Mapa do esgoto

É mais uma tentativa desesperada de ganhar o jogo na secretaria, tentando aproveitar a onda de indignação seletiva criada pela entrevista de Carlos Alexandre. Sócrates quer evitar o julgamento, que se conheçam as provas, quer obter uma mudança de magistrados que significaria a morte do processo.

Por isso o importante é sublinhar o cuidado com que a procuradora-geral da República está a tratar o caso. Alargou o prazo de forma justificada, sublinhou que há mais indícios de favor em novas áreas de negócios e que a investigação não está parada. É no processo que tudo se joga e não na arena mediática onde pululam os amigos de Sócrates.

Caluniador pago pelo CM – 15 de Setembro

Sócrates dá entrevistas e escreve depoimentos a queixar-se de que o Ministério Público primeiro andava a investigar o favorecimento do grupo Lena, depois o empreendimento de Vale do Lobo e que agora já está na PT. Que é como quem diz: o Ministério Público não encontrou nada e anda desesperado à pesca de qualquer coisa. Estranhamente, ou talvez não, nem José Sócrates nem os seus muitos amigos que continuam espalhados pela política, pelas empresas e pelos jornais admitem a hipótese de não ser “isto ou aquilo”, mas sim de ser “isto e aquilo”. Não se tratam de conjuções alternativas, mas de conjunções copulativas: é o grupo Lena, é Vale do Lobo e é a PT. Como antigamente era a Cova da Beira, era o Freeport e era o Face Oculta.

Caluniador pago pelo Público – 17 de Setembro

__

Estas duas vedetas da indústria da calúnia declaram em jornais que conhecem o suficiente de um processo judicial ainda em investigação – portanto, que poderá até nem sequer originar acusação, ou cuja eventual acusação é neste momento impossível de antecipar quanto ao seu conteúdo – para poderem concluir, sem qualquer dúvida, que um determinado arguido é culpado de certos crimes. Como elas não apresentam provas da acusação que fazem, nem nos dizem que já as encontraram mas que foram a correr entregá-las às autoridades e por isso não podem falar delas por enquanto, a táctica comunicacional a que recorrem implica estarmos perante um típico argumento de autoridade. Estes dois caluniadores justificam a validade das suas calúnias por as verterem em órgãos de comunicação social de grande poder e pela intensidade da sua convicção subjectiva – isto é, e neste caso, do seu ódio.

É o ódio e a prepotência que fazem com que não suportem o confronto com qualquer posição que se contraponha ou meramente questione o seu exercício calunioso. Basta aparecer alguém a defender os conceitos basilares de um Estado de direito democrático no que ao direito penal diga respeito – invocando a presunção de inocência, a lealdade processual, a isenção e imparcialidade do juiz, o respeito pelos prazos e um longo etecétera – para que, acto contínuo, os profissionais da calúnia reajam e carimbem esses cidadãos como aliados do alvo que violentam caluniosamente. Isto é, serão “amigos” do tal. “Amigos de Sócrates”, ou seja, cúmplices dos crimes que os caluniadores profissionais exploram como material da sua actividade na indústria da calúnia. Porque é de uma indústria que estamos a falar, como os números mostram.

O caluniador pago pelo Público, exibindo-se em crescente afronta moral e cívica, chega ao ponto de afirmar que “há muito que dezenas de políticos estariam presos” não fora as leis contra a corrupção estarem feitas de propósito para que nunca se apanhe algum. Desconfio que nem nos seus pesadelos mais tenebrosos o Vicente Jorge Silva alguma vez imaginou que o jornal que estava a fundar viria a dar palco a tamanha degradação do que é a missão de informar e formar o público.

5 thoughts on “Mapa do esgoto”

  1. O Sócrates é pelo menos duas vezes culpado. Primeiro, de se tentar defender de procedimentos clarissimamente ilegais, prepotentes e impunes, mas servidos de boa fé por um juiz pobrezinho que tem de fazer horas extraordinárias para atingir os seus modestos 8000 por mês e sabe tudo sobre todos, mas felizmente só actua a favor do Bem contra os maus (é a esse nível do direito criminal), e sobretudo contra os ricaços que lhe cortaram os suplementos de ordenado. E segundo, de uma acusação fantasma que ninguém conhece, e com toda a probabilidade jamais virá a conhecer, a não ser através da sucessão diária de aparições ectoplásmicas, todos os dias recicladas e recombinadas pelos mesmos transes mediúnico-mediáticos.

    Para se ser mais culpado do que o Sócrates era preciso nascer duas vezes, mas quando será que os curiosos se começam a debruçar sobre os outros processos a cargo deste juiz?

  2. Nenhuma Justiça que se preze vai sem nadinha mas com câmaras de televisão a um aeroporto deter um ex-PM! Acabadinho de chegar, com morada certa e agenda pública. Muito menos a prisão preventiva! E passado dois anos nadinha de nada! Nem coca nos bolsos no aeroporto nem uma trafulhicezinha qualquer na compra da casa da mãmã. Nadinha de nada!

    E numa semana em que também voltamos a ouvir falar da inventona das escutas é só a mim que cheira ao mesmo?

    P.S. Quanto ao Juiz há muito tempo que perdeu a noção da profissão. Se é que alguma vez a teve. Desta vez só o tornou público. E o mais grave neste esgoto a céu aberto desde a noite de 21/11/2014 é nada nem ninguém da parte do Estado agir em conformidade com era expectável num verdadeiro Estado de Direito Democrático.

  3. Isto já não mete só medo isto já é terror absoluto.

    Cada pedaço de fala cada pedaço de prosa do tal juiz dito dos direitos e liberdades dos cidadãos é comentado em tudo quanto é tv e jornal com mais excertos de calúnias de indícios que cada vez mais gente entende que são forjados por repetidos até à exaustão.

    O que voltaram a apontar como declarações das testemunhas são o repisar duma acusação que repete indícios já desmontados há meses atrás.
    Quem não está atento a este medonho processo pensa que são novos indícios quando são repetições sem conta do já averiguado para que o julgamento na praça pública se consolide.

    E tem José Sócrates toda a razão.
    A conversa do juiz e seu sindicato fictício só prova que, chegados ao fim do labirinto de mentiras querem fazer acusação através de tvs e jornais que servem instituições que, em roda livre, ameaçam o país de se tornar incontrolável.
    Medonho e aterrorizante.

    Imaginem que o sonho do juiz de ir para o sis se concretizava.
    O tempo da pide pareceria coisa de nada.

  4. O juiz vai é para a pira mediática, aliás já lá está, e por actos próprios. Ou também foi um primo do Sócrates quem obrigou o juiz a dar a entrevista? Ou o Carlos Santos Silva quem lhe pagou para ele dar a entrevista ?
    O Manholas vai ser a perdição do procurador e da patroa-mor. Fixem bem o que vos digo! Fica a faltar o Inspector Tributário, mas vai tentar passar por homem invisível, caladinho quem nem um rato.

  5. Um dos pensamentos dos caluniadores é este:

    ” Uma coisa são os factos e outra é conseguir prová-los, demora mais tempo , especial complexidade”.

    Outro pensamento, este o mais sofistico e cínico porque de fácil acesso é:

    “Quem não deve não teme”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.