Maria de Belém, não em Belém

Em 2010 manifestei a minha convicção de ser Maria de Belém uma candidata presidencial muito melhor do que Alegre para tentar derrotar Cavaco. Muito, muito, muito, muito, muito, muito, muito, muito, muito, muito, muito melhor. E só parei de repetir “muito” na frase anterior por cansaço, não por ter chegado ao fim dessa ideia. Melhor do que Alegre porque qualquer cidadão maior de 35 anos, sem cadastro criminal ou até com ele, o seria. E melhor do que qualquer outro candidato na área socialista porque não havia mais nenhum candidato na área socialista. Assim, teria bastado a Maria de Belém ter aparecido, dizer o óbvio e, com isso, talvez garantisse uma segunda volta pois iria buscar votos ao centro e às mulheres. Se lá chegasse, logo se veria como terminar a faena.

Agora, em 2015, temos o 2014 entalado entre a senhora e uma candidatura ao palácio que ostenta no apelido. É que lhe aconteceu o Seguro. Ao não ter compreendido o momento do partido quando Costa avançou a seguir às europeias, Maria de Belém revelou não possuir profundidade política suficiente para a Presidência da República que Portugal precisa de ter para resgatar essa instituição à degradação provocada por Cavaco.

Se avançar, assim dando a Seguro o gozo dessa vingançazinha, terá apenas um ponto a seu favor: não sofre da mania de grandeza que Sampaio da Nóvoa, com as melhores das intenções, cultiva de cada vez que abre a boca para se ouvir a si próprio.

39 thoughts on “Maria de Belém, não em Belém”

  1. a maria é o emplastro que o balsemão quer impingir ao ps para facilitar a vida ao rio. só imaginar a mini-lola em belém é 1/2 caminho para votar rui rio ou mesmo no avô jeropinga de sousa.

  2. O S.Novoa foi um tiro no porta aviões do dão sebastião Costa. A juntar ao afundanço do contratorpedeiro de 4 canos grego.

  3. A presidência ficará, então, pequena, à medida dos XUXAS COMUNAS. Boa aposta. Mais uma figura a «deletar».

  4. Se ela chegasse a ser “presidenta”, a oms mandaria logo uma delegação a Portugal para averiguar se na Europa havia um povo que sofria de nanismo como os bosquimanes africanos.

  5. Ehehehhe. BÀSICO, essa é bué da boa. Seria de grande utilidade. Podíamos aproveitar e correr com a ESQUERDALHA ORDINÁRIA TODA. Argumentos a favor: para além do TONY BOSTA ser surdo e mudo, o que o torna incompetente para governar, temos o exemplo do TSIPRAS que se inspirou em Sócrates ( quando assinou o Tratado de Lisboa) – o tipo agora assina tudo o que lhe põem à frente e o amigo VAROUFAKIS cansou-se de se sentar no chão. Prefere o charro na ilha…

  6. A Maria de Belém nem uma Junta de Freguesia vence, A direita está a promovê-la para ganhar as eleições presidenciais á primeira volta O Assis as Beléns os Seguros os Vitais e outros que tais, mais não são que submarinos da direita infiltrados nos socialistas.

  7. Desta vez, Val, não compreende – não compreendo nada, nadinha – do que lhe serve de base para tal ataque a Sampaio da Nóvoa.

    Olhe , é como diz o “saneado da TVI 24” – A maioria dos socialistas vai votar em Sampaio da Nóvoa, portanto onde é que Maria de Belém não percebe que vai “arrumar” de vez a convergência da esquerda para a presidência da República?!?

  8. Grande hipocrisia!
    Eu fui, ainda em 2011, logo a seguir às presidenciais, até à queda do mandato de José Sócrates, o autor da última publicação na página de facebook ”Manuel Alegre para Presidente da República em 2011”, uma carta aberta a Manuel Alegre que ficou durante cerca de oito meses a fechar a página, até ser extinta.
    Nela, denunciava que as candidaturas de Manuel Alegre e de Fernando Nobre eram as muletas e a pedra de toque da candidatura de Cavaco Silva, destinavam-se a minorar os efeitos da abstenção e fragmentar as hostes.
    Sabia bem do que falava porque tentara promover uma candidatura independente e confrontei-me com a constatação deplorável de que, por interpostas influências , o ”meu” candidato independente claudicava nas hostes de Manuel Alegre. Coisas de cunhados.
    Ora… a quem quiser reavivar a memória, eu pergunto. Que candidatura apoiou explicitamente e sem ambiguidades, o Partido Socialista? Até ao fim titubeou, manteve a ambiguidade, até se perceber que, por razões de solidariedade de regime, apoiava, passivamente, a candidatura de Cavaco Silva.
    Eu, pessoalmente, não duvido de que, durante o seu último mandato, José Sócrates administrou muito bem um dado programa e uma dada ideia de golpe de estado constitucional. Não se apercebeu de que dessas coisas o PSD do Ângelo Correia sabia muito mais. Eram os herdeiros da propaganda salazarista. E o salazarismo, como bem comprova este blog, ainda não morreu.

