Motards

«Não é admissível que o País esteja a ser enxovalhado desta forma no estrangeiro», prosseguiu, considerando que a imagem externa de Portugal está a ser «totalmente afectada», na medida em que «todos olham para nós como se fossemos um país do terceiro mundo».

Para Manuela Ferreira Leite a situação criada com a abertura do processo a Lopes da Mota, por alegadas pressões sobre magistrados no caso Freeport, é «verdadeiramente insustentável e insuportável» e não se pode manter.

Manela a 19 de Maio de 2009

Está tudo condicionado e paralisado. Onde é que está o caso Lopes da Mota?

Rangel a 25 de Setembro de 2009

*

Esta notícia apresenta uma versão do caso Lopes da Mota que está de acordo com as evidências. A primeira evidência é a de ser impossível que pressões sobre magistrados tenham alguma possibilidade de sucesso. Como se viu, até uma conversa entre amigos pode ser denunciada como irregularidade, pelo que não se imagina uma situação em que os magistrados estejam sujeitos a pressões. A segunda evidência é a de estarmos perante um empolamento artificial, de política interna. Tal ficou óbvio na sanção de 30 dias para Lopes da Mota, decidida sem unanimidade no Conselho Superior do Ministério Público. Tratava-se de uma penalização simbólica, cedência corporativa a quem criou o caso.

E que fez o PSD com a manobra sindical? Explorou-a ao máximo, até ao último dia da campanha para as Legislativas. O facto de se gerar alarme social com a suspeição de que o Governo manipulava magistrados para pressionar os procuradores do Freeport era a maravilha das maravilhas. O vale tudo devora qualquer oportunidade para lançar calúnias e envenenar a opinião pública, nem a Justiça ficou a salvo da pulhice como estratégia política. Esta malta que tem estado no PSD provou no caso Lopes da Mota, pela enésima vez, não ter um pingo de decência.

Os aceleras da Política de Verdade despistaram-se na curva, equilíbrio não é com eles.

6 thoughts on “Motards”

  1. Independentemente dos oportunismos políticos e das subserviências ocultas dos poderes estabelecidos é urgente uma reavaliação e adaptação dos instrumentos de equilíbrio social aos tempos que vivemos. A velocidade das alterações que estão em curso nas sociedades tornam indispensável ponderar o âmbito e actuação dos poderes legais e a forma e conteúdo dos associativismos cívicos e profissionais. Sob pena de assistirmos cómoda e negligentemente ao desmoronamento dos sonhos e lutas de muitas gerações anteriores. Mesmo que geradas de muita concepção idealista, esses esforços merecem ponderação e análise.

    Bem sei que isto não é compatível com guerrilha partidária de baixo nível.

  2. tra.quinas

    Esteve muito bem na sua análise, pena mesmo foi não ter concretizado.
    Ou seja, atirou ao ar uma mão-cheia de boas intenções e ficou-se por aí.
    Será que as suas palavras têm só o remetente mas não têm o(s) destinatário(s)?
    E apenas porque se refere a política de baixo nível, eu juro que me refiro a todos os responsáveis – ou que o deveriam ser – do nosso País e não apenas ao “suspeito” do costume.

  3. pois é, estava-se mesmo a ver que tinha sido o sindicato do ministério público a forçar o inquérito mesmo contra a vontade dos procuradores encarregues do freeport. uma conversa informal à hora de almoço foi transformada num caso de pressões ilegítimas. é claro que foi a política (mais uma prova que a justiça está pornograficamente politizada, como advoga o marinho pinto) a força motriz desta tramóia. e com o apoio do cavaco que deu cobertura a tudo isto ao receber, a quente, o sindicato do sr. palma. mas para ripostar a este desmascarar do complot, o sr. palma lá fez publicar (esta gente tem muito poder!) uma peça no dn.

  4. Bem abençoado seja, assis, porque teve a sorte de assistir à “conversa informal à hora de almoço” e pode, com toda a legitimidade que lhe assiste, concluir que ela foi “(…)transformada num caso de pressões ilegítimas. é claro que foi a política (mais uma prova que a justiça está pornograficamente politizada, como advoga o marinho pinto) a força motriz desta tramóia. e com o apoio do cavaco que deu cobertura a tudo isto ao receber, a quente, o sindicato do sr. palma. mas para ripostar a este desmascarar do complot, o sr. palma lá fez publicar (esta gente tem muito poder!) uma peça no dn”.
    Ufa! Fiquei cansado só de transcrever esta citação.

    Que sorte a nossa, haver pessoas tão informadas assim!
    Há opiniões contrárias? Há mas…e depois?
    É isso…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.