Notícias da asfixia democrática

José Gomes Ferreira, nascido em Vale de Lage e atualmente diretor-adjunto de informação da SIC, tem um programa chamado “Negócios da Semana” onde comenta assuntos de finanças, economia e política. Para a edição da quarta-feira passada, chamou Paulo Morais (presidente da Frente Cívica), João Miguel Tavares (comentador) e Luís Rosa (jornalista do Observador) em ordem a opinarem livremente sobre os “Grandes casos de corrupção em tempos de pandemia“.

Há gémeos monozigóticos que não conseguem ser tão iguais entre si como este bando dos quatro “especialistas em corrupção”. E uma das características que mais os aproxima e melhor define é esta: fechados juntos numa sala com a eternidade à disposição e esferográficas de borla, não conseguiriam preencher meia folha de papel almaço com algo objectivo, concreto e factual a respeito da corrupção em Portugal. O que conseguem é outra coisa, coisa pela qual são muitíssimo bem pagos. Chama-se “calúnia” e cumpre um papel político e sociológico relevante para quem a paga. Já que a direita pós-Barroso não consegue vencer eleições a não ser com baixa política, populismo, violações do Estado de direito, desprezo pelo bem comum e golpadas, essa direita vinga-se utilizando os seus impérios mediáticos para sessões de catarse e ódio em grupo. Algum tipo de alívio é conseguido.

Quem gastar 54 minutos e 43 segundos da sua vida a ver o programa não vai encontrar caso algum de corrupção com que se entreter. O que é servido consiste antes no único prato que estes cozinheiros sabem fazer, que despacham há mais de 12 anos, e resume-se a repetir a cada intervenção que o PS é horrível e horrivelmente criminoso. Logo, bué avant-Ventura, o sistema é o PS, o sistema tem de cair, a bem ou a mal. E de preferência a mal, como se fez em Março de 2011, pois é mais rápido, mais certinho, e dá um gozo do caraças.

A pose é exactamente análoga à de quem estivesse no meio da rua a assistir à pilhagem de lojas e se limitasse a ficar parado e a lançar para o ar “Anda tudo a roubar, que ladroagem!”, e depois passasse a repetir diariamente o exercício por obrigação profissional, por ser absolutamente maravilhoso encher o bolso apenas tendo de insultar e ofender os filhas da puta do PS – ao ponto de ficarmos com a vertiginosa suspeita de que eles temem que a tal pilhagem pare. Afinal, todos temos de ganhar a vidinha, né?

Talvez o mais notável na sua actividade laboral, onde estes artistas são a nossa elite neste tipo de espectáculo, seja o ar de satisfação e divertimento que as sessões lhes proporcionam. Quem chegar ao minuto 44 e 56 segundos, ou começando aí, pode assistir a 5 ou 6 minutos de boa diversão para toda a família. Começa com galhofa macaense, passa para um alguidar de casos que o Zé Gomes queria despachar para o caluniador profissional, continua com este a recusar a oferta porque não se queria ir embora sem falar de Sócrates e de Ivo Rosa, e conclui-se com Paulo Morais, o qual abre assim a sua declaração final: “Eu volto a dizer o que disse no princípio do programa: Portugal está, de facto, a saque.

E está. Temos de concordar. Eis um gráfico que o prova:

9 thoughts on “Notícias da asfixia democrática”

  1. Ainda bem que a baixa política se resume ao ” pós-barroso” , lóle.
    É sabido que a ala Cavacóide desenvolveu “alta política” e o próprio cherne até nem chegou ao pote graças à conversa do “portugal está de tanga”, queixas à União Europeia para penalizar o país pelo défice e até já nos esquecemos da ajuda preciosa do mano Costinha na estória do PIB.
    Portanto, mantém-se a (velha) receita de sucesso:
    Mina-se, sistematicamente, a governação do executivo em minoria (inviabilizando orçamentos, por ex.).
    Utiliza-se a pressão das instituições externas (UE, empresas de rating, etc) contra os interesses do próprio país.
    Finalmente, remata-se com o emporcalhamento crescente dos mérdia
    É um autêntico “dejà vu”.

    A propósito de mérdia:
    Creio que se à infografia representada acima se juntar o enviesamento dos próprios jornalistas (e direção editorial, claro) e o grau de dissidência do referido comentário de esquerda em relação ao governo, as percentagens “azuis” acabam por ser esmagadas. Principalmente na televisão estatal, que é paga por todos nós.

  2. no próximo pugrama o babalú leva os directores executivos do diabo (henrique neto), das transparências (paulo batalha), das seringas (enfermeira cavaca) e o ventrujas como co-moderador.

  3. Nesta altura penso que desmascarar é essencial. Mas o infograma não nos deixa muito tranquilos. A esquerda faltam estes métodos e os respectivos veículos de comunicação mas a esperança nunca morre. E as vezes as pessoas gostam tanto de chafurdar na lama , um bocado de paródia, que agora se chama bulling , com o outro da-lhes uma coisa que os homens costumam ter que se escreve com t e mais quatro letras que eles exploram para vender calúnias.

  4. Paralaxe

    Entretanto, num país muito distaaaante chamado Portugal as coisas são muito diferentes. O governo do querido líder Costa apresentou em ano de pandemia o terceiro pior nível de investimento europeu.Não há investimento no SNS? Não há computadores para aulas on line? Pois…temos pena, o budget é para (não) se cumprir e se ainda podermos poupar face ao previsto, ainda melhor (- 2.600 M) Ainda têm muita sorte não ser um plano quinquenal, como devia de ser. https://twitter.com/vicenteaferreir/status/1357100453650182146?s=09

    Curiosamente, houve uma área que teve um adiantamento especial para fazer face às dificuldades da crise, não foi? Espera aí.. Deixa cá ver…Ah é verdade foram os media moguls aqueles malandros que querem destruir o querido líder. O querido líder diz-se socialista mas vai para a cama com todos os que estiverem dispostos a chamar-lhe…querido líder. (Rubrica orçamento-propaganda)

    https://www.publico.pt/2020/05/19/politica/noticia/vao-distribuidos-15-milhoes-euros-destinados-media-1917205

    Mas vamos voltar a página, 2021 é outro ano e desta é que é . Vem aí a maior e mais fabulosa medida de apoio à cultura, e é feita através da raspadinha, que é paga maioritariamente pelos pobres, claro. Queriam o quê, dinheiro do orçamento? Ahahahah

  5. nesse gráfico que é pinta ai rtp3 ? ou entram as rtp todas ou não entra nenhuma..e tvs privadas contratam para o palco quem eles acham que lhes dá mais lucro ou que saem mais baratos.
    e o canal do crime da manhã?
    nas amostras os desvios não devem entrar.

  6. ò bloco de estrume! é botar moção de desconfiança, convencerem o gerónimo a votar ao vosso lado que a direita trata do resto e até é provável que o coelho apareça para acabar o serviço que começou em 2011. quando os mercados cheirarem coelho à ventrujas é um vê se te avias de investimento público no privado. mexam-se depressa enquanto têm 19 deputados, depois não dá, nem com a miss gomes de joelhos a fátima.

  7. Então Joe Strummer o Pasquim Observador não te chega. Vens pasquinar para aqui. Se eu fosse a Aspirina, sou de esquerda e portanto anti democrática, já te tinha tirado o pio. Mas o blog é dela e ela é que manda.

  8. quanto ás poupanças do Costa : pois , fez bem poupar , pq só agora chegou o tempo de gastar. até este inverno a coisa correu na boa , porque é que haveria de ter gasto tanto como em Itália Espanha ou França se o desastre foi 80% menor ? às tantas até gastou demais face ao acontecido até Maio.

  9. O que vale é que poucos espectadores visitam a “tasca” do Gomes das iscas dada
    a falta de qualidade dos “petiscos” que costuma servir com a sua insustentável
    falta de conhecimentos das matérias que aborda (caso das PPP’s das estradas em
    que Paulo Campos o calou)! Não há pachorra para ouvir o quarteto apresentado,
    todos juntos não conseguem passar por um bom “cozinheiro”, são gentalha sem
    um pingo de ética, caluniadores e mentirosos qb para sacar uns cobres pró bono!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.