    Cegueta! Não te passe pela cabeça responderes a esta! Nem voltes a citar o meu nome! Vais agravar o teu infortúnio!

  9. Mais uma achega.
    O chefe da candidatura de Manuel Alegre em 2010/2011 era António Arnaut.
    Ora, António Arnaut recebera Sua Magestade Fidelíssima o Senhor Dom Duarte Pio na sede do GOL em 2004, no que foi unanimemente considerado uma reconciliação.
    Estava feito o torniquete em volta do pescoço da República, era só esperar pelos resultados.
    Não estão agora bem à vista?
    Quando se fala em corrupção do poder político em Portugal é disto que se devia falar. Os euros p’raqui e os euros p’racolá são uma espécie de lente fumada para nos impedir de ver o resto.
    As palas de sola do cegueta, ”Numbejonada”!

  10. VIVA SALAZAR. Viva a OBRA de SALAZAR. Esta ficou mas o OURO desandou. E os marrecos como o PASTO PRUNES proliferaram. Eu passo sempre pela PONTE OLIVEIRA SALAZAR. Isto de os COMUNAS XUXAS lhe terem tirado o nome, nunca me caíu bem, mas continuaram a cobrar as taxas de passagem.

    PASTO PRUNES you are full of prunes, pá,não bates com o baralho e escancaras-te todo. Tens cartão do Júlio não tens? Aposto que és do benfica, pá e que chamas Judas a Jesus, hum?

    SALAZAR, ganda estadista, ganda cabeça, ganda ministro das Finanças… e Presidente do Conselho de Ministros. Ó PASTO queres que eu escreba ótrabez? hum?

  11. Sim, Toino, pelo que se vê, é provável que o salazar vá ganhar as eleições.
    Mas até lá parto-te o focinho.

  12. Queria dizer uma palavrinha com relação a Maria de Belém Roseira, e que nada tem a ver com o tópico em discussão, o do perfil para o cargo, ou como costumava dizer um conhecido meu, na brincadeira, ” ter perfil adequado ao rosto “.

    A palavrinha é de respeito e de gratidão.
    Nos idos de 96 ou 97, era Maria de Belém Ministra da Saúde, e não sei se sim ou não, no âmbito de uma campanha nacional ou internacional, terão sido dadas instruções aos centros de saúde para procederem ao rastreio do cancro da mama.

    A medida era inédita em Portugal, e nem era cara por aí além.

    Não obstante, a já na altura politicamente arruinada Leonor Beleza, ( caso da contaminação dos hemofilicos involvendo responsabilidade dela própria e da mãe, que ocupava cargo de destaque na DG de Saúde, caso Zézé Beleza, caso Costa Freire ) não se coibiu de vir publicamente rosnar, alertando para o dispêndio público, no dizer dela, um gasto do dinheiro dos contribuintes.

    Uma familiar minha fez o rastreio e tinha cancro da mama. Precoçemente detectado, foi de imediato internada, operada, e está aqui para as curvas.

    Um muito obrigado pois, da minha parte.

    Considero que esse, sim, foi um gasto justo e correcto do dinheiro dos contribuintes.

    Muitos anos mais tarde, e com outra Ministra da Saúde, falou-se da vacina contra o cancro do cólo do útero.
    Esta não foi avante, pois que realmente era cara, e o país já estava em crise.

    Mas se a medida tivesse sido implementada, não me surpreenderia que o primeiro destinatário de tal medida preventiva, tivesse sido Sua Esselência o Supremo Magistrado da Nação, o cidadão Aníbal.
    Pois não foi para ele, a vacina n.° 1 da gripe aviária ?

