruas felizes da vida, enquanto o que ali resta das forças militares da maior (ou única) superpotência está amontoada no aeroporto a tentar que americanos entrem em aviões, tendo na pista centenas de afegãos em pânico, loucamente desesperados, alguns apanhando o suicídio em andamento. Daí ter garantido que ia tudo correr bem, há um mês. Um mês depois, Cabul caía em horas sem ter sido preciso disparar um tiro.

Na verdade, estes acontecimentos no Afeganistão são ainda mais espantosos (se possível) do que aqueles no Iraque porque em 2003 estava em causa ir para um cenário desconhecido e apostar na força e nos dólares para impor a ordem. Em 2021, temos 20 anos de ocupação no terreno. Duas décadas a recolher informação sobre talibãs, afegãos, muçulmanos, fanáticos, corruptos e o zé povinho daquelas bandas. Acrescente-se os omniscientes olhos e ouvidos dos diversos serviços secretos americanos e de muitos outros países aliados. Como é que o Pentágono se deixa apanhar nesta vexante e alarmante situação? Faltam as palavras.

Mas depois voltam as palavras. E são estas: a Terra é um pálido pontinho azul, mais pequeno do que um píxel, rodeado de escuridão.

38 thoughts on “No pálido ponto azul”

  1. Se o Mundo fosse o berlinde com que brincam os, mais fácil seria moldá -lo !
    Olhar pelo lado errado do binóculo traz problemas de escala…
    Ala, que se faz tarde !!!

  2. Mas haverá assim tantas razões para tanta indignação? Não sejamos tão hipócritas, ou já todos nos esquecemos dos acontecimentos no Vietname, no Iraque, e mais recentemente em Cuba, para não irmos mais longe.? Ai, ai, a tão enaltecida Nação Americana e a sua intransigente vontade de ser o dono disto tudo.

  3. Quem não percebe é melhor ver o White Lotus na HBO. Talvez a melhor série dos últimos tempos, está lá tudo: num cenário idílico as relações meramente transacionais, o neo-colonialismo, a surda luta de classes, a insatisfação permanente (o hino de Jagger acertou em cheio), a auto-sabotagem etc…
    Uma grande metáfora do culto da grande fénix.

    Post Scriptum (por extenso para que a leitura automática não seja “partido socialista”)

    Dear Bob,
    I’m not sure if it’s really gonna be alright.
    Joe

  4. Gostei do discurso do Biden. O pânico de alguns afegãos e os incidentes do aeroporto de Cabul eram difíceis, se não impossíveis, de evitar.

    Os americanos cometeram nas últimas décadas o mesmo erro no Afeganistão e no Iraque, que decidiram ocupar militarmente invocando motivos falsos ou idiotas. Foi Bush Jr o responsável dessas duas mega-asneiras, mas teve um continuador involuntário e hesitante em Obama, que não cumpriu a promessa de retirar os EUA da zona. Paradoxalmente, foi preciso o governo de um imbecil como o Trump para entender, no final do mandato, a necessidade de negociar com os chefes tribais afegãos. Com a actual posição de Biden, que simplesmente reconhece a realidade afegã e segue nisso a linha adoptada em 2020 pelo governo anterior, os americanos parecem estar enfim a perceber que podem combater eficazmente o terrorismo internacional das Al Qaidas e Estados Islâmicos sem caírem na ratoeira de ocuparem militarmente territórios. Os direitos e liberdades do povo afegão devem ser defendidos e conquistados pelo povo afegão, não por ocupantes estrangeiros. Tão simples quanto isto.

  5. Júlio: “os americanos parecem estar enfim a perceber que podem combater eficazmente o terrorismo internacional das Al Qaidas e Estados Islâmicos sem caírem na ratoeira de ocuparem militarmente territórios”

    Não apostava nisso nem cinco cêntimos.

    Júlio: “Gostei do discurso do Biden.”

    Quem não gostou nada da conversa de Biden foi o humanista Adolfo:

    https://youtu.be/PUif106VC-o

  6. Júlio subscrevo. De resto, aqui em casa , eu disse: isto estava combinado, o presidente retira-se, as forças de segurança tinham entrada garantida pois não ia haver oposição, o passo a passo a ocupar as capitais já garantidas a partida. O Afeganistão está em cacos? Pois bem mais nem menos do que sempre esteve governado por traficantes de ópio que é quem tem dinheiro num país de montanhas sem nada para dar a quem tem a infelicidade de lá nascer. Gosto de talibãs? Não, convictamente não , detesto traficantes embrulhados em balandraus e com obuses a tiracolo. As mulheres afegãs são o que mais me preocupa, em especial as mães e as jovens. Aquela horda de salteadores não me deixa qualquer esperança.

