14 thoughts on “Medo. Muito medo…”

  1. Não gramava o Sá Carneiro politicamente e o homem irritava-me até fisicamente, tinha-o como um vaidosão, fazia-me lembrar um garnisé. A única coisa que apreciava (ou admirava mesmo) nele era a coragem de assumir publicamente, sem disfarces, camuflagens ou “justificações” de qualquer espécie, a relação com Snu Abecassis. Para um tipo da direita política, mas principalmente da direita social, não era coisa pouca, implicava grandes custos, nomeadamente políticos, e requeria muita coragem pessoal, respeito por si próprio e por princípios que seria bom fossem (mas não são) por toda a gente respeitados como quem respira.

    Assim, a sua morte nunca seria, nem foi, por mim sentida como uma “perda” quase pessoal, afectiva, como foi para muitos, e menos ainda uma perda política. Não faltariam, como não faltaram, substitutos. Melhores ou piores, para mim era, e foi, secundário.

    Mas uma coisa recordo da noite do acidente que o matou: a alegria esfusiante, pornográfica, de dois colegas de trabalho tidos como militantes do PCP, desdobrando-se em piadas sobre “churrascos” e “bifes mal passados”, temperadas por alusões à sua relação extraconjugal, que eles, alegadamente “de esquerda”, condenavam implícita e moralisticamente, e, nem sequer disso se dando conta, obscenamente. Deu-me vontade de lhes bater.

    O “piado” de Ana Gomes sobre a morte de Sindika Dokolo (sem esquecer o idiota que elege para “re-piar”) é reles, mesquinho, baixo, execrável, mas também assustador. No lugar do coração só pode ter um calhau, e bem raquítico, o monstruoso ego não deixa espaço para mais na caixa torácica. Tenho pena dela.

  2. Mais uma grande malha do Camacho. Excelente. Esta gente que vive de cuspir conspirações e insinuações maliciosas. Não presta para nada.

  3. ainda não percebi, nem quero perceber, em quem votam estas duas espécies acima de mim, mas dá para entender se fossem cidadãos americanos votavam trump, como aparentemente são portugueses devem votar chega e enquanto não chegam as presidênciais votam um no no outro declarações de amor embrulhadas em puritanismo do colégio de odivelas e transfusões de sangue para obtenção do alvará puritano.

  4. Não gosto da Ana Gomes nem um bocadinho.
    Ela tem razão quando diz que o gangster africano morreu Offshore.
    Que sorte para Angola e para o mundo.
    Não me lixem, gajos como este, não fazem cá falta nenhuma .

  5. Aos admiradores da “coragem” de Sá Carneiro sugiro a leitura da sua biografia da autoria de Miguel Pinheiro. É muito interessante, Afinal, segundo este autor, o homem não era assim tão corajoso como a maioria pensa.

    Sabiam que ele antes da Snu, profundamente católico, cortou relações com amigos de toda a vida por terem abandonado as esposas para viverem com outras mulheres por quem se tinha, apaixonado?

    Miguel Pinheiro explica também a razão porque ele precisava, frequentemente, de receber tratamentos médicos no estrangeiro. Normalmente isso acontecia quando havia crises políticas associadas a eventuais golpes. Durante muito tempo, em vez de Londres estaria no Sul de Espanha, onde recebia emissários do PPD, por quem mandava recados para os dirigentes do Partido.

    São centenas de páginas, mas a sua leitura poderá não ser tempo perdido. Pode é ser uma desilusão.

  6. Na diligente bófia da pensância alheia (à falta de pensância própria) encarregada desta caixinha há sempre um ou outro pide versado em mecânica quântica a descobrir que 2+2=22, mas que, calhando, também pode ser 69, ou 666, ou ou ou, vá-se lá saber, nem o gato de Schrödinger sabe, e o gajo, o gato, está bem colocado para inside trading.

    Pois é, Valupi, pois é, Lucas, anda por aqui gente muito pequeninha. Puta que os pariu.

  7. “Esta gente que vive de cuspir conspirações e insinuações maliciosas.”

    os gajos que enchem caixotes de comentários com teorias da constipação, links para feicalhada e entubanços manhosos queixam-se de quê? só se for da concorrência que a miss gomes lhes faz. ide pentear macacos, ò dos peniquinhos.

  8. Problemas de saúde mental deve ter o Costa e o Marcelo com as medidas pidescas que estão a impor.
    A Ana Gomes e o Ventura bem podem continuar a dizer asneiras que não é isso que os vai impedir de subir nas sondagens.

  9. Como o mundo anda tenho mesmo que ser céptico e interrogar-me:
    Será que morreu mesmo ou mataram-no? Não vi o corpo.
    Ou será que vai ressuscitar com outro nome e umas operações plásticas?
    Já não digo nada!

  10. Como teórico da constipação que sou, sempre achei que a Isabelinha não era grande empresária coisa nenhuma. Basta ver quem foram os sócios e a forma como se trata de um facto tão pouco abordado nos mérdia, para perceber que estou a falar de algo muito maior e mais espinhoso do que estórias de sucesso do empreendedorismo feminino num mar de tubarões.
    Eu já tinha previsto que alguma coisa lhe ía acontecer, porque ela sabe de “coisas”.
    O verdadeiro valor da Belinha são “peanuts” ao pé do património que ela movimentou e nunca se vai perceber onde foi parar.
    Pena foi ter sido a burgessa da Gomes a chamar a atenção. Descredibiliza tudo.

  11. Conspirativa e misteriosa é a notoriedade pública e política que esta bronca sem currículo alcançou.
    O socialismo deu-lhe colinho durante décadas e agora queixam-se.
    Cry me a river, Costa,

  12. \Quem comeu a carne do Sindica Dokolo e da Isabel,pelo menos deveriam, publicamente, apreserntar os pêsames ás famílias que tanto os engordaram.
    Cães que não conhecem o dono têm que ser abatidos !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.