Nemátodo infesta PSD

Nemátodo

s. m. pl. (fr. Nématodes; ing. Nematoda). Ordem de vermes cilíndricos providos de tubo digestivo completo e cujos sexos se encontram separados. A maioria destes vermes são parasitas dos vertebrados e alguns deles do homem.

*

Ricardo Salgado acusou Filipe Pinhal de cinismo, hipocrisia e cobardia. Tratando-se da banca, e do Ricardo, a mais aristocrática e discreta das suas altas figuras, o equivalente a esta denúncia é um espancamento à bengalada no Chiado, seguido de tareia com pau de marmeleiro na Rua do Carmo e acabando em sessão de biqueiro nos Restauradores. Pinhal confirmou o estado comatoso em que se encontra, dizendo que não entra em polémicas e que o que está escrito, está escrito. Mas que fez este Pinhal offshórico? Nada de especial. Limitou-se a deixar no ar uma insinuação que ofende a honra de terceiros. Ou seja, limitou-se a fazer o que vê fazer à sua volta, a todo o momento, contra Sócrates, o Governo e o PS.

No PSD, o mais frenético e notável produtor de ofensas é o Pacheco Pereira. Como outros, assisto meio incrédulo ao esboroamento de um qualquer sentido de respeito pela dignidade de terceiros nesta figura grada da opinião social-democrata. As suas catilinárias contra o situacionismo e a suposta manipulação da comunicação social pelo Governo, vertidas em todos os meios onde bota palavra, são exemplos acabados de calúnias cínicas, hipócritas e cobardes. Pacheco nunca prova nada, nunca identifica ninguém, e o máximo a que consegue chegar na matéria objectiva remete para a secundagem do Jornal da Tarde da RTP 1. O resto é hermenêutica, democracia e liberdade. O seu terrorismo opinativo é não só absurdo e confrangedor, é também asqueroso, perverso. Alimenta a suspeição, mas não a quer esclarecer. Serve-se dela para manter o protagonismo mediático.


Neste texto, Pacheco exibe a sua pulhice num exercício paradigmático da doença que devasta o PSD. Ei-lo a defender uma das teses supremas que os canalhas envolvidos na campanha negra não se cansam de repetir: o Jornal da TVI nunca foi desmentido na factualidade das suas notícias. Ora, vejamos: se há uma investigação policial e judicial em curso, qual seria a entidade que poderia desmentir as notícias, fossem elas quais fossem, que qualquer órgão de comunicação publicasse? Ou quem? Sócrates? O sr. Smith? Os magistrados responsáveis? Cavaco? O Núncio Apostólico? Mas que filha-da-puta de confusão seria essa onde aqueles que desmentissem ficariam sujeitos, numa espiral insidiosa, a serem acusados de interferir no curso da investigação? De resto, o principal nem será, o mais das vezes, obter um desmentido, antes a interpretação, a correlação, a relevância. O SOL fez explosivas cachas com emails inanes, é para isso que existe a liberdade de imprensa? Estamos perante um sofisma destinado a servir de cobertura à pérfida exploração do segredo de Justiça para assassinar o carácter de um alvo. Pura e simplesmente, não há quem possa desmentir seja o que for porque isso implicaria interromper as diligências e declarar o caso encerrado. Enquanto o processo judicial não chegar às suas conclusões, todas as informações poderão ficar a pairar isoladas, dando azo às mais desvairadas especulações e suspeitas. Foi isso que se pretendeu, tanto por mera cobiça comercial, aumento das audiências e vendas, como numa campanha de difamação sistemática com objectivos políticos.

A desonestidade intelectual do Pacheco não conhece limites, é o vale tudo descarado, obsceno. Repare-se:

Com certeza o critério de interesse público mais que justificava que se conhecesse o conteúdo do DVD, falsíssimas que sejam as acusações, porque existe e tem um papel central numa investigação policial envolvendo actos públicos. Alguém imagina que a CNN o não passasse, ou a BBC? Os jornalistas da casa fariam um levantamento.