  7. “… tendo na pista centenas de afegãos em pânico, loucamente desesperados, alguns apanhando o suicídio em andamento.”

    não percebeste nada do que te mostraram, se calhar estava legendado pelo camacho. os gajos festejam com rajadas de metralhadora e suicidam-se para chegar primeiro ao céu e apanhar lugar na primeira fila.

    quando eu vieram pra esse mundo
    não atinavam em nada
    hoje são talibans
    talibans he! meus camaradas

    nascemos assim, crescemos assim
    somos mesmo assim
    vão ser sempre assim
    talibans, sempre talibans

    quem os batizou, quem os iluminou
    pouco lhes importou, e assim que somos
    talibans, sempre talibans

    somos sempre iguais, não desejamos mal
    amamos o natural, etc e tal
    taliban, sempre taliban

  8. Aproveitando as palavras do Valupi , neste seu post esplêndido, resta-me render homenagem ao maior cientista cosmológico, de todos os tempos, o Carl Sagan, com 2 dos seus vídeos, de um dos quais o Valupi tirou a última frase do seu post:
    https://youtu.be/WGPUdomqS5E
    https://youtu.be/TA1aNQw8RmA
    Os nossos irmãos de espécie (os homosapiens) de que todos fazemos parte, surgiram pela evolução biológica de outros animais diferentes, durante milhões de anos. Hoje o planeta Terra está a sofrer e muitos milhões de nós também, pelos feitos criminosos de alguns de nós(guerras, exploração, etc.).

  9. não se percebe nada do que se passou , parece um passe de mágica em que alguém tirou uns coelhos sujos e barbudos da cartola e prontos.

  10. O que eu quis dizer, Júlio, foi que os americanos não estão puto interessados em “combater eficazmente o terrorismo internacional das Al Qaidas e Estados Islâmicos”. Já lhes deu jeito muitas vezes e é ferramenta que não lhes repugnará continuar a utilizar. Basta olhar para a Líbia, o próprio Afeganistão no tempo da URSS, a Chechénia antes do Putin, a Síria desde 2011 até hoje (work in progress) e mais toda a trampa a que conjunturalmente possam jogar mão para derrubar ou enfraquecer qualquer Governo com um mínimo de veleidades de independência que tenha bicharada daquela por perto. Mas é claro que tu percebeste perfeitamente o que eu quis dizer.

  11. Sem reserva de pudor, camacho vê no fracasso norte-americano no Afeganistão e na tragédia dos afegãos realidades fruíveis, que lhe proporcionam excitação emocional e êxtase intelectual.
    Espirituoso, repleto de bonomia, camacho gratifica-nos com o seu bom humor. Seja na comparação de Cabul com a Saigão de 1975 (incluindo o espetáculo de helicópteros em queda), seja a trazer Hitler para o barulho.
    camacho e os humanistas e anti-imperialistas da sua cepa riem-se. Riem-se a China e a Rússia. Ri-se Trump.
    E riem-se igualmente os talibãs. Ou os “polibãs”, como gosta de lhes chamar o humorista camacho.
    Mas há outros que também riem. Todos os afegãos se riem. Os estropiados, os moribundos e os mortos. Os que praticam queda livre no aeroporto de Cabul. Os que têm a cabeça a prémio. Os que fogem e os que tentam fugir. As mulheres e as meninas.
    Rimo-nos todos. Num riso pegado.