  13. Começas a ser um gajo simpático, pimpampolas.
    Afinal és bom rapaz.
    Mas eu continuo na minha. Ter sido um bom ministro, da saúde, da defesa, da justiça, das obras públicas ou mesmo das colónias não é abono para candidato à Presidência da República.
    Por mim, ia num general ou num corregedor, no mínimo.

  14. Tenho estado para aqui acordado a ver umas gravações de programas de TV, digamos, a pôr a coisa em dia.
    Acima de tudo, apostaria numa pessoa com
    sentido de servir .
    Uma pessoa que fosse para lá, não para se servir, digo isto no sentido de, uma pessoa que não fosse para lá para servir o seu próprio ego, por vaidade.
    Um militar com perfil adequado, daria para o efeito.
    Não me considero nem um direitolas nem um esquerdolas.
    Provavelmente serei um pouco uma mistura de ambas as coisas, como provavelmente sucederá com a maioria de nós.
    Sobretudo, e no presente, sinto-me uma espécie de dissidente.
    Uma espécie de exilado.
    Descrente, e um desapontado com isto tudo.
    O País está muito mal.
    E não sei se desta vez se conseguirá reerguer …

  15. Valupi,
    não te nego o direito de não gostares do Nóvoa, mas gostaria que desenvolvesses mais o tópico.
    Não gostas porquê? Por ser feio? Por falar com sotaque? Por não ser filiado? Por ser magro? Por não ter ideias? Por ter um discurso apagado? Por ser pior do que o Cavaco, ou de que o Rui Rio, o Marcelo, o Santana, a Maria, o Jardim, ou uns mais tantos que andam a prometer ‘agarrem-me senão eu candidato-me!’.
    Se me pudesses elucidar ficava-te muito agradecido.

    P.S.: Nem gosto, nem desgosto do personagem, mas cada ataque destes faz-me inclinar para o seu lado, definitivamente.

  16. … o que o gajo quer é mais desastre:

    a lolada de belém é bué da fixe porque tratou do cântaro à família dele. poizé, oh vacão! mas isso foi possível graças ao serviço nacional de saúde às políticas sociais que não estás disposto a pagar e que os teus amiguinhos liberais da treta querem privatizar. queres vacinas para a conice vai ao privado, quem tem € 10.000,00 para untar arquitectos e funcionários da câmbra na esperança que lhe aprovem uma ilegalidade, tamém deve ter para isto. serviços à borla e solidariedade são bons quando te beneficiam, quando é para os outros trata-se de desperdício e imoralidade, onde é que já se viu abortos à discrição e cenas do género.

    outro pinsamento profundo e intelectual da noite é o perfil do próximo presidôncio “com sentido de servir”. é simples, pázinho, mete anúncio para empregado de mesa, vais ver que aparece logo o zémanel com larga experiência de servir cafés nas lages ou mesmo a paulette a dizer que já foi room maid do rumsfeld.

  17. O PS está cercado, por fora e por dentro, pela esquerda e pela direita e também pelo centro, por baixo e por cima e també, pelos lados. Já não lhe bastava o cavaco de belém, agora tem a Maria de Belém. Nem os teus te ajudam António Costa. Que fazer?

  18. M.G.P.Mendes e Tatas, Sampaio da Nóvoa tem um percurso profissional de mérito e sucesso, aparenta ser alguém íntegro e mostra estar apaixonado pela função presidencial. Para além disso, vai ter o apoio do PS de Costa. Tudo razões para que os militantes e simpatizantes socialistas não tenham qualquer dúvida acerca do seu voto.

    Acontece que não sou militante nem simpatizante do PS, pelo que me sigo por outros critérios. No caso de Nóvoa, vejo alguém muito convencional, até simplista, na sua abordagem à política ao mais alto nível. Vejo alguém que se mostra encantado com os seus discursos, discursos que avalio como penosamente banais. E não vejo alguém que coloque a defesa do Estado de direito no centro do seu projecto presidencial, sendo este o principal critério para decidir o meu voto.

  19. Por amor de Deus ! a Maria de Belém consegue ser quase ridícula como a ideia da Cavaca a Presidenta !
    O Costa que abra os olhos e mande votar no Nóvoa.
    O povo fará o resto.

  20. chamar à colaçao manuel alegre neste momento,não é uma atitude oportuna, quando todos são precisos.não comento a não candidatura de maria de belem roseira,mulher inteligente mas que gosta pouco de fazer politica.

