26 thoughts on “Lapidar”

  1. Os inocentes não estão 11 anos vítimas de um labéu, os culpados é que não se importam de esperar 11 anos por uma prescrição. Ou não fossem os escritórios de advogados os mesmos que fazem as leis.

  2. E ainda dizem que a política não comanda a coisa? Ora bolas!
    Rui Rio pode até ter estilo meio bronco, mas parvo não é ele.

  3. Yah, só tu, mesmo…

    E que tal o Ministério Público a queixar-se que isto da extradição do Rendeiro vai ser complicado porque não têm tradutores para comunicar com o governo sul africano.
    Porquê? Acham que eles falam que língua? Zulu, porque são pretos?
    Estes filhos da puta dos procuradores não sabem inglês? Estão a gozar com a nossa cara?
    Não tens nada a dizer, ó tu mesmo? Ou só és criativo com os xuxas?
    ‘Tou-me a cagar que sejas um direitangas de merda. Agora, controla um pouco ( a inerente) desonestidade intelectual.
    Só te acompanho nas merdas do covides, embora ache que andas a trair os teus que são quem mais lucra com a palhaçada, ao contrário do que apregoas.
    Quanto ao idiota do Rio:
    É tão burro que revela a estratégia deles (coadjuvada pelos mérdia) quando se incomoda com a publicidade que o gajo da PJ fez da pseudo detenção do Rendeiro. Nem percebeu que só se estavam a limpar da descarada oportunidade de fuga que concederam ao dito. Não fosse a coisa dar bandeira, quando o MP começasse a cair em cima dos xuxas.

  4. Realmente há uma diferença lapidar nos comentários.
    Os normais criticam as ideias, os anormais criticam as pessoas.

  5. Pois… pensarão que terão que fazer a tradução para afrikander… ou Xosa, sei lá. Assim não será fácil arranjar tradutores.
    Afinal a Africa do Sul tem 11 línguas oficiais. Se traduzem para inglês arriscam-se a traduzir para a língua errada, logo terão que ter mais tempo para escolher a língua certa…

  6. deixa estar , Eu mesmo , claro que o labirinto legal que permite as prescrição foi ideado pelos criminosos -:) , por quem mais? por mim na foi.

  7. Para os unicórnios deste espaço:
    Daniel Oliveira
    “Mas num país em que Manuel Pinho, que vai pelo seu pé a um interrogatório, é detido para não fugir ou não destruir prova – há alguma prova intacta que ainda não tenha sido recolhida – ao fim de nove anos de investigação enquanto um condenado que gritava que ia fugir foi deixado com passaporte, talvez o pijama seja um pormenor. Quando, ao fim de 11 anos de investigação das PPP, há quem fique sob eterna suspeita por prescrição, talvez tenhamos que concluir que para a Justiça garantir a dignidade dos cidadãos tem de começar por tratar da sua”

  8. ah , boa ideia , jp , começa lá a pensar como resolves o assunto :
    contratas mais 2 ou 3 mil funcionários para a Justiça , para poder acelerar as cenas e contratas mais um empréstimo a 1000 anos para lhes pagar ?
    anulas todos ou quase todos os passos legais que permitem a prescrição e depois vais fazer manifestações a gritar que as garantias dos arguidos bla ba bla estado de direito?
    aumentas o horário de trabalho dos da justiça para 50 horas semanais e arriscas ser linchado pelos do berloque?

    pronto , vai lá pensando que também tens obrigação de contribuir para solução.
    esta visão de metade dos tugas trabalharem na saúde e cuidados pessoais( tanto velho e doente) e a outra metade na justiça ( tanta prevaricação , dividas e tralha familiar ) é surreal , mas muito progressista . Viva a ciência !!!

  9. foda-se nunca desiludes, yo, “ao fim de NOVE ANOS”, qual destas palavras não entendes?

    Falta de pessoal o caralhinho, diz antes falta de provas, já que de indícios e de fé anda o Min. publico cheio.

    “pronto , vai lá pensando que também tens obrigação de contribuir para solução”

    Tens uma moral do caralho para escrever isto, tu que dás sempre grandes contributos para a solução dos problemas, tais como negar a pandemia, que praticamente resolvia logo esta paranoia generalizada.

  10. A idYOta está toda assanhada porque andam a perseguir novamente os seus ódiozinhos de estimação e revela-se em todo o seu esplendor.

    Pois, ó idYOta, eu posso avançar outras sugestões:
    Porque não apertar com os juízes para os pôr a cumprir escrupulosamente os horários e calendários que eles próprios estabelecem?
    Em todas as profissões se pode alegar falta de recursos. Qualquer empregado prefere fazer o mínimo e, se possível, com a ajuda de um assistente. Alguém verificou se se confirmam verdadeiramente essas lacunas?
    Como a falta de tradutores no MP, não é? No meio daquelas sumidades não há quem possa comunicar em inglês?
    E que tal escrutinar os agentes da PJ, juízes e procuradores por indícios de corrupção ou conflitos de interesses? Quem é que o faz? Ah, pois é, são os agentes da PJ, os juízes e procuradores. Não admira que o mafarrico Sócras, o que lhes fodeu as férias e mordomias, esteja entalado há anos.

    A idYOta rebela-se contra o “polvo” que nos subjuga com a covidagem global, mas no que toca à justiça, ’tá-se bem porque aperta com os xuxas.
    Cheira a Chegacionista.
    Eu até posso discutir e criticar as razões da subserviência e sujeição do governo perante a pressão global. Agora, sejamos um poucochinho mais coerentes, não?

  11. mas qual pandemia , tens de esclarecer…se te referes à disseminação de um vírus altamente benigno , que afecta unicamente ( estatísticas gerais) uma ínfima parte da população , nomeadamente idosos com várias patologias e outros doentes com alguma gravidade , pois , não, não nego. agora , claro que me recuso a entrar na paranóia alimentada pelos donos dos mérdia de que estamos perante uma doença perigosa para todo mundo e que devemos todos injectar-nos , repetidas vezes , a fim de alcançarmos a eternidade na Terra. para esse peditório dos ogres ávidos de dinheiro , não dou.

  12. Ping back para a Yo

    “pronto , vai lá pensando que também tens obrigação de contribuir para solução.”

    “se te referes à disseminação de um vírus altamente benigno”
    Vai com esse discurso de merda para quem perdeu alguém, sem patologias graves, infectado com o Covid, e não te admires que leves nas trombas.

  13. Ó jp deves estar a referir-te aos que morreram depois de levar a vacina, não?
    E a miocardite nos putos, não conta?
    Vê lá tu que a variante foi descoberta na África do Sul e o que lhes valeu foram as vacinas, se não fosse isso já tinham morrido todos.
    Ó jp, vai dar banho ao cão.

  14. Ó yo os gajos já se estão a preparar para a quarta dose. Uma coisa é certa, o vírus pode não morrer da vacina, mas vai morrer afogado de certeza.

  15. pois e , já vão na 4^. suponho que querem ganhar a garrafa de moet chandon que a pfizer oferece quando preencherem o cartão das 10 picas -:)

    ( e não se interrogam , sequer? , jasus , os que acreditavam serem os trovões sinais da Ira de Deus deviam ter uma fé parecida)

  16. A paranoica anti-vacinal yo vai ruminando a lenga-lenga do seu catastrofismo anti-ciência, que, no fundo, não passa de androfobia genérica. Não surpreende: enquanto matrafona sexualmente disfuncional, atormentam-na as pulsões contraditórias que nascem da ambivalência da sua relação com a masculinidade, política, social e culturalmente dominante: tanto sente atração pelo falo totémico como repulsa da cópula.
    Quanto ao “eu mesmo”, nada há a acrescentar. Tendo ele dito que era um merdas, disse tudo. E disse bem.

  17. Ó constipado já fizeste a marcação para a quarta dose? Tens de te apressar, olha que a lista já está quase cheia de totós.

  18. esse constipado é discípulo de Freud , Eu mesmo , vê falos em todo o lado , até nas seringas , por isso é que vai a correr levar as vacinas. -:)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.