Moedas, especialista em diabolizações

Deu que falar a exaltação de Carlos Moedas na reunião plenária da Assembleia Municipal de Lisboa, ocorrida nesta terça-feira. Acima no vídeo, Isabel Pires (BE) começa a falar às 3:45:56 e o presidente da Câmara de Lisboa começa a responder-lhe às 3:55:14. Não existe um nexo directo entre uma coisa e a outra, e nesse desconchavo Moedas expõe-se como a indelével fraude política que é.

A intervenção da deputada bloquista surge meramente técnica, tratando de assuntos correntes da CML próprios a uma sessão da AML. E desenvolve-se como uma intervenção politicamente banal, nisso de ser igual a milhentas doutras e não ter saliente agressividade retórica. Jamais seria notícia sem a reacção absurda – e mesmo arrogante – de quem farejou uma oportunidade para se vitimizar e, acto contínuo, engrandecer. Os direitolas adoraram, porque tudo o que detestam nos políticos rivais é exactamente o mesmo que querem ver nos seus líderes.

Donde, ficamos com este registo para amnésia imediata em que se vê Moedas deleitado a simular indignação, ainda se permitindo fazer um berreiro com a alegação de que os bloquistas andam a “diabolizar” a sua “humilde” pessoa. Isto vem de um tratante que fez campanha para as legislativas e foi ministro representando um partido que usou a mentira, os apelos ao ódio e a diabolização de forma sistemática e obsessiva. É, pois, matéria onde pode opinar com a autoridade de um tarimbado especialista.

4 thoughts on “Moedas, especialista em diabolizações”

  1. ui, o horror. a sorte é que o moedas não é putinista, nem autoritário e está absolutamente a favor da continuação da guerra na ucrânia inclusive utilizando armas nucleares. um dos nossos, portanto.

  2. se o putin ganhar a guerra o moedas constrói uma putinetóvia com 4-faixas centrais-4 de arroios a vladivostóque.

  3. “se o putin ganhar” porque até agora está a perder, não é? faz uma ciclovia para levares armas nucleares ao ucras. meu! fala com o machado que ele dá te contactos

  4. de manhã eu não vi isto, escapou-me. de qualquer forma também não teria tempo. deu -me vontade de rir porque a gesticulação e o tom é tal e qual o Rio. percebo nadinha das avenidas faladas. e enquanto ele pititipátátá, estava alguém (quem seria) atrás a brincar valentemente com a caneta. aquilo ou era nervoso miudinho ou palminhas secas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *