Método socrático nele

Até ao dia de hoje, quem melhor aproveitou estar em diálogo com Ventura na televisão, dentro do meu conhecimento, foi Tiago Mayan Gonçalves. Considero esse frente-a-frente o mais valioso das últimas presidenciais; contra todas as expectativas, dada a inexperiência mediática do candidato e a anterior prestação do Tiago a raiar o comatoso no debate com Marcelo. Quem se lembra, ou for rever, constata que a técnica do terrorismo verbal do pulha quase nunca conseguiu beliscar a pose esfíngica de quem aproveitou o que ia ouvindo para despachar golpes certeiros e profundos. Terminou com o Tiago a declarar que jamais aceitaria ver o seu partido a fazer acordos com o Chega e a dizer na cara de Ventura que ele era um tachista. Como é que isto aconteceu? Foi graças à ingenuidade de quem se apresentou politicamente romântico. O Tiago acreditava em tudo o que estava a dizer, de coração, e esse estado deu-lhe a gravitas que o tornou imune à porqueira infantilóide e burlesca. Com isso prestou um serviço à cidade, mostrando que se deve avançar de peito cheio e olho vivo contra quem viola os princípios constitucionais (mesmo que na forma encenada, pois esse começa por ser o ovo da serpente).

Catarina Martins gizou um plano inteligente para se defender de Ventura. Passou por abrir o debate a reclamar autoridade no combate à corrupção, por trazer o papa Francisco para baralhar e irritar quem utiliza a religião como carne para o seu canhão populista, e por encerrar pondo-lhe o carimbo de racista já com trânsito em julgado. Pelo meio, dominou exemplarmente a expressão facial (algo mais fácil para ela por causa da complementaridade entre a experiência teatral e a já longa liderança do BE) e despachou algumas mensagens de propaganda. Este plano funcionou dentro da sua limitação, ser apenas defensivo. Daí os respectivos eleitorados e os diversos comentadores terem ficado satisfeitos com a prestação da sua preferência.

Rui Tavares levou mais longe os ganhos de Catarina frente a quem explicitamente quer ser abjecto. Surgiu qual forcado, agarrando-se ao animal pelos cornos (o programa das 9 páginas) e não mais o largando. Também ele foi exemplar no domínio emocional e no aproveitamento do tempo disponível para estar sempre ao ataque, excepção para o momento em que foi buscar a sua actividade no Parlamento Europeu. A reductio ad Socratum a que a alimária teve de recorrer como cassete dá conta da sua consciência de estar a ser encostado às tábuas. Este debate foi muito eficaz para quem valorize a decência e a racionalidade cívica mas igualmente em nada perturbou a manada do Chega.

Por fim, vimos António Costa a ser medíocre com Ventura. Em seu abono, podemos reconhecer que Costa é sempre medíocre em campanha como líder, tendo começado a mostrar essa característica logo em 2014 no páreo com Seguro. Daí para a frente, o seu desempenho só piorou, acabando mesmo por também ter sido um dos responsáveis pela derrota de Medina em Lisboa. No caso deste debate, ter levado um truque para entalar Ventura (a conversa da vacina) pode parecer uma boa armadilha, algo que também poderia ter ocorrido à Catarina Martins e ao Rui Tavares, mas rapidamente se descobre ser nele um erro grosseiro. Porque Costa não é a Martins nem o Tavares, é o primeiro-ministro. E dá-se o caso de ser um dos melhores primeiros-ministros que já tivemos, o seu nome vai ficar gravado a ouro na História de Portugal por tudo o que já fez em conjunturas extraordinárias e, quem sabe, pelo que ainda poderá fazer. O cognome “de Boa Memória” assenta-lhe à medida. A diferença de competências políticas para o exercício do cargo entre a sua pessoa e a concorrência tange o absurdo – isto é, parece absurdo estarmos a ir a votos e ele arriscar-se a ser substituído por Rui Rio, esse disparate ambulante. Donde, o único plano que Costa precisava de ter com Ventura era o de extremar a pose de estadista, fazendo desse território o bastião onde o chorrilho de merda saído da boca do tratante se pulverizaria no nada que é. Em vez disso, concedeu-lhe a graça de mostrar que estava tão preocupado que tinha trazido munição com o seu nome. Ora, isso é logo um trunfo para quem sabe que o seu eleitorado é imune a qualquer hostilidade que seja dirigida ao seu ídolo, funcionando esse tipo de ataque como reforço da sua liderança por permitir confirmar que o inimigo está assustado. Ventura sabe que está a ganhar quando o seu adversário reage às suas provocações e o tenta agredir com armas iguais. É o nivelamento por baixo, a luta com o porco na lama, que desde o tempo das cavernas dá vantagens a quem tiver menos escrúpulos e mais violência para gastar.