  21. quando antonio costa cita como referencias,ramalho eanes,mario soares e jorge sampaio,por coincidência todos apoiantes de sampaio da novoa,acho que quer dizer alguma coisa.

  22. “… maria de belem roseira,mulher inteligente mas que gosta pouco de fazer politica.”

    a avó da barbie é loira e vive à custa da intrigalhada política. não se preocupem, está só a subir o escadote para a verem, depois é para trocar com uma tachada que garanta carro preto com motorista para a levar ao cabeleireiro e convites primeira fila para as galas imbecis de idiotas & parvos.

  23. lembram-se quando o guterres teve de inventar um ministeriozinho da igualdadezinha para ela ser ministrinha? espero que desta vez seja num vão de escada e tenha bués de esfregonas, baldes e vassouras para ela poder escrever e dar brilho aos mais belos decretos do estatuto de porteira.

  24. Ora, meus senhores, chegou então a altura de vir aqui, com uma vénia, despedir-me.
    Ficou patente e óbvio que eu só entrei neste blog e me decidi a comentar o que se ia aqui passando por causa do cegueta.
    Cumpre-me patentear que a minha forma de expressão e de estar não se coaduna com este blog.
    Serena e calculadamente excedi-me manifestando a minha inabalável intenção e propósito de partir os cornos e o focinho ao cegueta. Mas todos sabiam que eu era aqui o único que não podia partir os cornos a ninguém. Era o único que aqui estava amarrado ao vínculo da minha identidade, com cartão de cidadão, número de contribuinte e de utente da segurança social.
    Cumpri o meu desígnio e obriguei o cegueta a revelar não apenas o seu carácter mas também a sua identidade. Se os senhores me conhecessem, não apenas pelo nome e pelos números mecanográficos, mas pelo sorriso cortês, pela bacalhoada intensa, quente e delicada, pelo abraço terno e conhecessem também o Toino das Gamelas, rebolar-se-iam pelo chão a rir com esta história toda. Toino das Gamelas é um outro anexim que criei para o cegueta. Todos sabemos o que é um Toino e todos sabemos o que é uma gamela.
    Um dia destes, quando ele vier de novo a Lisboa de férias para visitar os cunhados, faço questão de comparecer no beija-mão e nas recepções para que, com toda a certeza, o Toino me convidará.
    Se os senhores quiserem, levo-vos também escondidos no bolso.
    O Toino continuará a votar no Salazar, mediante um dos rostos que o salazar anónimo escolher para se apresentar a estas novas eleições. Os senhores votarão noutro salazar. Em Portugal nunca houve a revolução que faltava, a cultural. Mas foram os senhores que lhe barraram o caminho.
    Por birra, exclusivamente por birra, transcrevo aqui duas coisitas que escrevi durante os últimos meses de 2010. Se fosse agora não as escreveria, porque poderiam transformar-se no manifesto eleitoral do Paulo de Morais, do Alberto João, do Mendo Castro Henriques, do PROFESSOR Rebelo de Sousa, do Zé Tonico Saraiva, do Henrique Neto ou mesmo do Reitor Sampaio da Nóvoa. A língua portuguesa é muito ardilosa.
    Passem bem.
    A República e o dia dos namorados.
    Pois, é assim mesmo, conheço muitos pares de namorados que namoram uma vez por ano, no dia de São Valentim.
    Se a vida humana não fosse estatisticamente tão curta, namorariam uma vez de cem em cem anos.
    Uma vez por ano também, os despeitados e rejeitados fazem figas e esconjuram o amor, quando se recordam de que perderam, por qualquer razão, as atenções de seus amados, que não conseguiram cativar. Então refletem brevemente nas razões, mas nunca ponderam o facto incontornável de o amor se consumar numa celebração anual.
    E hoje estamos a dez de Outubro. A República foi comemorada a cinco, na sua teimosia centenária, todos os seus amantes se reuniram para a possuirem, cada um a seu modo, outros para verberar, porque a perderam para outros amantes.
    E agora a República aguardará mais cem anos para viver de novo a breve ilusão de que o seu amante lhe dedique uma atenção permanente e quotidiana. Mas continuará a ser um dia em cada cem anos.
    Até lá, será um busto alusivo.
    E o navio continuará à tona, ao sabor das marés.
    A República consumou-se há cinco dias. Na ordem do dia continuarão as matérias triviais de saber que partidos vão ceder à inevitabilidade de repartir os despojos da coisa pública. A República é um jogo de hienas em torno da carcaça em decomposição de um manso hervíboro.
    Pública… o raio que a parta!
    Ora… e para quem quiser prestar honra aos seus mártires, que também os teve, proponho a leitura de ”Páginas de Sangue”, de Alberto de Sousa Costa, nomeadamente a detalhada narrativa da ”noite sangrenta” e do homicídio de António Granjo, Machado dos Santos e José Carlos da Maia.
    10 de Outubro de 2010

