O filme está cada vez mais rasca

Esta notícia – Silêncio “cirúrgico” do motorista terá justificado prisão preventiva de Sócrates – a ser verdadeira, temos que a prisão preventiva de Sócrates foi decidida com base num raciocínio de má-fé ou paranóico. A ideia de que só após a detenção do motorista é que Sócrates se preocuparia em conseguir calá-lo, para isso mandando-lhe um advogado com essa missão, parece mais indicada para argumentos de filmes de gangsters dos anos 30 ou para séries de televisão sobre mafiosos estouvados. Atente-se que Sócrates já sabia, ou desconfiava, que estava a ser investigado e escutado vários meses antes de ser inquirido. Acrescente-se que ele se deslocou para Portugal sabendo que iria ser detido e, possivelmente, ficar preso. Como é que este super-criminoso, que conseguiu juntar 25 milhões de euros (pelo menos, embora me pareça pouco) à pala da alta corrupção ao longo de anos e anos como governante, e que ainda andou a passear esse dinheiro de um lado para o outro fazendo gastos milionários na cara de toda a gente, se iria esquecer de blindar o silêncio do seu motorista, e logo do seu motorista, tentando à pressa mandar-lhe um amanuense do Proença de Carvalho? Raios, este Proença, que é parceiro da corrupção do pai de todos os corruptos e que dizem ter dois ou três neurónios que ainda funcionam, não foi capaz de avisá-lo que o motorista devia ser comprado, ameaçado ou cortado às postas e metido em bidões com ácido faz tempo?

Felizmente, o motorista mudou de advogado, esteve 4 horas a chibar-se e recebeu como prémio uma estadia prisional muito mais confortável. Pelo que, mais dia menos dia, o Correio da Manhã já poderá publicar as provas da roubalheira que Sócrates andou a fazer desde… desde… deixa cá ver… Ah, sim, óbvio: desde sempre.

62 thoughts on “O filme está cada vez mais rasca”

  1. Estamos habituados. Recordam-se de “tanta generosidade sem contrapartida não cabe no meu humilde espírito” (Carlos Alexandre dixit)?.

    O sentimento tolda-lhe o raciocínio.

  2. há que averiguar que paga o novo advogado do perna e quanto é que lhe prometeram pelo arrependimento, já vi este filme na coisa pia.

  3. Não será altura de aprofundar as qualificações técnicas
    do procurador e do juíz de instrução, será que concluiram
    a licenciatura em Direito? Será que foram apanhados a
    copiar na sua formatação no CEJ?
    Temos um governo de mentirosos, um presidente com di-
    ficuldades, professores que não sabem escrever, profis-
    sionais de intriga na comunicação social, médicos sem
    condições para assistirem doentes … porque carga de
    qualquer coisa, estão os magistrados acima das legítimas
    suspeitas que nos invadem ???

  4. ignatz,
    O problema é que o actual filme da coisa Sócrates pia mais fino que o outro da coisa pia; no filme da coisa Sócrates a corrupção e total desonestidade está instalada na mente vingativa e nos procedimentos dos mais elevados estratos do poder e, tudo o leva a crer, mesmo na cúpula.
    Nem se atreviam a fazer o que fizeram e estão fazendo sem garantias de apoio superior. O marocas já o percebeu e por isso insiste que a múmia da vingança petreficada fale sobre o assunto para ficar esclarecido.
    E pelo sururu de medos e horrores que a Grécia está metendo a esta maltosa do pote o A.Costa tem de preparar-se muito bem para responder e actuar em conformidade caso contrário vão envolvê-lo a ele e ao seu candidato às presidenciais no filme da coisa Sócrates ou outro filme novo com guião escrito pelos mesmos.

  5. fogu, lá boltamus à mesma cunberça. manha prussessuale, quale é o artigu, hum ? e os factus? bora, fassams rumaria ao têçÊ.

  6. Haja alguém que vá colecionando o que já apareceu escrito em jornais e revistas sobre este processo e sobre a vida de José Sócrates. Não precisa de mais materiais de prova; terá reforma choruda quem advogar à comissão sobre indemnizações de processos de calúnia e difamação.

  7. Estive a ouvir o advogado João Araújo na TVI e fiquei intrigada: o crime de corrupção (pai de todos os que lhe são imputados) terá sido praticado antes de ser PM. Sendo assim, não prescreveu? Para que serve, então, este processo?

  8. Há mais gente a entrar no bailarico.
    A chegada de Pedro Santos Guerreiro, no Expresso, coincidiu com o início de uma campanha sistemática, bem calendarizada, de abate do BES. Com sucesso. A história dirá se o que ali se passou é algo muito diferente do que acontece na generalidade dos bancos e quanto é que a brincadeira custou. Tinha algumas dúvidas na intenção da empreitada. Na sua coluna desta semana, a insinuação torpe e maliciosa da ligação entre os processos de Ricardo Salgado e José Sócrates, sem apresentar factos concretos a que a condição de jornalista obrigaria a dar notícia se deles tivesse conhecimento, dissipou-as.

  9. Sócrates e o Syriza, duas bandeiras que a direita quer queimar, dê lá por onde der. Desejam-no ardentemente, tão ardentemente que nem dormem !!!

  10. há uma grande possibilidade de o correio da manhã, um destes dias, vir a abrir um processo de difamação contra o meu querido Aspirina. e ganhar. :-)

  11. deixa lá oh bécula, isso são preocupações cobardes, próprias de brochistas do regime, como tu. depois o correio da manhã não ganha processos, quando muito os processos contra o correio da manhã dão resto zero graças à conivência da justiça. lá, nas caixas de coentário do manholas é que estavas bem a cagar postas e não destoavas do coro táxista-leninista que alegra a nacional-pasquinada.

  12. O que retive da notícia: “APESAR de a defesa de Sócrates se QUEIXAR inúmeras vezes da AUSENCIA de informação sobre os factos que são imputados, logo no início do recurso, RECONHECE que lhe foi ENTREGUE um documento com 54 páginas, elaborado pelo MP e denominado “FACTOS IMPUTADOS ao arguido José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa”.

  13. ó IGNATEZE, responde à Maria aaavril, ela querr saver sovre o computo prescricionale, tás a bere? Como tu és o jusburridico aqui do vlogue e a Maria é a tua açistente na asnada, tendeis ovrigassao de respondere, bá. oqueie.

  14. Mas não aparece ninguém a negar as acusações ao Sócrates ?

    Porquê ? São reais, mas os elementos nacionais e estrangeiros que fariam referência a isso foram destruidos ? Os 250 milhões em acções são reais, mas não provam nada, pois foram obtidos por assalto ao segredo de justiça ?
    Expliquem para ver o que é que eu vou presumir: Culpado ? Inocente ? Uma ajudinha de quem souber, please !!!

    João Pedro

  15. Maria, minha ou meu, oube, tu é que afrimaste pirmeiro, tás a bere, tu é que dizes que o prussesso é manhoso, beie, eu é que te preguntei primeiro ( e a ótros), purquê, pazinha, isplica lá, pq é cu juíz é manhoso, pressegue o 44, que num há factus, etc e tale, tá beie? ò minha, a mim num me distraies tu, bá, anda, pazinha, dize lá, pra quem dize que num ha motibo pra presseguiire o 44, é puqre save alguma cousa, num é? e se save, cunhesse o processu, num é? mas se o 44 e adbogadu dize que num cunhece o prucessu, etc e tal, dize-me lá o que é ca tu cunhesses, tás a bere? Hum? Oube , a fotogenia sempre me deu voas futugrafias, tás a berr?

  16. lole, ó ignorateze, tu dabas um bom juize, cumu saves muito de juridicu, debias candidatar-te ao CEJE, caragu, pra limpares os juísze istilozos da tua açistente, a Maria, tás a bere? hum? ora fala aí do cômputo prescricional no cazo do 44, bá, queu querro rirme um bucadu, ó xafachabore?

  17. Companheiros bloguistas, vós que acusais de «estilo» e perseguição política e outra, a magistratura da acusação e da instrução no caso « Marquês», respondei ao comentador João Pedro, que eu secundo. Cumprimentos a todos.

  18. João Pedro, ´é público que a investigação foi aberta com base numa denúncia do Mário Machado, à porta de quem foi deixada uma trouxa com uns documentos que levantavam a suspeita de que a família do Sócrates tinha uma fortuna, alegadamente de 250 milhões de Euros, embora, a ter em conta uma leitura rigorosa dos documentos e a data, ainda não se tenha ‘’decidido’’ se se tratava de Euros ou Escudos. Ou dólares, ou cruzeiros. Mas essa fortuna é da família do José Sócrates e, tendo também em conta a data, não consta da matéria de acusação.
    Ora, diz o João Pedro que ‘’não aparece ninguém a negar as acusações a José Sócrates’’. O João Pedro é um anjinho.
    Isso é subverter a questão, na fé de que os portugueses vão continuar estúpidos com a ajuda do Correio da Manhã e das Felícias Cabritas, porque a questão é que ainda NÃO APARECEU NINGUÉM a fundamentar as acusações a José Sócrates. Por isso os super magistrados investem e apostam em soprar fumo e arrebanhar temas de suposta acusação sem qualquer relação com a matéria do processo, como aquela conversa com o Manuel Vicente, ou outra com Afonso Camões. E outras que o João Pedro vai engolindo.

    Afinal, José Sócrates é acusado de quê? Como ninguém sabe, ninguém o pode defender.

    Já te respondo ó numbêsnada.

  19. João Pedro e numbejonada,
    Sobre as centenas de milhões têm de perguntar a Maria José Morgado. Parece que ela é que recebeu, há muito tempo, essa extraordinária denúncia de um credível e impoluto líder da extrema direita. Considero-a uma das mais ferozes activistas contra a corrupção em Portugal. E vocês?

  20. Numbesnada topa aqui:

    “(…) as medidas de coação doutamente promovidas, no entender do juiz de instrução criminal, a pecarem, não será por excesso”. Terá escrito Carlos Alexandre, o super juiz, num despacho, a propósito da contestação da medida de prisão preventiva pela defesa de José Sócrates.
    Diz então o títere da comédia: “(…) as medidas de coação doutamente promovidas, no entender do juiz de instrução criminal, a pecarem, não será por excesso”.

    O douto do doutamente é ele, claro, que é ele quem escreve.
    Que quer dizer o super alexandre?
    Ele quer dizer que a sua vontade era promover outras medidas, não sabemos bem quais, mas podemos imaginar um ror delas mais excessivas do que a prisão preventiva. O douto professor Rebelo de Sousa foi explícito porta voz da vontade do juiz. ‘’Só morto é que se cala’’. No dizer do próprio juiz o que estava em causa era calar Sócrates e evitar que ele, através da fala, perturbasse o inquérito.
    Mas é inquestionável a disposição persecutória do juiz bem documentada neste extracto processual, que não é já uma manha mas uma ameaça explícita. O que o juiz vem dizer é que, doutamente, poderá vir a decretar ou promover uma medida mais excessiva.
    Deixa-te pois de hipocrisias bacocas porque o assunto é sério.
    E és o único aqui que parece querer impedir um debate sério.

    Ontem entraram no Estabelecimento Prisional de Évora mais sete guardas prisionais perigosos, a ter em conta a notícia do CM. Com que intenção publica ele estas notícias?
    A situação é muito grave e o juiz deveria ser prudente.

  21. E numbesnada, isso tem que ser ressaltado. É o cerne da questão. Porque é o que demonstra, taxativamente, o carácter persecutório do juiz e o seu móbil.

  22. Cara Maria,
    As denúncias – anónimas ou identificadas – podem suscitar interesse ao Ministério Público e, por isso, no âmbito de um dever a que está adstrito, DEVE investigar.
    O que é público por ser veiculado por jornais, NÃO INTERESSA. Por isso, para evitar quaisquer tipos de alarme social e político, NENHUM ADVOGADO deve aceitar falar sobre caso em que está mandatado. O advogado do detido DEVE estar QUIETO e cingir-se TÃO SÓ ao processo e não promover, alimentar ou permitir que alimentem a discussão pública sobre o assunto. Ser tem algo a dizer, recorra à entidade COMPETENTE, que existe para esse fim, mas creia que, enquanto não houver MUDANÇA dos motivos que determinaram a aplicação daquela concreta medida de coação, o detido continuará recluso à ordem do processo.
    Como decorre um INQUÉRITO CRIMINAL, não há acusação. Há investigação de suspeitas REAIS de prática de ilícitos criminais. Logo, quando afirma que « tendo também em conta a data, não consta da matéria de acusação», pergunto-lhe: QUE ACUSAÇÃO? QUAL É A MATÉRIA DA ACUSAÇÃO? Você NÃO sabe, porque não há ainda uma acusação do MP e inexistindo esta, inexiste a respetiva matéria. Porém, apesar de afirmar isso, você escreve « Afinal, José Sócrates é acusado de quê? Como ninguém sabe, ninguém o pode defender.» Naturalmente. Sendo assim, quais são as manhas processuais que tão abundantemente refere?
    Quanto ao despacho que consigna a aplicação da medida de coação: você conhece-o? Leu-o? Não creio. Sendo assim, você que critica os que alegadamente se fiam ou confiam nas notícias jornalísticas, baseia-se no quê para REPROVAR o consabido MAGISTRADO? No elemento público?
    A discussão SÉRIA só deve ater ao PROCESSO e nesta altura, tudo o que ocorra fora do mesmo, não vale, a não ser para efeitos de desinformação, de pressão, numa feira de vaidade democrática que é mais uma ditadura FOLEIRA e saudosista dos tempos em que os proletários – o POVO! – vinha para a rua com o braço no ar e com cravos ao peito, entregando o PODER a INCOMPETENTES – aqueles que simplesmente desgraçaram o PAÍS, assinaram a entrega da soberania com o MÍSERO TRATADO DE LISBOA. A nova versão da retirada da CORTE para o Brasil. Na verdade, ainda não sei como é que a Merkel não veio pôr a bandeirazinha alemã no Castelo de S. Jorge ou na casa do CAVACO.
    Para os que não sabem: a Dr.ª Maria José Morgado não se vende. Trabalha e BEM. Os que a comentam, dirijam-se-lhe.
    Se quer ter uma discussão séria comigo, apresente argumentos de outra força, porque aquele que escreveu é francamente abaixo do fraco. Remeto-a para Horácio.
    Como os defensores com base em NADA estão revoltados com os super magistrados, porque não se dirigem à instância competente e arguem o que têm a arguir? Se é assim tão ostensiva a alegada perseguição criminal, não haverá um SIMPATIZANTE socratista que tenha a CORAGEM de tirar o detido da cadeia? A romaria não chega. É, de resto, bastante prejudicial.