Pacheco defende o fim do segredo de Justiça, bastando o interesse público. Que se segue? Que eu saiba, o interesse público quer consumir os filmes dos pedófilos que sejam apreendidos, quer conhecer os detalhes biográficos dos suspeitos nos casos de violência doméstica, quer os segredos dos inocentes pendurados à frente da sua curiosidade, bastando estarem envolvidos em casos policiais. O interesse público não perde tempo com a possibilidade do seu interesse colidir com o interesse das vítimas e do Estado, explica o Pacheco. E vai mais longe, estabelece a equivalência entre a prática de Moura Guedes e a da BBC e CNN. Portanto, para esta rara inteligência, ilustre apoiante da Política de Verdade, candidato a deputado por um partido presidido pela emanação mais pura da seriedade, a BBC e a CNN conseguiriam passar o DVD de três formas diferentes: sonora, ilustrada e ao natural. Pelo meio, a BBC e a CNN fariam o que pudessem para transmitir ao público as suas certezas quanto à veracidade dos conteúdos constantes nos materiais. Materiais esses retirados do contexto da investigação para exibição avulsa. Não se trata apenas, para ir buscar uma expressão do Ricardo Salgado, de constatar que alguém nos toma por parvos, trata-se de constatar que alguém não tem a mínima consideração pelo que pensemos a seu respeito, já não quer saber.

Particularmente avacalhante é o que o Pacheco tem feito com as afirmações do tio de Sócrates. Com base nelas, tem repetido que Sócrates está obrigado a responder politicamente pela situação narrada. Acontece que as declarações a que ele se refere são as que foram dadas em certas circunstâncias públicas, num interrogatório jornalístico que não permite plena responsabilização do nomeado. Independentemente da fiabilidade das declarações como relato do sucedido entre os dois ao tempo, o que está em causa nesta altura são os critérios pelos quais uma matéria do foro judicial pode ser aproveitada como arma política. Não nos é difícil conceber situações as mais variadas em que declarações de familiares podem ser inventadas ou inexactas, carecendo do mais rigoroso exame para se aferir da sua credibilidade. A questão é de um especial melindre, confrange ter de explicar o óbvio. Que diria o mesmo Pacheco se fosse ele a vítima de tal aproveitamento?

O mecanismo conspirativo do Pacheco passa por anular a pluralidade e profissionalismo da RTP, sem igual na concorrência, para deixar a imagem de um canal dirigido pelo Governo ou conivente com os seus ilegítimos e secretos interesses. Simultaneamente, enaltece a liberdade da TVI e o tipo de jornalismo lá praticado por Moura Guedes, o qual tinha as notícias certas no lugar certo do alinhamento. Que está aqui a faltar nesta distorção grotesca? Que asfixia mediática oprime o prolixo intelectual e o impede de nos contar a história toda? Acertaste, falta a SIC. Ninguém sabe qual é a opinião do Pacheco quanto ao tratamento dado ao caso Freeport lá pelas bandas onde ele ganha aquilo com que se compram os melões. E como daria jeito saber, descobrir se a SIC também se verga ao situacionismo, se o Crespo e o Ricardo Costa são cúmplices das tenebrosas agências de comunicação ao serviço de Sócrates e do seu projecto pessoal de poder, ou se o jornalismo de Balsemão é menos sofisticado e acutilante do que o da Moura Guedes. Porém, talvez nunca se descubra, como profetizou a Manela a respeito do caso TVI e dilectas suspeitas.

O tal bicharoco que corrói o Pinhal, há muito que infesta o PSD.

61 thoughts on “Nemátodo infesta PSD”

  1. Val, fantástico post. E uma vez chegados aqui, com as evidências todas do lamentável estado da nossa democracia, completamente vergada a interesses sacanas de quem tem os meios e o interesse, pergunto: bastará a racionalidade? Quando terminará esta loucura? Meu deus, achará o Pacheco que um indivíduo é culpado até prova (sim, prova) em contrário? Eis porque dá tanto jeito a uma certa direita sem ética manter as pessoas ao nível da primária. Não é Ds?

  2. curioso, vou tentar retêr isto:

    «Alguém tem sombra de dúvida de que a luta sem quartel que se abriu entre os órgãos de administração do banco foi apoiada na violação do mais sagrado dos deveres de um banqueiro: o sigilo bancário?»

  3. Bem sei que não tem directamente a ver com o tema, mas não posso deixar de dizer que gosto muito dos cartazes do Paulo Portas em que ele diz “de cada vez que me ponho a pensar como nozes”. É bonito e os frutos secos, além de serem saudáveis, sustentam uma boa parte da economia.

    Também gosto daqueles cartazes da RTP de promoção ao novo concurso do serão “Hora da Verdade” e achei muita piada ao lapso de terem trocado a fotografia do Malato pela da Dr.ª Leite.

    Já agora, quero referir que o slogan de Pedro Santana Lopes “Lisboa precisa de alguém que faça” só revela que ele é um homem de grande humildade ao apelar ao voto noutro qualquer que não ele.

