Mistérios da São Caetano

As sucessivas desgraças políticas que chegam à liderança do PSD, desde que Barroso traiu o seu compromisso ético com Portugal, são uma penosa ilustração da decadência da direita nacional. As raízes estão na longa duração do Cavaquismo, no envelhecimento da geração dos fundadores do PSD e CDS sem renovação capaz e nos aparelhos de poder financeiro que substituíram a necessidade de lutar intelectual, ideológica e civicamente. A riqueza estava à distância de uma rede social, mas nada democrata, nessa enorme sociedade lusa de negócios do Cavaquistão, alimentada a fardos de dinheiro vindos da Europa para esta secção avançada do continente africano. Os filhos da direita abastada, de fortuna antiga ou recente, desistiram da luta política antes mesmo de a começarem. Havia muito mais e melhor para fazer com tantos privilégios e benesses: desportos, estudos, viagens, paixões, vida de corte. Não queriam misturas com os viciados da intriga, os arrivistas acabados de chegar e o povinho que cheira mal, inevitabilidades da actividade partidária.

Mesmo assim, não deixa de causar alguma surpresa ver Passos Coelho, que tinha juventude para ter outro juízo, a ultrapassar os máximos de estupidez registados pelos seus imediatos antecessores. Para além de não perceber nada do que se passa sociologicamente à sua volta, em particular as sondagens que o premeiam sempre que ajuda à governabilidade, de se ter metido num desmiolado beco sem saída com a revisão da Constituição e de ter levado o País para um escabroso e irresponsável processo de viabilização do Orçamento, agora saí-se com a repetição em voz alta do que Pacheco e Manela anda a vociferar entre dentes desde que lhes passou pelos olhinhos o episódio islandês: meter políticos em tribunal por causa das contas públicas. Ou seja, meter Sócrates no chilindró seja lá pelo que for, que é só do que se trata com estas alimárias. As implicações dessa aberração, caso fosse para levar a sério, teriam como consequência que só as Testemunhas de Jeová e os anarquistas ficassem interessados em ir para o Governo.

Passos faz tudo, tudinho, para oferecer ao PS ocasiões de tiro ao boneco. Mentes dadas à paranóia já devem estar em acelerado cálculo conspirativo.

17 thoughts on “Mistérios da São Caetano”

  1. Hoje, aqui em Algés, ouvi duas conversas e rua a dizer que deviam prender o malandro, o PM claro está. Aposto que quem assim falava votou Isaltino nas últimas autárquicas…
    O Populismo pode não matar, mas mói muito…

  2. Alguém que entreviste o homem e lhe pergunte se estão incluídos nessa responsabilidade criminal todos os presidentes de câmara do PSD com dívidas do tamanho de um comboio, Cavaco Silva, Manuela Ferreira Leite ou ele próprio, Passos Coelho, responsável por andar a empatar a aprovação do orçamento e a brincar com os juros da dívida. Alguém que lhe pergunte até onde poderia ir a retroactividade dessa medida? Só até 2009? E o que propõe para premiar quem reduz o défice de 6,4% para 2,8% em 2 anos?
    PPC parece não saber o que diz. Acossado pelas críticas de imaturidade, está a transformar-se num potencial ditador, que, para conquistar apoiantes, desce ao populismo mais baixo.

  3. Responsabilização criminal de todos, claro. Sem apelo nem agravo. Seria o único a ser responsabilizado nessa sede? Ora pensem, e andem um pouco para trás!

  4. E quem votou neles também vai preso?
    Ou se fizer um t’arrenego satanaz na praça pública fica só com pena suspensa?

  5. Estamos todos tramados com esta ideia do Passos Coelhão. Afinal somos cumplices de criminosos porque somos nós que elegemos os responsáveis pela governação. F…-se, vou emigrar.

  6. Passos Coelho ainda não percebeu que governar um País não é o mesmo que governar uma Juventude Partidária qualquer onde bastam umas cervejas, um telemóvel e pouco mais para ser líder.
    – A constituição e as leis já existem, a sua plena aplicação, incluindo aos políticos, não seria uma vitória, seria a vitória. Se tivesse proposto a criminalização dos juízes que andam a mijar fora do penico, cagando-se assim para a constituição existente, até era capaz de (pensar) votar nele.

  7. Morais Sarmento diz que o Passos Coelho é um “ovo Kinder”. Discordo. A comunicação social denota permanentemente o entusiasmo e a expectativa de saber o que vai sair a seguir mas não se vê em ninguém o prazer de comer o chocolate. O Passos Coelho é só a surpresa: bonecada para cachopos. Não justifica o euro.

  8. ora , deixa cá ver…proponho então uma penalização apenas política : o partido ( o partido inteirinho , que é o partido inteiro que vai a eleições prometendo mundos e fundos- fundos parece que dão- para chegar ao bem bom poder que lhes permita sacar à vontade do erário público )) que ganhe eleições e constitua governo e não cumpra , pelo menos , 80 % do que lá vem prometido , no programa eleitoral , fica interditado de se apresentar nas próximas eleições . fica de castigo , a um canto , com orelhas de burro até aprender.
    porque isto de votarmos em A programa e sair C ( de caca ) de realidade acho que não pode continuar , pois não passa de uma farsa.
    e se o ministro das finanças fosse meu aluno e o orçamento um teste , chumbava , atrasado e cheio de erros , caramba ! como é governante , no pasa nada.

  9. O problema de PC é a sua crendice beata, quase mística, de que é ouvido por Deus. É uma mentalidade da Idade Média: pensa que fazendo-se de mendigo piedoso, fica isento de culpa perante o céu e por força maior perante os homens.
    É o sinal claro que dá ao povo quando, logo que pensa que cometeu um erro político, vem pedir perdão público aos portugueses. Por este processo mental religioso beato, tomado como realidade, ele estaria sempre fora de culpa política civil e criminalmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.