  23. Ó Lucas, meuzinho, eue tenho a Dr.ª. Maria José Morgado como uma GRANDE MULHER, INTELIGENTE, PROFISSIONAL, e tu num lhe xegass aus calcanhares, tás a berre?

  24. eheheheh… não existe acusação por inexiste matéria, mas existe prisão porque o juiz instrução tem uma fezada e não tem que dar justificações a ninguém. o alex resolveu fazer o filme de trás para a frente, a pena de prisão começou a ser cumprida com uma sentença em branco.

  25. Agora que decidiste falar português, numbesnada, fica bem claro o teu raciocínio, que suponho replicar o raciocínio dos titulares do processo e da Polícia Judiciária, que fala no Correio da Manhã através do trânsfuga Carlos Anjos.
    Mas nota uma coisa. Eu não sou o advogado do detido, sou uma cidadã que lê, entre outras coisas, o Correio da Manhã, o SOL e tudo o que os super magistrados escrevem no CM e no SOL. Não estive à espera de que o advogado do detido resolvesse falar para me pronunciar sobre o assunto, falei logo, no dia da detenção, quando o procurador e o juiz começaram a falar. A bem dizer, comecei a falar há muito, sobre este caso, explicitamente, quando o procurador, dito MP, começoe a escrever na revista SÁBADO.
    Dizes que não existe acusação. A única coisa que existe é acusação, informal, preliminar e demagógica, com um óbvio propósito político, como fica documentado nos teus comentários acerca do povo proletário, dos cravos e da democracia.
    Por norma, não alimento polémicas com o Mário Machado nem com o PNR.
    Tu leste o despacho? Eu só li o que o juiz permitiu ao EXPRESSO transcrever. O juiz é quem decide o que os jornais dizem e o que os advogados devem calar.
    São só incongruências.
    Quanto à Maria José Morgado apenas cito: ”Quando isto acabar vão sobrar os honestos.” Quais? Ela?
    Diz-me, numbesnada. Quem são os honestos?

  26. numbejonada, convém ligares os fios de vez em quando. Se consideras Maria José Morgado uma grande mulher, inteligente e profissional e se ela própria decidiu não se justificarem mais diligências após receber os papéis do Machado, que sentido tem a pergunta do João Pedro que secundas?
    Mais do que afinidades políticas, preconceitos, ou o grau de empatia que cada um tem em relação ao acusado, o conteúdo do que tem sido escrito e dito sobre o processo serve, sobretudo, para aferir as capacidades cognitivas dos seus autores.

  27. Ó Calhaus, se num entendeis o que bos digu, é iscuzado, pás, cuntinuarre. bocês num alcanssam ó gajus, cumo tale, impussible cuntinuarre a dicutirre .
    Ignorateze, baie lere o libro da Mafalda, a ber se aprendes uam póquinho de maturidade cum ela, hey?
    Galuxo, oube, cala-te. istuda um póco prucessu pinale, pá, mas corres o riscu de tinbergunharres perrante toi – même. Cambada de democratas, sãoe estes gajus cus elegem, e fazem a democarcia ser um exercício para istupidos apruveitadu plos cumilões.

  28. É dessa cepa que descreves que tu próprio és, numbejonada. Quando não consegues responder à altura, desatas a falar alentejano e a insultar quem dá a sua opinião. Comigo tens azar, sou apartidária e nem sequer sou apoiante do Sócrates. É por isso que comento de forma mais isenta do que tu. Se Sócrates for acusado de algo e for considerado culpado, estarei à frente para dizer que deve cumprir a pena que lhe for imputada pelo Juiz. Mas até lá, tendo em conta o modus operandi destes super magistrados noutros casos que nem te dás ao trabalho de tentar saber, este está cada vez mais próximo de cair por terra devido à estupidez dos seus intervenientes justiceiros que até se estão cagando para quem lesou a pátria e os portugueses, basta ver quem foi dentro e quem não foi. Não venham dizer que a guerra contra Sócrates não ganhou já contornos pessoais, de ódio e partidários. É daí que nascem manhas processuais meu caro. Tem um dia bom.

