João Oliveira não lê o “Avante!”

«Nós estamos muito confortáveis com aquilo que a Constituição prevê de uma economia mista.»

«Nos últimos 20 anos, não tivemos nenhuns anos de crescimento económico como os anos entre 2015 a 2019. Nos últimos 20 anos nunca houve crescimento económico como houve naqueles anos!»

João Oliveira

Quem tenha alguma vez lido o Avante!, uma só vez que seja, fica com a informação de ser o PCP um partido que se especializou na defesa dos “interesses” dos “trabalhadores” e do “povo”. De que interesses se fala, que tipo de trabalhadores são estes e quem faz parte do povo, essas são questões que uma singular leitura deste hebdomadário igualmente fornece sem carência de mais fontes: os interesses dizem respeito ao aumento da quantidade e qualidade de serviços públicos gratuitos e ao aumento das remunerações para os trabalhadores que recebam o salário mínimo ou lá perto (e ainda para os trabalhadores que pertençam a sindicatos ligados ao PCP, ganhem quanto ganharem), tudo embrulhado no aumento das pensões e subsídios, de forma a que esta riqueza despejada na base da pirâmide económica (pobres em baixo, ricos em cima) consiga acabar com a “desigualdade” (leia-se, acabar com os tais ricos e similares). Se tal ambição fosse alcançada, no dia seguinte o PCP fecharia as portas na Soeiro Pereira Gomes e começaria a reconverter o Centro de Trabalho Vitória num hotel para os tais trabalhadores e o tal povo, finalmente em condições de desfrutarem das comodidades burguesas.

Ora, o João Oliveira apareceu frente a Rui Rio com uma boa nova de fazer tremer os pilares do templo. Essa de um comunista estar muito confortável com o conceito de “economia mista” equivale a um crente em Deus estar muito confortável com o ateísmo. É que a passagem da Constituição a que alude, o Artigo 80.º, reza assim: “Liberdade de iniciativa e de organização empresarial no âmbito de uma economia mista.” Implica este princípio fundamental da organização económica do nosso regime que os cidadãos têm direito a não quererem ser “trabalhadores” e preferirem ser “empresários”. E que se forem empresários, então terão o direito de agir dentro da legalidade constitucional como empresários, situação que suscita variegados comportamentos inerentes à lógica de se ser empresário e não trabalhador. Por exemplo, é suposto que o empresário consiga pagar salários caso ache boa ideia ter trabalhadores ao serviço da sua empresa. Para o conseguir, tem de ter a arte e o engenho de ir buscar esse dinheiro à riqueza própria e/ou ao mercado onde vende qualquer coisa. Não custa muito a perceber, mesmo para marxistas ferrenhos, que as preocupações, os “interesses”, diferem substantivamente entre quem for trabalhador e quem for empresário. E este diferendo só tem uma forma de ser anulado: acabar de vez com o capitalismo.

Pois no Avante! não há simpatias para os empresários. Precisamente ao contrário, existe racismo contra esse outro “povo”, o povo que procura o “lucro”, pois o lucro é sempre imoral quando nasce das “mais-valias” e elas não acabam no bolso dos “trabalhadores”. Esta é uma evidência em tudo o que seja discurso do PCP, daí ser com espanto que ouvi João Oliveira a declarar-se muito confortável com o capitalismo – posto que só no capitalismo, exclusivamente no capitalismo, podemos ter modelos de economia mista. E se tal configuração da economia nacional o deixa confortável, alguém devia perguntar a este senhor como é que a bota diz com a perdigota. Podiam começar pelo salário mínimo, o qual o PCP queria ver nos 850 euros em 2022, e deixar esta interrogação: “Porquê só 850 euros? Porque não 3000, ou que fossem 1600?”. A partir da resposta, que não imagino qual seja, podia-se prosseguir no inquérito acerca da relação dos comunistas com a realidade, guiados por essa curiosidade de saber se o PCP admite que os empresários tenham problemas para pagar salários ou se acham que estamos perante uma corja de ladrões que um dia, num amanhã que não será já para amanhã, levarão com uma nacionalização em cima.

