O “fim da impunidade” continua a espalhar alegrias

“Aleluia! A malta de Mação não perdoa”, escreveu, em 2014, Duarte Marques quando soube que Sócrates tinha sido detido. A alegria extasiante justificava-se porque os verdadeiros socráticos são tipos como este cromo, seres para quem Sócrates é uma fonte de transes espirituais e arroubos místicos. O mesmo fervor religioso terá sentido quando engavetaram Vara sem provas, e da mesma beatitude está agora inundado depois de lhe ter chegado a boa nova da acusação a Paulo Campos, ódio de estimação dos ranhosos.

É uma acusação que levou 10 anos a engendrar. Nos próximos dias ficaremos a saber quais os factos na berlinda e as possíveis interpretações jurídicas dos mesmos. Por agora, há que responder à pergunta: que andou o Ministério Público a fazer durante 10 anos? Uma resposta inevitável é esta: andou a ilibar os Governos de Sócrates de uma das mais obsessivas e adoradas patranhas agitadas na direita decadente e na indústria da calúnia, a de que as Parcerias Público-Privadas rodoviárias tinham sido um bacanal de corrupção. Basta nomear um dos profissionais desta pulhice, José Gomes Ferreira, para ilustrar o que está em causa. Ora, a investigação não encontrou um cêntimo ilícito à pala do alcatrão, levando a que Mário Lino, António Mendonça e Fernando Teixeira dos Santos não fossem acusados. Precisavam de gastar uma década para chegar a esse resultado? Não, claro que não, mas para quê ter pressa quando se está a coagir e a emporcalhar alvos valiosos?

A acusação é pífia, uma farsa. Na prática, assume-se como tentativa explícita de criminalização de um Governo socialista pelas suas políticas, o tal sonho húmido dos cavaquistas e passistas. Contudo, o seu efeito tem o propósito e a eficácia das restantes golpadas onde a judicialização da política é a arma mais poderosa da direita contra o PS. Por isso esta é outra vez uma acusação lançada em cima de eleições legislativas, oferecendo aos impérios de comunicação direitolas munição para fazerem fogo à vontade.

Desde 2008, quando Cavaco se deixou convencer a perverter a sua função presidencial, que existe uma vingança da oligarquia contra aqueles que não tiveram medo dela. O que é curioso, ou então vexante, é constatar a cumplicidade da sociedade, onde se inclui toda a esquerda e o próprio PS, com a vendeta em curso – a qual arrastou a Justiça para a infâmia e o crime.

Aleluia, irmãos.

9 thoughts on “O “fim da impunidade” continua a espalhar alegrias”

  1. salve, salve, aleluia, já tenho, consegui, vou desbundar. otroilaré :-)

    uma forma boa de distinguir o risco do perigo, isto nas questões de segurança no trabalho, mas dá para todas as outras, também para estas, é pensar no corte e na faca – sendo que a faca é o perigo.

  2. pub institucional

    Uma vacina por dia nem sabe o bem que lhe fazia !!!

    ( fui contratada pela pfizer , e prontes , dinheiro é dinheiro , quero lá saber de principios )

  3. “Em causa estão crimes como participação económica que estão relacionados com a negociação de contratos de autoestradas SCUT.”

    1 – paulo campos e costa pina, eram governantes e não funcionários públicos. tinham obrigação e poder político para negociar em nome do estado e foi o que fizeram no cumprimento do mandato para que foram nomeados por um primeiro ministro eleito democraticamente.

    2 – não houve qualquer benefício pessoal para os acusados e são desconhecidos os prejuízos para o estado. anteriormente a jae tinha os custos suportados pelo estado e quando passou a empresa pública deu lucro nos anos seguintes à “negociata”. mesmo que tivesse havido prejuízo para o estado seria necessário provar intenção e vantagem patrimonial dos actos negociais praticados.

    3 – sim, sai agora porque temos eleições à vista e o que as notícias referem são acusações irrelevantes sem sentido maquilhados da tradicional suspeita “aqui há crime”, quando na realidade ao fim de 9 anos não encontraram nada e vai tudo para o lixo.

    4 – o governo do passos vendeu ao desbarato bué de empresas que foram comprovadamente prejuízo para o estado e para a economia do país, coisa para a qual ainda estamos a contribuir, mas ninguém investigou ou acusou a marilú dos suópes, o abrenúncio, o sérginho ou mesmo aquele comissário para as comissões da goldsaques, um tal broges que veio a morrer entretanto, como convinha e é costume nestes momentos gloriosos de desbunda nacional.

    5 – é óbvio que o ministério público funciona como polícia política da direita na perseguição dos opositores socialistas e ainda têm a lata de reclamar falta de meios depois de gastarem toneladas de papel e anos de ordenados + despesas de representação para admitirem, ainda que veladamente, são incompetentes, não investigaram, não encontraram provas, cometeram erros processuais, atropelaram as leis e que vai tudo para o lixo. o expoente máximo desta cena judicialista tem como heróis nacionais o parolo de mação e o róró do bigodinho, endeusados pela comunicação social xunga e líderes espirituais da corporação justiceira.

  4. Tudo não passa de mera coincidência pois, por vezes, quase sempre, o tempo
    da Justiça bate no tempo eleitoral melhor, os visados são sempre do PS apesar,
    das “investigações” terem durado mais de dez anos … tinha que ser agora!
    Isto só acontece, por culpa dos políticos ao não tomarem medidas legislativas
    para acabar com o “negócio” dos justiceiros que, esbanjam meios para empor-
    calhar o país com a “indústria” da corrupção que, alimenta os pasquins e, os
    muitos comentadeiros da comunicação social!
    Mais uma vez a montanha vai parir um ratito, espere-se para ver a acusação!!!

  5. Hoje, a polícia e a justiça rejubilam com a prisão de Rendeiro. É menos um ladrãozeco em liberdade, ainda bem.
    Mas não nos esquecemos que os maiores criminosos de Portugal,os causadores de centenas de milhares de mortos, viveram uma reforma dourada no Brasil, voltaram descansados com indultos,receberam e recebem pensões a que nem Salgueiro Maia teve direito,já doente !!!
    Que longo e duro caminho a polícia e a justiça tem de percorrer em Portugal até começar a parecer uma coisa séria!

  6. conseguiram descobrir o gajo porque ameaçaram a mulher, no tempo do gonçalo amaral ia escada abaixo com foi a mãe da joana. apresentam serviço à custa de delações, cunhas aos serviços secretos angolanos e trabalho da polícia sul africana.

    “A revelação do paradeiro do marido, que está fugido à justiça, terá sido feita por Maria de Jesus Rendeiro no interrogatório no Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa, na quinta-feira, e esta colaboração com a Justiça terá assim contribuído para não ficar em prisão preventiva, segundo avança a RTP, que remete mais pormenores sobre o caso para o programa “Sexta às 9″, esta sexta-feira à noite.”

    https://www.jn.pt/justica/mulher-de-rendeiro-diz-que-ex-banqueiro-esta-na-africa-do-sul-14290838.html

  7. as contas bancárias do rendeiro na áfrica do sul tamém são extraditadas ou ficam por conta da extradição?

  8. O Gonçalo Amaral anda deserto por deitar a mão à inglesa,mãe da criança desaparecida !
    Aí ela confessa tudo, até o nome e número de telefone do inventor da roda !
    E temos que gramar com a horrenda imagem de gente dessa ?

  9. Tiveram de fechar a acusação à pressa por causa da brincadeira do BE e PC. Mais um bocadinho e já não dava para nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.