    Boas festas a todos!

  4. Infelizmente o bicharoco está a devastar os pinhais a sério o por culpa deste ministro da agricultura que nada fez. É provavelmente o pior ministro do mundo!

  5. o que me surpreende é que não há ninguém com suficiente visibilidade que responda ao pacheco no mesmo tom!
    e hoje vamos ter o medina carreira pela nésima vez na sic. é o rigor informativo e a equidistância partidária no seu melhor!

  6. Aconselho a leitura de um post de Eduardo Pitta remetendo para a Sábado que sairá proximamente. A ser verdade, espera-se a reacção do Pacheco.

  7. Ibn, não queres fazer o filme da doença do pinheiro provocada pelo tal nemátodo da madeira. do combate à epidemia pelo corte das árvores afectadas que já estava a ser feito a Sul do Tejo por um orçamento de 3,6 milhões de euros que já ia em 70 milhões, mas a empresa não se importava de receber só 30. deves ter esclarecimentos importantes sobre este assunto. ou então pensas que ser ministro é passar com a esfregona pelos corredores.

  8. traquinas, de facto não sei o que é ser ministro. Se alguns passassem a esfregona pelo corredor sempre justificariam parte dos seus honorários.

    O filme da doença é fácil de explicar o ministério em funções não conseguiu conter a doença na península de Setúbal.

    Sacudir a água do capote não me parece que seja a melhor politica. Se a forma encontrada pelo governo não era suficiente para combater o problema, seguramente poderia ter encontrado outras.

    Agora que há já condicionante à madeira de pinho portuguesa parece-me mais grave.

    Mas como afirmei antes, o ministro JS é provavelmente o pior ministro do mundo!

    Se vivesses da agricultura talvez compreendesse os que quero dizer.

  9. Não percebo, vocês só falam do nemátodo que parasita os pinheiros, esse deve ser o responsável pela secura do Programa do PSD. E os que parasitam as pessoas? Estão a esquecer um dos nemátodos mais conhecidos: a lombriga. Digam lá se uma infestação destes vermes no partido da Ferreira Leite e companhia não ajuda a explicar muita coisa? :)

  10. Ibn, está aos olhos de toda a gente que o jpp se tem esforçado para ser a pior miss piggy de sempre: faz tudo para agradar e ter o carinho do seu sapo mas sempre a correr o risco de ser preterido. pelo meio esgadanha-se e chora muito.
    tu, verdade seja dita, tens-te esforçado para seres o melhor baterista da banda mas, com respeito te digo, corres o risco de ser o pior cozinheiro sueco: as tuas receitas são corriqueiras mas tentas apresentá-las sempre de forma original.

    ah… e dizes muitas vezes bork.

  11. Bem sei que não estou à altura para discutir sufixos e prefixos contigo, contudo, sempre vou dizendo de os únicos marretas nacionais que conheci foram dois senhores que por acaso chegaram a pm, lembras-te?

    por muito que tentes continuas sem um laivo graça, ironia, ou sarcasmo que seja. Enfim, não desistas!

  12. eu é bacalhau com natas, caldo verde, amoras de árvore e uma torta de Azeitão. Vá Ibn, se queres andar aqui tudo bem, já conhecemos os pontos de vista diferentes, escusamos de andar a chatear-nos. Se é para chatear ainda me fazes ácido, e eu começo no sulfídrico mas acabo no sulfúrico, e perdemos todos.

  13. chatearmo-nos nada, Z. somos demasiado frágeis para isso :-)

    há quem não queira perceber a enorme apetência para fazer cachas da comunicação social. moderna, claro.

  14. Oh Z, não fiques com azedo. Não compreendi o que te chateia, foi o burroso ter ganho?, ou o vital ter votado nele?

    Afinal o homem tem mesmo a seriedade que se lhe reconhecia!

  15. o vital sempre disse que votava nele se a direita fosse ganhadora, como aconteceu. Prefiro o burroso lá do que cá, e além disso levou com um feitiço, vai ver pelo que tem de responder. Et on y va.