O bate-boca final foi especialmente penoso, com Costa emocionalmente ferido a não respeitar a conclusão do debate ao interromper a última declaração de Ventura. Antes, ter ido buscar a tese de doutoramento foi perfeitamente inútil e só conseguiu voltar a deixar a impressão de lhe estar a dar importância como adversário. E ainda antes, ao lhe ter saído com sorrisos e risinhos que Ventura era “bem-falante”, atingiu-se o pináculo da negligência. Ó António, quem brinca a embaixador do Estado Novo e ameaça prender adversário políticos, quem se serve do discurso para insultar, ofender, ameaçar e humilhar seres humanos, em que hospício é que pode ser catalogado como “bem-falante”? Infelizmente, isto que descrevo não consegue ser o pior da prestação de Costa frente a Ventura. O pior aconteceu quando o taralhouco trouxe o exemplo do desemprego em Espanha e Costa apercebeu-se que ele não fazia a mínima ideia dos números em causa. E que fez o secretário-geral do PS, um dos políticos mais brilhantes da sua geração, com décadas e décadas a virar frangos nas lides políticas profissionais? Pois quase nada, deu-se por satisfeito com um leve apertão, assim esbanjando a oportunidade para dar uma estocada mortal e partir daí para o massacre.

Faz todo o sentido dar atenção a Ventura. Ele não é apenas mais um maluco à maneira de um José Pinto-Coelho, Tino de Rans ou Fernando Nobre (exemplos avulsos, díspares), largando bacoradas irrelevantes e inconsequentes. Ventura é um fruto do passismo, está bem financiado, tem a bênção de Cavaco e restante elite laranja, constituindo-se como braço armado do PSD. A lógica é a de conseguir agregar o voto na extrema-direita e captar voto na abstenção, mais o que cair do CDS e do PSD, para ter volume parlamentar capaz de gerar uma maioria de direita. É isto que está em causa, e terá o seu preço degradante se acontecer. Pelo que tem sido vexante ver como os democratas, especialmente a esquerda, lidam com ele. Ainda não entenderam que num debate com Ventura só o Ventura interessa. Esqueçam as próprias mensagens, esqueçam os truques para o entalar aqui ou ali, e concentrem-se em expor através de perguntas simples, objectivas, a grotesca indecência e deboche daquele bandalho. Basta continuar a fazer perguntas, ele tratará do resto.

30 thoughts on “Método socrático nele”

  1. olha, li três vezes e comovo-me. é incrível como consegues sintetizar, expandido, todas as ideias. é como se estivesse aqui, neste texto, uma fina renda deste actual palco e, como não vi nem ouvi tudo, parece que sim. oxalá que muita gente leia e rumine sobre isto, !fogo!, que maravilha por dentro da pocilga.

  2. Realmente, António Costa não é grande coisa em debates, o que é talvez um dos motivos de uma maioria absoluta para o PS ser impossível.
    Aliás uma prestação idêntica contra Rio, pode ter como consequência a perda do bocadinho que falta para a direita chegar ao poder.

  3. yah minha… finalmente conseguiste encontrar o electrodoméstico que sintetiza em modo expansivo e por uma fina renda mensal. bora lá aproveitar enquanto não engrossa.

  4. “Realmente, António Costa não é grande coisa em debates…”

    … e tamém não é grande coisa a ganhar eleições. todas as vantagens eleitorais do costa desaparecem durante as campanhas eleitorais.

  5. “todas as vantagens eleitorais do costa desaparecem durante as campanhas eleitorais.”
    Nem sempre, no caso do medina foi durante e foi depois.
    Vai a contar com o ovo no cu da galinha e depois queixa-te.
    Ele bem dizia, se pensarmos como a direita acabamos a governar como a direita. Só que ele não está a pensar como a direita, ele está a pensar como um nazi a fazer a segregação e a discriminação entre as pessoas.

  6. “Todas as vantagens do Costa desaparecem em campanha “….
    Por isso é Primeiro Ministro há sete anos ….
    Há cada comentador ao nível DP Ventura…

  7. Excelente apreciação aos debates a que se refere, embora me pareçam exageradas as considerações emitidas sobre António Costa. Nunca vi o primeiro-ministro assustado ou aparentar estar emocionalmente ferido, como Valupi afirma. É certo que este tipo de debates não serão os seus preferidos, mas estou certo que a postura que neles toma é consciente, é intencional. Não é infalível, naturalmente, mas ganhou as eleições socialistas embora tenha sido macio com Seguro, e foi muito duro, mas bem compreendido, quando arrasou Jerónimo de Sousa. Ele ontem não quis ser nem macio nem
    duro, apenas ter um debate a quem não se deve virar as costas (pode
    ser perigoso), mas a quem também não se deve dar exagerada importância.