    Um Presidente da República.

    Ora, lá vão os portugueses escolher o Presidente da sua República entre os que as oligarquias e aristocracias partidárias forem concertando. Parece um danado destino. Nunca mais nos livramos de bonecos, de corda.
    Um candidato do PS, outro do PSD, outro da esquerda toda, que será a soma dos partidos de esquerda, outro da direita somada. Todos talvez ‘’independentes’’.
    E o que não aparece é o Homem, singular, porque a presidência da república é nominal. Assim não sendo, o que distinguiria o Presidente da República do Primeiro Ministro, ou do chefe do governo no exílio em Belém, para simular oposição?
    E andam os portugueses revoltados e a verberar os políticos. Mas vão de novo ficar circunscritos a eles, quando escolherem o seu Presidente.
    Caramba! Já irrita… Nunca há sequência entre o murmúrio da revolta e a iniciativa da intervenção. Não haverá remédio? Os portugueses ficarão para sempre arrebanhados nos grupos que já rejeitaram?
    Eu quero um Presidente da República sem experiencia política. Uma folha branca para reescrever a CIDADANIA. De bonecas de corda e com mordaça estou já farto.
    Quero um HOMEM. Ou uma MULHER. Para mim é a mesma coisa, não reconheço identidades de género.
    E como sou temerário, digo mais:
    Quereria mesmo alguém que, se as coisas públicas se degradassem subitamente, assumisse a Presidência já, para garantir a devolução do poder aos cidadãos e espoliar os políticos da tutela. E se merecer a nossa confiança, faremos círculo de aço em seu redor. Nem todos os portugueses são covardes. A maioria talvez não seja. Deixem-me alimentar essa ilusão.
    O paradigma romano da República consignava o ‘’dictator’’ e estabelecia com rigor os seus requisitos. E haja alguém que a eles obedeça e lhes jure fidelidade.
    E quem não estiver de acordo levante a mão. Nós faremos a contagem. Mas que explique porque verberou tanto os políticos e os partidos, mas recusa perder os benefícios dos alinhamentos.
    Caramba! That’s the last count down!

    E Viva a República! Mas façamos por ela qualquer ‘’coisinha’’!
    16 de Outubro de 2010.

  25. Val,
    creio ter entendido. Tens uma opinião sobre o homem, válida como qualquer outra. Certo!
    Não sendo militante, nem simpatizante socialista, para já, ele é a minha escolha que poderá mudar se aparecer melhor.
    O que sei dele é pouco, muito pouco, para poder fazer juízos de valor. Reconheço-lhe no entanto que tem de ter uma certa incomodidade e sentido do dever para se estar a meter nesta trapalhada numa hora de aflição em que há mais problemas do que facilidades.
    Nem sempre estive de acordo com ele, mas ao compará-lo com os que se perfilaram até à data, continua a liderar a tabela.
    Aguardemos…

  26. LOL. LOL.

    Ó PASTO PRUNES, não sei o que escreveste mas deve ser mais do mesmo, qual seja, nada.

    Pazinho, Toino és tu, como bem revelas pelo teu alegado nome. Lembras os bimbos quando dizem «comprei isto e gastei tanto…» Então, diz lá «quem sou eu?», hum?