  29. Tadinho do Sócras, tão honesto que ele é, deve estar a sofrer na masmorra. Já o imagino de roupa ás riscas…com botas de cano alto…tadinho não merecia esta triste sina.
    Desde os tempos da camara da Covilã, ele era um exemplo de honestidade, rectidão, nunca caio sobre ele nenhuma nódua. nunca. Quando foi ministro do ambiente idem, o caso Freport foi um tremendo de um mal entendido, tadinho. Quando tirou o curso ao fim de semana, tadinho, também foi um complô que fizeram contra ele…tadinho.
    Tenho pena do Socras, tadinho. Muita pena…que so agora esteje preso. Sei que tem de ser julgado e tal e tal, mas só espero que seja rapido estou farta de ver gente a defender este corrupto, farta!

  30. Cara Maria,

    Só lhe respondo porque, de facto, a sua ignorância e incapacidade em matéria de cariz jurídico resulta em abundância de todas as suas redações. Não encontra em nenhum post meu, incluindo os que faço em momentos de descompressão, NENHUM comentário que me vincule à «Parte» magistratura ou «Parte arguida». O que deve retirar é: CINJAM-SE AOS FACTOS. EU NÃO OS CONHEÇO. VOCÊ CONHECE? Mas se diz que há acusação e fala em matéria de acusação, mas depois já ninguém conhece a matéria de acusação, e os jornais são manhosos, mas depois já busca informação nestes, eu pergunto-lhe: qual é a sua posição? Que sabe de processo penal ou de direito penal ou de direito constitucional? A sua posição devia ser a de esperar o resultado de um inquérito que legitimamente está a decorrer, com uma medida de coação legalmente consignada. Entretanto, se lhe apetece ir à praça pública falar em manhas processuais, tem de saber onde as mesmas residem, identificá-las e, posteriormente, na sua qualidade de cidadã agir se achar que o deve fazer. A sua mentalidade é a da ROMARIA, mas esta, minha cara, não leva a sítio algum. Atue se se entende de boa CEPA, porque para mim, na esteira da sua posição para com as minhas opiniões, o seu arrazoado não passa de um CEPO torto à nascença.
    Posto isto, minha cara, já que afirma que há manhas processuais, e condena medidas de coação legitimamente aprovadas em sede competente, atue em conformidade. Não se esforce a combater os que TÃO SÓ se atêm ao que de facto se podem ater – a existência de um inquérito criminal, em curso com segredo de justiça, com posições ad latere e escusadas de um advogado que se dá ao trabalho de ser entrevistado por uma INCOMPETENTE de nome Judite Sousa. Tudo, evidentemente prejudicando o arguido. Porém, ele pensa que a melhor forma de ganhar é de semear o ódio ou a desconfiança, politizando a questão. Isto foi o que ele conseguiu até aqui.
    Um bom dia para si também.

  31. Fifie, oube, baie, então, fazer o travalho da mJosé Morgado, pá. Baie lá, queu querro bere cumo te disenrrascas, tá beie?

  32. anonima, das 12.17até prova em contrario tenho a dizer-te que o teu comentario é desonesto e grave pois estás a por a justiça em causa.no processo actual, a maioria dos simpatizantes de socrates, não têm provas de nada,nem da culpa nem da inocência,só acham estranho que ao fim de 2 meses de prisaõ ainda não tenham apresentado uma prova para justificar a sua detenção.voçe faz-me lembrar, aquelas” bestas quadradas” que no tempo da inquisição clamavam pela morte de gente sem serem julgadas.

  33. “NENHUM comentário que me vincule à «Parte» magistratura ou «Parte arguida»”

    claro, só reproduzes o que o correio dos manhólas diz. o cavaco tamém não fez publicidade às acções do bes, só disse o que lhe tinham dito.

    “… a existência de um inquérito criminal, em curso com segredo de justiça,…”

    não há acusação por inexistência de factos, mas existe um inquérito em segredo de justiça, cuja responsabilidade é da dupla alex & rosex, que todos os dias pinga para a comunicação social umas tretas para entreter o pagode e manter o inquérito para a eternidade com o objectivo de calar o sócras e caso possível fazer mossa no partido socialista à semelhança da coisa pia. espero que a relação ponha cobro a isto rápidamente e que o sócras exija o apuramento de responsabildades, que poderiam passar pela detenção dos procuradores embrulhados no caso até cantarem os nomes dos mandantes. lá teriamos mais uma vagalidade macaca a explicar que não sabe quem é o zé sousa e que não revela pormenores das conversas com a vidaleira.