O indisfarçável orgulho com que o João Oliveira reclamou a sua parte no crescimento económico entre 2015 e 2019 ilumina o paradoxo de se querer integrar uma economia capitalista como comunista. Calhando a CDU ter obtido a maioria absoluta em 2015, e assim podendo governar sem qualquer entrave dos aliados e títeres do grande capital, era inevitável que o período económico dos 4 anos seguintes fosse um dos piores dos últimos 40 anos. O grau de instabilidade e disfunção institucional de um país integrante da União Europeia e da NATO que passasse a ter um Governo que considerasse essas entidades como inimigas é algo que nem um supercomputador consegue calcular. Donde, das duas uma: ou o PCP, afinal, é só comunista para manutenção do negócio eleitoral ou o PCP é veramente comunista e o João Oliveira tem de passar a ler o Avante!.

17 thoughts on “João Oliveira não lê o “Avante!””

  1. só amanhã consigo pensar nisto. mas estou-me a rir de mim forte e feio porque, desconhecendo até agora o significado da palavra, nem conto a malandrice em que pensei, levo hebdomadário.

  2. ou utilizando termos mais técnicos, o valupi deu tilt.
    essa explicação do funcionamento do capitalismo numa perspectiva marxista foi qualquer coisa, meu.
    manda vir mais uma, pago eu!

  3. estava mortinha para aqui chegar e reler e dizer
    quem não se enamorar todos os dias por ti
    nunca leu um avante assi
    !ai! de mi
    ótrilaré, ótrilaró
    fá cóceguinhas de sol e riso
    aqui si dó

  4. Ficamos a saber que para o Valupi, capitalismo é termos empresários e comunismo é só existir propriedade pública. Se não viesse de quem vem, seria uma manifestação de ignorância política atroz, assim, revela apenas desonestidade e sectarismo.

  5. Ds, por boa prática e cuidado não costumo discutir com bêbedos – antes lhes ofereço um muro alto onde se possam encostar. porque se não consegue ler na simplificação do texto, simplificação dos exploradores e dos explorados, nenhum comunista morre sem a certeza de que esta simplificação é a sua eterna e irónica realidade, a dose certa de que na Cidade e ao serviço da Cidade não podemos vestir a roupagem que oportunamente nos convém, não vai avante. simplificando-o, naquilo que acabou de escrever, é um mero porco a querer ensinar Minerva. mas se quiser que eu complique, digo-lhe o mesmo em latim.

  6. Olinda, se não tem por hábito discutir com bêbados, mas ainda assim discute, e isso a incomoda o suficiente para sentir a necessidade de o verbalizar, comece por não falar sozinha. Pode encostar-se a um cacto se esse exercício de masoquismo a ajudar a manter a disciplina.

  7. Ds, não discuto, eu ponho os bêbedos no sítio e depois os bêbedos ficam a imaginar cactos no muro. a dobrar. !ai! que riso

  8. Se o Oliveira lê o “Avante ” ou não, parece-me ocioso.
    Fundamental será lembrar o que Álvaro Cunhal afirmou nas eleições para a presidência da República que opunham Mario Soares a Freitas do Amaral.
    Os exegetas de agora e os maldizentes diários que parecem lucrar com a divisão melhor fariam em estudar História.
    Não há pachorra para paleios frequentados.

  9. “quem quer uma maioria absoluta talvez devesse começar por não desmerecer a única que o Partido Socialista teve na sua história”, diz Sócrates!

  10. Olinda, que não discute já eu percebi, se não teria utilizado argumentos em vez de insultos. Parece que já se esqueceu das boas maneiras. É uma daquelas pessoas que vestem a roupagem que mais oportunamente lhe convém, suponho.

  11. “quem quer uma maioria absoluta talvez devesse começar por não desmerecer a única que o Partido Socialista teve na sua história.”

    Questão resolvida: quem pedia uma maioria absoluta, deixou de pedi-la.

  12. ora é precisamente o contrário, DS: eu usei um argumento para o calar do insulto apopléctico que proferiu sobre desonestidade e sectarismo. é que quem não se sente não é filha de boa gente. e depois, caracterizar alguém como bêbedo acaba por ser uma boutade, uma boutade de quem – e não para quem – caracteriza, obviamente.

    por falar nisso: largue o bagaço. !ai! que riso

  13. A bêbada alarve hoje não cala a sua boca putrefacta, refugiando-se na risada boçal para esconder o mau hálito das suas costumeiras bacuradas vácuas. A porca rabeia, rabeia, transvestindo argumentos em insultos, na sua galopante mesquinhez querendo a todos fazer passar por eunucos, galdéria….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.