  16. atrasei-me mais um bocadinho do que esperava e tu não disseste mais nada?, Ibn Erriq. deves estar à espera que te lambam a cona.

    há que tempos que andas com um espantalho dependurado na testa. espantalho que tu próprio criaste (com todo o gosto, penso eu de que) e que naturalmente não te facilita a visão. de vez em quando, percebe-se que te aparece uma remela ao canto do olho. experimenta um murrito nele, Ibn.
    se não resultar… esbraceja em frente ao nariz.
    pode ser que sejam só moscas

  17. Porra tra.quinas, lá “fodeste” o homem, que apenas está aqui para ser diferente, só que a diferença dele não é diferença é ódio, mas como ele e quejandos são o que são ainda não o perceberam, apesar de todas as tentativas de explicação – de facto há uma grande DIFERENÇA entre odiar e argumentar – e não somos, afinal, todos diferentes? E este é do “outro PS”, fará se fosse de outra “coisa”…

  18. manutor, certamente concordarás que não é a mesma coisa lidar com uma unidade ou com várias fracções do mesmo. sem colocar em causa a virtude da diferença. e não entendo o ódio sem razão explicada. falar em “carnavales” é pouco. fora isso é veneno. porra!

  19. O Burroso ganhou ? E “dispois”? O homem tem seriedade? Amigo Ibn Erriq, só tu é que me farias sorrir. Só se é ainda alguma que lhe resta dos gloriosos tempos do grande educador da classe operária, o tal que o povo libertou, e da linha vermelha (não é a do Metro )do velhinho ME RRE PE PE. Era só o que me faltava ouvir. Fosga-se, sai um digestivo que ainda é muito cedo para uma bejeca.

  20. Cavaco sempre fedeu.Desde os tempos de antanho, quando foi fazer a rodagem ao carro lá para os lados da Figueira se viu que o dito queimava mal. A tão propalada isenção do sr. é um mito. Mas há uma questão, também muito importante, que se prende com o acto de questionar os adiantados mentais/patetas que disseram que isto era uma patetice de Verão e não interessava nada. É a vida…

  21. Traquinas, sim senhor, gosto de ver quem tanto vocifera contra os insultos e os carimbos, fica-te bem esse espírito.

    Mas se me quiseres lamber é só dizeres onde e quando.

    Ainda reparaste que não passas de um cromo? Pois então eu dou-te uma ajuda. não passas de um cromo que lança umas bocas que que não consegue concretizar nada. Estás pronto para votar no BE, pelo menos fazes como eles.

  22. tinhas sido claro, manutor.
    se calhar tentei foi mais justificar algum sentimento de culpa com que fiquei. este está longe de ser o meu registo apesar deste tipo de termos e linguagem nada me afectar. mas sei que não se passa o mesmo com toda a gente. está dito está dito. e não garanto que não se possa voltar a repetir.

  23. estamos num país livre. podes ser e fazer o que bem quiseres, Ibn. mas também tens que perceber que as estratégias que utilizas, apesar de muitos as tentarem banalizar, também indignam muito boa gente. tanto ou mais do que as ofensas ou os termos.
    quanto ao concretizar, o problema tanto pode ser meu como teu. pensa nisso.

  24. Ibn Erriq, topei! Gostava de te escrever em árabe mas aqui a máquina do demo não o permite, ainda. A paz esteja contigo.

  25. boa, Z.
    e também foi este governo que criou as ZIF, instrumento essencial para o ordenamento, protecção e usufruto da floresta. medida que já devia ter sido tomada há décadas

  26. Que frase tão redondinha mas que não diz nada:
    “quanto ao concretizar, o problema tanto pode ser meu como teu. pensa nisso.” (toma lá um negrito com o alto patrocínio das tintas barbot).

    Olha, hoje aprendi uma coisa contigo, não sabia que usava estratégia aqui no aspirina. Obrigado por me elucidares.

    Como deves compreender não escrevo nem para agradar nem para desagradar ninguém, aliás, isso é-me completamente indiferente. Escrevo o que acho que devo escrever, quem gosta come, quem não gosta põe na beira do prato. Obviamente não espero muitas simpatias por este sítio pior só mesmo no simplex. Sabes, acabo por ter compaixão cristã de muita gente que se sente na obrigação de concordar, sinto que muita dessa gente concordaria como o que quer que fosse.

    Como dizia o MS a indignação é um direito ;-), por isso, acho muito bem que quem não concorde vocifere e se indigne.

    Mas é gira a tua argumentação acusa-me de uma śerie de coisas, depois, fazes exactamente aquilo de que me acusas potenciado várias vezes.

    Se queres ser sério faz lá um copy paste onde eu seja reles e ordinário!

    Sabes, cá na minha terra mandamos as pessoas para o caralho e à merda, mas olhos nos olhos, entendes o que quero dizer? (não faças já filme com base em pressupostos que podem estar muito longe da realidade)

    Já gora, também reparo que o estilo Fernanda Câncio começa a fazer escola, porque será? Moda, estilo?