  12. Não tenho voto na matéria mas faço uma pergunta. O que tiveram a fazer durante 20 anos no Afeganistão ? o que andaram a fazer ? Mataram o Bin Laden , tudo bem, mas nem sequer foi no Afeganistão. Não conseguiram efetivar 150.000 ou 200.000 soldados afegãos para defender o país. Treiná-los para defender a estrutura política e os civis. Todo aquele “espetáculo” foi permitido pela má organização e falta de planeamento. O Biden disse também que os militares afegãos fugiram; mas isso não será culpa dos americanos que em 20 anos não conseguiram alicerçar as forças armadas desse país, ensinar-lhes a fundo o que são forças armadas “decentes”?
    É melhor à frente de alguns países estarem ditadores do que levitas, sacerdotes, rígidos fanáticos que vivem para elevar a espiritualidade do povo só com tormentos. Pelo menos é possível estabelecer diálogo com os primeiros.
    Mas também digo o seguinte, parece me que esta seita radical, taliba, estão ligeiramente mais sensatos que há vinte anos. Tenho esperança que já não vivam para o sangue, talhos e cheiros afanosos de tripas fritas, tudo o que os sacrossantos reclamaram… Mas não deixa de ser uma “traição” dos americanos aos afegãos.
    Também se deve falar com “terroristas”, também se deve fazer diplomacia com eles, e sem dúvida que agora é o tempo dela. O governo espanhol já falou com a ETA (e bem), em Portugal já se passou mais ou menos a mesma coisa, não sei se na Irlanda também, enfim, deve-se falar.

  13. O idiota chora… lágrimas de crocodilo, mas chora.
    Caga-se para os afegãos, mas chora. Caga-se para as afegãs, mas chora. O hipócrita de merda beberica caipirinhas à beira de uma piscina cheia de lágrimas de crocodilo, dele e de outros hipócritas como ele, mas chora. “Um tostãozinho pelas minhas lágrimas, patrão. Diga-me lá se não imito bem alguém que se importa mesmo com a sorte dos homens, mulheres, criancinhas e velhinhos afegãos! Patrãozinho, mereço mais uma caipirinha, não mereço? Já agora também um daiquirizinho, pode ser? Obrigado, patrãozinho, deixe-me beijar-lhe as mãos. Shmac! Shmac! Shmac!”

  14. Infalível, camacho reitera pela enésima vez as qualidades cardinais da sua existência: o moralismo, a hipocrisia, a cobardia e a insolência,
    Se colocássemos camacho, sozinho, frente a um espelho, diria que via nada nesse espelho. Percebe-se: existem repulsas instintivas que tornam cego quem julgava ver.

  15. Entretanto, enquanto o hipócrita idiota fazia a sesta e a piscina das lágrimas nem sequer projecto tinha:

    BBC News – Civilians killed in air strikes in Afghanistan soars by more than 300%
    https://www.bbc.co.uk/news/world-asia-55225827

    E mais uma soneca para o idiota hipócrita:

    https://www.france24.com/en/20190919-us-drone-strike-kills-islamic-state-farmers-afghanistan-ghani

    Maldita mosca tsé-tsé:

    https://www.aa.com.tr/en/energy/general/us-drone-strike-kills-scores-of-afghan-civilians-/26682

    Patrãozinho, já há decisão sobre o orçamento para as caipirinhas? Não se esqueça das espreguiçadeiras! E dos chapéus de sol, que eu tenho pele delicada! Veja lá, aquilo já não demora muito, só ingénuos e distraídos ainda não o perceberam. Coitados!

    https://foreignpolicy.com/2020/03/27/afghanistan-drones-america-legacy-taliban/

  16. Between 2016-2020 (inclusive) there have, in Afghanistan, been:

    • 3,977 total civilian casualties from airstrikes: 2,122 civilians killed, 1,855 civilians injured
    • 1,598 total child casualties from airstrikes: 785 children killed, 813 children injured
    • 40% of all civilian airstrike casualties were children (1,598 of 3,977)
    • 37% of those civilians killed by airstrikes were children (785 of 2,122)
    • 44% of those civilians injured by airstrikes were children (813 children of 1,855 total)
    • The majority (62% – 1,309 of 2,122) of civilian deaths from airstrikes were caused by international forces.
    • The majority (50% – 2,000 of 3,977) of overall civilian casualties (deaths and injuries) were also caused by international forces.
    • Overall casualties from international airstrikes more than tripled between 2017 and 2019, from 247 to 757.

    https://reliefweb.int/report/afghanistan/40-all-civilian-casualties-airstrikes-afghanistan-almost-1600-last-five-years

    Ai que soninho bom! Que horas são, patrãozinho? Já há decisão sobre as caipirinhas?

  17. oh camacho deixa-te de anedotas de mau gosto e explica ao pessoal se estás do lado dos talibans ou da civilização, do lado do povo afegão ou do terrorismo? e se não for pedir muito, o que é que propunhas para resolver o conflito? passaste a vida a revisionar o pensamento alheio que deixaste de pensar para te concentrares na caça ao pentelho e na sinalética ortográfica fora do sítio.

  18. Sai mais uma “caça ao pentelho” para a mesa do canto, onde espojam as tristíssimas bundas os cretinos hipócritas… mas bebendo caipirinhas, claro, e esgotando o stock de cebolas do mercado, para não haver falhas na choradeira:

    https://www.dw.com/en/dozens-killed-as-us-backed-strike-hits-afghan-wedding/a-50549512

    https://www.nytimes.com/2019/12/01/world/asia/drone-civilians-afghanistan.html

    Chatos do caraças, estes “pentelhos”, não sabem fazer mais nada senão morrer! Já não se pode beber uma caipirinha descansado!

  19. E haveria muito menos conflitos e tristeza neste planeta, idiota e “triste do caralho”, se cretinos como tu dessem o peido final à nascença. Ai que horror, lá estou eu a sugerir maldades de mau gosto!

  20. A luminária quer “propostas para resolver o conflito” quando o conflito já acabou! É d’homem! Genial! “Se não for pedir muito” o que achas de uma proposta para fazeres uma folga, génio? Não te cansas de ser estúpido todos os dias? O meu reino por uma folga… para o génio das 22:37.

  21. não respondeste a nada como é habitual e continuas a deitar foguetes embri-é-gado com alucinações da vitória do bem sobre o mal, os talibãnzinhos venceram os terroristas americanos e a partir de agora quem manda no mundo é o tio putinhas, o dono do tal canal russo copiado do herman.

    espalhafato do costume, não concorda com nada, são todos incompetentes e maus, mas soluções alternativas não tem ou se calhar tem, é o que foi feito e não pode ser reconhecido porque não dá jeito à merda que propagandeia. as meninas do bloco com ajuda revisionista louceiro fazem melhor.

    tou pra ver quando for apurada a responsabilidade do teu amigo trump nesta trampalhada no negócio da saída irreversível do iraque e os militares americanos o acusarem de traição, desvio de dinheiro e se calhar sociedade numa destilaria de ópio.

  22. Pedir a camacho que seja mais do que um crítico irresponsável é querer o impossível.
    Impossível para alguém que foi incapaz de assumir a responsabilidade da profissão jornalística e preferiu o conforto medíocre de rever a obra alheia.
    À semelhança dos “humanistas” e dos “anti-imperialistas” da mesma laia, camacho é hipócrita nos princípios.
    Pelo que não surpreende a hipocrisia do seu “humanismo”, eloquente perante as violências do imperialismo norte-americano, mas cobarde no seu silêncio diante da violência talibã.
    A crermos na narrativa de camacho, construída sobre silêncios e desatares de língua calculados, temos de concluir que, excetuado o interregno de 20 anos de intervenção norte-americana, o Afeganistão vivia sob o signo da liberdade e da paz, a que agora retorna, livre da “opressão” dos EUA.
    camacho coloca ao serviço do seu humanismo hipócrita os números e estatísticas que lhe interessam, esquecendo-se dos que não lhe agradam, os que incriminam os seus “polibãs”.
    Não quis dizer que, segundo os dados da Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA), de Janeiro a Setembro de 2018, 65% das vítimas civis (5.243 = 1743 mortos + 3500 feridos) foram causadas por forças anti-governamentais afegãs, contra 22% da responsabilidade das forças governamentais (1.753 = 761 mortos + 992 feridos).
    Não se lembrou de acrescentar que, também conforme informação da UNAMA, no período de Janeiro a Setembro de 2009 a 2018, os números de vítimas provocadas pelos “polibãs” e afins foram os seguintes:
    820 (2009); 1114 (2010); 1016 (2011); 1044 (2012); 1534 (2013); 1312 (2014); 794 (2015); 1078 (2016); 1168 (2017); 869 (2018). O que perfaz um total de 10749 afegãos feridos ou mortos. Gente que não conta para a estatística de camacho.
    Nem a camacho interessou acrescentar que, conforme a referida UNAMA, em 2020, os “polibãs” foram responsáveis por 45% das baixas civis no Afeganistão, sendo 7% da responsabilidade do ramo afegão do ISIS, o auto-denominado “Estado Islâmico de Khorasan”.
    Não lhe interessou dar estatíticas relativas aos crimes cometidos pelos “polibãs” e pelo ISIS afegão contra grupos étnicos não pashtun, como o povo Hazara.
    Calou-se-lhe a boca e nada disse acerca dos crimes praticados em Jachori, Urozgan e Malistan, no Centro Educativo de Mawdoud, ou nas mesquitas de Iman Zaman e de Baqer-Ul-Uloom.
    E sobre as violências exercidas pelos “polibã” contra as mulheres e as raparigas afegãs.
    Que também não lhe interessam.
    À luz de todos os seus silêncios, camacho envergonha-nos. Vergonha alheia.