  8. A sentença do caso de Tancos pariu mais um rato !
    Tancos, por muito que custe à Direita ,ficou célebre quando as forças da Esquerda,num só golpe,destruiu 13 aeronaves já prontas a seguir para a Guerra Colonial.
    Esse golpe perfeito ainda hoje dói aos filhos e netos dos fascistas…
    A Informação não diz palavra sobre tal efeméride.

  9. é importantíssimo darmos importância extrema ao ventura: os psicopatas, no meio da manipulação e da volatilidade, fascínio popular que exercem, são a angústia na Cidade. e os psicopatas precisam, antes de tudo, de ser dessensibilizados. ora é através da pergunta com que o psicólogo confronta o paciente, vezes sem fim, na terapia, que é feita a dessensabilização. é isso que têm de fazer ao ventura: terapia psicológica ocupacional. é isso.

  10. “Por isso é Primeiro Ministro há sete anos ….
    Há cada comentador ao nível DP Ventura…”

    eleições legislativas dos últimos 7 anos

    2015 – resultados ps 32,3% – sondagem mês anterior: 35,5%
    2019 – resultados ps 36,3% – sondagem mês anterior: 37,9%

    há cada imbecil que nem ao nível aldrabé chega. ainda vivem ofuscados com o sol comunista que brilhava para todos os trabalhadores enquanto o capital bronzeava. compra uns ray ban e vai aviar traçadinhos pró bar do centro de trabalho (cof…cof…)

  11. Ó antílope mostra aí as sondagens do medina. Olha mete também as do mês anterior mas não tussas que é para não me pegares o ómicrão.

  12. Embora não negue que o Costa teve fraca prestação, creio que a análise deixou de fora a influência do jornalista. Aliás, parece partir-se do pressuposto que os jornalistas não têm interferido nos debates e se há algo que retiro dos debates -mais do que informação politica, porque há muito que sei em quem vou votar- é a noção de que os mérdia estão a manipular a opinião pública desesperadamente a favor da direita.
    Nota-se que a direita tem dificuldade em descolar e toda a ajuda é pouca.
    Salvo honrosas excepções, é flagrante a agenda dos “moderadores” no entanto, chamo a atenção para um ex (?) empregadito do Balsemão cuja importância no canal público é desmesurada. Refiro-me, claro, ao João Adelino Faria.
    Creio que o Camacho já o referiu, mas gostava que analisassem a forma como este menino conduziu o debate: Lançou o mote das interpelações ao governo com dados negativos para ajudar o Ventas, interrompeu constantemente o Costa, essencialmente no final das suas alegações para que não se entendesse ou ficasse no ar o final da frase. Deixou o Ventas fazer ruído de fundo constante, porque é esse o seu meio ambiente.
    Quanto ao final apoteótico sobre a pedofilia, parece que estava combinado, a ver pela cara de satisfação do jornaleiro.
    Acho que dadas as circunstâncias, podia ter corrido pior ao Costa.

  13. Elementar meu caro Valupi.

    Bem lembrado, meu caro Abraham Chevrolet.

    Les beaux esprits se rencontrent, meu caro Vieira.

  14. Também gostei do texto.
    Só não acho que tenhas razão na parte em que Costa falou da vacina a André Ventura. Esteve bem em fazê-lo como forma de “avaliar a força moral das razões dos negacionistas” como MST escreveu hoje.
    De resto não há muito a acrescentar, Ventura nos conteúdos é fraco como tu dizes. Repete-se a cada debate (já repararam como ele usa a litania “cafes bares restaurantes lojas pequenos comércios” ou “andamos a sustentar esta gente” etc. O programa dele dever ser realmente uma miséria.
    Sobre a corrupção a única coisa que diz é que “num só dia apresentou 10 medidas”. Este pedantismo devia ser retratado com humor.

  15. acho piada a estes compadres da esquerda pura (racista) que criticaram costa por políticas governamentais consensualmente correctas e agora elogiam ou tentam desculpar a falta de habilidade que o leva a desbaratar o capital político acumulado. uma espécie de continua a fazer merda que a gente gosta e dá-nos muito jeito.
    vivem na ilusão de novas geringonças para chumbar sucessivos orçamentos até instalarem a direita no poder e poderem voltar a ser contra tudo e contra todos.

