Lá te safaste, Mozos

O documentário Ruínas, de Manuel Mozos, é um exercício que tem tanto de original como de pedante e preguiçoso. Gostei de ver, mas não gostei do que vi.

No entanto, o Mozos fez-me seu eterno fã ao ter filmado um local que descobri há dois anos, num acaso planeado, e que me ficou como uma experiência de cinema subjectivo: Porto das Barcas. É um sítio mágico, irreal na sua actual decadência, e estas fotos não vão conseguir reproduzir pintelho do que evoco: A, B, C.

Vai lá. Ao documentário e a este pedaço de Portugal onde apetece fazer filmes e filhos. Ou, pelo menos, tentar.

7 thoughts on “Lá te safaste, Mozos”

  1. Queres ver que lá tenho de ir ver o documentário? Estive aí há pouco mais de um mês. e senti a magia…Aquelas ruínas quase não nos deixam ver mais nada, só sentir…

  2. No programa dos Enontros de Meda Trancoso e Foz Coa escreve-se Mozos e não Mouzos. Qual é o correcto???

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.