  23. a mula russa do tio putinhas aproveita os escombros do afeganistão para se transformar na mullah do baradar e dá um retoque ao look revolucionário calçando uns tamancos plásticos da crocks, embrulha o corpo de viés numa toalha de viana, uma barba postiça emprestada do papai noel (esse mesmo) e cabeleira oleada com pashta de atum e embrulhada em toalha turca para absorver os pingos de azeite. tá pronto para ir dar aulas de tiologia revisionista à madrasta.

  24. 500 anos depois de chegar a este planeta, tornei-me finalmente uma pessoa importante, com uma multidão de admiradores que não perde uma palavra minha, um gesto, um arroto, um peido que seja. Alguma coisa ando a fazer bem.

    Caríssimo Valupi e associados, atendendo àquilo em que se transformou a caixa de comentários deste pardieiro, sugiro que lhe mudem o nome para AAAAAQIIBHMJC (Associação dos Amigos, Apoiantes, Apaixonados e Admiradores do Querido, Ilustre, Insigne, Belíssimo, Honorável e Maravilhoso Joaquim Camacho).

  25. Nazionismo 1:

    “The idea is to put the Palestinians on a diet, but not to make them die of hunger.” (Israel’s policy summed up by Dov Weisglass, an adviser to Ehud Olmert, the Israeli Prime Minister, earlier this year)

    In https://www.theguardian.com/world/2006/apr/16/israel (The Guardian, 2006)
    _________________________________________

    Nazionismo 2:

    https://youtu.be/EnQvsBD_RxA (Israel procede à demolição de clínica móvel dos Médicos Sem Fronteiras, South Hebron Hills, 12-7-2021)
    _________________________________________

    Nazionismo 3:

    https://youtu.be/8RVoPZPKxLY (‘They came here to attack arabs’)
    _________________________________________

    Nazionismo 4:

    https://youtu.be/iWG7JB9saE4 (‘How Israel made Gaza the world’s biggest prison)

  26. O hipócrita camacho presume saber justificar a qualificação do de Israel como Estado “nazionista” (nazi + sionista).
    Não se pede ao cobarde camacho que repita a justificação do uso daquele qualificativo em função dos estados de alma que lhe são provocados pela violência israelita.. Se assim fosse, todos nos acharíamos no direito de chamar “nazi” a quem quer que fosse culpado do sofrimento e da morte de seres humanos. E, em coerência, chamaríamos “nazi” a Pinochet, a Pol Pot, a Estaline, a Mao-Tse-Tung, a Saddam Hussein e a outros do mesmo quilate. Todos eles criminosos, todos eles “nazis”.
    E, como é evidente, todos os regimes políticos ditatoriais e homicidas passavam também a ser “nazis”. Teríamos assim, pela boca do “coerente” camacho, o “nazipanturquismo”, o “nazibolchevismo”, o “naziestalinismo”, o “nazimaoismo”, o “nazipolpotismo”, o “nazieslavismo”, o “nazislamismo”, etc, etc.
    Algo que o cobarde camacho se escusa, conscientemente, de fazer.

  27. Não te esqueças, quando o assunto for a tua espécie, de nazidiotismo, naziburrismo, nazicretinismo, naziestupidismo, naziparvismo, nazipidismo, nazicriadismo, nazilacaísmo, nazilambecusismo, naziescondidismo, nazicobardismo, nazinfantiloidismo, etc., usw.

  28. camacho, dá, uma vez, prova de, quando não tem argumentos, protege a sua hipocrisia com a cobardia e disfarça esta com a insolência. É inevitável e não falha. Força camacho!!!

  29. hehehehe os defensores da guerra, da barbárie da guerra, estao aqui todos aos saltos. um até que saber se o camacho está do lado dos talibãs, tal é o daltonismo com que observa a politica internacional. e a comparação com israel, ui, que verdete que lhes está a meter. até deitam faíscas pelos olhos estes hipócritas ditos humanistas a berrar por bombas de democracia nuclear.
    chorem mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.