O BPN e os divórcios

Oliveira e Costa divorciou-se após ter saído do BPN. Creio que nem os entusiastas de Sarah Palin têm dúvidas quanto aos motivos da desavença conjugal. Dias Loureiro e António Marta estão em processo de divórcio por causa de putativa infidelidade ocorrida numa tarde de Abril de 2001, às 16 horas. Consta que um dos dois saltou para a cueca do outro durante esse encontro, mas vai ser difícil identificar o traidor. O PSD está cada vez mais divorciado da Manela, esta do eleitorado. Podia aproveitar o caso do BPN para inverter a tendência, mas ela já nos habituou a não falar do que sabe, e a não saber do que fala. Agora, vem Cavaco anunciar que meteu os papéis para outro divórcio ligado ao BPN: não quer mais estar casado com Portugal, optando por se amancebar com a palavra de Dias Loureiro.

Eis o berbicacho: ninguém, nem a própria Sarah Palin, acredita em Dias Loureiro. Ele até pode ser o inacreditável incompetente que assumiu ser, mas, por enquanto, a história por si contada é apenas uma mentira patética. Ter o Presidente da República a sancionar a sua palavra obriga a pôr em causa o discernimento da Presidência – e isto é apenas o mínimo, e apenas o começo de um processo que acaba de ganhar nova gravidade com a intervenção presidencial. Marcelo Rebelo de Sousa, no domingo passado, já veio dizer o óbvio: a ausência de reuniões na administração da SLN não é apenas uma peculiaridade do estilo mafioso, é uma ilegalidade de facto. Os administradores que alinharam são cúmplices activos, mesmo que em díspar grau, dos procedimentos que levaram Oliveira e Costa à prisão preventiva, posto que é aos administradores que primeiro compete o exercício da responsabilidade fiscalizadora. É por isso, pois, que se pagam balúrdios a esses passarões, pois é suposto que validem os processos e as contas das entidades que administram. Tudo aquilo que Dias Loureiro disse não ter feito, não ter de fazer, e até não fazer a menor ideia de como se faz. O mesmo Dias Loureiro que invoca uma duvidosa denúncia ao Banco de Portugal por sua iniciativa, mas que fica no SLN mais 4 anos – com acesso a toda a informação, meios e ocasiões para verificar a legalidade das situações que o envolviam – e chega a assinar fraudes. É esta, para já, a palavra protegida com selo presidencial.

Não está em causa o apuramento das responsabilidades legais de Dias Loureiro no caso, se as houver, assunto para o qual cada cidadão tem de confiar nas autoridades, sendo intocável a presunção de inocência. O que está em causa é a chocante inabilidade política de Cavaco. Os pés de barro do cavaquismo não resistem à brisa da actualidade.

14 thoughts on “O BPN e os divórcios”

  1. Valupi,

    Há outras brisas da actualidade, e, como eu calculava, nem todos os advogados são membros do GOL:

    “Victor Constâncio – que tem um”ordenado” no montante de quase o dobro do seu homólogo nos Estados Unidos da América – nada terá feito.

    A Justiça Portuguesa está na mão da Maçonaria que tudo controla. A maçonaria para triunfar tem de controlar a magistratura. Sem a certeza da impunidade a maçonaria não podia agir.

    A Operação Furacão nunca mais tem fim. Serve para o Partido Socialista, a pretexto de combate ao branqueamento de capitais , ir mantendo sob o seu poder o sistema bancário. O PS castra os bancos, com a ameaça do processo crime, mas no fundo o que pretende é manter o Poder, controlando os sectores vitais da nossa vida social.

    Para o Povo se calar o Governo diz que vai recuperando “milhões de euros”. O Povo cala-se e os criminosos nunca serão julgados.

    A Maçonaria é um sistema mafioso, um Estado dentro do Estado, que vai controlando as Forças Armadas, a banca, os seguros, os sindicatos, os partidos, sempre e só para dominar economicamente as sociedades, os Estados.

    Em Itália, quando foram conhecidas as listas de membros da Maçonaria, na Loja P2 – Propagande Due – o Mundo ficou a saber que entre os seus membros havia centenas de oficiais das forças armadas ,entre eles dezenas de generais , e os chefes das forças de segurança, 3 ministros, 4 secretários de estado, senadores, deputados, os chefes de todos os ramos dos serviços secretos, banqueiros, altos funcionários da administração do estado, juízes, procuradores, advogados, com ramificações nos bancos da Igreja Católica e outros.

    Em Portugal também é assim, sobretudo através do Grande Oriente Lusitano, o GOL.

    Este Polvo mina o Estado. O Povo nada pode contra isto. Sem polícia independente, sem forças armadas independentes, sem Justiça independente, a maçonaria reina”.

    http://josemariamartins.blogspot.com/2008/11/nacionalizao-do-banco-portugus-de.html

  2. Depois deste enjoativo intermezzo do inestimável estaca (agora a sério, vai-te tratar, pá), gostaria de deixar aqui esta informação de 2004, colhida das palavras de Dias Loureiro, então presidente do Congresso Nacional do PSD, na preciosa ilha da Madeira:

    «O presidente do congresso nacional do PSD, Dias Loureiro, gostaria que Portugal “fosse, DE NORTE A SUL, UMA IMENSA MADEIRA”. “Emocionado” com tudo o que disse ter visto na região governada por Alberto João Jardim, o dirigente social-democrata aproveitou a intervenção na abertura do congresso regional para elogiar a sua “revolução dos factos, das obras e de quem quer sempre mais”. Loureiro, afirmando-se “um PSD da Madeira”, declarou que nesta região está “o melhor que há da democracia” e que “é difícil encontrar no mundo outro lugar onde a mão de Deus e do homem tenham trabalhado em tanta sintonia».

    Um banqueiro distraído nunca esquece onde há offshores…

  3. Se calhar tens alguma razão quanto ao Cavaco, não parece bem o apoio que veio dar ao seu antigo ministro. Mas já reparaste que o Cavaco fez o mesmo que o Constâncio relativamente ao Marta? Cavaco não apoiou a veracidade dos factos relatados por Dias Loureiro, apenas disse que acreditava na palavra do velho colaborador. O mesmo que Constâncio disse.

  4. o Chico Estaca tem pela menos razão nessa coisa da P2:
    o Oliveira e Costa saiu do Finibanco, que “por coincidência” é uma filial do Fininveste da famiglia Berlusconi, para ir fundar o BPN
    é claro que isto não tem ligação com o facto de Berlusconi ser um destacado mafioso auto reconhecido como membro da loja maçónica “Propaganda Due” (P2)
    se isto não é verdade, então é porque só existem coincidências na matemática da vida, e “a coincidência” (uma gaja, como o berlusconi gosta) é o fotão invisivel que falta conhecer fisicamente no universo da corrupção

  5. Exacto.. eu concordo plenamente com aquilo que disse o Valupi, mas pior que isto é mesmo a sua consequência.. toda a acção tem uma reacção… e a reacção desta acção .. vai ser chata..

  6. vocês sabem imenso dessas conexões estratoféricas, já sei xatoo que são presumivelmente reais, mas não é nessas que conseguimos mexer

    Eu fquei foi banzo ontem: vi o Cavaco a tartamudear no telejornal com ar meio exausto e ouvi nitidamente que tinha estado a conversar com o dr. Dias Loteiro, à segunda corrigiu para Loureiro, ora de loteiro a caloteiro é um passo

    achei tudo semioticamente muito indexado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.