O nosso querido pulha

O The Economist tem uma Intelligence Unit. No Country Report de Janeiro de 2015, dedicado a Portugal, por várias vezes os inteligentes reunidos para descreverem e avaliarem a situação portuguesa referem que um dos factores cruciais para os resultados das eleições legislativas deste ano consiste na prisão de Sócrates. Tal circunstância explicará a dificuldade, e previsível impossibilidade, do PS em ter uma maioria absoluta nas intenções de voto, afirmam. O que há de notável nesta reflexão é o facto de aparecer completamente desapaixonada, resultando apenas de uma ponderação objectiva por especialistas estrangeiros em economia, política e sociologia.

Acontece que a previsão feita em Janeiro a pecar será por defeito. Como o dia de hoje confirma, sem necessidade alguma de confirmação, na prisão de Sócrates o que volta a estar em causa é mais um caso de espionagem política, para além do choque moral da situação. Estar a escutar Sócrates desde 2013 levaria inevitavelmente a recolher material que aludiria a inúmeros agentes polítícos, fossem do PS, de outros partidos, do Governo e da Presidência, pelo menos. E saber que essa captação fatalmente teria impacto público – portanto, também político, para mais em ano duplamente eleitoral – caso fosse utilizada nesse intento não é algo que concebamos ter escapado aos neurónios dos responsáveis judiciais do processo. Então, que foi feito para proteger as pessoas, as instituições e a democracia de uma possível violação dos direitos de privacidade de Sócrates e terceiros? Alguma coisa? E ninguém se importa, é isso? Nem sequer o PS?

Esta direita, com a conivência complacente e divertida da esquerda, tem apostado as suas principais cartas na judicialização da política e na onda populista que aí cresce selvagem. Andaram a exigir que ex-governantes fossem julgados por terem tomado certas decisões políticas que não configuram qualquer ilegalidade, apenas divergência de opinião. Andaram a explorar as escutas feitas no “Face Oculta”, daí partindo para o ataque aberto a magistrados que defenderam a Lei. Com a prisão de Sócrates, e a chafurdice permitida pelo processo judicial às escâncaras e a soldo, vivem um momento de glória e êxtase. O emporcalhamento do PS, de Costa e da sua equipa está garantido de cada vez que se alimentar a cultura da calúnia reinante e o ódio ao bode expiatório do regime.

Dir-se-á, com supino bom senso, que tal desfecho seria obrigatório – dada a natureza humana. A política, repetem alguns com voz cansada, é isto e só isto, a eterna luta pelo poder, a impiedade para com os adversários. Pode ser que sim. E pode ser que não. Mas que seja o que cada um de nós quiser para si. Acaso queremos viver com um pulha dentro de nós? Será essa uma das mais importantes decisões políticas a tomar por quem se sinta cidadão.

16 thoughts on “O nosso querido pulha”

  1. Chama-se um estado de direito, algo que foi reintroduzido num dos paises mais antigos do mundo apos cerca de 6 anos de bandalheira PS.

  2. Pessoalmente o que mais me tem espantado é a postura de A Costa neste processo, ao afirmar repetidamente, e sem se rir, que continua a confiar no funcionamento da justiça !!!

  3. Gostava de ter feito este post. Como não seria capaz de fazer um tão bem feito, subscrevo o do Valupi por inteiro.
    Só acrescento: se Costa e o PS continuarem a assobiar para o lado, talvez nem as eleições ganhem; quanto mais com maioria. A táctica da direita é arrastar na sarjeta da pior corrupção o preso Sócrates e ir colando Costa e o PS a essa “baixeza” -felizmente bem fechada na prisão de Évora”.
    Li a notícia de que um fulano qualquer acaba de publicar um livro que traz para a praça pública as diligências e descobertas do MP na Operação Marquês. Ali se prova ao país inteiro quanto é verdadeira a tese do MP e quão justa é a prisão preventiva de Sócrates.
    Estou perfeitamente convencida que o PS de Costa não vai mexer um dedo para denunciar mais esta manobra escabrosa do MP contra Sócrates e, disso não tenho dúvidas, contra o PS.
    Concordo inteiramente com o Val: estamos perante espionagem política pura e dura e o visado é, em primeirissimo lugar, o partido socialista. A “Face Oculta” foi um bom ensaio. A direita percebeu que podia ir até onde fosse necessário para se manter no poder.
    Temos visto, neste caso da Operação Marquês, que se pode prender sem provas e destruir na praça pública um cidadão antes de ser julgado e condenado. Estes senhores têm o desplante de fazer publicar um livro de condenação de um preso preventivo, baseado no crime da violação do segredo de justiça. Se as elites aceitam “isto” como coisa normal em democracia, tratando-se de um ex-PM, penso que tais elites convivem muito bem com o que de pior pode produzir uma sociedade. Estamos bem arranjados.

  4. FOGO! O António Costa SÓ PODE defender o que defende! Mal estaria ele se viesse para o eleitorado manifestar a sua simpatia por um GAJO que está a ser investigado e TUDO INDICA que meteu a mão no POTE. Até a EX-CÔNJUGE, BURRA e FEIA como só uma socialista daquelas pode ser, OFENDE a Magistratura do MP. Isso só DEMONSTRA que estes GAJOS E GAJAS estiveram SEMPRE habituados à IMPUNIDADE! Espero BEM que lhe seja instaurado o devido processo crime e que DE VEZ , esta esquerdalha ORDINÁRIA saiba que algo mudou e está a MUDAR. É SÓ TIROS NOS PÉS. Inclusivé os BURROS que chamam corrupto ao Juíz CARLOS ALEXANDRE (GRANDE HOMEM!) disparam contra eles próprios! Afinal, se o juíz é tão corrupto assim, já teria aceite o altruísmo de alguns. O problema é que o HOMEM não se deixa intimidar, e, por isso, eis que os temos NERVOSOS e NERVOSAS, alardeando a verdadeira ALMA. Quem se mete com o PS come….yeah! Right! Parece que quem gosta de comer sopa ralada ( sim, estamos em sede de investigação) é o 44 e seus derivativos….e pelos vistos, gostam muito, pois os ingredientes para a sopinha continuam a ser dados.

    Escusado andarem à volta da prisão e do sentido de justiça e o WHATEVER! Se acham que a JUSTIÇA NÃO FUNCIONA, agrupem-se e dirijam-se ao TRIBUNAL. Alguém com TOMATES para isso?

  5. António Costa pode dizer que confia inteiramente na justiça. Mas perde alguns votos se não denunciar, pelo menos como estranha, a prisão de um ex-primeiro ministro meses a fio sem uma acusação concreta e explícita dos crimes que a justifiquem. Tal como perderá outros votos se não denunciar a triste figura de um director de jornal, seu irmão, a apresentar um livro, em pré-campanha eleitoral, baseado em supostas fugas ao segredo de justiça e escutas secretas e sem possibilidade de se lhe conhecer um contraditório em tempo útil. Duvido de uma alternativa para o país que não se insurja contra estas práticas da justiça e da comunicação social.

  6. Ricardo Costa é cão fiel ao dono. E um cão faz tudo, mesmo tudo, pelo osso que o patrão dá.

  7. Os dinheiros do amigo para Sócrates. Ou há aqui mentiras colossais ou Sócrates era uma autêntica máquina de gastar dinheiro em luxos disparatados. Quais? Comer, vestir, diversões , putas? E sobrou-lhe tempo para estudar, fazer um mestrado, escrever um livro e estar com o filho que o acompanhou para Paris? Algo não bate nada certo. O livro que foi escrito, apresentado pelo maninho de Costa, contará os vícios de Sócrates que expliquem a máquina de gastar dinheiro que o MP diz que é?

  8. “Pega, feia, gorda, invejosa, nojenta, salazarenta, cretina e complexada”.

    No creo en brujas, pero que las hay, las hay!

  9. Creio que António Costa terá que falar no programa de governo
    sobre Justiça! Para mais, até foi ministro da dita durante algum
    tempo, ora desde há muito tempo que se diz que, falta celeridade
    e qualidade à justiça que, os Tribunais emperram o desenvolvimento
    porque os investidores acabam por desistir, qualquer situação de-
    mora, por vezes, anos a resolver!
    Todos os dias somo surpreendidos pelas magistraturas sejam por
    acordãos populares, seja por a PGR não ver razão para incomodar
    os subordinados pelos seus desabafos na NET visando casos e
    pessoas em concreto … tudo se resume à liberdade de expressão ?!?
    Caro que não há coincidências é o sistema a funcionar no seu melhor
    agora, que vivemos num Estado de Direito é estória para criança !!!

  10. Cara Maria Abril,

    Mas para que raios nos interessa a nós saber do dinheiro que JSócrtaes gasta ou deixa de gastar ?! Não acha que isso é entrar no jogo da acusação, quando parece pretender substituir provas de corrupção que aparentemente não encontra por julgamentos de moralidade questionável ?

  11. Ena pá, tanta esquerdalha sem tomates. Tanta crítica mas quando desafiados, ei-los que se desviam em jeito «não sei de nada, ah não vi!». Comunas.

  12. É verdadeiramente impressionante o número de pessoas que, conscientemente, se sujeitam a viver com um pulha dentro de si, embora muitas apenas por estupidez, ignorância ou má formação. E, infelizmente, não os encontramos só na direita.

  13. MRocha, tem razão. Que nos interessa o que cada um gasta, se o dinheiro não provém de práticas criminosas. Nesta altura já todos percebemos por que o PSD e a sua ministra da justiça insistiram tanto numa lei para o “enriquecimento ilícito”. Está tudo “ligado” e combinado para uma perseguição política ao PS, colocando os agentes da justiça, domesticados, ao serviço da actual maioria e seus mentores. Prenderam Sócrates quando Costa ganhava “elan”, transformando o congresso, que o devia aclamar, num velório. E começaram a espionagem a Sócrates quando a coligação ameaçava ficar em frangalhos. Nesta história tenebrosa não há jornalista que lhe pegue.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.