  34. “numbejonada”,nós também não estamos a ver nada depois de 2 meses de uma detenção espetacular,com direto exclusivo para o canal da tv mais rasca do pais! este é o tempo da justiça que temos! por favor fale-me de gente seria.no mundo da justiça como no restante, nem toda a gente está acima de qualquer suspeita!

  35. “numbejonada”,já agora,o que pensa daquelas 27 perguntas que ficaram por fazer ao fim de 4 anos de ” laborioso trabalho” no caso freeport? diga à gente se aquilo não foi uma canalhice.sabe quem era o visado? o mesmo que foi detido com medo de fuga ou destruição de provas!

  36. Minha muito cara Anónima.
    Existiu no primitivo hagiológio lusitano uma santa mártir que também usou o seu nome. Sem outro nome que lhe pudessem dar, porque morreu mártir e anónima, passou à história como Anonimata ou Pomba, Santa Comba.
    Eu estou já convicta de que o juiz Carlos Alexandre, depositário da divina justiça, se não conseguir condenar José Sócrates neste mundo dos césares o vai condenar ao inferno.
    O juiz Carlos Alexandre tem promovido a difusão da ideia de que, se mais não provasse a sua razão e honestidade, prová-lo-ia a sua fé de diligente católico praticante, pelo menos nas suas breves visitas a Mação. Em Lisboa, na barafunda urbana, é mais difícil praticar os ditames e ritos da fé, é bem verdade.
    Eu continuo a surpreender-me face a esta duplicidade da fé e dos crentes, muito pios na igreja ou na sacristia, quando se confessam ou papam as hóstias, cativos da cólera e da má índole humana logo que transpõem a soleira dos templos e mergulham no inferno da vida social.
    Então, imaginam masmorras e outras sevícias, o fogo do inferno e as torturas das tenazes manipuladas por demónios e mafarricos.
    Portugal continua sem dúvida cativo desse compromisso histórico entre o salazarismo e a Cruzada Eucarística.
    Vivemos numa espécie de estado islâmico agrilhoado por hipócritas pudores, que inibem o uso da cimitarra enquanto a jurisprudência a poder suprir.
    Na boca de qualquer biltre, a máxima cristã ‘’dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus’’, serve para que cada fariseu se arvore, segundo as conveniências, ora em César ora em Deus, sendo todavia uno, uma só e única pessoa.

  37. fifi, meu caro/a, pergunte ao magistrado que alegadamente almoçou com o Sr. José Sócrates.
    Tem razão, ninguém está acima de qualquer suspeita; por isso, as romarias são graves,

  38. Caro fifi,
    no que respeita ao seu primeiro comentário, oiça, pode afirmar que foram os magistrados que deixaram fugir a informação da detenção? É que sabe, já houve casos públicos neste país, pelo menos um, em que um dos intervenientes – não era nenhum dos magistrados-, deixava as informações à porta dos jornalistas e depois ventilava que tinham sido as vítimas…e já, agora, a estratégia do bom nome, da reputação, etc, etc, com um rol de nomes públicos que sentenciam a ABSOLVIÇÃO PRÉVIA , SEM SABER se a pessoa é, de facto, culpada ou não, é uma estratégia muito conhecida. É REPUGNANTE, OFENSIVA e atentatória de um VERDADEIRO ESTADO de DIREITO. Note, não é um tal PROENÇA de CARVALHO que define o que é ESTADO DE DIREITO. Portanto, mais uma vez: conhece o processo? Conhece as diligências processuais? É que estas hão – de ter, entre outras, elementos documentais, e estes podem ser muito, muito complicados de opôr. Não acha? Sabe se existem? Como falou em 27 questões num certo caso, quiçá porque o ouviu ao Sr. PGR Pinto Monteiro, pode ser que saiba algo que os OUTROS e eu não saibamos. Ora mande aí…

  39. Ó Maria,
    deixa lá os interesses religiosos e as origens do juiz em paz. Tenho os mesmos e dou-lhes uma consequência diversa. Esses assuntos não são p’ráqui chamados. A menos que se queira condicionar a formulação de opinião sobre factos através da devassa da vida privada, conforme ocorre no caso José Sócrates. Concentra-te no resto que é suficiente e vais muito bem.

  40. Ó numbêsnada! Esse gajo, que deixou a informação numa trouxa à porta do jornalista Mário Machado, parece agora, depois do dito e lido, ter sido o juiz.

  41. Grande história, ó Lucas!
    Essa de vir agora acusar a Maria de não ter deixado a vida privada do juiz em paz. Até parece que fui eu que revelou aquele segredo de justiça ou de estado da vida privada do juiz, em que ele aparece a almoçar num restaurante no Alandroal com os altos comandos da PJ Militar.

  42. oh cegueta de merda, tens o disco riscado, tamos fartos de saber que o processo é clandestino e portantes está em segredo de justiça, não existe, não se pode falar e tudo o que for além disso é ilegal. a única verdade existente deste processo é a prisão ilegal do sócras, motivo: uma medida de coação prevista na lei, aplicabilidade: quando o super carlos quiser, durabilidade: o tempo que lhe apetecer.

  43. ena pá, o prucessu pinale é agora CLANDESTINO, lole, lole, lole,
    e a maria sabe quem pos as coais á porta num seie de quem. Hum, será que o dito do homem tá a ser difamado oue denunciado, hum…? Ó maria, pazinha, teie mais tent na língua, tás alterada, fogu, cumeça por lere o processu penal, e opói se axares que a leie num foi seguida, já saves o que tensze a fazere. Até la´, o quiscreves é alarbidade supeira em cima de alarbidade supeira, tá beie? Eu toue pra tie cumo tá um médico pró canalizadore, tás a bere? oqueie.

  44. IGNORATEZE, pázinhu, cegueta éze tue, ta´beie, baie vebere uma coca coula, pode sere ca tua diarreia paçe, fogu, num saies diçu, meue. oqueie. já que nume ézes alagadamente çegueta, mete a sua sagesse nu lugarre adaquado, tá beie? oqueie. ganda maluko.

  45. E, às tantas, o que está a acontecer a José Sócrates é uma prática corrente e normal na justiça portuguesa

    https://dosdoisladosdasgrades.wordpress.com/

    Talvez os seus governos e o que se lhe seguiu não tenham conseguido dar exemplos e tomar medidas para tornar os processos mais humanos, menos justiceiros, menos burocráticos, mais céleres, com mais proporcionalidade entre (suspeita de ) delito e pena (coacção), ter menos regulação e judicialização da vida em sociedade,… A asae e a mentalidade persecutória e de mediatização de toda a actividade inspectiva (actividades económicas, ambiente, fiscal,…), a chamada pedagogia de pelourinho, desenvolveu-se muito neste período.
    Acho que ninguém deve ser tratado assim.
    Pode estar neste drama uma oportunidade para conhecer melhor como as coisas funcionam. Esperamos, sentados, conhecer, um dia, o conteúdo do processo, cruzar com o que foi publicado por estes dias, e perceber melhor se nos aproximamos de um perigoso justicialismo popular arbitrário medieval, de má fé, permeável a manipulaçãoes sórdidas, que condiciona irreversivelmente o percurso político colectivo, ou se está tudo bem.

  46. “numbejonada”,se não foram os magistrados que passaram a informação ao “correio da manha” então que investiguem para porem a casa na ordem. quanto ás 27 perguntas que não tiveram tempo para as fazer a socrates,ouvi da boca da magistrada candida da almeida se não estou enganado e mais tarde por pinto monteiro.não me respondeu à questão se é serio ao fim de varios anos entregar o processo com as tais 27 perguntas por fazer a socrates.sabendo nós o odio dos magistrados a socrates por causa das férias,é facil compreender este tipo de comportamentos.como justificar a boa vida do pessoal do bes a troco de uma fiança, depois de lixarem o pais e milhares de portugueses? por que não deram a socrates essa possibilidade da fiança já que tem “montes” de dinheiro para o fazer? como já vi que é da area justiça,esclareça-nos,mas não defenda o indefensavel,como as fugas de informação p.exp. termino com uma pergunta: o que acha da afirmaçao do anterior ministro da saude, cujo nome de momento não me ocorre quando diz cito: acho pouco provavel um primeiro ministro poder cometer actos passiveis de serem considerados corrupção activa.

  47. Meu caro ou cara FiFI,

    As presunções que toma a respeito da minha área profissional são tão só da sua responsabilidade, pois eu não as ilidirei ou manterei.
    Remeto-o novamente para uma resposta que lhe dei anteriormente, no que concerne às alegadas 27 questões: pergunte ao Magistrado Pinto Monteiro. Eu não tenho que me debruçar se essas questões existem, com que conteúdo existiram e muito menos, aquilatar da sua seriedade. Houve arquivamento, logo, houve trânsito.
    Eu não defendo o indefensável, pois fazê-lo seria passar à minha pessoa um atestado de incompetência com base em inexistência de fundamentos. O que me choca é que, no meio de respostas ligeiras, porém, algumas com conteúdo mais do que pertinente, subscrito pelo nickname com que assino, e não descurando de outras que dei em registo português correto, com resumida fundamentação, haja quem continue a não alcançar o seguinte: a JUSTIÇA e o DIREITO nem sempre andam de mãos dadas, sendo que em muitos casos, o Julgador ou titular da ação «está de mãos atadas» à lei que, afinal, até se revela injusta. Cabe, contudo, aos políticos, mudá-la e o que se tem assistido nas bancadas do hemiciclo é que, os políticos – sobretudo os carreiristas- , nada fazem para a mudar, exceto se um GRANDE estiver em jogo! Há exemplos na vida portuguesa em que ISSO ACONTECEU ESCANDALOSAMENTE – O Código Penal levou um arrombo e, em consequência disso, o visado beneficiou de prescrição.
    Eu pronuncio—me com base naquilo que me PERMITE pronunciar e REPITO: não conheço factos, não conheço o processo, há um inquérito criminal em curso, onde foi aplicada uma legal medida de coação que retirou a liberdade ao arguido. Essa medida pode ser revogada ao fim de cero tempo, porém, deve o seu peticionante alegar e PROVAR alteração das circunstâncias que a determinaram. Desconheço se houve pedidos – recurso – nesse sentido. Nada vi, nada li e o que os JORNAIS escrevem não se lê. São condenáveis todas as notícias que prescrevam perseguição criminal POR ÓDIO ou outro motivo a qualquer detido. Isso é politizar o processo, o que, convenha-se, CONVÉM ao detido. Daí que a PRAÇA PÙBLICA da discussão não me interessa e muito menos relevam depoimentos faseados na qualificação dirigida aos que, como eu, perguntam muito simplesmente: sabe de algo? Esse algo é ilegal? Denuncie. Entretanto, a instância recursória há-de avaliar e decidir sobre o pedido de revogação da prisão preventiva.
    Comentar que há ódios ou antipatias ou invejas ou algo afim, não é argumentar em defesa da cidadania de NINGUÉM e muito menos em defesa do ESTADO de DIREITO.
    Quanto ao alegado dito do alegado Ministro das Finanças, nada sei ou ouvi. Porém, permita-me o seguinte: o que ele alegadamente verberou nada me diz, até porque bem se sabe o que aconteceu em certas esferas da Saúde – no passado. Porém, se o disse, saberá ele porque o diz? Eventualmente sim: é que a corrupção, de facto, pode ser qualificada de crime inexistente na ordem jurídica portuguesa. O polvo é tão grande e comilão e inteligente! Regra geral, a ativa e a passiva, riem-se muito dos inquéritos criminais. Não me pergunte porquê, pois a resposta seria longa e, em boa verdade, teria que ser ilustrada, o que, como decerto comigo entenderá, este não é o espaço para o fazer.

  48. o caga-jurisprudência continua a dar música com disco riscado, agora é em modo de-cima-da-burra e legível para dar ideia que percebe disto. só faltaram os “à justiça o que é da justiça”, “deixem-se a justiça trabalhar” e adivinham-se os “foi tudo normal e legal” ou “os juízes não fazem leis, só as aplicam” quando forem obrigados a libertar o zé44.

  49. Fogu, fogu, ó ignorateze, e tu com a tua jurisprudencia e colutura burrídica, já bistes, cauzas úlsseras a quem te lê. oube, muda o registu, meue, és muita porco de língua, fogu cada bez que a abres, é só insetus, carramba precizas de um izorcismo daqueles bem fortes. tá beie? oqueie, inbejozo. num te preocupes pazinho, se tu inbestistes na rumaria a Ébora, se o gajo se safare ( dubido, debe ser grabe, pra haber prissão prebentiba e tanto media no meio), já tás iscaladu pra nobo ministru da jostiça – mas antes dissu faze um istágio com a ovra do almirrante pinho azebedo, o gaju erra mais iducadu ca tie, mas taméie dizia muitos disparrates, tás a berre? oqueie.

  50. Manifestante à porta do EPE:
    – Queremos o Zé44 morto! Queremos o Zé44 morto!
    Jornalista do CM:
    – ”Nós”? Quem?
    Mamifestante:
    – Eu!!
    CM:
    – Ah… Eu também! Porquê?
    Manifestante:
    – Ainda não sabemos. Estamos ainda à espera de que o juiz diga.
    CM:
    – Mas nós já dissemos…
    Manifestante:
    – É isso! Queremos o Zé44 morto!
    CM:
    – Queremos o Zé44 morto! Queremos o Zé44 morto!
    Manifestante:
    – Em Portugal pode matar-se o Zé44?
    CM:
    – Tens razão… E agora?
    Manifestante:
    – Se não matam o Zé, mato-o eu! Senão matam o Zé, mato-o eu!
    CM:
    – Calma lá, pá. As câmaras estão ligadas.

  51. Maria,
    bócê tem tanta peada. gusteie tantu de lerre a sua tiatralidade. Penço que daquie a póco me bou rire. o suneto da cagada du Bocage baie serre distronado, ai baie, baie, bocê taméie tem jeitu pra algu do generu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.