    Olha, digo-te já: a Maria de Belém, conhece-me, pois. O Tony Bosta também ( este desde muito cedo), o Guterres também, e outros de outros partidos. Ó pázinho e olha que «num gostam muito» da forma como reajo ao que não está certo, pá.
    Quanto às tretas que «amandas» ( tenho que falar assim, pois és um bimbo armado em dótorre, que não sabe estar sem dizer o que alegadamente faz, etce e tal, tal é o teu complexo de insegurança e/ou inferioridade), depois de implantares devidamente os dentes nesse big buraco que tens no rabo, pá, guarda tudo lá dentro em jeito de arquivo – para não saír «para fora». Quanto à cabeça, tens vários problemas, mas todos se resumem a esterco – e este só sai depois de um buraco na cabaça, meu. Tás a bere? Versailles, mon cher, e podes levar o curriculum, para eu ver se essa trampa está devidamente articulada e documentada ( hum, instruída). Até lá, vai à Évora, confessa-te, pede uma cunha ao 44, par te introduzir o Santos pá, dar-te uns trocos e te voilà, on your way to Lisboa. IGNARALHO.

  27. E, já agora, como se a função do PR fosse…tão intensa assim no sistema jus – constitucional português! LOL.

  28. Ó ordinareco Assidente

    Aqui exprimes-te com a prozápia ordinareca dum José Lello, no outro lado, manifestaste-te como Joana Latrina, num é ?

    Com que então, ó cachorro, para tratar de colocar um prédio em propriedade horizontal bastava recorrer a um veterinário .
    És cachorro ?
    Vives numa casota ?
    Pelos vistos sim, e falas com conhecimento de causa.

    Aqui falas como um autêntico aborto mental que
    és.
    Maria de Belém foi Ministra da Saúde de um governo de Guterres, ó aborto.
    Nunca passaste dum porteiro, ó careca, embora te faças pagar bem.
    E quando te notavam nos restaurantes caros, que eras do PS, respondias, ” pois é, sou socialista mas não sou parvo “.
    Cachorro !

    Mas também pode ser que sejas o Zorrinho, licenciado em (des)Comunicação, dá perfeitamente para o efeito, ou até o Silva Pereira, um outro perito na filha-da-putice.

    Ambos filhos de socretix, ambos recompensados com a gamela máxima, a de deputado europeu.

    Filhos da p … !

  29. Então, pimpampolas?
    Já és outra vez o cegueta?

  30. Ó PASTO PRUNES, ordinário, continuas a bolsar, pá. Cegueta és tu e desdentado do rabo, pá. Põe a dentadura no rabo, pá, para evitares que a porcaria continue a saír. COMUNA. Precisas de uma limpeza, pá, vai debitar para o rato, pá, e aconchega o Tony Bosta, pá. Democrata marreco, por tua causa é que existem corruptos, pá, porque os eleges, ó HEREGE. E podes pôr o Passos Fedelho nisso também, ó COMUNA. A mim, ninguém me governa a cabeça, percebeste, ó vendilhão.Fariseu.

  31. Mau… Tonecas…
    Respeito muito o teu pai… mas põe-te a pau.
    O melhor era mesmo saíres disto com elegância. E com diplomacia.
    Tenta puxar as tuas competências, específicas, para o assunto.
    Possa! Tu até recebeste o Guterres! É só pores o teu sorrisinho de lambe botas.

  32. PÕE OS DENTES NA BURACA pá, continuas a jorrar TRAMPA, pá. Nem lambes nem sorris e muito menos trincas, pá. Precisas mesmo de uma chave inglesa, ó chaparro, mas não há nada para a agarrar.

    Tento nessas PATAS pá. Para o chão, JÀ. FARISEU.

  33. E o panorama é este, está bem à vista. O PS está bem cercado, e nós com ele, António Costa. Que fazer? Falar ao Povo, António Costa, convencer o Povo António Costa. Só o Povo nos pode salvar!

  34. A Dra. Maria de Belém foi ministra da saúde, quando a minha filha faleceu, com 24 anos, no Hospital dos Capuchos, com uma pneumonia e um sofrimento incrível, sem poder respirar, por falta de um ventilador. A doente que estava ao lado, na enfermaria, disse-me que aquele sofrimento foi de quase um dia. Quando a 3 de Novembro de 1997, deparei com a minha filha naquela situação eram 12 h. e faleceu às 14,55h . Deixou um filho com 5 anos. Foi-me dito não haver ventilador disponível noutro hospital. Não quero desculpar, de modo algum, o anterior ministro da saúde, que não deixa saudades e está a ser julgado pela opinião pública pelos trágicos acontecimentos recentes, mas gostaria de dizer a esta senhora que tanto deseja ser Presidente da Republica:
    “Que a senhora nunca passe pelo maior desgosto do mundo, que é a perda de um Filho” Vera Pacheco

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.