  27. Sim, sei disso, aliás fiz por isso. Eu lutei contra os fogos florestais e ardi a denunciar a fileira da indústria do fogo e a propôr medidas correctoras. Vá lá que eles também ardem: BPN et al.

    Além disso rebento de toiça que nas horas vagas não sou gato mas carvalho: pyrenaica, o mais safado e gentio. Mas agora tou constipado e vou xonar.

  28. continuas a esbracejar e não te passa? pois, então não é moscas.

    que bem observado o negrito. o que quererá dizer aquilo?
    tinham acabado de concretizar que não é verdade que não esteja a ser feito nada para combater a doença do pinheiro e tu insistes. era o que tinhas dito lá em cima, lembras-te? que culpa tenho eu que te reboles nas caixas de comentários

    (Ibn Erriq
    Jun 25th, 2009 at 22:41
    LOL! Homem bem sei que o sarcasmo não passa facilmente aqui LOL!

    Mas podias ter percebido estava a mandar-te p’ró …… bem o resto acho que descortinas!)

    suponho que não devias estar na tua terra mas lá elegância e graciosidade não te falta!

    foi a fernanda que inventou? não sabia. então… é por isso que não percebes. um dia destes pode ser que escreva como tu pensas que deve ser. percebes? és previsível.

  29. Agora fiquei intrigado, oq ue é que o jpp (que não sei de tem se trata, pois, acabaste por não dizer quem é a figura em apareço) tem a ver com o combate à doença? Depois sou eu que me rebolo.

    A questão é que tu gostas de mandar umas postas depois quando se te pedem exemplos, sai isto, fraquiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiinho.

    Para não fugires a à questão, como é hábito.
    Na minha terra manda-se à “badamerda” e para a zona genital masculina olhos nos olhos e assumindo a consequência. Não se faz à distância isso é inconsequente e demasiado fácil. Compreendestes agora?
    Não não se trata de elegância e graciosidade, até porque a a graciosidade num homem só fica bem se for bailarino.

    Pois acho que previsível és tu que segues a moda mas por outros motivos.
    Vou explicar-te o mecanismos básico.
    Para fazeres maiúsculas podes fazer da seguintes forma:
    Pressionas uma das teclas SHFT em simultâneo com a letra pretendida
    ou
    Pressionas e libertas a tecla CAPS LOCK (Bloqueio de maiúsculas) escreves a letra e voltas a pressionar e libertar a tecla CAPS LOCK, não vás escrever tudo em maiúsculas e depois toda a gente fica a pensar que está a gritar.

    Vês é muito simples, tu consegues.

    Deixo-te informação adicional, caso pretendas aprofundar os conhecimentos:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Shift_key

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Caps_Lock

    http://en.wikipedia.org/wiki/Caps_lock

  30. até estou azamboado. ainda comecei a treinar mas é demasiada informação por junto. não sabia que também davas explicações via net. conseguiste aprender isso tudo sozinho ou tiveste que pagar?

    o pacheco pereira é um dos principais visados do post e, como muitas vezes também me parece um marreta, aproveitei para juntar e deixar a minha opinião sobre o assunto. não te importas pois não? (estou convencido que percebeste o desenho e evitas-me o filme)

    estás a ficar seco, Ibn. não terás, por acaso, sido afectado pelo nemátodo do neurónio, não?
    fazes-me lembrar a anedota do outro que comia serradura e defecava tábuas aplainadas para aumentar a produção industrial. tu estás mais virado para a produção intelectual mas, como sabes, com esse problema a tua madeira não serve para exportação. nem para paletes!
    fica bem, Ibn.

  31. Tive que pagar e muito, mas o que é que isso importa? Ah tenho ainda outros truques sei de cor o teclado numérico se estiveres interessado posso ajudar-te também nesse capítulo.

    Pelo vistos não serviu de nada a minha tentativa, pelo menos tentei. Gostas de imitar o maus exemplos, ok. Deves julgar que inventas um novo estilo que é “fashion”, lamento desiludir-te!

    Na volta fui mesmo afectado por isso que dizes, senão como se poderia justificar que esteja para aqui a gastar o meu tempo a responder a comentários balofos e carunchosos?

    Mas noto que deixaste os comentários reles e ordinários, é já um progresso.

    Quanto ao Pacheco Pereira, quero lá saber dele, aliás, importa-me tanto ele como tu! Nada.

    Agora vou começar a por azeite e sal na serradura talvez fique melhor, já agora mais algum condimento? Obrigado pela dica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.