Marcelo, que tal pedires desculpa ao Governo?

De acordo com o que a Judiciária tinha divulgado logo no rescaldo do incêndio, a TVI fez uma investigação jornalística onde registou e exibiu indícios, se é que não são provas, de se ter destruído o Pinhal de Leiria por acção criminosa de madeireiros, responsáveis por grandes empresas e também de fábricas que compram e vendem madeira: O Pinhal de Leiria estava armadilhado para arder. Foi para o ar na sexta-feira, dia 13.

Passado o fim-de-semana, eis o que se constata:

– Nove mil hectares do Pinhal de Leiria, correspondendo a 85% da área total, poderem ter desaparecido por causa do negócio da madeira parece que é um assunto que não aquece nem arrefece a opinião pública.

– O dano patrimonial, económico, social, ecológico, paisagístico e turístico que está aqui em causa não chega para inflamar a opinião publicada. Se ainda estivéssemos a falar sobre a propriedade de um apartamento em Paris e o custo de refeições e toaletes de um certo fulano, isso, pois sim, seria causa para a comoção nacional e a fúria punitiva da comunicação social. Pinheiros chamuscados ao serviço do lindo ideal do mercado libérrimo e sua mão invisível, não. Caguemos nisso.

– O aproveitamento político dos incêndios por parte da direita portuguesa, grupo onde se destaca o Presidente da República pelo cinismo e violência com que explorou a situação, não irá queimar ninguém. O espectáculo de miséria moral de vermos os mortos a serem usados como carne para canhão ficará como sedimento no espaço público e na comunidade.

A imagem acima tornou-se no ícone mundial dos últimos incêndios em Portugal. Serviu para ilustrar incontáveis catilinárias sobre a fragilidade e falência do Estado, sobre a incompetência e irresponsabilidade dos governantes, sobre tudo e mais alguma coisa passível de ser usada como bode expiatório e alvo para o ódio e soberba dos publicistas. Agora, caso se confirmem os indícios em investigação na Judiciária, de que a TVI faz um resumo e quiçá complementa, ficamos com uma pergunta para fazer a Marcelo: “Já percebeste o que aconteceu em Portugal a 17 de Outubro de 2017?”

18 thoughts on “Marcelo, que tal pedires desculpa ao Governo?”

  1. Já percebeste o que aconteceu em Portugal a 17 de Outubro de 2017?”

    Não! Claro que não percebeu. O homem só percebe de queimar o Costa e de dizer que se o país está melhor também se deve ao P. Coelho…
    Como diz o alentejano: Porra!

  2. Como esta investigação vai de encontro às conclusões da comissão independente, pelo menos, na causa principal, vai. Recordo-me bem da acção desses falsos políticos, e do populista presidente da República, da fúria com que pediram um relatório técnico, pensando que traria sagacidade “independente”.
    Claro que convém esperar pela investigação do Ministério Público.

  3. Valupi, em relação ao Sócrates, deixa-me por favor dizer isto, que está pensado na minha cabeça. A única coisa que conseguem provar, esses odiosos, é o que não consiste em crime: compra, por parte de um amigo, uma quantidade de livros que resulta numa reedição. Isso, não é crime. Poder-se-á dizer que é um defeito humano, a vaidade (aceito). Mas crime, não o é. Eles gostavam que fosse (porque é a única certeza que têm), mas não é. Lembro-me bem do ódio esbatido no discurso do Lobo Xavier, que até intimidou o Jorge Coelho, atacando-o por isso. Que traste advogado.

  4. A MERDA dos Governantes, não põem as judiciárias em campo, antes de as televisões aparecerem, Porquê?

    Merda de ministros!

  5. O Lobo Xavier que é mais um dos mão hipócrita bate no peito de diabo disfarçado de crente a Deus.
    Devia ter vergonha do modo como se expressa.
    O descontrolo rosnante é uma evidência doentia.
    Em tempos parecia normal, agora esquece a profissão que tem e rebola-se no ódio a José Sócrates.
    A sonae esmaga produtores, devia ter vergonha de o ter no seu pay roll .
    Esta gente é repugnante.
    O marcelo é kitsh e lambuzento de velhinhas carentes.

  6. Lucas, 4U.

    _____

    Um país de dimensões continentais que vive aos soluços. Aos empurrões de quem é o preso do dia e quem é o absolvido da hora. Pela primeira vez, um Presidente da República está encarcerado e a maior parte da população assobia para o lado. Quando o mundo pensou que o Brasil ia parar, os brasileiros continuaram a caminhar.

    No Expresso, online.

  7. Eric, sim, os brasileiros continuam a querer eleger Lula presidente. Não é com um massacre mediático e judicial que o conseguem travar. Nem sequer com a prisão. E ainda sobra um feixe de luz para iluminar a cara dos corruptores da democracia espalhados pelos jornais deste lado do Atlantico.

  8. ” … sobre a fragilidade e falência do Estado, sobre a incompetência e irresponsabilidade dos governantes, ”

    Aqui concordo inteiramente com VALUPI.
    Temos um Estado fraco, infelizmente. Aqueles que o representam, uns não devem ter a percepção de qual é o seu papel na sociedade, outros seduzem-se facilmente com “papel”.

    “Marcelo, que tal pedires desculpa ao Governo?”
    Não há razão para tal. A não ser pelo excesso de exposição.

  9. Claramente, para mim, um comentador de televisão não deve chegar a Presidente da República.
    Mas a maioria considerou que sim.
    (Populismo à portuguesa. Antes assim.)

  10. Não sei se “um comentador de televisão não deve chegar a Presidente da República”. Afinal, somos todos iguais perante a lei e a constituição, que não contempla esta condição para ser eligivel.

    Em contrapartida, posso obviamente concordar com o seguinte : um Presidente da Republica, uma vez eleito, deve abster-se de se comportar como um comentador de televisão.

    Boas

  11. nem a PR nem a PM… o rangel não nos vendeu o santana e o sócrates assim , com cadeiras do poder e mais umas tretas televisivas? foi , foi.
    o programa fala em indícios , cadé as provas ? ou provas é só se for o zézito?

  12. nada como ir ver o que dizem os especialistas da utad e assim da reportagenm da tvi . Marcelo , não te precipites!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *