Lá se safaram, lampiões

Todos os treinadores que já tomaram a decisão, algures na sua carreira, de substituir o Vukcevic deviam ser julgados em tribunais populares e esses crimes nunca prescreverem. Teriam de justificar as decisões e explicar o bonito resultado da merda que fizeram sob pena de serem obrigados a decorar os discursos completos de José Eduardo Bettencourt. Espero que o montenegrino saia do clube quanto antes, já que ninguém vê o óbvio: ele é o jogador com mais fome de golo na equipa. Devia estar em frente da baliza a receber bolas, tamanha a sua facilidade em criar jogadas de perigo, em vez disso é posto a correr de um lado para o outro na lateral sem equipa que o acompanhe na raça.

Quanto ao resto, foi bonita a festa, pá. Fiz as pazes com o Postiga e o Benfica mereceu a sorte do jogo pelo balanço de vitórias consecutivas que vai somando. É que é só isto que se pede a um treinador, que tenha sorte. Não foi outra coisa que há dias o Mourinho reconheceu ao dizer que Deus gostava dele.

15 thoughts on “Lá se safaram, lampiões”

  1. Melindrará tanto chamar aos benfiquistas ‘lampiões’ como provavelmente incomodará o Val(tudo) chamarem-lhe ‘cara de cu’

  2. @Dylan: queres mesmo falar de bolas nos ferros, com sportinguistas, durante esta temporada? Vamos lá a ver se “a gente” se chateia…

    @Val: continuas a achar que era o Paulo Sérgio (e o Costinha; e o Bettencourt) que tinha “pé frio”, era “azarado” e sei lá mais o quê?

  3. de Lírio, bem observado.
    __

    Dylan, verdade.
    __

    Marco, como tu próprio vens lembrando, claro que sim. Vê lá o percurso desses três no Sporting, completamente desgraçado. A forma como abandonaram o clube, de resto, espelha bem o seu nível.

  4. Os árbitros são sempre influentes e muitas vezes decisivos. O de ontem também. Por causa dele estive uma vez de acordo com Pinto da Costa a propósito de uma grande penalidade que ele viu mas não marcou do Simão Sabrosa sobre o Miguel Garcia num SCP-SLB de má memória. Começou a correr para longe…Ofereci o jornal com essa entrevista à D. Albertina Garcia. Ontem amarelou os defesas leoninos logo nos primeiros 30 minutos, poupou os amarelos a Coentrão e Garcia, viu penalty quando o mesmo Garcia caiu sobre Polga. Aliás o jogo do Algarve com Lucilio Baptista foi tirado a papel químico. É sempre o mesmo filme. Todos nascemos benfiquistas mas depois uns crescem e outros não.

  5. JCF, diz ele, nasceu benfiquista, depois cresceu e tornou-se sportinguista. Estou mesmo a vê-lo, ao espelho, muito crescido, a sorrir com ar de palerma satisfeito pela nova cor que escolheu, que lhe fica tão bem com o tom da pele. Ó homem, candidate-se à chefia do seu clube que bem precisa de homens crescidos como o senhor pensa que é.

  6. Reconheço que o Benfica teve mais sorte que o Sporting, mas é incontestável que fez bem mais por isso. Se o Benfica tivesse perdido, eu podia sentir-me triste, mas nunca envergonhado. Nenhum clube se pode sentir envergonhado por perder com o Sporting, muito menos o Benfica, e vice versa.

  7. Com uma gravata daquelas qualquer gajo caía em cima do Polga.

    O Benfica foi feliz? Não, não foi. Foi profundamente infeliz, apanhou o melhor Sporting da época, o Roberto dá um frango, envia uma bola à trave, e ainda levou com esse portento do futebol, o Vukcevic.

    Se quiserem ir pelo árbitro, como o patareco do Couceiro, força! Também consigo arranjar uns argumentos do mesmo nível.

  8. Pois é senhor Bagonha – o jogo é o mesmo mas o olhar é diferente. Todos nascemos benfiquistas mas depois alguns crescem. É essa a diferença. Aqueles amarelos logo de entrada para intimidar os defesas do SCP e os «não amarelos» para Coentrão e Garcia para os animar fizeram toda a diferença. O penalty inventado completou o rol. Este árbitro fugiu a correr de um penalty cometido pelo Simão Sabrosa sobre o Miguel Garcia em Alvalade. Eu sei, eu vi, eu estava lá.

  9. Crescido como pensa que é, então não havia de ver? Ó homem, não se acanhe, candidate-se. Com o seu tamanho, vai ver consegue. O Sporting bem necessita de tamanhões como você.

  10. Caro JCF

    Lembro-me bem deste árbitro e desse penalty evidente do Simão sobre o Miguel Garcia que, na altura, nos poderia ter dado o empate num jogo que viríamos a perder por 2-0. Nesse campeonato, lembro-me também do sorriso do “amigo” João Ferreira e do célebre golo com a mão do Ronny num jogo que perdemos por 1-0 com o Paços. Lembro-me igualmente de pelo menos um penalty não assinalado por Pedro Henriques contra o Benfica na penúltima jornada desse mesmo campeonato, num lance muito mais evidente que o ontem marcado ao Polga (curiosamente, um dos lances até é num canto e sobre o Polga…). Tudo isso e mais alguma coisa, num campeonato que perdemos por apenas um ponto.

    Os árbitros não explicam toda a muita incompetência da dirigentes, técnicos e jogadores que passaram ou ainda estão em Alvalade, mas, em certos momentos, foram decisivos para não termos sido mais duas ou três vezes campeões só na última década. Aliás, não é mera coincidência que nas últimas três décadas o Sporting apenas tenha sido campeão naquelas em que vigorou um sorteio mais ou menos puro dos árbitros. Ainda assim, como podem ler no http://levezaliedson.blogspot.com/, continuo a acreditar que existem em Portugal árbitros honestos…

    Saudações leoninas,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.