  16. Programa do próximo governo:
    1ª medida – tentar 2/3 para acabar com a Constituição
    2ª ” – Ilegalizar os partidos que Melo Antunes protegeu em 75
    3ª ” – Instituir 40 horas de trabalho semanais

  17. Caro ambliope :
    Então o Costa não é primeiro ministro há sete anos perfazendo-os a 26 de Novembro de 2022 ?

    A ignorância, por vezes, é enternecedora…
    Deixa- me fazer-te uma festinha nos teus deliciosos caracóis…

  18. Samuel Clemens
    7 DE JANEIRO DE 2022 ÀS 11:12
    “Todas as vantagens do Costa desaparecem em campanha “….
    Por isso é Primeiro Ministro há sete anos ….
    Há cada comentador ao nível DP Ventura…

    só cápuz o barrete que tu enfiaste, os resultados das legislativas dos últimos sete anos e o capital político perdido pelo costa no mês que antecede ambas eleições. o vosso problema é acharem que os outros são todos burros ao ponto de lhes atribuirem aquilo que acabam de dizer, que neste caso tamém não servia para nada, mas enfim, escola do mestre andré.

  19. Santo António pregava aos peixes ; compensadora tarefa !
    Quem escreve para os apaniguados, para a claque, da Direita, se for de ânimo zombeteiro, logo descamba.
    Então as vantagens que apresentas ,como pertencendo ao Costa, não são as dadas pelas sondagens ?
    E a tua fé é tal nas sondagens que as tens por autênticas verdades reveladas ?
    Prossegue nesse caminho ! Fia~te nas sondagens e agarra-te ao Ventura,logo verás o resultado na curva do caminho.

  20. o que tinhas comentado era isto:

    “Então o Costa não é primeiro ministro há sete anos perfazendo-os a 26 de Novembro de 2022 ?
    A ignorância, por vezes, é enternecedora…
    Deixa- me fazer-te uma festinha nos teus deliciosos caracóis…”

    depois de afirmares isto:

    “Por isso é Primeiro Ministro há sete anos ….”

  21. “um dos melhores primeiros-ministros que já tivemos”
    Porquê?
    O que mais fica para a história da sua governação do que o dançar ao som da música tocada pelo Banco Central Europeu e do subjugar o Governo da República a um grupúsculo de veganos? O que melhorou na Educação, na Justiça, na Saúde, na Infraestrutura, no Ambiente? Um milhão de hectares ardidos, uma monocultura a Sul outra a Norte e a dependência energética de Espanha agravada? Os portugueses a terem cães e gatos em vez de filhos?
    Em que é que isto se compara com o período transformador do período Sócrates, atraiçoado precisamente pelo Banco Central Europeu.

  22. Lucas Galuxo, um dos não significa ser o único. e está muito bem justificado com “(…) o seu nome vai ficar gravado a ouro na História de Portugal por tudo o que já fez em conjunturas extraordinárias e, quem sabe, pelo que ainda poderá fazer (…)”.

    e os cães e gatos também são filhos – são tão filhos como outros filhos quaisquer, fica a saber, com a diferença de que nos ensinam – muito mais do que aprendem – sobre o amor. vá, por favor, dar banho ao cão.

  23. Ai ai, ui ui, porcalhatz, bacorinho querido! Insisto: tu não me digas semelhante isso que me causas parece impossível! K’akoisa absolutamentorripilântica, caraces, chiça penique chapéu de côke!

  24. Em suma, Valupi não gosta ou gosta pouco do político António Costa, já tinha esta opinião. Os próprios elogios que lhe faz na apreciação ao debate cheiram a algum sarcasmo, assim me pareceu: ” ser um dos melhores ministros que já tivemos, o seu nome vai ficar gravado a ouro na História de Portugal”… “O cognome de Boa Memória fica-lhe bem”. “um dos políticos mais brilhantes da sua geração, com décadas e décadas a virar frangos nas lides políticas profissionais”. E as críticas contêm zanga e alguma troça: ” vimos António Costa ser medíocre com Ventura”. “Costa é sempre medíocre em campanha como líder” ” ter sido um dos responsáveis da derrota de Medina” “ter levado um truque para entalar Ventura ( a vacina)…um erro grosseiro” “Costa emocionalmente ferido”, etc.
    Em suma, Valupi não gosta ou gosta pouco do político António Costa, mas não me parece que seja por esta sua prestação, tão criticada sem verdadeira razão, por Valupi, que António Costa se arrisque a ser substituído por Rui Rio.

  25. o melhor do costa foi na flash interview à saída do derby com o ventraste na rtp.

  26. Pergunta à tua educadora infantil,lá no teu Jardim-Escola, o que significa perfazer.
    Vai-te entretendo com os outros meninos e, põe-te fino : putos impertinentes acabam doridos !
    OK,tangerina ?

  27. “Vai-te entretendo com os outros meninos e, põe-te fino : putos impertinentes acabam doridos !”

    essa conversa tresanda a pedofilia de sacristia, já me tinha cheirado no comentário “Deixa- me fazer-te uma festinha nos teus deliciosos caracóis…”

    experimenta no infantário da mula russa, pode ser que pegue.

  28. «Esqueçam as próprias mensagens, esqueçam os truques para o entalar aqui ou ali, e concentrem-se em expor através de perguntas simples, objectivas, a grotesca indecência e deboche daquele bandalho. Basta continuar a fazer perguntas, ele tratará do resto.»

    Mas o que eu vi mais no debate foi quase isso, ou disso, isto é, Costa a fazer perguntas dessas, simples. E nunca vi Costa em modo de truques pois isso é que era usar o modo Ventura; truques de simplicação, mentiras ou debitar tudo em preto ou branco, em sim ou não, em é ou não é. Por exemplo, vi na questão posta acerca da vacinação do dito cujo, precisamente, o momento pessoal de maior atrapalhação e dificuldade do mentiroso em desenvolver qualquer raciocínio defensivo válido e, por fim, ter mesmo de confirmar sem convicção que iria vacinar-se.
    Mais ou menos o mesmo na questão delicada do Imposto único para todos, um enfermeiro ou um banqueiro questionou Costa, e o mentiroso também aqui embatucou. Creio, aliás, que nesta questão como naquela, citada pelo Valupi, dos 20% de baixa no desemprego em Espanha, e outras, Costa podia e devia ir mais longe e até enterrar completamente o mentiroso. Contudo é preciso notar que num debate de minutos é impossível debater complexidades de horas de explicação.
    O tipo de debates inventado parece mesmo estudado à medida de um contador de mentiras que, ainda por cima, responde sobre o adversário com novas mentiras e invenções às quis é impossível desmontar em respostas imediatas a preto e branco.
    Mas não tenho dúvidas, como tenho dito aqui, o Ventura não tem o mínimo de carisma para além de denotar que ele mesmo não acredita naquilo que diz; o seu estilo, tal como aprendeu no “cm” ao estilo da discussão futeboleira ‘todos ao molho’ onde acaba sempre por nada se entender do que lá se diz é o seu truque de discussão; atirar mentiras pró ar em voz alta para baralhar o contendor.
    “Amandar-lhe” à cabeça o método socrático, aquele que Sócrates usa com a justiça, não me parece que fosse o melhor num debate a quente, de minutos, repentista.
    Contudo penso que sempre que o biltre vem com a “corrupção” do regime e do PS à colação dever-se-lhe-ia, atirar à cabeça com o facto histórico de que todos os regimes como aqueles que ele defende, esses sim, são corruptos por sua própria natureza ditaturial; que em todos os regimes ditaturiais, autocráticos, tirânicos ou totalitários próximos dos que defende, a corrupção é total porque é incorporada nas próprias leis desses estados totalitários, quer sejam de direita quer de esquerda.
    Por exemplo, quando ele diz que se for governo manda prender os políticos, os malandros, os ciganos ou manda castrar os pedófilos, etc., dizer-lhe logo na cara que se pretende para si próprio esses poderes então tem de fazer-se, primeiro, ditador e a partir daí não há mais um Estado de Direito mas sim um Estado corrupto unipessoal onde o ditador é o distribuidor e chefe máximo da corrupção.

  29. O PSD, segunda a última sondagem, reduziu de novo a diferença entre si, 32%, e o PS, 38%. À custa de quem? Naturalmente, do Chega e do IL e também à custa da campanha anti maioria absoluta do PS, promovida por todos os restantes partidos. Veremos é se no dia 30, dia das eleições, dia da votação, o eleitorado se vai deixar ir na conversa, com abstenção elevada e fraca votação útil. Se assim for, é muito possível que iremos amargar e bem. Isso já aconteceu e não foi há muito tempo.

  30. Mas este Eu mesmo passa a vida a usar ,
    nos seus doutos comentários , a expressão ” o ovo no cu da galinha?
    Esquisito diria. Para não me alargar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *